Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

07.Jun.16

O QUE FOI AQUILO, SNOOP!?

snoop1.jpg

 

No segundo período, os comandados por Pita Manhanga estiveram muito bem defensivamente, evitando os triplos do seu adversário, diga-se, com bons arremessadores. Naquela fase, os “alvi-negros” concretizaram mais pontos, fruto da sua posição em campo. Para galvanizar a ascensão do Desportivo Nelson “Snoop” Jossias explodiu com um electrizante afundanço, que deixou o pavilhão eufórico. Arriscamo-nos a dizer que foi o melhor afundanço da prova.

 

Pela primeira vez, o Desportivo criava uma vantagem de quatro pontos (29-25), a três minutos e 25 segundos para o intervalo. Milagre Macome viu a sua equipa a baixar de rendimento e pediu desconto de tempo. Mas o Desportivo não abrandou, Igor Matavel arremessou um triplo, ampliando a diferença para sete pontos (32-25).

 

As mãos de Macome deixaram de ficar nos bolsos, como tem sido o seu apanágio, para roçar o queixo. Preocupação natural do técnico, que fez entrar Augusto Matos. O ex-Desportivo fez três pontos, numa jogada de dois pontos e um lançamento livre, fruto da falta que sofrera. Ainda assim, a redução foi ínfima. Os pupilos de Manhanga fizeram uma fantástica recuperação. Somaram 20 pontos no segundo período, e apenas permitiram que sofressem sete, indo ao intervalo a vencer por 37-30.

 

Se os “alvi-negros” estiveram bem no nos primeiros 20 minutos, a outra metade da partida esteve para os “locomotivas”. O terceiro período iniciou com quatro triplos para cada lado. Ubisse e Baggio, pelo Ferroviário; Stélio e Igor responderam pelo Desportivo, que tinha uma vantagem de nove pontos (49-40) depois de quatro minutos.

 

A rapaziada de Macome iniciou uma recuperação que lhe permitiu estar a um ponto (51-50) do seu adversário, a três minutos do fim do penúltimo período. Luís de Barros empatou (52-52) e ganhou uma falta, que o levou a concretizar um cesto no lançamento livre. Estava o Ferroviário novamente na frente (53-52). Igor empatou, também em lançamento livre. Mas um triplo de Ermelindo deixou o Ferroviário novamente em vantagem (56-53). Os “locomotivas” foram ao intervalo a vencer por (58-53).

 

No último período, destacou-se Elton Ubisse. O atleta entrou a marcar quatro pontos consecutivos e mostrou o caminho do título. O Desportivo parecia perdido em campo. Deixara a postura dos primeiros períodos. Teve muitas falhas de marcação e os “locomotivas” embalaram-se. A partida terminaria com uma conquista de 12 pontos (73-61) do Ferroviário. Augusto Matos, com 22 pontos, foi o melhor marcador. O atleta foi campeão contra sua antiga equipa. A vitória foi bastante festejada pelos “locomotivas” não fossem os “alvi-negros” os seus principais rivais, com quem perderam o “nacional” e o campeonato da cidade de Maputo.

 

Recorde-se que na noite anterior, a contar para o jogo 3 do “Play-off”, o Ferroviário ganhara por dois pontos (78-76), após o prolongamento. A partida esteve empatada (71-71). Os parciais foram: Ferroviário-Desportivo (19-24; 37-39; 50-53; 71-71).

 

 

Fonte:Desafio