Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

11.Fev.19

Ferroviário da Beira fora da Elite 8 da Afro Liga

afrobasquete

 

Tal como no primeiro desafio, o segundo, realizado no último Sábado, também foi mal conseguido pelos vice-campeões nacionais. Nazir Salé e sua equipa somaram mais um desaire, desta vez, diante dos egípcios do Al Ahly, curiosamente, pelos mesmos números: 86-77.

Obrigados a vencer para manterem o sonho de se qualificarem para a “Elite 8”, a segunda fase da prova, agendada para 22 de Março a 14 de Abril, num país ainda por indicar, os vice-campeões até entraram bem no jogo e alcançaram parciais de 13-25 e 22-23 nos dois primeiros quartos do desafio e foram ao intervalo com uma vantagem de 13 pontos.

A produção da equipa moçambicana, ofensiva e defensivamente, baixou na segunda parte do jogo.

No terceiro período, “os locomotivas” só converteram 12 pontos, a pior produção, ao longo do jogo, contra os 27 pontos dos egípcios.

Aliás, se este foi o pior quarto da equipa moçambicana, foi o mais produtivo dos egípcios.  O Al Ahly concretizou 27 pontos.

Com dois pontos de diferença à entrada para os últimos 10 minutos da partida, o segundo desaire da equipa moçambicana viria, entretanto, a ser confirmado.

Em termos de dados comparativos das duas equipas, se pode depreender que os egípcios estiveram ligeiramente melhores.

A formação moçambicana converteu 34% dos lançamentos a curta distância contra os quase 53% (52.6%) do adversário.

Na linha dos três pontos houve 25% de acertos da formação de Nazir Salé e foram 26.7% da equipa que joga em casa, o Al Ahly.

Houve também ligeiro equilíbrio nos lançamentos livres, um elemento que tem sido um dos principais problemas do basquetebol nacional.
 
Individualmente, o reforço Robinson Opong fez um duplo-duplo. Foi o melhor marcador da equipa “locomotiva” com um total de 20 pontos e 13 ressaltos. O jogador esteve na quadra durante todos os 40 minutos do jogo.
Embora tenha alcançado estes números, Opong esteve muito aquém nos lançamentos livres onde converteu 6 em 20 tentativas.

Interpretando os dados tendo em conta a diferença pontual que foi de 9 pontos, só com 70% de conversões de Opong na linha dos lançamentos livres, o Ferroviário da Beira terminaria o jogo com números superiores aos 86 pontos convertidos pelo Al Ahly.

Entretanto, Opong foi o segundo melhor marcador do jogo com menos três pontos que Reginald Holmes do Al Ahly  que converteu 23.

Robinson Opong, de origem ugandesa e naturalizado canadiano, juntou-se ao Ferroviário da Beira para reforçar a equipa nesta empreitada.

No primeiro jogo, diante do Reg BBC tinha concretizado 14 pontos.
Elves Houana contribuiu com 14 pontos, sendo que Helton Ubisse concretizou 12 pontos.

Na estreia, o Ferroviário da Beira perdeu diante do REG BBC do Ruanda por 86-77.
O grupo C é liderado pelo Primeiro de Agosto de Angola que soma, por vitórias, os dois jogos realizados.

Passa à fase seguinte as primeiras duas classificadas. A Afro Liga substitui a extinta Taça de Clubes Campeões africanos de basquetebol em seniores masculinos.
No anterior figurino, os angolas do Primeiro de Agosto, com oito títulos foram a equipa que mais vezes levantou o trofeu.

Nesta primeira fase da Afro Liga, são no total 14 equipas, subdivididas em quatro grupos que discutem os oito lugares que, de 22 de Março a 14 de Abril, vão concentrar num único país a elite do basquetebol africano.

De 3 a 5 de Maio, também no mesmo país, em sistema de final-four, quatro formações buscam o acesso à final.

 

Fonte:Opais