Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

19.Mar.18

Serviços mínimos irritam Santos

 

O Ferroviário de Maputo derrotou o Sporting de Nampula por 3-1 em jogo da terceira jornada do Moçambola-2018. Apesar da vitória, o técnico Nélson Santos mostrou-se insatisfeito com o desempenho dos seus jogadores e já mandou recados para dentro do balneário. 

 

No final da partida o treinador do Ferroviário de Maputo, Nélson Santos, não escondeu a sua frustração pela falta de atitude dos seus jogadores, que do princípio ao fim da partida encaram o confronto sem alma, ante um Sporting de Nampula, que depois de uma preparação deficitária, não consegue explanar um jogo que possa trazer bons resultados, embora tenha que se reconhecer que nos dois jogos que defrontou teve pela frente duas das melhores equipas do país.

 

Logo cedo, a equipa de Nélson Santos mostrou-se incaracterística, jogando a passo, desinteressada e o Sporting não conseguiu aproveitar essa apatia porque não reúne argumentos para conseguir melhor do que fez, pelo menos na primeira parte, onde Nick, na frente de ataque era o único inconformado, lutando com Jeitoso e Chico, ganhando uns e outros lances, mas insuficientes para criar situações de real perigo.

 

O Ferroviário de Maputo entrava com uma equipa bastante renovada, deixando Diogo no banco e sem Simplex, Timbe, na lista dos convocados para o jogo. Kito e Loló tomavam as despesas de jogo na zona do meio-campo, sem fulgor, mas a sua maturidade foi-se impondo a medida que o jogo foi sem desenrolando.

 

Do lado do Sporting de Nampula, Danito e Paulo Boto, jogadores com um vasto curriculum, não conseguiam transmitir energia ao resto da rapaziada, que baixava as linhas em demasia, dando espaço ao adversário para fazer rolar a bola para onde queria. Foi deste modo, que tardou que o Ferroviário, numa jogada aparentemente inofensiva, chegasse ao golo inaugural, depois de Mitter cruzar para o centro da área, os defesas contrários ficaram a dormir e Mário cabeceou para o fundo das redes do desesperado Ró Machava, que nada podia fazer para deter o esférico.

 

Cinco minutos depois, Belo poderia ter feito um monumental auto-golo quando desviou de forma violenta uma tentativa de cruzamento para a área do seu guarda-redes, que já estava complemente fora da jogada.

 

Joca Estêvão/Jaime Machel

 

 

Fonte:Desafio