Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Maxaquene perde alguns jogadores de renome

 

O MAXAQUENE perdeu alguns jogadores de renome, com destaque para o nigeriano Luckman, que, com o artilheiro Isac, constituíam uma dupla de ataque invejável.

 

Os “tricolores” não conseguiram reter o avançado, ou seja, responder às exigências do jogador para a renovação do contrato. O nigeriano havia assinado contrato de um ano pelos “tricolores” e tinha mais um de opção. Porém, o atleta elevou a fasquia em relação às condições para a renovação do contrato e numa altura que é alvo da disputa entre alguns dos grandes clubes do Moçambola. Para já, há três “colossos” que disputam o passe do atleta, entre eles a Liga Desportiva de Maputo, que tem vindo a dominar o mercado interno de jogadores.

 

Luckman não deverá continuar porque está a exigir condições que o Maxaquene não pode oferecer e acabou viajando para o seu país sem ter havido entendimento. Portanto, tinha um ano de contrato e outro de opção, sendo que está livre”, esclareceu o vice-presidente para a área de futebol, Samuel Maibasse.

 

Para além de Luckman, cuja saída está confirmada, o artilheiro Isac e o “central” Nelson são alguns dos melhores jogadores “tricolores” que estão a sofrer pressão dos “colossos” do Moçambola. Isto acontece numa altura em que o Maxaquene se ressente também da fuga de atletas também preponderantes, casos do “central” Moniz, do meio-campista Rachide, entre outros ainda com vínculo contratual com o clube e sob processo disciplinar. 

 

…E TENTA RECOMPOR-SE

 

Apesar de algumas perdas de vulto, o Maxaquene tenta recompor-se para manter os níveis sobre os quais se apresentou na última temporada futebolística em que falhou por pouco o título ao derrapar já na última etapa do Campeonato Nacional de Futebol, o Moçambola.

 

Sem abrir-se completamente, em virtude das negociações ainda em curso com alguns jogadores e as dúvidas que prevalecem sobre as possíveis contratações, e sobretudo para não despertar atenção dos seus principais adversários, Maibasse revelou que o seu clube constatou que a perda do campeonato deveu-se a algumas situações anormais que perturbaram o percurso vitorioso, ou seja, a trajectória retumbante dos “tricolores” já na etapa final do campeonato, nomeadamente a suspensão do guarda-redes Simplex e do “central” Zabula, bem como do respectivo técnico (Chiquinho Conde). Aliado a isto, a equipa ficou despida dos principais jogadores que constituíam o eixo da defesa também na fase crucial do campeonato acometidos por doenças. São eles Mayunda, Nelson, Moniz e Bernardo, para além do meio-campista Michael. Por isso, Whisky teve de ser adaptado à defesa.

 

Ficámos com o sector defensivo destruturado. Antes destas situações estávamos em primeiro lugar, dai que não atribuímos culpa nem a equipa técnica e muito menos aos jogadores. Por isso vamos continuar a trabalhar com a mesma equipa. Houve também jogadores que acabavam de ascender à equipa principal que, em virtude dessa situação, tivemos que apostar neles, casos de Talapa e Bruno, e isso influenciou o nosso estilo de jogo”.

 

Mas para já está confirmado o regresso do guarda-redes Guirrugo, com contrato de mais um ano e que havia sido emprestado a ENH de Vilankulo. Para além de Simplex, o Maxaquene contará com Basílio. Aliás, com Simplex suspenso até Junho de 2016, o Maxaquene terá de apostar nestes dois guarda-redes, visto que Sozinho está em dúvida. 

 

No sector defensivo, estão garantidos Bernardo, Nito, Nelson, Bruno e Zabula (também suspenso até Junho); no meio campo Ockan (nigeriano) e Talapa; no ataque Isac, Mauro e Tobias. 

 

Sem revelar nomes, Maibasse disse, adiante, que o Maxaquene identificou quatro reforços importantes internamente, dois estrangeiros (um nigeriano e ganês) e conta ainda com três jogadores para a experiência provenientes da II liga, ou seja, dos campeonatos provinciais.

 

Ainda não decidimos, em termos contratuais, nada em relação aos estrangeiros, mas apreciamos os vídeos e só tomaremos a nossa posição à sua chegada, no princípio do ano que vem”, afiançou.

 

Entretanto, o Maxaquene terá um plantel de 27 jogadores, sendo quatro dos quais vindos dos escalões de formação.

 

Para além dos “desertores” com processo disciplinar, o Maxaquene tem alguns jogadores com contratos válidos, mas que não conseguiram garantir qualidade no banco na época finda, nomeadamente Loló, Faz e Madonado. Estes poderão ser dispensados. Porém, face à dúvida em relação ao regresso ou não dos “foragidos”, a direcção “tricolor” prefere mantê-los.  

 

Aliás, o Maxaquene concluiu que deve ter um banco de qualidade, sendo que os reforços identificados devem estar à altura de conferir à equipa uma diversidade de opções em cada sector.

 

Vamos ter um leque de jogadores que permitam uma forte competitividade entre jogadores do mesmo sector”, anotou.         

 
 
Fonte:Jornal Noticias
 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.