Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Empate comprometedor!

OS “Mambas” voltaram a empatar nesta fase de apuramento para o CAN Marrocos-2015. Ontem, em pelo Estádio Nacional do Zimpeto, não foram para além do 1-1 frente ao Níger, uma igualdade caseira que pode comprometer as suas aspirações de estarem presentes próximo ano em Marrocos, depois do nulo na Zâmbia no passado sábado.

 

 

Quanto ao jogo, Moçambique entrou pressionante. Não deixou que o adversário respirasse e num espaço de três minutos já tinha beneficiado de três pontapés de canto, no último dos quais Dominguez cobrou curto para uma tabelinha com Josimar, para depois entrar na área pelo vértice. No momento da progressão foi derrubado. O árbitro não hesitou e apontou para a marca da grande penalidade. O mesmo Dominguez, chamado a cobrar, fê-lo com precisão, atirando para o fundo das redes. Tudo parecia fácil para os “Mambas”.

 

 

O Estádio entrou em ebulição. Explodiu de alegria com os milhares de espectadores a ovacionarem a Selecção em pé. Era o momento mais alto da exibição da equipa de todos nós. Só que, à entrada do segundo quarto de hora, o Níger acreditou que podia chegar ao empate. Povoou o meio-campo e passou a levar ligeiramente vantagem nas jogadas de um para um.

 

 

Os “Mambas” perdiam a bola de forma infantil. Queriam fazer tudo às pressas. E, logicamente, os lances saíam transviados. E num abrir e fechar de olhos, o Níger já tinha engatado. Estavam transcorridos 26 minutos, quando a bola é cruzada do lado esquerdo, a defensiva moçambicana ficou pregada no terreno e Mohamane apareceu do lado contrário, portanto direito, a rematar para o desamparado Ricardo Campos ainda tocar no esférico, mas incapaz de o parar. Autêntico balde de água fria.

 

 

O estádio ficou mudo. Toda a gente levou as mãos à cabeça. Era total desespero. Daí em diante, até ao final do primeiro tempo, viu-se um Moçambique preocupado em chegar rapidamente ao segundo golo, mas que não aconteceu. No reatamento, Sonito, logo no primeiro minuto, disparou fortíssimo do meio da rua, mas a bola saiu ao lado. Na jogada seguinte, Dominguez estoirou. O guarda-redes defendeu com os punhos para a zona frontal. Na recarga, Reginaldo bateu para as “nuvens”.

 

 

Perdida flagrante dos “Mambas”. A pressão de Moçambique era à toda largura do terreno. O Níger começou a sentir a presença do público, mas mesmo assim não se incomodava. Continuava a fazer o seu jogo. Defendia em bloco e fazia-o da mesma maneira ao atacar. Aos 13 minutos, numa jogada bem orquestrada por Miro, do lado esquerdo, que cruzou para a área depois de uma tabelinha, Kito, com o pé esquerdo, atirou mais em jeito do que em força, mas a bola ganhou altura e perdeu-se pela linha de fundo.

 

 

Já era visível a preocupação dos “Mambas” em reverter a situação. Apertavam o cerco e, numa das jogadas de contra-ataque rápido, Domingez picou para a entrada de Sonito, que ainda introduziu o esférico na baliza, mas em posição irregular. Golo justamente anulado. Minutos depois, Sonito subiu até ao primeiro andar e cabeceou muito chegado à trave. Finalmente, João Chissano mexe na equipa. Faz sair Zainadine Júnior, que entrou condicionado para este jogo, e entrou para o seu lugar Hélder Pelembe, numa clara intenção de dar maior consistência ao ataque.

 

 

E, aos 27 minutos, por um triz os “Mambas” não picam. Sonito, sempre ele, desvia o esférico inteligentemente, só que, com uma defesa de recurso, o guarda-redes do Níger desvia com uma palmada para canto. Inconformado com o resultada, a equipa moçambicana reforça a linha atacante com o jovem veloz Clésio para o lugar de Josimar, que já acusava alguma fadiga. Depois foi Sonito que deu lugar a Isac.

 

 

O Níger começa a jogar na contenção. Simula lesões para ganhar tempo. O empate interessava-lhe depois da derrota caseira com Cabo Verde. E conseguiu os seus intentos, uma vez que nem os cinco minutos de compensação foram suficientes para os “Mambas” darem a volta ao marcador. O árbitro da partida esteve bem em todos os capítulos.

 

 

 

GIL CARVALHO

 

 

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.