Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

RESTOS MORTAIS DE “JJ” VÃO HOJE A ENTERRAR: Adeus “capitão”!

 

OS restos mortais do antigo futebolista Joaquim João (“JJ”), falecido na noite da sexta-feira na cidade de Inhambane, vítima de doença, vão esta tarde (14:00 horas) a enterrar no Cemitério de Lhanguene, na capital do país.

 

As cerimónias fúnebres daquele ícone do futebol nacional serão antecedidas de velório nos Paços do Município de Maputo, nos quais o corpo do antigo “capitão” do Ferroviário de Maputo e da Selecção Nacional será colocado em câmara ardente.

 

 “Jota-Jota”, como era conhecido nos meandros desportivos, marcou uma geração no futebol nacional, tendo participado no primeiro Campeonato Africano das Nações (CAN) que decorreu no Egipto, em 1986, para além de ter feito parte da primeira Selecção pós-Independência.

 

A humildade dentro e fora do campo fez do finado um homem respeitado no desporto nacional e não só. Homem comunicativo e sempre disponível a transmitir as suas experiências aos mais novos foi dos poucos desportistas agraciados com a Medalha de Nachingweya, uma das mais prestigiadas condecorações do nosso país.

 

João Joaquim foi Deputado da Assembleia Popular, actual Assembleia da República, e membro-fundador do Conselho Nacional do Desporto (CND). Constituiu sempre um exemplo quando o tema fosse futebol, o que levou a que a sua vida e obra fossem reflectidas também em livros de ensino primário dos anos 1990. Esteve presente no Acordo de Nkomáti, em 1984, assinado pelos Governos moçambicano e sul-africano.

 

Joaquim João Fernandes, de seu nome completo, nasceu em 1952 no distrito de Mopeia, na província da Zambézia, tendo-se iniciado nas lides desportivas jogando no Ferroviário local. Em 1969 radicou-se na então cidade de Lourenço Marques, onde representou durante largos anos o Ferroviário de Maputo, e mais tarde o Maxaquene.

 

Foi 62 vezes internacional pela Selecção Nacional e esteve ligado ao futebol 42 anos ininterruptos, especificamente ao Clube Ferroviário de Moçambique, como treinador, secretário técnico ou membro das respectivas direcções.

 

O antigo capitão dos “locomotivas” de Maputo e da Selecção Nacional abraçou a carreira de técnico de futebol, tendo orientado o Ferroviário de Maputo (1986), o Ferroviário da Beira (1994-1996), a Selecção de Sub-20 (2000-2002), a Selecção de Sub-17 (2002-2004) e o Ferroviário de Inhambane (2008-2011), para além de ter sido adjunto de Viktor Bondarenko, nos “Mambas” em 2003.

 

Nos últimos tempos, “JJ” residia na cidade de Inhambane onde continuava ligado ao Ferroviário local

 

 

Fonte:Jornal Noticias