Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

“Ntxuva” fica em Gaza “muravarava” vai a I’bane

A PROVÍNCIA de Gaza, a anfitriã do III Festival dos Jogos Tradicionais que terminaram, formalmente, ontem, na cidade de Xai-Xai, sagrou-se vencedora absoluta do torneio de “ntuxuva”, após sucesso em ambos os sexos e nas duas especialidades (individuais e duplas), mas viu o “muravarava”, outra modalidade competitiva, a ser dominado pela vizinha Inhambane.

 

 

Em masculinos, os gazenses não tiveram adversário à altura e foram com toda a naturalidade vencedores nas duas especialidades. Ramiro Mbiza ficou em primeiro lugar em individuais, relegando ao segundo, o conterrâneo, Carlos Fernando. Paulo Ubisse, da cidade de Maputo, ficou em terceiro lugar.

Em duplas, Ramiro Mbiza e Carlos Fernando (Gaza) bateram na final Rodrigues Xivanhane e André Mbeve da província de Maputo. Em terceiro lugar ficou a dupla Ernesto Ubisse e Amisse Sitoi da cidade de Maputo. Portanto, em masculinos “ntxuva” foi dominado por jogadores da zona sul.

 

 

Quanto à prova feminina, Gaza revelou-se mais forte em individuais, tendo arrebatado o título por Elsa Sitoe, que bateu na final (diga-se de passagem, muito renhida) Teresa Mabote, da cidade de Maputo, que era até então a detentora do título. Hortência Nzevo, da província de Maputo, ficou no terceiro posto.

 

 

Em duplas, a província de Nampula ficou em primeiro lugar mercê da suada vitória sobre a anfitriã Gaza. Fátima Alfredo e Ângela Salvador foram mais fortes que a dupla Gilda Mbanguine e Elsa Sitoe, de Gaza. Lisete Cossa e Teresa Mabote contentaram-se com o terceiro lugar.

 

 

I’BANE E NIASSA DIVIDEM TÍTULO EM “MURAVARAVA”

 

 

Em “muravarava”, a província de Inhambane foi a grande vencedora em masculinos. A proeza foi conseguida por Manuel Bata que no despique final, e bastante animado, bateu Orlando Tivane de Gaza. Aníbal Diamantino de Inhambane ficou no terceiro posto. A rapaziada da “Terra de Boa Gente” colocou dois jogadores no pódio.Em femininos, a adolescente Sifa Momade da província do Niassa foi vencedora do torneio. Na final, Sifa derrotou Alice Eduardo da província de Maputo. Em terceiro lugar ficou Estélia Romeu, de Inhambane.

 

 

Os primeiros classificados, quer em “ntxuva”, quer em “muravarava” receberam como prémio televisores plasma. Os segundos classificados levam para casa bicicletas e os terceiros foram agraciados com jogos de loiça.

 

 

O III Festival dos Jogos Tradicionais juntou 161 participantes, 80 por cento dos quais jogadores. O evento juntou representantes de 79 distritos de todas as províncias, sendo 43,80 por cento dos participantes de sexo feminino. Duas modalidades, nomeadamente “ntxuva” e “muravarava”, foram competitivas e 24 demonstrativas apresentadas por sete províncias.

 

 

VISITA A NWADJAHANE

 

 

ANTES da cerimónia de encerramento dos Jogos, todas as delegações rumaram, na manhã de ontem, ao distrito de Mandlakaze, mais concretamente a localidade de Nwadjahne, terra natal de Eduardo Mondlane, herói nacional e primeiro presidente da Frelimo.

 

 

No local, as delegações foram recebidas pelo neto daquela figura lendária da história de Moçambique que deu a conhecer em pormenor a vida e obra de Eduardo Mondlane. Falou da sua infância, o seu percurso académico e a história da aldeia e do museu aberto de Nwadjahane.

 

 

A visita de cerca de duas horas incluiu a contemplação de vários monumentos existentes no local e o significado de cada um. Falou da história da tribo de Mondlane, sua família, e os presentes puderam tirar algumas dúvidas a cerca da data de nascimento, local e o momento da partida para o estrangeiro daquele herói. 

 

 

A biblioteca que contém vários livros e fotografias de Eduardo Mondlane foi o local mais concorrido.O museu de Nwadjahane foi requalificado em 2009 no âmbito do Ano Eduardo Mondlane. Na altura passavam 40 anos após o seu assassinato.

 

 

SÉRGIO MACUÁCUA

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.