Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

QUADRO DE RESULTADOSE CLASSIFICAÇÃO ACTUAL

Costa do Sol-Desp. Nacala     (1-0)

 Fer. Maputo-Liga (1-0)

Maxaquene-Fer. Quelimane (0-0)

Fer. Beira-Chibuto (1-1)

1.º de Maio Quelimane-Desp. Maputo (0-0)

Fer. Nacala-Fer. Nampula (1-1)

HCB-ENH (2-0)

 

                                                J           V         E          D         B         P

1.º Fer. Maputo                       25        12        7          6          33-17   43

2.° Costa do Sol                      25        12        7          6          27-16   43

3.° Liga Desportiva                 25        11        7          7          20-12   40

4.º Fer. Beira                          25        11        6          8          24-19   39

5.° HCB                                  25        10        8          7          21-15   38

6.° Fer. Nampula                     25        9          9          7          17-17   36

7.° Fer. Nacala                        25        9          7          9          17-14   34

8.° ENH                                  25        9          7          9          22-25   34

9.º Maxaquene                        25        9          6          10        19-20   32

10.º Chibuto                            25        7          10        8          23-22   31

11.º Desportivo                       25        7          8          10        16-24   29

12.º Desp. Nacala                    25        6          9          9          15-25   27

13.° 1.° de Maio                      25        5          11        9          15-23   26

14.° Fer. Quelimane                25        2          10        13        8-26     16

 

Próxima jornada (26.ª): Chibuto-Costa do Sol, Fer. Nampula-Fer. Maputo, Desp. Nacala-1º Maio, Desp. Maputo-HCB, Liga-Fer. Beira, Fer. Quelimane-Fer. Nacala e ENH-Maxaquene.

 

 

JOCAS ACHAR

 

 

Fonte:Jornal Noticias

COSTA DO SOL, 1 - DESP. NACALA, 0: Com alguma dose de sorte

O COSTA do Sol acabou sendo bafejado pela sorte no confronto com o Desportivo de Nacala, com o tento arrancado na sequência de uma grande penalidade, aos 73 minutos da contenda, depois de tantos desperdícios que quase comprometiam as aspirações do “canário” na corrida ao título.

 

Os “canarinhos” assumiram o protagonismo do jogo logo de início. Fruto disso, o infalível Lineker falhou por pouco o alvo, com uma tentativa de “chapéu”. Mas o esférico saiu pouco por cima de travessão. Feito isto, foi a vez de Manucho atirar um pouco ao lado. O lance antecedeu a jogada que culminava com o autogolo de Miterland, na tentativa de atrasar o esférico para o guarda-redes David.

 

O Costa do Sol continuou a fustigar o último reduto dos nacalenses, mas sem atinar com a baliza, com falhas incríveis no interior da grande área e desarmes por atrapalhices dos homens mais adiantados.

 

Com esta forma de jogar do “canário”, o Desportivo de Nacala experimentou grandes dificuldades para sair a jogar da sua zona, mas ensaiou alguns contra-ataques que não tiveram a devida sequência perante a atenção da defensiva bem compacta da equipa da casa. Para além de que grosso modo dos seus jogadores estavam encurralados no último reduto da turma visitante, o que dificultou as manobras nas suas descidas em contra-ataque.

 

Portanto, o Costa do Sol só pode se queixar da sua ineficácia ofensiva, porquanto as oportunidades foram inúmeras de finalizar, mas sem ser preciso no momento da verdade. O “canário” ainda teve em Manucho a ocasião de marcar, mas David defendeu. Aliás, foi perante a falta de atrevimento na finalização, aliada a alguma robustez defensiva, que os nacalenses se safaram até ao fim da primeira parte. Aliás, os nacalenses por pouco saíam para o intervalo a vencer. Houve um cruzamento em arco, tendo Odilo aparecido nas alturas a cabecear para o travessão, já no período de compensação.

 

Numa tarde em que Rúben, o jogador mais flexível do “canário”, estava apagado, as incursões ofensivas da turma de casa amainaram na etapa complementar, numa altura que o Desportivo de Nacala estava mais organizado no seu sistema de jogo e actuava de forma aberta. Mas foi o “canário” que esteve à beira do golo, com Jojó a centrar para o interior, tendo Lineker e Mfiki chegado atrasado para empurrar o esférico, com o guarda-redes já abatido no lance.  

    

Mas o Costa do Sol acabou sendo bafejado pela sorte com a carga sobre Cosme, no interior da grande área, por Miterland, tendo o “capitão” Dário Khan transformado a grande penalidade com êxito, aos 68 minutos. Porém, teria sido alegria de pouca dura se Odilo não tivesse desperdiçado a oportunidade clara de visar a baliza de Soarito. O “capitão” Coutinho centrou precisamente para o meio-campista, que atirou alto na boca da baliza, aos 73 minutos.

 

Já nos minutos finais, o Desportivo de Nacala beneficiou de uma série de pontapés de canto, que levaram muito perigo à baliza de Soarito, que teve de se aplicar a fundo para evitar o pior.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Filimão Filipe, auxiliado por João Paulo e Carlos Alberto. O quarto árbitro é Paiva Dias.

 

COSTA DO SOL: Soarito; João Mazive, Dário Khan, Gerson e Dito; Manuelito, Manucho (Cosme), Mfiki e Rúben; Lineker e Jójó.

 

DESP. NACALA: David; Lórdio, Idrissa, Isaías e Miterland; Essien, Odilo, Maninho (Zé) e Kikito (Emmanuel); Coutinho e Gito (Simba).

 

DISCIPLINA: cartões amarelos para Miterland, Simba e Essien.

 

SALVADOR NHANTUMBO

 

Fonte:Jornal Noticias

1.º DE MAIO, 0 – DESP. MAPUTO, 0: “Operários” trabalham sem ferramentas

 

ONZE oportunidades de golo desperdiçadas e oito pontapés de canto não aproveitados revelam uma acentuada crise de pontaria por parte dos atacantes do 1,º de Maio de Quelimane, perante um adversário, o Desportivo de Maputo, ao seu alcance.

 

Com o campo do Ferroviário de Quelimane completamente cheio, os adeptos “locomotivas” saíram cabisbaixos e incrédulos, porque, antes do início do prélio, alimentaram a crença de que o jogo seria de manutenção para encarar o último confronto com alguma tranquilidade.

 

A equipa da casa jogou bem, sobretudo na etapa complementar, altura que "alugou" o meio-campo adversário com entradas constantes pelos flancos, mas sem traduzir em golo as oportunidades criadas. Pareceu que os “operários” se tivessem esquecido das suas ferramentas em casa do que propriamente uma equipa que habituou o seu público a jogar de peito aberto.

 

Os “alvi-negros” tomaram, nos primeiros 10 minutos, as rédeas do jogo, empurrando o adversário para o seu reduto mais recuado. Já no primeiro quarto de hora, os locais sacudiram a pressão e cairam por cima da “águia”, tendo criado cinco oportunidades de golo. Com nulo no marcador, os três conjuntos foram ao intervalo.

 

Na etapa complementar, os dois treinadores operaram substituições que visavam dar maior agressividade ao sector atacante. José Lobo, o novo timoneiro do 1.º de Maio, tirou, numa só sentada, Júnior, Mamudo  e Marcos, e lançou para o jogo Joaquim, Chuly e Danito. Por seu turno, Dário Monteiro substituiu Carlitos, Laque e Sataca Júnior. As alterações nos xadrezes iniciais trouxeram uma nova dinâmica e, logo nos primeiros 20 minutos, os “alvi-negros” controlaram o jogo. Saíram a jogar da sua defensiva para o ataque com o esférico a rodar de jogador para jogador. E, nalgumas vezes, ensaiando remates à meia distância. Mas Bright, o guarda-redes dos operários, esteve atento às "encomendas".

 

A equipa da casa acordou na ponta final do jogo e teve uma reacção explosiva. Foi nessa altura que mandou recuar o adversário. Com entradas fulgurantes da esquerda e direita, obrigou o Desportivo a defender-se com unhas e garras e teve que aliviar muitos contra-ataques para melhor se reorganizar. O nulo permaneceu até ao apito final.

 

A equipa de arbitragem, dirigida por Samuel Chirindza, esteve bem.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Samuel Chirindza, coadjuvado por Jorge Mhula e Pedro Madala. O quarto árbitro foi Isac Domingos.

 

1.º DE MAIO: Bright; Fred, Marcos (Joaquim), Agenor e Beto; Nelson, Onélio, Muassano, Rodrigues, Júnior (Chuly) e Mamudo (Danito).

 

DESP. MAPUTO: Helvêncio; Sidique, Agy, Hermínio e Laque (Jorge); Carlitos (Tchaka), Clemente, Sataca Júnior (Pedrito) e Mambo; Lanito e Lalá.

 

ACÇÃO DISCIPLINAR: cartões amarelos para Agy e Mambo, ambos do Desportivo.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

FER. BEIRA, 1- CHIBUTO, 1: O fim do sonho

 

O FERROVIÁRIO da Beira viu o seu sonho da luta pelo título do Moçambola ruir, ao empatar, ontem, em pleno “caldeirão” do Chiveve, a uma bola diante do Chibuto, equipa que está no encalço da manutenção na prova.

 

A turma visitante entrou melhor no jogo dando mostras de que veio à Beira não para fazer turismo, mas sim para jogar futebol, tendo, logo nos primeiros minutos, dando aviso a Willard, guarda-redes dos “locomotivas”. Obel roubou a bola a um contrário, cruzando de imediato para o coração da área, onde pareceu Chawa a cabecear para a defesa incompleta do “keeper” zimbabweano.

 

Depois foi a vez de Narciso, que, numa jogada de contra-ataque rápida, rematou forte para mais uma defesa incompleta de Willard, e era o segundo aviso à navegação.Enquanto o Chibuto circulava bem a bola de pé para pé, parecendo que estava a jogar no seu burgo, o Ferroviário organizava-se a partir do seu meio-campo donde partia com muito perigo para o reduto dos gazenses.

 

Neste jogo serviu o adágio popular segundo o qual “quem não marca sofre”. Foi isso mesmo. O Ferroviário chegou ao primeiro golo aos 13 minutos, através dos seus habituais contra-ataques letais. O irrequieto Reinildo roubou bola e passou por dois contrários para, da linha do fundo, cruzar para o cabeceamento do “capitão” Maninho, que acertou em cheio.

 

O Chibuto não acreditou. Procurou o golo do empate, mas os seus atacantes eram perdulários no momento da verdade. E assim foi-se ao intervalo.

 

A segunda parte começou novamente com a turma de Lucas Barrarijo, que conhece bem todas as esquinas do “caldeirão”, a entrar bem-disposto para mudar o rumo dos acontecimentos. O golo do Chibuto esteve à vista, aos 52 minutos, quando Cedric, cara-a-cara com Willard, atrapalhou-se rematando ao lado da baliza.

 

O golo do empate surgiu aos 59 minutos, por intermédio de Chicualacuala, numa brincadeira da defensiva “locomotiva”. Jossias roubou a bola ao recém-entrado Emídio, na zona proibida, e de seguida serviu a Cedric, que cruzou para o remate forte de Chicualacuala, sem hipótese de defesa de Willard.

 

Daí em diante, o Ferroviário da Beira acordou, tendo carregado no seu acelerador, mas estava diante de uma equipa do Chibuto bem estruturada, sobretudo na defesa, anulando todas as investidas dos donos da casa, estes que viram o fim do seu sonho a ruir aos pés dos gazenses.

 

A equipa de arbitragem tem nota razoável. Arlindo Silvano assinalou faltas a favor do Chibuto em detrimento do Ferroviário, para além do desentendimento com os seus auxiliares. Mas não influenciou no resultado final.

 

FICHA TECNICA

 

ÁRBITRO: Arlindo Silvano, auxiliado por Baltazar Hilário e Carlos Guambe. Afonso Xavier foi o quarto árbitro.

 

FER. BEIRA: Willard; Elísio (Emídio), Mambucho, Cufa e Edson; Reinildo, Paito, Ricardo, Maninho (Jacob), Mário (Gildo) e Nelito.

 

CHIBUTO: Zacarias; Cristopher (Adebayor), Maninho, Jossias, Chawa (Chiganda), Chiculacuala, Obel, Narciso, Cedric; Omar e Dário Chissano (Luís).

 

DISCIPLINA: cartões amarelos para Elísio e Cufa, ambos do Ferroviário da Beira.

 

LAITON SIFA

 

 

Fonte:Jornal Noticias

FPD tem 14 meses para concluir obras

 

O Fundode Promoção Desportiva (FPD) deverá concluir nos próximos 14 meses a construção dos complexos desportivos de Pemba, em Cabo Delgado, e Gondola, em Manica, bem como a reabilitação do Parque dos Continuadores, na cidade de Maputo.

 

A exigência foi feita ontem na capital do país pelo Primeiro-Ministro, Carlos Agostinho do Rosário, falando na cerimónia de posse do novo director-geral do FPD, Adamo Bacar, que substitui Inácio Bernardo daquele cargo.

 

A disponibilização daquelas três infra-estruturas até ao final do próximo ano visa permitir que a juventude encontre mais espaços para desenvolver o seu talento desportivo, de acordo com o PM.

 

O governante, que na mesma cerimónia empossou outros três directores-gerais e um director-geral-adjunto, recomendou à nova Direcção do Fundo para que dê uma especial atenção à gestão da Cidadela Desportiva do Zimpeto com vista à sua rentabilização e permitir que as infra-estruturas lá implantadas produzam receitas para a respectiva manutenção.

 

De forma geral, e segundo o PM, o Governo quer um Fundo de Promoção Desportiva que desenvolva acções para o aumento e melhoria das infra-estruturas do sector não somente nas cidades e vilas, mas também nas comunidades, bairros e escolas.   

    

Adamo Bacar assumiu que as responsabilidades impostas são acrescidas, acrescentando haver, de facto, necessidade de concluir as obras dos complexos desportivos de Pemba e Gondola, o que passa por mobilizar financiamentos para o efeito.

 

Falando da rentabilização da Cidadela do Zimpeto, disse que acaba de assinar um contrato-programa com uma instituição da praça vocacionada à gestão imobiliária para a exploração doaparthotel que tem sido usado por desportistas, o que conferirá ganhos ao FPD.

 

Quanto ao Parque dos Continuadores, o Presidente da República recomendou na tarde de 17 de Setembro ao FPD e ao Ministro da Juventude e Desportos, Alberto Nkutumula, para que a emblemática pista volte a estar operacional para o desporto nacional.

 

Filipe Nyusi fez aquela exortação depois da visita-relâmpago que efectuou à infra-estrutura, cuja pista de tartan se encontra completamente degradada e sem mínimas condições para a prática do atletismo, uma modalidade que já trouxe para o país glórias de nível mundial.

 

O PR instruiu ao ministro a fazer o levantamento do que é necessário para se voltar a ter a infra-estrutura operacional. O estadista verificou no terreno que nem tudo tinha a ver com a falta de dinheiro, como é o caso de limpeza ao recinto, que não era feita há algum tempo.

 

O espaço está sob gestão do Fundo, que, por sua vez, alocou-o a uma empresa privada.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Pág. 11/11