Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Fer. de Pemba estagia em Nacala

O Ferroviário de Pemba, uma das equipas que na presente época vai disputar o Moçambola, o campeonato nacional de futebol de seniores masculinos, vulgo Moçambola, escalou recentemente a cidade portuária de Nacala, onde por um período de cinco dias cumpriu parte do ciclo de preparação da sua equipa principal.

 

Apercebendo-se deste facto a nossa reportagem convidou o treinador principal dos locomotivas da capital provincial de Cabo Delgado, Hilário Manjate que em linhas gerais esboçou, as pretensões desta colectividade que, cada vez que ascende a prova máxima, luta pela não despromoção deste escalão, mas que sempre vê essa pretensão frustrada, voltando a jogar na divisão secundária.

 

Muito subtil quando lhe colocamos a questão de que quais seriam objectivos do presente Ferroviário de Pemba, ora por se treinado, Hilário Manjate, respondeu que são os mesmo que os outros treze concorrentes perseguem na prova, como sejam, ser campeão nacional ou não descer deste escalão máximo do futebol moçambicano.

 

 

“Quando inicia o campeonato todos estamos em igualdade de circunstâncias, não interesse que entra na prova pela primeira vez ou encontra-se a bastante tempo, partimos todos com zero pontos. Partindo desse pressuposto, cada equipa necessita rever os seus objectivos na prova em função dos resultados que vai conseguindo”, disse Manjate para quem afirma que se os seus adversários deixarem pontuar a sua equipa para ocupar o pódio fará sem surpresa.

 

 

Questionado pela nossa reportagem se as condições de trabalho que encontrou na actual equipa estão a altura e em condições para que consiga resultados tão optimistas como ele encara no momento em que está a efectuar um ciclo de preparação com vista a uma boa prestação, o nosso entrevistado, voltou a ser evasivo na sua resposta.

 

 

“Se achasse que as condições de trabalho que me ofereceram no Ferroviário não são das melhores eu declinaria este convite de treinar esta equipa como o fiz em 2012 quando fui convidado para treinar o Têxtil do Pungue, onde fiz todo trabalho de pré-temporada, mas que posteriormente renunciei o cargo porque não havia condições”.

 

Mesmo assim admite que no contexto futebolístico moçambicano todas equipas que ingressam têm as mínimas condições, a nossa maneira, conforme afirma para trabalhar com algum sentido de responsabilidade.

 

Pelo menos, nos dois jogos de controlo que a equipa orientada por Hilário Manjate, efectuou com equipas locais da cidade de Nacala-Porto, primeiro com o Desportivo e o segundo com o Ferroviário, ficou bem patente que dos jogadores apresentados nestas partidas, não existe registo de pelo menos um que já tenha passagem por equipas que militaram no Moçambola em épocas anteriores.

 

A direcção do clube, talvez com anuência do técnico, apostou em atletas com talento, mas que representaram na sua maioria o clube na época transacta ou então que estavam inscritos em equipas que participaram no provincial de Cabo Delgado, mas que mostraram capacidade técnica para envergarem as cores locomotivas de Pemba.

 

“Pelas condições que encontrei não permitiu-nos aventurar ir para um mercado caro, ao nível da região procuramos encontrar soluções no sentido de trabalho com aquilo que está disponível. Buscamos jogadores em Mueda, Mocimboa da Praia, Ilha do Ibo e outros jogadores que militavam em equipas locais cujo perfil se enquadram na minha filosofia de trabalho”, observou Manjate.

 

Neste contexto, avançou nomes de alguns jogadores como são os casos de Quelfas que representou o combinado de Mueda na época passada, Massala que esteve em Nangade, Ramudo que jogou pelo Desportivo do Ibo e tantos outros que são desconhecidos nos renomados do futebol nacional.

 

VAMOS JOGAR EM CASA…

 

Aproveitamos na ocasião, conversar igualmente com um dos dirigentes que acompanhou os «locomotivas» de Pemba a este curto estágio de pré-temporada a Nacala-Porto, sobre a situação em que se encontram as obras do arrelvamento do Campo Municipal de Pemba, recinto que ira acolher os jogos do representante de Cabo Delgado, visto que noutras ocasiões esta equipa foi severamente penalizada a jogar fora de portas ao abrigo do regulamento da prova.

 

O director desportivo do clube, João Chamisso Pholo, assegurou-nos que na presente temporada o Ferroviário de Pemba vai jogar no seu ninho e com apoio dos pembenses que nos últimos anos em a sua equipa participou no Moçambola foram relegados a acompanhar os jogos através da imprensa.

 

«Está-se a fazer um trabalho intenso e serio para que o Ferroviário jogue este ano em casa, para alem de que será um grande dado que pode jogar a nosso favor por aquilo que são os nossos objectivos no Moçambola esta temporada. Para efeito, existe uma equipa que envolve o conselho municipal e o clube que tem em vista acelerar os trabalhos da colocação da relva no campo de jogos que já foi feito e tudo indica e esta assente que vamos jogar em Pemba nos jogos em casa», rematou Pholo.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.