Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

O sistema usa e abusa da dignidade dos técnicos

 

Em doze jornadas, cinco técnicos já foram despedidos no Moçambola, sendo que o Chingale vai no quarto (Mussá Osman) este ano. Trata-se de Abdul Omar, Nacir Armando, António Sábado, Uzaras Mahomed e, recentemente, Sérgio Faife.

 

Artur Semedo é contra a posição tomada pelas direcções em alguns casos, mas refere que, grosso modo, os treinadores permitem que lhes firam a dignidade.

 

Sou manifestamente contra as chicotadas porque o critério que está subjacente a elas não é profundamente desportivo em muitos casos. Quando um treinador é despedido à terceira jornada, não pode ser por causa dos resultados desportivos. Normalmente, os treinadores que são destituídos gravitam à volta de um sistema que usa e abusa da sua dignidade. Esse facto acontece, na maioria das vezes, porque eles são subservientes ao tal sistema, referiu, deixando, ao mesmo tempo, alguns questionamentos. Será porque há um défice de competência que os obrigue a gravitar à volta desses interesses instalados? Como é que um futebol como o nosso, com défices organizativos e organizacionais, que agrega clubes financeiramente falidos, estruturalmente mal dimensionados, com infra-estruturas também deficitárias, com uma classe dirigente pouco apetrechada sob ponto de vista desportivo, pode despedir treinadores dessa forma?, interrogou Semedo.

 

 

 

Fonte:Desafio