Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Costa do Sol revalida “Mavila Boy”

campeao mavila boy

 

O Costa do Sol voltou a conquistar, sábado, o Torneio Top 8 Mavila Boy,depois de o ter feito no ano passado, naquela que foi a primeira edição.  

Numa final bem disputada diante daBlack Bulls, os “canarinhos”fizeram a festa com um triunfo por 2-1, que lhe valeu um prémio de um milhão de meticais, além da taça e medalhas. 

O segundo classificado, Black Bulls,recebeu 200 mil meticais, enquanto o Maxaquene,que goleou a Académica por 5-0 no jogo de atribuição doterceiro lugar, foi premiado com 75 mil.

A melhor claque foi a do Desportivo, tendo recebido 50 mil meticais.

O Estrela Vermelha foi a equipa “fair play”.

A nível individual, Isac e Victor, ambos do Costa do Sol, receberam 25 mil meticais cada na qualidade de melhor marcador e guarda-redes, respectivamente. 

COSTA DO SOL, 2-BLACK BULLS, 1  - Reviravoltacanarinha” com bis de Nilton

QUEM esteve no Estádio Nacional do Zimpeto na noite de sábado não terá,de certeza,dado o seu tempo por perdido, pois vivenciou-se uma grande propaganda de futebol. No final foram os “canarinhos”a fazerem a festa, mas importa que se diga que aequipa daBlack Bulls bateu-se bem, dignificando uma final que foi disputada de forma enérgica do primeiro ao último minuto. 

Com alguma surpresa,foi aBlack Bulls a assumir as rédeas do jogo e a encostar literalmente o Costa do Sol às cordas e só não se colocou em vantagem logo aos três minutos,porque Ejaita hesitou no momento de rematar e permitiu que Salomão interceptasse a bola. 

Foi assim durante,pelo menos,15 minutos, a Black Bulls a controlar o jogo e o Costa do Sol a não ter argumentos para travar as investidas do adversário. Cadre era o dono do meio campo,Ejaita uma seta apontada àbaliza de Victor. Foi no seu melhor período que os “azuis”chegaram ao golo. Após passe de ruptura de Cadre, Ejaita desmarca-se muito bem e surge na cara de Victor,que para travar o avançado teve de recorrer àfalta. O árbitro não teve dúvidas em assinalar penálti. Na conversão,Ejaita teve a frieza necessária para enganar o guarda-redes.  Galvanizado pelo golo, o mesmojogadorvoltou a fugir com alguma facilidade àmarcação e com apenas Victor pela frente “picou”a bola por cima do “keeper”,mas o esférico saiu quase que a roçar o poste. Depois foi Jesus a não ter a arte, nem engenho para introduzir a bola na baliza, após uma jogada bem desenhada de ataque que iniciou nos pés de Cadre, o “pulmão”  da Black Bulls. O certo é que aquela velha máxima do futebol,que quem não marca sofre,veio mais uma vez à tona quando o Costa do Sol, que nada tinha feito para gizar a baliza de Ivane, empatou o jogo por intermédio de Nilton,aos 26 minutos. Na primeira vez que a defesa adversária foi posta àprova, vacilou, pois denotou muita passividade na abordagem do lance. A partir daío encontro foi caracterizado pelo equilíbrio, apesar dos “canarinhos”terem sido mais perigosos. 

A segunda parte começa praticamente com o Costa do Sol a marcar por intermédio de Nilton. Estava jogado apenas o primeiro minuto quando Chawa arranca pelo meio campo e sem oposição fez o passe para Eva Nga eeste centrar para Nilton bisar no encontro, colocando os “canarinhos”em vantagem. Seguiram dois lances claros de golos de parte a parte. Primeiro foi o avançado da Black Bulls, Melque, a falhar de forma inacreditável e logo no lance seguinte Nilton a perder uma oportunidade soberana de fazer o “hat-trick”. Descaído pela direita e já dentro da grande área rematou ao lado.

O jogo estava partido com as duas equipas a jogarem abertamente ao ataque e os lances de perigo surgiam com mais frequência. Eva Nga isolou-se em mais uma jogada bem elaborada a meiocampo, mas Ivane saiu e bem para fazer a mancha. Doutro lado estava umaBlack Bulls também inspiradano ataque, só pecava mesmo pela falta dapontaria. Pepo,em jogada individual, tirou um adversário do caminho e desferiu um remate portentoso com a bola a sair a centímetros do poste. Os pupilos de Hélder Duarte não tiravam os pés do acelerador, procuravam chegar ao empate e poderiam ter gritado golo, mas desta vez foi Victor a opor-se com categoria a um cabeceamento de Ejaita. O público presente no Zimpeto vibrava com o espectáculo que as duas equipas protagonizavam dentro das quatro linhas, mas queria ver golos, pena que os “artistas”da bola denotavam uma gigantesca falta de pontaria. Num jogo marcado por um festival de falhanços,foi Eva Nga a cabecear ao lado quando tinha tudo para fazer golo.

A partida iria mesmo terminar com o triunfo do Costa do Sol, apesar da pressão da Black Bulls até ao final do jogo.

A equipa de arbitragem, liderada por Simões Guambe, esteve bem no encontro.  

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO:Simões Guambe; auxiliado por Osvaldo Jesus e Venastacio Cossa. Quarto árbitro: Paulo Buque. 

COSTA DO SOL:  Victor; Roldão, Chico, Salomão e Cláudio; Stephen (Hilário), Jorge, Nilton (Pablo) e Chawa (Kino); Sibale (Zequito) e Evan Nga.

BLACK BULLS:Ivane; Fidel, Martinho,Passe e Beto; Cadre,  Elton, Pelo e Jesus (Dudu); Melque e Ejaita.

DISCIPLINA: Amarelo para Victor, Elton e Eva Nga. 

 

Fonte:Jornal Noticias