Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

12.Set.18

Moçambique irá usar chipes electrónicos pela primeira vez numa prova de atletismo

maratona

 

Os atletas que irão participar na primeira meia-maratona internacional de Maputo serão monitorados por chips electrónicos, para se cumprir rigorosamente os regulamentos da prova que terá lugar próximo domingo, assegurou, nesta terça-feira, a directora de prova, Ludovina Oliveira.

 

Pela primeira vez numa prova de fundo em Moçambique, será implementado um sistema de chips electrónicos nos atletas, em cumprimento das normas da Federação Internacional de Atletismo.

 

Pretende-se, com este dispositivo, evitar o encurtamento de distância e garantir que a prova obedeça os padrões internacionais.

 

Teremos a colocação de chipes eletrónicos nos concorrentes. Creio que vai ser uma prova difícil para as pessoas se despistarem ou encurtar a distância”, garantiu Ludovina Oliveira, directora de prova.

 

Segundo avança a directora, para além deste dispositivo, a organização conta com a Polícia Municipal e a PRM para melhor controlo e segurança dos participantes.

 

A questão do controlo da prova está bem acautelada. Temos a Polícia Municipal e a PRM e a prova vai decorrer dentro do previsto”, mostrou-se confiante.

 

Ainda sobre a primeira meia-maratona internacional de Maputo, a nossa fonte disse ao jornal “O País” que serão instalados oito postos de abastecimento de água, separados por uma distância de dois quilómetros e meio. Dependendo da temperatura (se fizer muito calor) há possibilidade de se aumentar os postos.

 

Espera-se que mais de duas mil pessoas participem na primeira meia-maratona internacional de Maputo.

 

De referir que para Ludovina Oliveira, em moçambique praticamente não temos atletas para esta especialidade, “mas temos atletas que gostam de correr e penso que vai haver concorrência em massa, pois temos valor dentro do país. Se esta prova passar a ser anual futuramente vamos ter bons atletas fundistas”.

 

 

Fonte:Opais