Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Missão cumprida

 

EM contacto com a Imprensa, Edmilsa disse que estava aliviada com a conquista da medalha, embora fosse seu desejo ganhar para além do bronze.

 

A sensação que tenho é de missão cumprida. Estou feliz pelo que fiz e pelos moçambicanos. Há uma promessa que me fiz desde 2012 (ano que comecei a carreira) de conquistar uma medalha paralímpica. Foi bonito ter conseguido este feito. Gostava de ter conquistado uma medalha melhor que a de bronze, mas foi esta que obtive.

 

Estou feliz porque cumpri com o que havia traçado. A minha missão agora é trabalhar e superar as minhas marcas. Já bati recordes africanos e penso que já basta. Agora a preocupação é com recordes mundiais e paralímpicos. Quero confessar que fui aos Jogos Paralímpicos já confiante. Fui ao Brasil para fazer 200 e 400 metros, mas à última hora tive que fazer 100 e 400. Não fiz 200 metros alegadamente porque no dia em que me qualifiquei no Qatar, o vento soprava mais e a organização concluiu que o fenómeno tenha-me ajudado a obter os mínimos.

 

Enfim, tive que correr nos 100, embora não esteja familiarizado, daí as dificuldades que enfrentei. Nos 400 metros entrei mais confiante, à procura de, no mínimo, defender o terceiro lugar que havia conseguido nos Mundiais de Doha, no ano passado. Felizmente, consegui e elevei bem alto a bandeira nacional. Não foi nada de extraordinário, o técnico sempre me incentivou a encarar tudo de forma natural. A medalha significa muito, pois o meu sonho era igualar o feito da Mutola (medalha olímpica no Sidney-2000). Não deu, mas fiquei bastante feliz, até porque ser substituta de Mutola é um feito fora do comum”, descreveu.

 

Em relação à bolsa atribuída pelo Governo, Edmilsa realçou: “Vai ajudar-me imenso, mas por mais que não tivesse iria esperar por um feito assinalável nas próximas competições. Mas bolsa é bolsa, e penso que irá fazer muita diferença no meu desempenho como atleta e como pessoa. Creio que irei a Tóquio (…Jogos Olímpicos de 2020) mais tranquila e sem preocupação com a qualidade das adversárias”, sublinhou.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.