Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Quarto lugar que sabe à campeão!

 

Moçambique quedou-se na quarta posição da 25.ª edição Campeonato Africano de Basquetebol sénior feminino, ao perder no jogo de apuramento do terceiro lugar contra anfitriã Mali (75-52).

 

Numa prova conquistada pela Nigéria, que na final venceu o Senegal (65-48), Moçambique mostrou-se masoquista e uma forte capacidade de resiliência e superação, sobretudo quando eliminou Angola nos quartos-de-final (61-47).

 

Num processo de preparação perturbado, Moçambique começou a sua preparação a menos de dois meses do “Afrobasket”, sob comando de Deolinda Ngulela, seleccionadora-adjunta. O estratega Nasir Salé, que se encontrava na Beira, onde conduziu o seu Ferroviário local a vencer o campeonato nacional. Com a equipa renovada, sem nenhum estagio internacional e trabalhar no degradado pavilhão do Estrela Vermelha, a Selecção Nacional partiu para Bamaco nas vésperas da competição, sem que “ninguém” depositasse algum crédito, principalmente quando se cruzou com Angola nos “quartos”. Mas as exibições silenciaram os cépticos.

 

Os primeiros dois encontros não foram fáceis. Inserido no grupo “B” estreia foi com derrota diante da Nigéria (80-69), mas seguiu-se mais uma, desta feita diante da campeã Senegal (76-67). A primeira vitória surgiu contra a Guiné-Conacri (88-47). Moçambique voltou a somar uma vitória, tendo sacrificado a República Democrática de Congo (52-42), encerrando a fase regular com derrota contra Egipto (91-70). Tal como anunciámos, o jogo dos quartos-de-final foi contra o rival Angola, e Moçambique foi simplesmente demolidor (61-47). Já na meia-final, não consegui suplantar a fortíssima formação senegalesa (72-52). Para o de atribuição do terceiro lugar, Moçambique perdeu ontem para a anfitriã Mali (75-52).

 

Deanof Potompuanha

 

Fonte:Desafio

Moçambique e Quénia batem-se em Bulawayo na abertura da COSAFA

 

A participação de Moçambique na quinta edição do Torneio Feminino da COSAFA a ter lugar em Bulawayo, em Zimbabué, nos dias 13 a 24 de Setembro constitui um momento único para o conjunto moçambicano resgatar o seu nome e apagar as más memórias tidas ao longo das suas participações.

 


Quénia será o primeiro adversário de Moçambique no desafio da jornada inaugural agendado para o dia 14 de Setembro, no Luveve Stadium quando forem 14:00 horas. Ma, antes disso as Maurícias, que também encontra-se no mesmo grupo (B) que Moçambique medirá forças com a Suazilândia (as 10h:30) e a África do Sul, que está no Grupo “C” terá pela frente o Lesoto.

 

Moçambique só voltará a entrar em cena no dia 16 de Setembro onde irá jogar diante da Suazilândia devendo terminar a fase de grupos com as Maurícias no dia 18 de Setembro.

 

Recorde-se que em 2015 as raparigas moçambicanas cruzaram-se com a Suazilândia num jogo de carácter particular tendo em vista a preparação para o torneio da COSAFA. No referido encontro Moçambique venceu por 2-0, sendo que no segundo ensaio as meninas da Pérola do Índico levaram de vencida sobre as Ilhas Seicheles por 7-1, numa partida que teve lugar em Nelspruit, África do Sul.

 

Dois anos depois a selecção feminina de futebol regressa as competições totalmente rejuvenescida e cheia de confiança para iniciar uma nova era a dar os primeiros passos para a sua afirmação.

 

Com efeito, as representantes moçambicanas já iniciaram com os trabalhos de preparação desde a última segunda-feira. Felizarda Lemos, a nova técnica da equipa moçambicana escolhida para segurar os destinos do seu conjunto pelo menos nesta prova. A timoneira entra em substituição de Abeneiro Ussaca que trabalhou com a selecção durante um ano.

 

Embora ainda não tenha sido apresentada oficialmente pela Federação Moçambicana de Futebol (FMF), Fifi, como é carinhosamente tratada nos meandros desportivos já trabalha no terreno com vista a eleger o naipe de jogadoras que poderão defender os interesses dos moçambicanos neste torneio.

 

Calendário dos jogos

 

13 de Setembro (Barbourfields Stadium)             

Namíbia vs Botsuana             (10h30)             
Zâmbia vs Malawi                 (14h00)
Zimbabwé vs Madagáscar     (16h30)

 

14 de Setembro  (Luveve Stadium)
Maurícias vs Swazilândia       (10h30)
Quénia vs Moçambique         (14h00)
África do Sul vs Lesoto           (16h30)

 

15 de Setembro (Barbourfields Stadium)
Madagáscar vs Malawi         (10h30)
África do Sul vs Namíbia        (14h00)
Zimbabwe vs Zâmbia             (16h30)

 

16 de Setembro  (Luveve Stadium)
Quénia vs Maurícias              (10h30)        
Lesoto vs Botsuana                (14h00)              
Moçambique vs Suazilândia  (16h30)  

  

17 de Setembro  (Barbourfields Stadium)
Zâmbia vs Madagáscar         (10h30)             
Zimbabwe vs Malawi             (14h00)             
África do Sul vs Botsuana      (16h30)  

          

18 de Setembro (Luveve Stadium)
Namíbia vs Lesoto                  (10h30)              
Maurícias vs Moçambique    (14h00)             
Quénia vs Suazilândia            (16h30)    

 

Por Raimundo Zandamela

 

Fonte:Desafio

Leia Dongue no cinco ideal

 

A poste moçambicana, que foi determinante para que Moçambique estivesse nos quatro primeiros lugares do “Afrobasket”, foi eleita uma das cinco melhores atletas de África.

 

Além da moçambicana do 1.º de Agosto de Angola, Italee Lucas, americana nacionalizada angolana; Astou Traore (Senegal), Osaretin Akhator (Nigéria) e Abety Imbangueret II (República Centro Africana) preenchem o “cinco”.

 

Deanof Potompuanha

 

Fonte:Desafio

Badrú avança com confiança

 

A sete dias das eleições para a presidência da Federação Moçambicana de Atletismo (FMA), Kamal Badrú apresenta-se bastante confiante, por acreditar que o seu manifesto vai de encontro às pretensões da família da modalidade, que quer uma maior aposta na formação através de apoio directo às iniciativas que podem ajudar a revitalizar o atletismo.

 

O candidato, que promete massificar o atletismo à escala nacional, acredita que devido aos custos de movimentação relativamente baixos a modalidade pode levantar o nome de Moçambique para altos patamares.

 

Entretanto, Badrú reconhece que para o efeito é preciso trabalhar em parcerias.A única medalha olímpica que Moçambique conquistou na sua história pertence ao atletismo. Este facto, por si só, deve servir de chamariz para que empresas e instituições possam apostar na modalidade, apoiando-a e patrocinando os seus eventos e não podemos esquecer que os custos para a sua prática são relativamente baixos se comparados às modalidades colectivas, por exemplo,afirmou o candidato.

 

Badrú, que já foi vogal e posteriormente secretário-geral do actual elenco, diz que aprendeu muito naquele período, por isso não receouem aceitar o conviteformulado por algumas associações provinciais.Como secretário-geral aprendi muito sobre a modalidade e a conhecer as lacunas. Posso dizer que maior parte das actividades foram implementadas por mim e conheço melhor que ninguém o que a modalidade precisa para continuar a se desenvolver, afirmou.

 

Atanásio Zandamela

 

Fonte:Desafio

“Nacionais” antecedem eleições

 

Os Campeonatos Nacionais de Atletismo 2017 iniciam amanhã (terça-feira) na cidade de Chimoio, em Manica, com a disputa do evento em juvenis nos primeiros dois dias. 

 

Na quinta (31) e sexta-feira (1) será a vez de juniores entrarem em acção, ficando o de seniores previsto para domingo (3) e próxima segunda-feira (4).

 

Lembre-se que o Ferroviário da Beira, em femininos, e a Universidade Pedagógica de Maputo, em masculinos, são os campeões em título em juvenis, enquanto os de juniores estão na posse da UP Maputo em masculinos e do Núcleo do Bagamoio em femininos. Já nos seniores os títulos foram partilhados pelo Desportivo (femininos) e Ferroviário de Maputo (masculino).

 

Entretanto, ao contrário dos cerca de 50 elementos inicialmente previstos, a FMA decidiu pelo apoio de 210 integrantes das 11 províncias esperadas para os “Nacionais”. 

 

Com este incremento de mais de 300 por cento a entidade que gere a modalidade espera abranger mais participantes e fazer deste o maior “Nacional” do mandato que termina dia 5 com a eleição dos novos corpos directivos.  

 

Atanásio Zandamela

 

 

Fonte:Desafio

Costa do Sol recebe ENH sob grandes precauções

 

O COSTA do Sol recebe domingo a ENH de Vilankulo sob risco de perder completamente de vista a União Desportiva do Songo na corrida ao título do Moçambola-2017, que roda este fim-de-semana a 25ª jornada. Os jogos desta ronda realizam-se todos no domingo.

 

A sete pontos da equipa do Songo (52), líder destacado da prova, os “canarinhos” (45) estão proibidos de perder se quiserem continuar a sonhar com o título, sobretudo porque a UD Songo continua implacável.

 

O Songo parte também para uma missão complicada na recepção ao Maxaquene, este que já espreita a zona de despromoção, portanto muito preocupado com a má fase que atravessa nesta recta final da prova e que já lhe coloca numa situação de grande aflição.

 

Muito motivados e determinados, há bom tempo que os “hidrocarbonetos” não perdem tanto dentro como fora de casa, facto que coloca os “tricolores” numa situação tremenda, depois da recente derrota com Costa do Sol.  

 

Outro jogo que chama atenção aos amantes do Moçambola, mas que não decide praticamente nada já que fica cada vez mais evidente que a luta pelo título é reservada à UD Songo e Costa do Sol, coloca frente-a-frente a Liga Desportiva de Maputo e o Ferroviário da Beira, no reduto da primeira formação. As duas equipas partilham a sexta posição, ambas com 34 pontos.

 

Em terceiro lugar, o Chibuto (39) recebe a aflita UP Niassa, sob risco de descer de divisão, actualmente na penúltima posição. Com os olhos postos no segundo lugar, os “guerreiros” estão em condições de redimir-se da recente derrota frente ao Desportivo de Nacala, este que defronta o conterrâneo Ferroviário. É caso para dizer que terremos o duelo nacalense e que, pela história, promete muita rixa no terreno e grandes emoções nas bancadas. Esperamos que não seja um jogo para mais casos de violência em virtude da rivalidade extrema entre as duas equipas.

 

O Ferroviário de Maputo tem igualmente uma missão espinhosa na sua deslocação ao reduto do Textáfrica, este que procura os lugares mais confortáveis e que lhe garantam a manutenção. Os “locomotivas” também não gozam de boa saúde e lutam para preservar o seu estatuto, que passa por melhorar a sua classificação, estando neste momento a meio da tabela.

 

À busca do conforto está igualmente o Ferroviário de Nampula, que recebe o Chingale, já sobre a linha de água. Por último, o jogo de aflitos entre o 1º de Maio de Quelimane e a Associação Desportiva de Macuácua.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Diogo é a novidade na convocatória dos Mambas para jogo com Quénia

 

O médio ofensivo Diogo, do Ferroviário de Maputo, é a novidade da convocatória dos Mambas que o seleccionador nacional de Moçambique, Abel Xavier, anunciou na manhã de hoje com vista ao embate diante do Quénia, de carácter particular, a realizar-se no próximo dia 2 de Setembro, pelas 18:00 horas, no Estádio Nacional do Zimpeto.Além do regresso de Diogo, que esteve fora das últimas convocatórias devido a divergências já sanadas com o seleccionador nacional, outras notas de realce na era Abel Xavier vão para as entradas, pela primeira vez, do médio Kito, do Costa do Sol, e do guarda-redes Ricardo Campos.

 

Os trabalhos do combinado nacional iniciam na terça-feira, dia 29 do corrente mês, sendo que até ao momento não se sabe a hora da primeira sessão de treinos.

 

Os quenianos chegam à capital moçambicana na quinta-feira, dia 31, todavia só na sexta-feira é que farão o treino de reconhecimento do piso.

 

Eis a lista dos convocados: guarda-redes – Guirrugo (Costa do Sol); Victor (Ferroviário de Nacala) e Ricardo Campos (U. de Leiria). Defesas: Salomão (Costa do Sol); Zainadine (Marítimo); Mexer (Stade Rennais); Jeitoso e Edmilson (Cape Town City) e Reinildo (Sporting da Covilhã). Médios: Clésio (Panetolikos), Telinho (Liga Desportiva de Maputo), Raul (Ferroviário de Nampula), Geraldo (Nacional da Medeira), Kambala e  Luis ( União Desportiva do Songo), Lóló e Kito (Costa do Sol), Diogo ( Ferroviário de Maputo) e Gildo (Marítimo). Avançados: Dominguez (Bidwest Wits), Ratifo (Köln II), Maninho e Dayo (Ferroviário da Beira) e, por fim, Isac (Costa do Sol).

 

Fonte:Desafio

Zainadine e Gildo falham acesso à fase de grupos

 

 

A dupla moçambicana do Marítimo, que alinhou de início no onze de Daniel Ramos (Gildo a fazer os primeiros 45 minutos e Zainadine totalista) perdeu na noite desta quinta-feira por três bolas a uma, na Ucrânia, frente ao Dínamo do Kiev, falhando deste modo o acesso à fase de grupos da Liga Europa.

 

A equipa dos dois internacionais moçambicanos, convocados pelo seleccionador nacional para o particular de 02 de Setembro no Estádio Nacional do Zimpeto frente ao Quénia, perdeu a eliminatória com um agregado de 3-1.

 

Recorde-se que no primeiro jogo entre as duas formações  realizado há oito dias na Madeira, o resultado terminou empatado a zero bolas.

 

Por Gilberto Guibunda

 

Fonte:Desafio

Comité Olímpico de Moçambique realiza hoje primeira assembleia-geral

 

O Comité Olímpico de Moçambique (COM), dirigido por Aníbal Manave, recentemente eleito em substituição de Marcelino Macome, realiza hoje, pelas 16:30 horas, no anfiteatro da sua sede, a primeira assembleia-geral extraordinária.

 

Esta magna reunião tem como principal agenda a apresentação, discussão e aprovação do plano de actividades para o último período do ano de 2017, bem como será feito o lançamento oficial do website do da instituição.

Fazem parte da Assembleia Geral, conforme preconizado no estatuto, o elenco do COM e todas as Federações Nacionais Olímpicas em pleno exercício legal do seu mandato.

 

 

Fonte:Desafio

Moçambique perde com Egipto

 

 

 

A SELECÇÃO Nacional de basquetebol sénior feminina terminou em quarto lugar no Grupo “B” do Afrobasket-Mali 2017, ao perder diante do Egipto por 90-71.

 

Com o apuramento confirmado, já que tinha garantido o quarto lugar, cabia a equipa moçambicana lutar pelo terceiro lugar para fugir a um confronto com a campeã africana, Angola. Não foi possível, nos quartos-de-final os adeptos da bola-ao-cesto podem esperar por um duelo em português quando Moçambique e Angola defrontarem-se amanhã.

 

Tal como tinha ficado evidente no jogo da terça-feira frente a RD Congo, a defesa voltou a denotar muitas fragilidades. Cometeu muitos erros de ordem de posicionamento e até de marcação. O primeiro período foi o espelho da falta de organização defensiva. Em 10 minutos, as treinadas de Nazir Salé sofreram 32 pontos e marcaram 19. Uma má entrada, que de alguma forma hipotecou as chances de Moçambiquesuperar o Egipto. O segundo período foi uma excepção, pois foi o único em que o conjunto nacional conseguiu impor-se. Venceu por 19-12. A saída para o intervalo, as “faraós” comandavam com uma vantagem de seis pontos, 44-38. Esperava-se que a Selecção Nacional entrasse com a mesma atitude e disposição demonstrada no segundo período. Não aconteceu. Repetiram-se os “colossais” erros de finalização, muitas bolas perdidas, passes falhados e lacunas defensivas. A selecção egípcia tirou e bem proveito desse conjunto de aspectos para vencer o terceiro e quarto períodos por 19-12 e 28-20, respectivamente.

 

Com 13 pontos, Leia Dongue voltou a ser a “cestinha” da turma nacional, enquanto Deghady do Egipto foi a mais concretizadora no geral com 16 pontos.

 

Fonte:Jornal Noticias