Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

10.Jan.17

Coach Fifi: a dama que comanda homens

 

É a primeira mulher moçambicana treinadora de futebol a cometer a proeza de levar  uma equipa masculina (Zixaxa) a duas finais da Taça ao nível do Campeonato de Futebol da Cidade de Maputo no seu primeiro ano como treinadora sénior.

 

Numa altura em que algumas sociedades ainda teimam em se apegar a preceitos machistas, colocando a mulher em segundo plano,  existem algumas que desafiam os preconceitos e se opõem a ideias retrógradas. Felizarda Lemos, ou simplesmente “Tia Fifi”  ou "Mana Fifi”, como queiram,  é uma dentre  várias mulheres que se tÊm destacado fazendo face a um mal que já é uma herança cultural.

 

Não se considera mulher emancipada, porque acha que é daí que nasce a força para o preconceito ganhar as suas próprias raízes. Mesmo reconhecendo as naturais diferenças e os condicionalismos que existem entre o homem e a mulher, Fifi é de opinião que a mulher não deve ser impedida de exercer qualquer actividade que somente é considerada exclusiva para os homens. Aliás, a Constituição da República refere no seu Artigo 44 (Deveres para com os seus semelhantes) que “Todo o cidadão tem o dever de respeitar e considerar os seus semelhantes, sem discriminação de qualquer espécie e de manter com eles relações que permitam promover, salvaguardar e reforçar o respeito, a tolerância recíproca e a solidariedade”.

 

Embora não tenha conseguido qualificar a equipa para o Campeonato de Divisão de Honra, Filizarda Lemos acabou por ser a protagonista de um feito inédito na história do futebol nacional, ao qualificar a sua equipa para duas finais.

 

 

A formação do Zixaxa perdeu na primeira final, desta feita na Taça 25 de Setembro, diante da equipa estudantil da Académica por uma bola sem resposta, e o mesmo resultado registou-se na Taça Maputo, diante do Nacional.

 

– Sinto-me honrada e orgulhosa por ter alcançado este feito logo no meu primeiro ano como sénior. É obra. Sinceramente que não esperava que pudesse conseguir alcançar tal feito. Tivemos um campeonato disputadíssimo e que nos impôs enormes desafios para nos adaptar a uma realidade da qual não estávamos habituados. Considero positivo o trabalho que os meus jogadores desempenharam ao longo do campeonato, tendo em conta que metade destes têm idade júnior. Se não conquistámos o campeonato foi porque ainda éramos imaturos,argumenta a coach Fifi.

 

Raimundo Zandamela/Arquivo

 

Fonte:Desafio