Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Três clubes estão devidamente licenciados para o Moçambola 2019

cf vs cs.jpg

 

Quando estamos a sensivelmente 10 dias do apito inicial do Moçambola 2019, e com a questão de licenciamento de clubes na mesa, apenas três dos 16 já tem a sua situação regularizada. Trata-se do Ferroviário e Liga Desportiva, ambos de Maputo, e Ferroviário da Beira, que cumpriram com os cinco critérios de licenciamento e que já tem a licença definitiva para a época futebolista do presente ano.

Para além dos três clubes já licenciados, outros 11 clubes, nomeadamente Maxaquene, Desportivo de Maputo, Costa do Sol, Textafrica do Chimoio, Desportivo de Nacala, Ferroviário de Nacala, Ferroviário de Nampula, Clube de Chibuto, ENH de Vilankulos, Baía de Pemba FC e União Desportiva do Songo, aderiram ao sistema de licenciamento, mas ainda não cumpriram com os cinco critérios exigidos, pelo que a Comissão de Licenciamento de Clubes decidiu não atribuir qualquer licença aos mesmos.

A Federação Moçambicana de Futebol reiterou que somente clubes licenciados vão disputar o principal campeonato nacional de futebol, bem como a segunda divisão. António Caetano, vice-presidente da Federação Moçambicana de Futebol, disse, sábado último, durante a Assembleia Geral extraordinária da Liga Moçambicana de Futebol, que a lei é clara e que a instituição que gere o futebol moçambicano já emitiu um comunicado a exigir o licenciamento dos clubes e que “é de caráter obrigatório” o cumprimento da regra.

Entretanto, os clubes dizem que o processo não devia ser obrigatório devido a sua complexidade. O representante do Incomáti de Xinavane nessa Assembleia Geral da LMF, João Figueiredo, disse que apesar de concordar com o licenciamento, o mesmo não devia ser obrigatório para provas internas. Figueiredo diz que o processo devia ser facultativo, “correndo-se o risco de termos apenas três clubes a disputarem o Moçambola 2019”.

Já Adelino Chirindza, representante do Desportiva de Maputo, também assume as dificuldades que os clubes tem em cumprir com a regra de licenciamento de clubes, mas também concorda com o mesmo. Assegura que ao nível do seu clube, tudo está a ser feito no sentido de que até ao início do Moçambola 2019 já tenham a situação regularizada.

Para já, o Incomáti de Xinavane e o Têxtil do Púnguè são os únicos clubes do Moçambola que não aderiram ao sistema de licenciamento, estando sujeitos a acção disciplinar a ser aplicada pela Federação Moçambicana de Futebol. Caso a Federação Moçambicana de Futebol seja rigorosa no cumprimento das regras, o Moçambola 2019 poderá ser disputado por apenas três clubes.

Entretanto, a Comissão de Licenciamento de Clubes previa ter realizado nova sessão de análise dos processos antes da Assembleia Geral extraordinária da Liga Moçambicana de Futebol, não se sabendo até aqui se os clubes conseguiram cumprir com os critérios exigidos, depois do comunicado saído a público no passado dia 3 de Abril, referente aos resultados da primeira sessão realizada a 29 de Março do ano corrente.

 

Fonte:Opais