Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

FER. NAMPULA, 2-LIGA DESPORTIVA, 1: Mas que jogo feio!

logo ldm.jpg

 

LOGO à partida parecia que seria um jogo táctico e tecnicamente bem disputado entre os dois intervenientes. Mas quem pensou assim, enganou-se redondamente. Pois, o que se notou, tanto no primeiro tempo, assim como no segundo, foi mais o contacto físico, na maioria dos casos deliberados, entre os jogadores do que propriamente a troca de bola.

 

A violência física entre jogadores chegou a paralisar a partida em alguns minutos. Essa violência atingiu o ponto mais alto quando Sonito agrediu Ernest. No entender dos adeptos do Ferroviário, o árbitro deveria ter exibido cartão vermelho ao agressor. Aliás, o árbitro foi um dos principais culpados dessa violência, ao tolerar demasiadamente atitudes incorrectas de alguns jogadores, principalmente da Liga Desportiva de Maputo. A actuação da equipa de arbitragem fez com que houvesse troca de palavras entre ela, jogadores e técnicos das duas equipas. Provocou igualmente o arremesso de garrafas de água para o campo.

 

No concerne ao jogo, dizer que o encontro começou com as duas equipas a jogarem de igual para igual, mesmo com jogadas sem sentido e nem coordenação. Apesar de evidenciar-se em termos de oportunidades, o Ferroviário de Nampula não encontrou a forma eficaz que lhe permitisse marcar logo nos primeiros minutos.

 

O ligeiro domínio dos visitados teria sido traduzido em golo, quando, depois de uma jogada de belo feito de Ernest, este não conseguiu violar a baliza defendida por Joaquim. A Liga Desportiva de Maputo reagiu prontamente e podia ter inaugurado o marcador, aos 15 minutos, tendo valido a intervenção difícil de Pinto, que defendeu um forte remate de Kito.

 

Mesmo com jogadas feias, particularmente da equipa visitante, o ligeiro domínio dos nampulenses foi traduzido em golo, aos 34 minutos, quando Vivaldo, em posição privilegiada, remata com êxito à baliza contrária, resultado com que terminou a primeira parte do jogo.

 

No reatamento, o cariz da partida não mudou muito, a violência continuou, pese embora o público afecto ao Ferroviário exigisse um pouco mais da equipa que, aos 53 minutos, marca o segundo golo por intermédio de Avelino.

 

Entretanto, numa altura em que parecia não estar em causa a vitória dos “locomotivas” da capital do norte, eis que aos 56 minutos Andro, numa bela jogada e aproveitando a confusão surgida na área defensiva dos donos de casa, faz 2-1. Daqui em diante assistiu-se a um jogo muito renhido, mas, como está dito, a ser manchado pelos confrontos físicos do que propriamente na disputa da bola, situação que levou a que a partida registasse muitas paragens desnecessárias.

 

Em suma, foi um jogo muito feio, e é triste que até hoje assistamos nos campos desportivos cenas vergonhosas como as que se verificaram no campo 25 de Junho, em que o próprio árbitro terá sido culpado.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO:Samuel Chirindza auxiliado por José Mula Abibo Adinane.

 

FER. NAMPULA: Pinto, Gervásio, Ernest, Foster, Dondo, Kalanga, Óscar, Buramo, Vivaldo; Gildo (Calton) e Avelino (Eboh).

 

LIGA DESPORTIVA:Joaquim; Chico, Telinho (Washington), Liberty (Belito), Eusébio, Kito, Gildo, Hagi, Edson (Osvaldo); Sonito e Andro.

 

ACÇÃO DISCIPLINAR: cartões amarelos para Sonito e Ernest.

 

MOUZINHO DE ALBUQUERQUE

 

Fonte:Jornal Noticias

FER. QUELIMANE, 1 - CHIBUTO, 1: Nuvunga na jogada!

chibuto fc.jpg

 

QUANDO se fala em divindades muitas vezes os nomes que se pronunciam são Deus ou Alah. Todavia, no jogo entre Ferroviário de Quelimane e Chibuto houve um outro Deus.

 

Assistiu-se, logo que iniciou a partida e até meia hora do jogo, um Ferroviário mais destemido e afoito procurando espaços para colocar as linhas de passe que visavam a baliza contrária. Aos 16 e 25 minutos, respectivamente, Almeida e Betinho pregaram um susto. O primeiro, no lance de contra-ataque, fez o esférico embater com um remate violento o travessão. O segundo obrigou Zacarias a uma defesa apertada, com um remate a meio da rua.

 

A formação visitante ia ensaiando lances de ataque, mas que não encontravam a devida finalização por causa do esquema defensivo apertado montado pelos donos da casa. Estavam lançados os dados de um jogo que opunha os aflitos da tabela classificativa. A partir daí viu-se uma arbitragem bastante tendenciosa, que cortava todos os lances de ataque do Ferroviário de Quelimane. Bastava os “locomotivas” carregarem o acelerador para o árbitro apitar fora-de-jogo ou qualquer infração inventada para cortar o lance. Mais do que isso, distribuiu cartões amarelos e ameaçou os jogadores “locomotivas”. O próprio árbitro confundia-se com massagista ou maqueiro da equipa quelimanense, isto para favorecer a equipa visitante. Ralhou muitas vezes com os jogadores lesionados. Foi assim que terminou a primeira parte, sem que os jogadores tivessem espaço para mostrar o que sabem.

 

Veio a segunda parte e o cenário da arbitragem não mudou completamente em nada. Aos 42 minutos Henriques viu o seu cruzamento a rasgar a área, mas sem ninguém para empurrar o esférico para o fundo das malhas.

 

De seguida houve desatenção na defensiva do Chibuto. Luís perdeu o controlo do esférico quando um colega seu jogou atrasado. Na circunstância apareceu Fila a interceptar a bola e fez chapéu ao guarda-redes contrário, abrindo assim o activo pela primeira vez.

 

O Chibuto não baixou de produção. Reagiu bem ao golo e procurou jogar totalmente balanceado ao ataque, procurando linhas para colocar a bola. Foi na sequência dessa actuação, quando já se jogava o período de compensação, que Chawa apareceu num lance de contra-ataque e disparou frouxo para igualar o resultado. Diga-se em abono da verdade que este empate foi produzido pelo árbitro da partida, visto que deu seis minutos de compensação quando na verdade seriam três.Teve uma prestação desastrosa a todos os níveis.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Arlindo Nuvunga, coadjuvado por Elisa Marques e Ivo Muiambo.

 

FER. QUELIMANE: Vítor; Jojó, Fila (Santos), Quaresma (Muthong), Henriques, Délcio, Vovote, Bily, Bony, Almeida (Txocolo) e Betinho.

 

CHIBUTO: Zacarias; Narciso, Chrisphe, Obel, Maninho (Dário Chissano), Luís, Cedric, Adebayour, Omar, Jossias e Palatão (Tony.)

 

ACÇÃO DISCIPLINAR: cartões amarelos para Bily, Bony e Betinho, todos do Ferroviário de Quelimane

 

JOCAS ACHAR

 

Fonte:Jornal Noticias

Pág. 11/11