Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Contrato por objectivo coloca Abel Xavier fora dos Mambas

ABEL XAVIER

 

É facto que o contrato de Abel Xavier como seleccionador nacional é por objectivos, no caso concreto que era de levar a equipa de todos nós ao CAN-2019. Mas também é facto que o objectivo foi falhado por Abel Xavier e seus pares, que assim terão que ser afastados do comando técnico.

Outro facto que se viu em Bissau é que os adeptos que compõem a onda vermelha foram se solidarizar com o técnico luso-moçambicano, mostrando seu apoio a este para que continue a frente dos destinos dos Mambas.

Queremos Abel Xavier! Queremos Abel Xavier! Queremos Abel Xavier!” e “Mesmo quando os outros já não te querem, nós vamos servir a ti e tu a selecção, Abel Xavier”, na tradução literal da música em ronga, eram os cânticos mais ouvidos pelos adeptos, que consideram que não devia se mudar de seleccionador, uma vez que esta a fazer um projecto para o futuro, olhando para o que já fez pela selecção principal e pelas selecções de formação.

Aliás, os adeptos perguntam se é culpa do treinador quando uma selecção sofre três golos no tempo de compensação das compensações, em três cruciais jogos (Guiné-Bissau cá e lá e Namíbia cá) ou se merece uma oportunidade de fazer valer o seu potencial para ajudar a selecção a ultrapassar essas dificuldades de saber gerir o tempo quando necessário.

A pergunta que não quer calar agora é qual será a posição da Federação Moçambicana de Futebol face a este pedido da onda vermelha para manter o seleccionador nacional, Abel Xavier por mais dois anos?

 

Fonte:Jornal Noticias

“Mambas” testam terreno

MAMBAS (5)

 

A SELECÇÃO Nacional de futebol, os “Mambas”, encontra-se desde a noite de ontem em Bissau onde amanhã mede forças com a sua congénere da Guiné-Bissau, em partida pontuável para a sexta e última jornada do Grupo “K” de acesso ao CAN-2019, prova que terá lugar no Egipto entre Junho e Julho.

 

Fonte:Jornal Noticias

Domingo solidário na Machava

Desportivo vs Ferroviario

 

O Ferroviário de Maputo, o Maxaquene, o Desportivo de Maputo e o Costa do Sol promovem, no próximo Domingo, um torneio quadrangular de futebol cujas receitas serão destinadas a ajudar as vítimas do ciclone IDAI no centro do país.

O torneio será disputado no Estádio da Machava, com os dois jogos a serem realizados no mesmo dia.

Assim, às 13h45min jogam as formações do Ferroviário de Maputo e Maxaquene, sendo que às 15h45min será a vez do Costa do Sol e Desportivo de Maputo.

Para além das receitas dos jogos, os apoios deverão ser em vários produtos (não perecíveis), roupas e outros.

Depois dos antigos jogadores juntarem-se à causa, quatro dos mais históricos clubes da cidade de Maputo também aderem, desta forma, à iniciativa.

Entretanto, foi a associação de futebol da cidade de Maputo que decidiu juntar alguns dos seus afiliados para este processo de angariação de fundos “por ver a necessidade de o futebol se solidarizar com as vítimas desta calamidade”, escreve no seu Comunicado de Imprensa enviado à nossa redacção.

Os clubes responderam positivamente e, na passada quarta-feira, juntaram-se para uma reunião de concertação, que definiu os moldes de disputa do torneio.

 

Fonte:Opais

Moçambola 2019 adiado por tempo indeterminado

TELINHO

 

Inicialmente previsto para arrancar no próximo dia 30 de Março, o Moçambola 2019 foi adiado “sine die” devido aos estragos provocados nas infraestruturas desportivas pelo ciclone IDAI e enxurradas na zona centro do país.

Em reunião realizada esta quinta-feira entre a Liga Moçambicana de Futebol, gestora da prova, e os clubes participantes, definiu-se ainda que  30% da receita do primeiro jogo em casa será canalizado às vítimas do ciclone IDAI.

Por outro lado, a Liga Moçambicana de Futebol decidiu que, em todos os jogos da primeira jornada do Campeonato Nacional de Futebol, será observado um minuto de silêncio em memória das vítimas do ciclone IDAI.

A Liga Moçambicana de Futebol está a acompanhar com tristeza o impacto do IDAI, que provocou a morte de muitos concidadãos e destruiu infraestruturas sociais, económicas, desportivas, entre outras, comprometendo todos os esforços do Governo e entidades privadas no desenvolvimento do país”, lê-se no comunicado produzido após o encontro desta quinta-feira entre a Liga Moçambicana de Futebol e os clubes.

Na nota, a Liga Moçambicana de Futebol refere ainda que “este fenómeno atingiu clubes filiados da Liga Moçambicana de Futebol, nomeadamente Ferroviário da Beira, Têxtil de Púnguè, na província de Sofala, e Textáfrica de Chimoio, na província de Manica, que viram as suas infraestruturas parcialmente destruídas numa altura em que se prepara a edição do Moçamboala 2019”.

 

 

Fonte:Opais

Mambas... É ganhar ou ganhar

Mambas (1)

 

Lá na costa Atlântica, precisamente em Bissau, pode-se abrir uma página dourada no futebol moçambicano. Como, e porque o futebol tem três resultados possíveis: empate, derrota e vitória, também se pode traçar um caminho amargo no continente. Ou seja, prolongar o jejum de ausências nas fases finais do Campeonato Africano das Nações, já lá vão nove anos sem que marquemos presença. Porque não mostrámos competência para desfilar na fina-flor do futebol africano.

Aos Mambas, que amanhã são obrigados a vencer os “djurtus”, cabe a responsabilidade de fazerem com que os moçambicanos esbocem um sorriso num momento em que o país transpira uma profunda tristeza com a passagem do ciclone IDAI.

Por isso, a palavra de ordem é a vitória. Vitória que não só coloca os Mambas numa fase final de um campeonato africano das nações nove anos depois, mas também prestigiaria o futebol moçambicano. 

Em Bissau, há que manter a posse de bola, explorar contra-ataques e situações de bola parada para contrariar o adversário.

Num terreno adverso e com enorme pressão, o elevado nível de concentração no ataque e defesa e índices competitivos altos serão também determinantes para um resultado favorável. É preciso que os Mambas sejam solidários e imponham o seu ritmo de jogo perante um adversário que precisa apenas de um empate para se qualificar ao CAN.

E, a jogar perante o seu público, entrará bastante motivado. Mas motivação também exista no seio dos atletas da selecção nacional de futebol.

A Bissau, o seleccionador nacional de futebol, Abel Xavier, leva 25 jogadores mas na ficha do jogo somente irá inscrever 23. 

A Ida de mais dois jogadores tem a ver com precauções em caso de lesões. Geraldo, médio do Amora, preocupa até porque na última sessão de treinos dos Mambas apresentou algumas queixas.

Os Mambas irão cumprir, esta sexta-feira, o treino de reconhecimento Estádio 24 de Setembro, palco do jogo com a Guiné-Bissau sábado.  “É um treino em que queremos perceber as características do campo, a sua relva, ambiente e o clima. Optamos por um período muito curto em termos de adaptação”, explicou Abel Xavier.

O jogo Guiné-Bissau vs Moçambique será dirigido por um trio misto, sendo que o árbitro principal é o tunisino Sadok Selmi, enquanto o líbio Attiia Amsad e o também tunisino Aymen Ismail são o primeiro e segundo assistentes, respectivamente.

 

 

Fonte:Opais

“Mambas” partem hoje para Bissau

MAMBAS (4)

 

A SELECÇÃO Nacional de futebol, os “Mambas”, deixa Maputo esta tarde rumo a Bissau, onde joga, sábado, com a sua congénere da Guiné em partida pontuável para a sexta e última jornada do Grupo “K” do acesso ao CAN-2019.

 

Fonte:Jornal Noticias

Veteranos de futebol jogam pelas vítimas do Idai

Tico tico

 

Antigos jogadores de futebol vão realizar um jogo, sábado, para angariar doações para as vítimas do ciclone Idai que fustigou, principalmente, a cidade da Beira. A eles juntam-se alguns músicos que deverão jogar e cantar.

A iniciativa é da Associação de Futebol de Veteranos, que pretende unir antigos futebolistas, músicos, políticos e outros membros da sociedade, este sábado no Estádio Nacional do Zimpeto, por uma causa que se chama Beira, cidade mais fustigada pelo ciclone Idai que atingiu o seu pico na noite da quinta-feira.

Espera-se que o dia seja marcado por várias partidas de futebol com várias gerações, desde os infantis até aos mais antigos. Haverá jogo envolvendo equipas das escolas de Tico-Tico contra a do Gonçalves Fumo, outra partida que vai opor de jogadores de futebol já retirados, incluindo outras personalidades que “que se queira juntar à causa”, assim como um jogo entre dois “velhos clubes” da capital moçambicana, nomeadamente o Costa do Sol e o Desportivo de Maputo.

Grandes nomes do futebol vão participar das partidas, tais como Tico-Tico, antigo ponta de lança dos Mambas, João Chissano antigo seleccionador dos Mambas e Xandó, antigo guarda-redes do Desportivo.

Alguns músicos, de gerações passadas e novas, vão juntar-se à causa para jogar e também cantar. Na conferência de imprensa de anúncio da iniciativa, os homens do som estiveram representados por Roberto Chitsondzo, António Marcos e Ziqo.

Todos prometeram dar de tudo para que o evento seja de esperança para as vítimas da intempérie. Até porque, como disse, Chitsondzo, “todos somos muito poucos para dar a devida assistência aos nossos irmãos que neste momento se encontram nesta situação”.

Chitsondzo diz ser preciso que cada um faça algum esforço para apoiar as vítimas. E por falar em esforço, os músicos vão sair da sua zona de conforto e vão dar gosto ao pé numa partida de futebol.

Vai ser com muito gosto que vou correr e me juntar a vocês neste jogo para ajudar os nossos irmãos”, disse o jovem Ziqo, dirigindo-se aos organizadores do evento.

Depois da partida de futebol, músicos de várias gerações vão voltar ao seu mundo e pegar no microfone para cantar em homenagem àqueles que, de uma noite para outra, perderam tudo.

António Marcos, o Mayengane, sugeriu que cada um dos moçambicanos pense que isto está a acontecer consigo e só assim vão dar maior atenção a esta situação. “Hoje é Beira, mas amanhã pode ser Maputo ou outra parte do mundo”.

A ideia é mostrar que juntando sinergias pode-se minimizar os efeitos da tragédia. Para este evento, as entradas serão livres, sendo que, os espectadores deverão levar consigo bens não perecíveis, que através do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, serão canalizados às vítimas.

 

Fonte:Opais

IDAI ARRASA INFRA-ESTRUTURAS

estadio municipal dondo

 

Várias infra-estruturas desportivas ficaram destruídas na região centro do país na sequência da passagem do cliclone Idai, que deixou um rasto de destruição sem paralelo. Na cidade da Beira o recém-inaugurado Estádio Municipal da Munhava, em Agosto de 2018, viu a cobertura da bancada principal desabar, não resistindo a ventos fortes e chuvas torrenciais que se abateram sobre a região centro do país.

 

Na vizinha cidade do Dondo, a escassos quilómetros da cidade da Beira, a força das águas das chuvas e ventos fortes fizeram desabar a vedação do respectivo Estádio Municipal.

 

A 200 quilómetros da segunda maior cidade do país, em Chimoio, o campo da Soalpo, propriedade do histórico Textáfrica, a vedação ruiu em quase toda a largura.

 

Até ao momento e devido a dificuldades de comunicação, principalmente com a cidade da Beira, não é possível precisar o grau de destruição protagonizado pela passagem do ciclone Idai, mas a julgar pela gravidade dos estragos em outras infra-estruturas sociais os danos afiguram-se enormes.

 

Entretanto, dados avançados por várias agências internacionais de informação estimam em mais de 1.5 milhões de pessoas afectadas e cerca de 150 o número de vítimas humanas na sequência da passagem do ciclone por Moçambique, Zimbabwe e Malawi.

 

Só no nosso país, terão perdido a vida acima de 80 pessoas. Só na cidade da Beira serão cerca de 50 pessoas que perderam a vida. Na nossa próxima edição traremos mais detalhes sobre o impacto deste ciclone sobre a actividade desportiva no país.

 

Fonte:Desafio

Pág. 1/7