Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

03.Jul.18

HÁ MAIS PÉROLAS DO ÍNDICO RELUZINDO NO ATLÂNTICO

atletas na diaspora

 

Há semanas publicámos a história de três basquetebolistas nacionais que foram responsáveis pela ascensão das respectivas equipas aos principais campeonatos de basquetebol de Portugal em apenas três meses. Uma delas – Nilsa Chiziane – foi a jogadora mais valiosa (MVP). Hoje publicamos mais uma reportagem há muito protelada, por questões editoriais, mas pela sua inequívoca importância fazemo-la chegar a si. Chanaya Pinto – já bastante experimentada, embora nova –, Célia Sumbane e Suraya Rijal são outras três moçambicanas que passaram pelas “mágicas” mãos de Ernesto Nhalungo, ou simplesmente “Coach Doggy”.
 
 
São mais casos certos de sucesso nas terras lusas, onde o jovem técnico tem encaminhado e, muitas vezes, “esculpido” promessas nacionais nos últimos anos. Chanaya Pinto é disso exemplo, tendo sido, a par de Carla Covane, das primeiras convidadas pelo técnico moçambicano na sua primeira viagem para um clube internacional. Chanaya estreou-se na selecção “A” no último “Afrobasket” e conta com uma vasta lista de distinções como MVP, em Portugal, nos diversos escalões em que tem passado.
 

Suraya Rijal e Célia Sumbanesouberam muito bem imitar as suas compatriotas: chegaram, viram e venceram. Foram responsáveis pelo primeiro título de Sub-16 da Quinta dos Lombos. O título foi ainda coroado por distinções individuais: fizeram parte do “cinco ideal” da prova, sendo que a última foi eleita MVP. Mas as conquistas não param por aí. O seu contributo foi extensivo ao escalão Sub-19, onde foram novamente campeãs nacionais, juntamente com Chanaya Pinto, que também joga no escalão sénior da mesma colectividade.


CHANAYA OPEROU JOELHO E FALHA AFROBASKET SUB-18

 

Não obstante ter apresentado bons números e ter conseguido uma boa época, a internacional moçambicana terá uma paragem de seis meses por conta da operação feita no joelho que a afastou dos últimos jogos. Assim, a principal referência do combinado nacional, que de 10 a 18 de Agosto acolhe o “Afrobasket” Sub-18, não poderá dar os seus préstimos.

 

 

Fonte:Desafio