Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

19.Mar.18

Em Gold Coast para superar as duas medalhas de Glasgow

 

As duas medalhas – prata e bronze – fazem parte da história escrita em Glasgow (Escócia), em 2014. Nos Jogos da Commonwealth de Gold Coast (Austrália), Moçambique parte com a ambição de superar o “medalheiro”. A delegação nacional parte no dia 25 do corrente mês, com seis modalidades, representadadas por 28 atletas.

 

Basquetebol, atletismo, boxe, voleibol de praia, ciclismo e natação são as modalidades confioadas pelo Comité Olímpico de Moçambique (COM) para que as exibições dos Jogos da Commonwealth de Gold Coast superem os de Glasgow.

 

A competição irá decorrer 4 a 15 de Abril, em Gold Coast (Austrália). A cerimónioa de abertura terá lugar no Carrara Stadium. A delegação moçambicana será composta por 44 membros, dos quais 28 atletas e 16 oficiais.

 

Moçambique parte no dia 25 do corrente mês e o regresso está previsto para o dia 16 de Abril. Durante este período Moçambique participará, igualmente, da Assembleia-Geral da Commonwealth, que terá lugar no dia 31 de Março.

 

A estreia dos atletas nacionais está prevista para 5 de Abril, na modalidade de natação, disputando a especialidade de 50m mariposas, sendo que o ciclismo será a última modalidade a entrar em cena. Veja, a seguir, os eleitos para a “operação” Gold Coast.

 

Atletismo- Kurt Couto, Creve Machava, Alberto Mamba, Genito Guezane (masculinos); Salomé Mugabe e Ofélia Milambo (femininos).

Natação– Igor Mogne, Ahllan Bique, Ldovico Cursine, Denilson da Costa e Érico Cuna (masculinos).

Ciclismo– Miguel Teixeira (masculino).

Boxe– Rady Grammane (femininos) e Carlos Mucambe (masculinos)

Voleibol de praia– Délcio Soares e Carlos Manuel (masculinos)

Basquetebol – Selecção feminina.

 

Deanof Potompuanha

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

“Mambinhas” apuram-se na Tanzania antes de cruzar com as Seychelles

 

A Selecção Nacional sub-20 de futebol já iniciou com o programa de preparação com os olhos postos no Campeonato Africano das Nações (CAN), a realizar-se próximo ano, em Cairo, Egipto. A caminhada rumo ao mesmo inicia fora de portas, diante das Seychelles, no próximo dia 31 de Março.

 

Para o efeito, o combinado nacional já iniciou com o plano de preparação para esta “operação”. Abel Xavier, técnico da selecção principal de futebol, dará início ao seu projecto de reestruturação nas selecções de formação, conduzindo o leme da equipa enquanto não for conhecida a equipa técnica.  

 

A selecção, que cumpria um estágio pré-competitivo na Vila Olímpica do Zimpeto, partiu no último sábado para a Tanzania, onde prevê efectuar alguns jogos antes de partir para as Seychelles. Os “Mambinhas” defrontarão, na tarde de hoje, a sua similar da Tanzania, para depois, na quarta-feira, medirem forças com a selecção de Marrocos, que também é convidada pela equipa caseira.

 

Confira a convocatória dos seleccionados para este desafio:

 

Pedro, Thaimo Samuel, Júlio e Jeremias (Liga Desportiva de Maputo); Geny e Hermildo (Academia Back Bull); Francisco (Ferroviário de Quelimane); Martinho e Adama (UP Manica); Belarmino (Maxaquene); Joaquim (Clube Desportivo Maputo); Shelton, Rui Gimo e Leonel (Ferroviário da Beira); Michel (1.º de Maio Quelimane); Grácio (Incomáti de Xinavane); Meiser (Atlético Clube Maputo); Tomás (Maxaquene); Luís Tuchane (Associação Albazine); e Luís Sitoe (Ferroviário de Maputo).

 

Raimundo Zandamela

 

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

Numa tarde cinzenta, foi a Liga que aqueceu as bancadas!

 

A Liga Desportiva infligiu a primeira derrota ao Maxaquene no Moçambola, após vitória sábado, no seu relvado, por três bolas a uma, em jogo da terceira jornada do certame. Telinho (2) e Kabine marcaram pelos “muçulmanos” e Victor fez o tento de honra dos “tricolores”. 

 

O jogo desta tarde [sábado] entre a Liga e Maxaquene entrara antecedido de cenas adversas no seio das duas colectividades, oriundas, sobretudo, da última jornada que antecedeu a esta, em que os dois conjuntos lograram resultados diferentes nos confrontos com os seus adversários, proporcionando, por isso, reacções e atitudes diferentes por parte dos seus treinadores e simpatizantes. A começar pela equipa anfitriã, o timoneiro da Liga, Akil Marcelino, incendiou a imprensa com um discurso ameaçador, a ponto de hipotecar um possível abandono ao futebol e dedicar-se, sabe-se lá, talvez à pesca, justificando, no seu entender, o mau desempenho da equipa de arbitragem, que teria decido mal para a sua equipa na derrota forasteira (0-2) em Quelimane, com o 1.º de Maio. Por isso, a comitiva de Simões Guambe vinha para evitar este mal maior e, ironicamente, acabou merecendo, no final da partida, elogios por parte do beirense Akil Marcelino, hilariante também com o resultado do jogo.

 

Nos “maxacas”, ainda na ressaca da última vitória (3-1) sobre o Ferroviário de Maputo, uma forte legião de adeptos invadiu o município da Matola e lotou as bancadas do Campo de Hanhane, alguns, quiçá, para testemunhar in loco se a vitória sobre os “locomotivas” foi mera obra do acaso, outros ainda para, de facto, confirmar a coesão de um conjunto que, se revelando humilde, de orçamento financeiro menor e sem grandes nomes no plantel, se vai esgrimindo e se batendo com bravura e raça – ainda é cedo para ilações – pelo menos nestes jogos iniciais do Moçambola e de grande rotação para o Maxaquene. 

 

Gilberto Guibunda/Jaime Mache

 

 

Fonte:Jornal Noticias

19.Mar.18

Serviços mínimos irritam Santos

 

O Ferroviário de Maputo derrotou o Sporting de Nampula por 3-1 em jogo da terceira jornada do Moçambola-2018. Apesar da vitória, o técnico Nélson Santos mostrou-se insatisfeito com o desempenho dos seus jogadores e já mandou recados para dentro do balneário. 

 

No final da partida o treinador do Ferroviário de Maputo, Nélson Santos, não escondeu a sua frustração pela falta de atitude dos seus jogadores, que do princípio ao fim da partida encaram o confronto sem alma, ante um Sporting de Nampula, que depois de uma preparação deficitária, não consegue explanar um jogo que possa trazer bons resultados, embora tenha que se reconhecer que nos dois jogos que defrontou teve pela frente duas das melhores equipas do país.

 

Logo cedo, a equipa de Nélson Santos mostrou-se incaracterística, jogando a passo, desinteressada e o Sporting não conseguiu aproveitar essa apatia porque não reúne argumentos para conseguir melhor do que fez, pelo menos na primeira parte, onde Nick, na frente de ataque era o único inconformado, lutando com Jeitoso e Chico, ganhando uns e outros lances, mas insuficientes para criar situações de real perigo.

 

O Ferroviário de Maputo entrava com uma equipa bastante renovada, deixando Diogo no banco e sem Simplex, Timbe, na lista dos convocados para o jogo. Kito e Loló tomavam as despesas de jogo na zona do meio-campo, sem fulgor, mas a sua maturidade foi-se impondo a medida que o jogo foi sem desenrolando.

 

Do lado do Sporting de Nampula, Danito e Paulo Boto, jogadores com um vasto curriculum, não conseguiam transmitir energia ao resto da rapaziada, que baixava as linhas em demasia, dando espaço ao adversário para fazer rolar a bola para onde queria. Foi deste modo, que tardou que o Ferroviário, numa jogada aparentemente inofensiva, chegasse ao golo inaugural, depois de Mitter cruzar para o centro da área, os defesas contrários ficaram a dormir e Mário cabeceou para o fundo das redes do desesperado Ró Machava, que nada podia fazer para deter o esférico.

 

Cinco minutos depois, Belo poderia ter feito um monumental auto-golo quando desviou de forma violenta uma tentativa de cruzamento para a área do seu guarda-redes, que já estava complemente fora da jogada.

 

Joca Estêvão/Jaime Machel

 

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

Estou frustrado

 

Estou satisfeito com o resultado, mas acima de tudo insatisfeito com a atitude e comportamento dos meus atletas. Não fomos profissionais.

 

Uma equipa que tem tudo, de bom e do melhor tem justificar diária e semanalmente as condições que dispõem. A equipa que tinha fazer um futebol com mais qualidade. Ganhamos por 3-1, mas não é esta imagem que quero do meu Ferroviário. Estou frustrado. Está mensagem é para os meus jogadores. Eles sabem que assim, saltam fora, – Nélson Santos, treinador do Fer.  Maputo.

 

Joca Estêvão/Jaime Machel

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

Ferroviário vence Costa do Sol e já liídera isolado em Maputo

 

A equipa feminina do Ferroviário de Maputo venceu o Costa do Sol (67-62) no jogo mais importante da 4.ª jornada do campeonato do basquetebol da cidade de Maputo.

 

Este resultado, associado à vitória diante do Desportivo (40-95), faz das “locomotivas” líderes isoladas da prova, com 10 pontos, mais um que as “canarinhas”, em segundo lugar.

 

Na 6.ª jornada o Ferroviário de aputo defronta o Maxaquene, para depois medir forças com A Politécnica na 7.ª jornada. A dupla jornada disputa-se entre sexta-feira e sábado. Já o Costa do Sol, o seu principal adversário em todas provas nacionais, terá pela frente A Politécnica, amanhã, em jogo a contar para Taça Maputo. A equipa “canarinha” estará de fora na 6.ª jornada, para depois medir forças com a irrequieta equipa de Ferroviário das Mahotas na 7.ª jornada.

 

Tal como em femininos, em masculinos o último fim-de-semana não ofereceu surpresas, com o Ferroviário a mostrar por que razão é campeão da capital moçambicana e vice-campeão nacional. Para o efeito, humilhou Atlético por 127-49 na 4.ª jornada, e na 5ª jornada esteve perto de igualar a “chapa 100”, mas ficou 93 pontos contra os 51 de Matolinhas. Nas próximas duas jornadas a equipa de Milagre Macome jogará contra Matolinhas e Maxaquene, respectivamente. De resto, a equipa de Matolinhas voltará a ser adversário dos “verdes-e-brancos” amnhã para Taça Maputo.

 

Deanof Potompuanha

 

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

Fui vítima de uma arbitragem estúpida!

 

Ainda com os ânimos exaltados após a derrota por 2-0, diante do 1º de Maio de Quelimane, na segunda jornada do Moçambola, Akil Marcelino, técnico da Liga Desportiva de Maputo,chegou a afirmar que no regresso a Maputo acertaria as contas com a direcção  do seu clube e abandonaria o futebol moçambicano. Contudo, o técnico refreou, mas não deixando de lado a hipótese.  

 

A actuação do árbitro Felismino dos Santos, que na óptica do técnico agiu de má-fé, prejudicando a sua equipa de forma tendenciosa, foi a gota d’água que fez transbordar uma fúria que há muito andava entalada em sua garganta. O sentimento de Akil Marcelino estendeu-se igualmente à direcção do clube, que através do seu presidente, Rafik Sidat, para além de solidarizar-se com o seu colaborador, chegou a afirmar, num programa televisivo, que havia gente interessada em fazer o clube descer de divisão.

 

Dias depois das declarações explosivas, Akil Marcelino, que falou ao desafio, disse ter proferido tais declarações de cabeça quente, mas que não deixa de lado a possibilidade de abandonar o futebol e dedicar a sua vida em outras actividades menos desgastantes, caso situações similares aconteçam de novo.

 

– Reconheço que o árbitro é humano e está sujeito a cometer erros. Já fui prejudicado e também já beneficiei de alguns erros por parte da arbitragem, mas devo dizer que em 15 anos de carreira que tenho nunca antes havia sido prejudicado com uma arbitragem tão estúpida e escandalosa como aquela! Pude perceber que aquele árbitro veio com a missão bem estudada e com intuito de prejudicar a minha equipa, afirma Akil Marcelino.

 

Raimundo Zandamela

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

Dinâmica de desenvolvimento está inibida pela má estrutura dos clubes

 

A estrutura estabelecida em clubes moçambicanos não abre espaço para o acompanhamento da dinâmica de desenvolvimento desportivo mundial. 

 

As figuras do director desportivo e de director técnico são marginalizadas pelos clubes, ficando essas funções geridas pelos presidentes e vice-presidentes para a área de futebol, mesmo sem grande disponibilidade para as tais funções.

 

A maioria dos clubes moçambicanos desconhece os termos de referência para um director desportivo. Se têm conhecimento, negligenciam essa figura introduzida nos clubes para ajudar a estabelecer a ponte entre a direcção e a equipa técnica. Em muitos casos, alguns agentes desportivos com essa designação são limitados a coordenação de tarefas secundarias, como por exemplo a gestão de refeições, viagens, tratamento de expediente na materialização das inscrições dos componentes do plantel e um pouco menos. A direcção do clube, que devia ser um colégio deliberativo é, em grande medida, parte do executivo do clube. Exactamente por isso, de ano em ano, há presidentes, vice-presidentes, directores, chefes de departamentos engajados em fazer contratações de treinadores e jogadores para o mesmo plantel, obedecendo critérios pouco claros.

 

O grosso dessas colectividades têm o directores desportivos executivos como uma mera figura decorativa, ignorando por complecto que as verdadeiras funções desse elemento passam essencialmente por definir as políticas técnicas, sendo este elemento preponderante na sugestão à direcção do clube o perfil de futebol que se pretende para a equipa, desenho projectos para a equipa de futebol, escolha das peças consideradas fundamentais, do treinador com o perfil definido para as características do modelo de jogo a adoptar pela colectividade, em coordenação com o director técnico, outra figura decorativa.

 

Joca Estêvão

 

 

Fonte:Desafio

19.Mar.18

Costa do Sol elimina Cape Town City

 

O Costa do Sol transitou, hoje, para a última eliminatória de acesso à fase de grupos da Taça CAF.

 

Os “Canarinhos venceram o Cape Town City da África do Sul por 2-1, em jogo da segunda mão, da segunda eliminatória, passando a eliminatória com o agregado de 2-2.

 

Terence, aos dois minutos, marcou o primeiro golo do Costa do Sol, na recarga a um penalti falhado por Isac.

 

Nené foi o autor do segundo golo da formação Canarinha.

 

 

Fonte:Opais

19.Mar.18

UP de Manica sem treinador

 

O treinador da primodivisionária UP-Manica, já não faz parte, desde última sexta-feira, 16 de Março, do quadro técnico daquele clube.

 

Victor Matine foi indicado para o cargo de seleccionador nacional dos "Mambinhas" sub-20 e adjunto de Abel Xavier na selecção nacional, os Mambas.

 

Neste momento, a UP está no mercado à procura do novo treinador da colectividade, enquanto os trabalhos de preparação física dos atletas são assegurados pelo treinador-adjunto, Hipólito Senete.

 

Matine assumiu o comando da UP de Manica em Novembro último.

 

 

Fonte:Opais