Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

21.Nov.14

“Mambas”: cinco anos sem CAN

A SELECÇÃO Nacional de Futebol falhou o apuramento para o Campeonato Africano das Nações (CAN) pela terceira vez consecutiva depois ter ficado afastada das edições de 2012, organizada em conjunto pelo Gabão e Guiné-Equatorial,  e em 2013, sediada pela África do Sul.

 

 

 

Tal como nessas duas ocasiões, os “Mambas” voltaram a ficar de fora da alta roda do futebol africano a ter lugar em princípio do próximo ano na Guiné-Equatorial, depois da desistência de Marrocos devido ao surto do ébola que se faz sentir, sobretudo na África Ocidental.

 

 

A última vez que marcamos presença numa competição do género foi em 2010, cujo organizador foi Angola. Quando em Janeiro próximo a Guiné-Equatorial receber o evento terão passado cinco anos sem CAN.  

 

 

Outra vez ficamos a lamentar e a comentar pelos corredores. Afinal o que falhou? Débil gestão de quem dirige a Selecção, no caso a FMF? Má qualidade da equipa técnica? Baixo rendimento dos jogadores? Estas e outras questões se colocam, mas seja lá qual fora a razão, o facto é que voltamos a claudicar num momento capital. Como sempre. Há quem diga que perdemos o apuramento em casa, com derrota diante da Zâmbia, pois parece-me que a nossa qualificação começou a ser perdida na primeira jornada, quando cedemos um empate caseiro com o Níger (1-1).

 

Quem pretende se apurar, uma meta que todos os moçambicanos abraçaram como sendo o primeiro e único objectivo, não se pode dar ao luxo de perder cinco pontos em casa. É demasiado. Conquistamos apenas um dos três pontos na partida com os nigerinos e diante dos zambianos vimos o passáro escapar por entre os dedos, numa partida em que uma vitória nos colocaria no CAN.

 

 

Há quem diga que colocamos a fasquia muito acima. Pois, ao nosso ver, num grupo em que tinhamos a Selecção de Cabo Verde como a única bem consolidada, uma Zâmbia que nunca esteve tão ao nosso alcance por força da renovação que vai orquestrando (viu-se durante a prova!) e uma Seleção do Níger, realmente acessível, não se podia esperar outra coisa, que não fosse o apuramento. A verdade é que oscilamos mais entre o mediocre e o mau do que o bom e o muito bom. Vencemos Cabo Verde, o adversário mais forte na Machava, mas trememos em momentos aparentemente de decisão mais acessível.

 

 

Há um velho ditado que diz: “No melhor pano caiu a nódoa”, olha que caímos mesmo na partida com a Zâmbia, pois quem diria que o nosso mágico Dominguez fosse falhar uma grande penalidade. Não era um penalte qualquer, era o que poderia fazer com que hoje milhões de moçambicanos estivessem orgulhosos pelo regresso ao CAN.

 

 

No próximo ano voltaremos a ver a nossa Selecção a disputar as eliminatórias de apuramento para mais um CAN. Deus queira que não voltemos a choramingar no final.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias