Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

MAXAQUENE, 1 - DESP.NACALA, 2: Com a “mão” do árbitro

O JEJUM do Maxaquene, de jogos sem vencer, aumentou para quatro, após a derrota na tarde de sábado diante do Desportivo de Nacala por 2-1. Mas desta vez importa que se diga que o árbitro Zefanias Chijamela, ao não apitar dois penáltis claros, e o guarda-redes Sozinho, a ser uma presa fácil no segundo golo, tiveram uma influência directa nesta derrota, sobretudo o juiz da partida, que esteve mal.

 

O Maxaquene até não fez um grande jogo. O Desportivo de Nacala entrou mais esclarecido e inaugurou o marcador aos 21 minutos. Jogada de envolvimento do ataque nacalense ao primeiro toque e Simba a finalizar tranquilamente. A defensiva do Maxaquene parou, ficou a reclamar fora-de-jogo.

 

O certo é que foi um lance duvidoso e nesses casos as regras são claras, o árbitro deve dar benefício a quem ataca, embora tenha ficado a sensação de que Simba estava em posição regular. Irregular foi a decisão do juiz da partida em fazer vista grossa a uma carga do guarda-redes Valério sobre Isac dentro da grande área. Esta decisão gerou uma onda de acesos protestos na claque “tricolor” e que só não tomou contornos drásticos graças à intervenção da Polícia da República de Moçambique.

 

Enquanto os adeptos protestavam vivamente, os nacalenses dilataram o marcador. Auto-golo de Whisky, que com o peito fez o atraso para Sozinho, só que este estava adiantado e viu a bola passar-lhe bem ao lado. O guarda-redes estava mal colocado, ele que tinha cometido um frango no jogo da jornada passada frente ao Desportivo de Maputo.

 

Os “tricolores” arregaçaram as mangas e correram atrás do prejuízo. Isac centrou e Isaías aliviou no momento em que Luckman preparava-se para encostar a bola. Porém, Luckman marcou aos 40 minutos de cabeça, na sequência de um pontapé de canto.

 

A equipa da casa conseguia reduzir a desvantagem e ganhar fôlego para a segunda parte. Entrou bem melhor que na etapa inicial, a sufocar os visitantes.

 

 Aos 50 minutos houve penálti favorável ao Maxaquene. Bruno é travado na grande área, o árbitro assim não entendeu, castigou o lesado julgando que tivesse feito simulação. O Maxaquene continuou a atacar,

 

 

Fonte:Jornal Noticias