Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Tamara Seda no RPK Araski da Espanha e… reforça A Politécnica no “ nacional”

Tamara Seda.jpg

 

Está confirmado. A valorosa basquetebolista moçambicana Tamara Seda irá evoluir, na próxima temporada, no RPK Araski da Espanha, depois de na última temporada ter jogado no CD Zamarat.

Seda  teve, às ordens de Fran García,  uma boa época de estreia como “rookie” na Liga Espanhola de basquetebol, obtendo o registo de 7.4 pontos e 7.1 ressaltos ao serviço do Zamora.

Uma lesão prematura no joelho (menisco), em Janeiro último, no final de uma sessão de treino, obrigou-a perder os últimos meses da competição.

Já recuperada, Tamara Seda terá a oportunidade de continuar a mostrar o seu valor numa equipa que irá anunciar, nos próximos dias, a contratação de duas basquetebolistas americanas, segundo escreve o sítio do RPK Araski.

No RPK Araski, Seda terá como companheiras as atletas María Asurmendi, Tania Pérez, Laura Quevedo, Natalie Van den Adel, Raquel Carrera e Laura Pardo.

Antes de partir para a Espanha, Tamara Seda esteve em evidência no UTEP (EUA), onde na última temporada teve registos de 14.9 pontos e 9.6 ressaltos com boas percentagens de tiro.

Em 2017, a talentosa basquetebolista moçambicana obteve médias de 9.2 pontos e 8.6 ressaltos no Afrobasket, prova realizada em Bamako, Mali.

Seda ajudou Moçambique a ocupar o quarto lugar, posição que assegura a presença directa no Afrobasket 2019, em Dakar, Senegal.

 

TAMARA SEDA REFORÇA A POLITÉCNICA

É um reforço de peso para a A Politécnica no Campeonato Nacional de Basquetebol sénior feminino. Depois de, em 2017, ter reforçado a equipa sénior feminina de basquetebol do Costa do Sol, ajudando a mesma a ocupar o segundo lugar no “nacional”, Tamara Seda vai “emprestar” a sua qualidade a A Politécnica. A basquetebolista já treina com o restante grupo, esperando-se que venha a ser uma mais-valia na equipa orientada por Hélio de Sousa.

 

 

Fonte:Opais

Bruno Langa no Vitória de Setúbal

Bruno Langa no Setubal.jpg

 

O internacional moçambicano Bruno Langa, que esteve a jogar no Amora FC de Portugal, assinou hoje um contrato com o Vitória de Setúbal, da primeira liga portuguesa. O jogador, acompanhado pelo seu empresário, esteve reunido com a direcção sadina para falar das condições da sua contratação, num negócio que pode beneficiar não só o Amora e a Associação Black Bulls, mas também ao Maxaquene, clube que o formou.

Bruno Langa, foi observado por vários clubes portugueses, que pretendiam garantir aos seus préstimos, mas acabou por se firmar nos sadinos do Vitória de Setúbal. Aliás, as boas exibições do jogador moçambicano não passaram despercebidas para os observadores dos clubes e, agora, Bruno Langa passa a ser companheiro de Amâncio "Neymar", que estava nos sub-23 dos sadinos e agora chamado para integrar a equipa principal já na pré-época.

Para além de Bruno, o Vitória de Setúbal estuda a contratação de Johnson, atleta nigeriano que época passada esteve ligado ao Black Bulls e que foi ao Amora por empréstimo.

Recorde-se que recentemente Bruno esteve parado durante cerca de um mês devido a problemas de vistos, aquando da sua presença no país, para integrar os trabalhos dos sub-23 que defrontaram Zimbabwe, para qualificação ao CAN da categoria, que qualifica aos Jogos Olímpicos de Tóquio.

 

Fonte:Opais

Adeptos do Maxaquene revoltam-se contra jogadores

adeptos maxa.gif

 

OS adeptos do Maxaquene, que afluíram em massa ao Campo do Afrin, na Machava, no domingo, para ver o jogo com o Chibuto referente aos oitavos-de-final da Taça de Moçambique, mostraram-se muito descontentes com os jogadores após o desaire, por 0-1, e consequente eliminação da prova.

 

Fonte:Jornal Noticias

Duplas nacionais de vólei vencem no mundial de sub-21

DUPLAS VOLEI .jpg

 

As duplas moçambicanas que participam no campeonato do mundo de sub-21, que decorre em Udon Thani, na Tailândia, em masculinos e femininos, alcançaram vitórias na estreia, esta quarta-feira.

Em masculinos, a dupla Jorge Moiane e José Mondlane venceu o Equador, com a dupla dupla Leon e Jurado, no seu primeiro jogo por 2-0, com parciais de 21-19 e 21-14, respectivamente, entrando com pé direito na competição.

Esta quinta-feira, Jorge e José vão cruzar caminhos da dupla alemã composta por Lukas Pfretzschner e Robin Sowa, que também venceu na primeira jornada à dupla russa composta por Ivanov e Gorbenko, por 2-1, com parciais de 21-19, 18-21 e 15-13.

Já sexta-feira vai defrontar a dupla da Rússia, respectivamente Ivanov e Gorbenko, para conhecer sua posição na série C, devendo cruzar caminho de uma das duplas da série D, nas eliminatórias, onde estão as duplas da Áustria, China, Itália e Uruguai.

Para já, a dupla moçambicana lidera, junto com Alemanha, a sua série, com dois pontos, frutos de uma vitória.

Relativamente a dupla feminina composta por Leocádia Manhiça e Mércia Mucheza, também não teve dificuldades para despachar a dupla egípcia, Nada e Malak, por 2-0, com parciais de 21-14 e 21-8. A dupla moçambicana lidera com os mesmos dois pontos da dupla russa, Bocharova e Voronina, com a qual vai jogar hoje, quinta-feira. Esta dupla encerra a primeira fase defrontando a dupla do Canadá, constituída por Fletcher e Thorup. Depois saberá em que lugar vai se posicionar, para encontrar o adversário da fase à eliminar, nomeadamente com duplas da série D, onde estão dos Estados Unidos da América, Nova Zelândia e China.

Recorde-se que estas duas duplas moçambicanas disputam o mundial da categoria após conquistarem o Campeonato Africano, pela segunda vez consecutiva, em ambos os sexos.

O campeonato do mundo de vólei de praia decorre na Tailândia desde a passada terça-feira, devendo prolongar-se até domingo, onde se ficarão a conhecer os campeões, em ambos os sexos.

 

Fonte:Opais

A Politécnica a uma vitória do título na Engen Maputo Basket

A POLITECNICA VS FERROVIARIO .jpg

 

A Politécnica venceu, esta terça-feira, o Ferroviário de Maputo (52-46) no jogo 3 dos “play-offs” da final da Engen Maputo Basket, e está a uma vitória do título.

O conjunto de José Macuácua teve melhor abordagem no primeiro quarto, etapa em que esteve mais agressiva a defender e esclarecida ofensivamente, liderando com o parcial de 25-5.  

No segundo quarto, em que com o Ferroviário de Maputo fez os ajustes e melhorou a sua pontuação, a A Politécnica sentiu algumas dificuldades nos ataques tendo contabilizado apenas seis pontos. Ainda assim, foi ao intervalo a vencer por 33-21.

O terceiro quarto foi equilibrado e emotivo, com as duas equipas a procurarem fugir no marcador, mas a não se apresentarem esclarecidas ofensivamente, sendo que o resultado foi de 43-43.

No quarto quarto, a  A Politécnica cometeu  menos erros nos momentos decisivos em que o jogo estava empatado, vencendo o jogo por 52-46.

Milton Caifaz esteve em destaque no Ferroviário de Maputo ao terminar o jogo com 19 pontos, enquanto na A Politécnica Yuran Biosse liderou a equipa com 12 pontos. O jogo 3 dos play-offs da final da Engen Maputo Basket está agendado para sexta-feira, às 18h15, no pavilhão do Maxaquene.

 

Fonte:Opais

Deolinda Mabote é a nova líder da natação nacional

deolinda mabote.jpg

 

A antiga nadadora do Maxaquene e do Ferroviário de Maputo Deolinda Mabote foi eleita nova presidente da Federação Moçambicana de Natação  após vencer a concorrência de Jeremias da Costa por 3-2. Deolinda vai substituir no cargo Fernando Miguel.

Na mesa de eleição estavam duas listas de candidatura para um cargo presidencial na Federação Moçambicana de Natação, numa acto que contou, pela primeira vez, com cinco associações provinciais, e acabou com a indicação da lista B para dirigir os destinos da modalidade nos próximos cinco anos.

Por um lado, Jeremias da Costa, fundador do clube Tubarões de Maputo, que liderava a lista A, e por outro Deolinda Mabote, antiga nadadora que liderava a lista B.
Das cinco associações provinciais, três delas votaram pela lista da Deolinda Mabote e outras duas pela lista de Jeremias da Costa.

Assim, Deolinda Mabote, que concorreu para o cargo pela segunda vez consecutiva, vai dirigir a natação nos próximos cinco anos.

A nova presidente prometeu expandir a prática da modalidade pelo país em cumprimento do slogan do elenco “Natação para todos, a Caminho de uma Nova Era”. Mabote diz que é seu objectivo principal “tornar a natação massificada, criar bons atletas e levar esses mesmos atletas aos vários palcos internacionais e cumprir com o desafio de organizar os campeonatos nacionais”. Mas ainda, a nova presidente da Federação Moçambicana de Natação tem apostas para o seu mandato, nomeadamente “dos técnicos, dos próprios atletas e dos monitores”, afinal “tendo bons técnicos, a possibilidade de ter bons atletas é também grande”, segundo Deolinda Mabote.

Já o presidente cessante, Fernando Miguel, diz sair de cabeça erguida, convicto de ter feito o melhor de si para o desenvolvimento da modalidade. “É um sentimento de muita satisfação porque conseguimos aprovar vários instrumentos que vão nortear a natação daqui para frente”, segundo Fernando Miguel. Mas também porque “conseguimos implementar o nosso manifesto em grande medida, onde agora já temos a natação a ser praticada em dois níveis de competição, nomeadamente o Campeonato Nacional de Massificação e o Campeonato Nacional de Alta Competição”.

A eleição ocorreu durante a assembleia geral extraordinária que contou com a presença das associações provinciais de Sofala, Tete, Inhambane, cidade e província de Maputo.

 

Fonte:Opais

Moçambique terá circuitos de voleibol para rodar atletas nacionais

VOLEIBOL  feme.jpg

 

A Federação Moçambicana de Voleibol vai criar um novo circuito da modalidade que visa dar mais rodagem aos atletas nacionais para a sua participação nos Jogos Olímpicos. O circuito vai substituir o tradicional campeonato nacional e vai decorrer em cinco cidades moçambicanas.

A motivação desta criação de circuitos é que a participação de voleibolistas nos Jogos Olímpicos não depende somente da sua qualificação ao nível dos continentes, mas também do número de competições internacionais em que participam, que deve ser de um mínimo de 12 provas.

Para colmatar esta falta de competições para os atletas nacionais, a Federação Moçambicana de Voleibol vai criar um circuito nacional de seis provas, que se vão juntar às competições internacionais, para a rodagem dos atletas.

De acordo com o director técnico da Federação Moçambicana de Voleibol, Mohamed Valá, a competição será feita em cinco etapas em várias praias do país, com destaque para Bilene, Nampula e Vilankulo, para além de uma que será na cidade de Chimoio, sendo que a última vai decorrer na cidade de Maputo. “Cada etapa está orçada em 350 mil meticais e o que idealizamos é darmos prémios monetários as duplas que ficarem no pódio e custearmos as despesas”, disse Valá.

Sem financiamento ainda, derivado da situação actual a que o país se encontra, a Federação Moçambicana de Voleibol espera contar com apoios das empresas locais das cidades que vão acolher as provas, bem como das estruturas autárquicas locais. “Essa seria uma forma de termos mais competições dentro do circuito dos Jogos Olímpicos, porque estar a participar em 12 provas internacionais será muito complicado. É que já temos garantias de seis provas internacionais e contando com estas seis, vai ser mais fácil”, argumentou o director técnico da FMV.

Aliás, estes circuitos vão ajudar na promoção do vólei de praia, para além de que “vai nos ajudar a ter mais provas que vão contar para a qualificação aos Jogos Olímpicos”.

Mas há constrangimentos neste desiderato de criação de circuitos nacionais de vólei de praia, nomeadamente a condição financeira. Condição essa que pode comprometer a participação da selecção nacional de vólei de praia em seniores masculinos, nos mundiais de Hamburgo, este mês. É que a federação conta com um défice de 400 mil meticais para a deslocação da delegação a Alemanha. É que inicialmente a Federação tinha feito um orçamento para a participação das selecções todas elas em provas internacionais, nomeadamente dos sub-21, em masculinos e femininos, no mundial que iniciou ontem, terça-feira, das duplas masculinas e femininas seniores, no africano da Ilha do Sal e no mundial da dupla sénior masculina, no mundial de Hamburgo.

Para os masculinos, o orçamento era de 1.600.000,00 (um milhão e seiscentos mil meticais), mas até ao momento só conta com 1.200.000,00 (um milhão e duzentos mil meticais). A federação idealizou uma delegação composta por dois atletas, um treinador e um chefe da delegação, mas devido ao défice de 400 mil meticais, ficou por terra o chefe da delegação. “Se até à data conseguirmos o diferencial, vão todos, mas caso não, conseguirmos apenas para duas pessoas, só vão os atletas, sozinho e vão ter que assumir todas responsabilidades lá”, disse Khalid Cassamo, líder máximo do organismo que gere o voleibol no país.

Afinal, segundo Khalid Cassamo, “estamos a sonhar com uma qualificação aos Jogos Olímpicos 2020 e também nos Jogos Africanos” e são estas competições que poderiam permitir aos atletas ganharem alguma competitividade.

A participação em competições internacionais é mais uma forma de rodar os atletas que procuram a sua qualificação aos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.

 

Fonte:Opais

Abel Xavier esteve na final do Mundial sub-20 e Simango Jr. está no CAN

 

AX.jpg

 

O campeonato do mundo de sub-20, que decorreu na Polónia, teve o seu epílogo no passado domingo, com a consagração da Ucrânia como vencedor, após derrotar numa final inédita a Coreia do Sul, por 3-1. As duas selecções chegaram a final da prova pela primeira vez na história, o que fez com que a FIFA convidasse diversas personalidades e antigos jogadores que já conquistaram a prova, em tempos, pela primeira vez na carreira.

Uma das personalidades convidadas pela FIFA foi o seleccionador nacional do nosso país, Abel Xavier, que acompanhou a cerimónia de encerramento e a grande final. Xavier foi a Polónia na qualidade de ter sido campeão de sub-20 por Portugal, em 1991, numa final em que venceu o Brasil, em casa, por 4-2, nas grandes penalidades, após o nulo no tempo regulamentar e no prolongamento.

Na sua página do facebbok, Abel Xavier agradeceu o reconhecimento do órgão gestor do futebol mundial, tendo se referido ainda ao facto de ter reencontrado amigos “de longa data”.

"Venho por este meio agradecer à FIFA o convite endereçado para estar presente na final do Campeonato do Mundo de Sub-20, realizado na Polónia. Enaltecer que o maior organismo do futebol restruturou as ideias de dar espaço e introduzir dentro da sua própria estrutura  grandes legendas do futebol. Neste contexto, o Sr. Infantino (Presidente da FIFA), continua a fazer o seu trabalho de devolver a credibilidade rodeando-se por pessoas que são do futebol e que  contribuíram para a grandeza da indústria actualmente”, refere o seleccionador nacional na sua mensagem.

Abel Xavier reiterou ainda a criação da Fundação Legendas, tendo considerado “de elogiar pelo impacto que tem e pelas acções sociais que produz”.


Nos amigos referenciados na sua página do facebook, todos foram campeões de sub-20, tendo Abel Xavier destacado Bebeto campeão em 1983, pelo Brasil, Fernando Couto, campeão em 1989, para além de Park Li, representante da Coreia do Sul na final da Polónia.
 
Simango Jr. no CAN do Egipto
Já o presidente da Federação Moçambicana de Futebol, Alberto Simango Jr., encontra-se no Cairo, Egipto, onde vai integrar a Comissão organizadora da 32ª edição do Campeonato Africano das Nações, CAN-2019.

Numa primeira fase, a comissão organizadora vai receber às 23 selecções que chegam ao Cairo para participar da competição, depois de um período em que realizou visitas em todos estádios que vão acolher os jogos. Depois, a comissão vai se desdobrar em garantir que a prova decorra sem sobressaltos até ao seu final.

Alberto Simango Jr. faz parte de uma comissão que integra vários presidentes das federações nacionais de futebol, que é presidida por Amaju Pinnick, presidente da Federação Nigeriana de Futebol.

 

Fonte:Opais

Terceiro embate da final logo à noite

fer vs polite.gif

 

A POLITÉCNICA e o Ferroviário vão esta noite (18:15horas), no pavilhão do Maxaquene, ao terceiro jogo do “play-off” da final do Campeonato de Basquetebol da Cidade de Maputo, a melhor de cinco jogos.

 

Fonte:Jornal Noticias