Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Fer. Beira instado a trazer mais alegrias

 

MESMO antes de digerir o sabor da primeira conquista da mais alta competição futebolística nacional, o clube Ferroviário da Beira já sofre pressão para trazer mais títulos na próxima temporada.

 

Vários intervenientes tomaram a vitória dos “locomotivas” como passado e já exigem resultados do futuro. Isso assistiu-se em três jantares de confraternização oferecidos pela governadora Maria Helena Taipo, o edil Daviz Simango e a direcção do Ferroviário, respectivamente.

 

A governadora Maria Helena Taipo, que considerou que o plantel como era composto por “meninos de ouro”, disse de forma diplomática que espera por mais vitórias.

 

Entre muitos elogios, Taipo disse que o Ferroviário da Beira era capaz de trazer mais alegria aos sofalenses.

 

Já o edil da Beira, Daviz Simango, exigiu mesmo que o Ferroviário traga todas as taças para a urbe na próxima temporada, mas para tal deve-se fazer um investimento à altura.

 

Por seu turno, o secretário permanente de Sofala, Juvêncio Mutacate, discursando no jantar de confraternização oferecido pelos CFM, patrono do clube, disse que a satisfação manifestada pela população remete ao Clube Ferroviário mais responsabilidade para a conquista de mais títulos.

 

O presidente da Associação Provincial de Futebol de Sofala, Fernando Dias, afirmou que o título nacional futebolístico e de outras modalidades desportivas cairão sempre na Beira, justificando que esta urbe tem história.

 

Recordou aos presentes, e como forma de pressionar os campeões, que Beira foi e será terra dos campeões. Contou que o primeiro seleccionador nacional a levar os “Mambas” ao CAN foi beirense, Belmiro Manaca, e o seu conterrâneo Rui Marcos foi o primeiro capitão.

 

Mencionou Chiquinho Conde, que também é da Beira, como tendo sido o primeiro moçambicano a jogar na diáspora pós-independência.

 

Analistas desportivos sediados na cidade da Beira afirmam que os movimentos e certos discursos pretendem directamente exigir mais vitórias para a cidade da Beira.

 

Em jeito de resposta às questões apresentadas pelos dirigentes da província e do município, Boaventura Mahave, presidente do Clube Ferroviário da Beira, disse que se vai lutar nesse sentido.

 

O presidente da assembleia-geral do clube e director executivo dos Caminhos-de-Ferro de Moçambique na região centro, Cândido Jone, que ouviu tais “pressões”, disse e bem alto que o desejo manifestado colectivamente vai cumprir-se. “Traremos mais taças”, prometeu, tendo sido ovacionado pelos convivas.

 

RODRIGUES LUÍS

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.