Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Fer. Beira e HCB batem-se ainda para 1ª eliminatória

O FERROVIÁRIO da Beira recebe hoje, a partir das 14:30 horas, a HCB, em jogo da primeira eliminatória da Liga BNI.

 

Nesta partida será encontrada a oitava equipa que se juntará ao Maxaquene, Costa do Sol, Liga Desportiva de Maputo, Clube do Chibuto, Ferroviário de Nampula, Ferroviário de Nacala e 1° de Maio de Quelimane já apuradas para os quartos-de-final.

 

No campo do Ferroviário da Baixa (Beira) jogam duas formações em boa forma, algo reflectido pelas boas prestações no Moçambola nas últimas jornadas, embora a jogar em casa, os beirenses sejam favoritos. 

 

O Ferroviário da Beira está em todas as frentes, tendo entrado na corrida ao título, mercê da vitória, em Maputo, frente ao Costa do Sol, a juntar ao facto de estar nas meias-finais da Taça de Moçambique/mcel.

 

Fonte:Jornal Noticias

Sporting de Quelimane campeão da Zambézia

MURAL DO SPORTING DE QUELIMANE.png

 

O SPORTING de Quelimane sagrou-se domingo último campeão provincial de futebol na província da Zambézia. Os “leões” amealharam, ao fim da competição, 44 pontos no topo da tabela classificativa.

 

No jogo da última jornada, o Sporting empatou a duas bolas com o seu eterno rival, o Benfica, também de Quelimane. Os “encarnados” marcaram os golos de empate durante o tempo de compensação, depois de estar a perder toda a segunda parte.

 

Deste modo, os “leões” ganharam o direito de participar na “poule” da zona centro deste ano e vão discutir a qualificação ao Moçambola-2016 com o Textáfrica, Chingale e Têxtil de Púnguè.

 

A “poule” deste ano terá duas séries, sendo a primeira dos campeões provinciais e outra dos vice-campeões. O "vice" da Zambézia é precisamente o Benfica de Quelimane, que terminou a prova com 40 pontos, também com grandes ambições de se qualificar ao Moçambola-2016.

 

Entretanto, para a 11ª jornada da segunda volta, registou-se uma falta de comparência do FC de Marombava, que não se deslocou a Gúruè para medir forças com Murrimo Macadamia. A Associação Provincial marcou falta de comparência à equipa de Morrumbala.

 

Nos outros jogos, a Universidade Pedagógica cilindrou o Vila Real de Quelimane, por 4-1, enquanto o Sporting de Namacurra perdia frente ao 3 de Fevereiro, por 1-2. O Ferroviário B de Quelimane deslocou-se ao campo Negres Pires de Mocuba e venceu os “locomotivas” locais, por 1-0.

 

No final de 22 jornadas, Sporting de Quelimane destaca-se com 44 pontos, Benfica (41), Ferroviário de Quelimane B (40), Ferroviário de Mocuba (35), 3 de Fevereiro (31), Sporting de Namacurra (26), Murrimo Macadamias de Gúruè (28), UP (25), Morrumbala FC (16), Matchedje (14) e Vila Real (14) pontos.

 

Este foi o campeonato mais disputado nos últimos três anos; não só pelo número de equipas participantes, mas pelo nível competitivo.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Moçambicanos buscam “meias” diante da Nigéria

paz a sua alma.jpg

 

A SELECÇÃO Nacional Sénior Masculina defronta hoje a partir das 19.30 horas a Nigéria em jogo dos quartos-de-final do Afrobasket que se disputa na Tunísia, mais concretamente na capital Túnis.

 

Depois do brilhante triunfo sobre o Marrocos (82-82) na terceira e última jornada da fase de grupos, a equipa nacional está altamente motivada para o despique com uma das candidatas ao ceptro africano.

 

O percurso que a selecção nacional fez até aqui abre boas perspectivas para uma partida em que, apesar de ser teoricamente mais fraca, irá dar tudo de si para causar uma surpresa. Mesmo nas derrotas diante de Angola (84-72) e Senegal (86-76) foi possível tirar boas ilações, visto que bateu-se bem, deixou uma boa imagem, mau grado tenha faltado alguma ousadia e frescura física em momentos capitais do jogo.

 

Acredita-se que esta noite, após três jogos (fase de grupos) que foram importantíssimos para adquirir maior ritmo competitivo e limar arestas no capítulo táctico, os comandados de Inãk Garcia, técnico espanhol ao serviço da equipa nacional, exiba-se mais certeiro a defender e a atacar. É preciso ressalvar para o facto de o colectivo moçambicano ter estado muito bem no capítulo da finalização no último jogo com os marroquinos ao chegar à casa dos 80 pontos, tendo Pio Matos Jr. contribuído com 23.

 

Aliás, ele foi eleito o MVP nessa partida. Espera-se que Pio Matos, o seu irmão Augusto Matos, que tem sido fundamental, David Canivete, Custódio Muchate, Octávio Magoliço, entre outros estejam em dia, até para continuar a homenagear João Chirindza, um dos maiores basquetistas moçambicanos, que perdeu a vida sexta-feira última em Túnis, ao serviço do corpo técnico da equipa nacional.

 

HISTÓRIA FAVORECE NIGÉRIA

 

É um facto que a Nigéria tem sido superior. Os números falam por si. No Afrobasket-Cairo 1984, o primeiro em que se encontraram, a Nigéria venceu por 88-77; Em 2009 nova derrota por 78-63 e em 2011 o desaire do conjunto moçambicano foi mesmo pesado, derrota por 82-43.  

 

De referir que a equipa nigeriana chega a este jogo com saldo de duas vitórias - Rep. Centro Africana (88-63) e Uganda (98-59) - e derrota frente à Tunísia (70-59).

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Simão e Sumaia confirmados

TENIS.jpg

 

OS tenistas Josefa Simão e Cláudia Sumaia confirmaram a supremacia no epílogo dos Campeonatos Nacionais de ténis, sábado, vencendo as finais de singulares homens e senhoras, depois de sensivelmente duas semanas de disputa.

 

Enquanto Simão registava o seu segundo título, depois de destronado, ano passado, por Feliciano dos Santos, Cláudia Sumaia conquistava o terceiro, depois de ter sido igualmente destronada, na edição anterior, por Marieta Nhamitambo.

 

Josfa Simão aproveitou-se da ausência de Feliciano dos Santos, que é o tenista mais cotado de títulos nacionais em seniores masculinos dos últimos tempos para voltar a celebrar mais uma conquista no escalão máximo. O mesmo acontece com Cláudia Sumaia, que não sentiu a oposição de Marieta Nhamitambo. 

 

Para o efeito, Josefa Simão teve de suar às estopinhas para bater Hercílio Seda. Prova disso é que Simão sucumbiu no primeiro “set”, por 4/6, redimindo-se no segundo, por 6/3, forçando a decisão do título para a última série. Foi aqui onde o segundo melhor tenista de “homens” deu prova de que está cada vez mais em ascensão, vencendo Seda por 6/4.

 

Os dois tenistas tiveram um percurso assinalável, com Josefa Simão a defender categoricamente o estatuto de “cabeça” de série na ausência de Feliciano dos Santos, que era detentor do título. Entrou, à semelhança do seu adversário na final, em acção a partir do segundo “round” (quartos-de-final), tirando sucessivamente pela frente Jaime Sigaúque, Sharif Anmed e Miguel Gonçalves.

 

Enquanto isso, Hercílio Seda, que reapareceu nestes nacionais e com um performance competitivo considerável, depois de alguns anos fora do país, era o sétimo “cabeça”, portanto sem uma cotação que lhe conferisse algum favoritismo porque não apresentava nenhumas referências internamente. Portanto, foi provando as suas qualidades de eliminatória em eliminatória, tirando da frente Fernando Tovela, Venâncio Bacião e Bruno Figueiredo, este último segundo “cabeça” de série, ou seja, o que era visto como provável adversário de Josefa Simão na final.   

    

Por seu turno, Cláudia Sumaia bateu Ilga João por 6/2 e 6/3. Portanto, dominou a partida, confirmando o favoritismo vincado de início. Aliás, não teve grandes adversárias.

 

Salientar que os “Nacionais” de ténis serviram particularmente de preparação para os Jogos Africanos de Congo-Brazzaville, que se realizam em Setembro que espreita. Asim, foram, por esta razão, antecipados de Outubro para o mês em curso.

 

Entretanto, Josefa Simão e Hercílio Seda; Cláudia Sumaia e Ilga João acabaram sendo confirmados como seleccionados para os Jogos Africanos à vista. Os tenistas moçambicanos no estrangeiro, nomeadamente Franco Mata e Ataíde Mussagy, ambos nos Estados Unidos da América, foram excluídos em virtude de serem as principais apostas para o “Davis Cup”, que se realiza também no próximo mês.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Desportivo de Nacala derrota Ferroviário de Quelimane (2-0)

A VITÓRIA do Desportivo de Nacala diante do “lanterna vermelha” do Moçambola por 2-0 não sofre qualquer tipo de contestação, pelo contrário, peca por ser por números escassos, pois durante toda a partida foi a equipa que mais procurou sair vitoriosa.

 

Mesmo jogando de forma atabalhoada, a equipa treinada por Antero Cambaco entrou melhor no jogo, tendo nos minutos iniciais desperdiçado algumas situações claras de golo, mas muito por culpa do guardião Victor, que foi chamado por várias ocasiões a intervir para que a sua baliza continuasse inviolável.

 

Até aos 20 minutos o Desportivo já justificava pelo menos um tento, resultado do seu pendor ofensivo e o domínio territorial que exercia dentro da quadra, onde somente aos 27 minutos o Ferroviário de Quelimane, quando Maekel remata forte e com algum perigo para uma defesa apertada de Valério que, diga-se, até a essa altura era um mero espectador, criou algum perigo.

 

Com o nulo enganador a prevalecer, as equipas recolheram para o intervalo e no reinício do jogo, como na primeira parte, entrou melhor o Desportivo de Nacala, mas continuava a ser Victor a negar o golo aos locais, que somente aos 59 minutos quebraram o enguiço, marcando o primeiro para sua equipa, aproveitando uma assistência primorosa de Simba, que acabava de entrar.

 

O golo embalou a equipa da casa, que voltou a marcar por intermédio de Simba aos 68 minutos, antecipando-se a Victor, que nada podia fazer num cruzamento de Gito, para o gáudio dos nacalenses, que não viam a sua equipa a vencer nesta prova em quase seis jornadas.

 

A arbitragem esteve ao nível do jogo e esteve num bom plano.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO:Luís Jumisse, auxiliado por Zacarias Balói e Carlos Alberto. O quarto árbitro foi Alberto Antumane.

 

DESP. NACALA: Valério; Idrissa, Miterland, Lordio e Kikito; Maninho (Sineta), Essien, Odilo e Gito (Zé); Egídio (Simba) e Joa.

 

FER.QUELIMANE:Victor; Henriques, Maekel, Budi e Bill; Bony, Quaresma (Carlos) e Vovote; Betinho (Stiven), Délcio e Edson (Almeida).

 

LUÍS NORBERTO

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Matchedje campeão da cidade

MATCHEDJE.jpg

 

O MATCHEDJE sagrou-se campeão da cidade de Maputo em futebol, no epílogo do certame, no pretérito fim-de-semana. O título conquistado pelos “militares” tem um sabor especial, visto que foi celebrado perante o rival Estrela Vermelha, o qual derrotaram na derradeira ronda por 1-0.

 

Aliás, o Matchedje já havia encomendado as faixas de campeão, porque partiu para o derradeiro encontro com quatro pontos de avanço sobre o Estrela Vermelha. Com a vitória sobre os “alaranjados”, o Matchedje terminou o campeonato com 38 pontos, contra 31 do Estrela.

 

Com este desfecho, o Matchedje e o Estrela Vermelha vão disputar a “poule” da zona sul, apresentando-se como dois dos principais candidatos ao Moçambola-2016 a nível da região.

 

Entretanto, o Vulcano registou o resultado mais volumoso da ronda de fecho, ao derrotar a Academia Mano-Mano por 3-1. Destaca-se ainda a vitória do Ferroviário “B” sobre a Académica por 2-1.

 

Por último, o encontro entre o 1.º de Maio e o Ferroviário das Mahotas terminou com empate (2-2). Quem ficou de fora nesta jornada de despedida foi Águias Especiais.

 

CLASSIFICAÇÃO FINAL

 

                                    J           V         E          D         B         P         

MATCHEDJE                   15        12        2          1          37-10   38       

Estrela Vermelha             15        10        1          4          31-9     31       

Académica                     16        8          2          6          18-11   26       

Ferroviário “B”                15        8          2          5          13-13   26       

1.º de Maio                   15        4          6          5           9-20     18       

Águias Especiais              15        3         7          5          13-18   16       

Mahotas                        15        3          5          7          18-24   14       

Mano-Mano                   15        3          2          10        11-26   11       

Vulcano                       15        2          3          10           8-26

 

 

Fonte:Jornal Noticias

PM rende-se ao Governo provincial e à população de Cabo Delgado

carlos agostinho.jpg

 

O PRIMEIRO-MINISTRO, Carlos Agostinho do Rosário, rendeu-se publicamente, domingo último, ante o Governo provincial e á população de Cabo Delgado pelaorganização e realização do XII festival nacional dos Jogos Desportivos Escolares, terminadonaquela data, uma saudação que classificou de especial.

 

Carlos Agostinho do Rosário disse que saudava-os em nome do Executivo que coordena e do povo moçambicano, em geral, alegadamente porque a população de Cabo Delgado, e os munícipes de Pemba, em particular, demonstraram ao mundo a sua hospitalidade e a forma carinhosa como acolheram os jogos.

 

É de forma particularmente distinta, que peço que nos permitam endereçar saudações ao Governo da província de Cabo Delgado e à sua população pelo seu empenho, hospitalidade, pelo sorriso alegre e acolhedor estampado no rosto de cada um e pelo ambiente que proporcionaram para que todos nós nos sentíssemos bem nesta terra e, acima de tudo, pela participação em todos os momentos do convívio, o que tornou este Festival num verdadeiro êxito” sublinhou o governante.

 

Por isso, dissemosparabéns Governo da província de Cabo Delgado! Parabéns munícipes da cidade de Pemba! Parabéns população da província de Cabo Delgado”!

 

A crítica considerou o festival realizado em Pemba, o mais conseguido de sempre do ponto de vista de organização, assim como pela assistência massiva aos campos de realização dos jogos de diferentes modalidades e coube elogio também a segurança.

 

O executivo de Celmira da Silva, esmerou-se, de tal modo que envolveu quase a totalidade da província, tendo mobilizado o apoio material de todos os distritos, que se encontravam representados pelas delegações chefiadas pelos respectivos directores dos serviços de Educação, Juventude e Tecnologia e nos dias de abertura e encerramento, pelos próprios administradores distritais.

 

O Primeiro-Ministro considerou uma grande alegria para todos partilhar a ocasião que marcava o fim de uma etapa, de um momento verdadeiramente inesquecível, vivido por jovens e adultos, numa grande festa de competição desportiva, em que” com muito orgulho dizemos que não houve equipas ganhadoras ou perdedoras pois, da aprendizagem mútua e da troca de experiências, todos ganharam, ou seja, os ganhos foram mútuos”.

 

 Na senda dos agradecimentos, Do Rosário virou-se para aqueles, que segundo suas palavras, tornaram possível a realização da festa desportiva, nomeadamente os professores de educação física, os patrocinadores, as federações desportivas nacionais de andebol, atletismo, basquetebol, futebol, ginástica, voleibol e xadrez, bem como os clubes e apelou igulamente a todos para que assegurem o devido aproveitamento, acompanhamento e apoio dos talentos que se revelaram em Pemba, para o engrandecimento do desporto moçambicano.

 

Os nossos agradecimentos vão igualmente aos árbitros, juízes e cronometristas, que desempenharam um preponderante papel para o sucesso deste festival. Manifestamos a nossa apreciação, de forma particular, aos técnicos das áreas da Educação e Desenvolvimento Humano, da Juventude e Desporto a todos os níveis, pelo empenho no trabalho realizado de forma incansável, tanto na organização do evento como na condução técnica das equipas”.

 

 Quanto aos órgãos de comunicação social, o PM dirigiu uma palavra de apreço aos profissionais desta área ao que considerou de elevado grau de profissionalismo e competência, verificado na cobertura do evento, pois conseguiram levar o Festival para todo o país e para o mundo.

 

Foi com a vossa contribuição e entrega ao trabalho que, mesmo os que não estiveram em Pemba, viveram o calor e a alegria transportados de campo em campo, pelos nossos atletas,nas diversas modalidades” realçou.

 

LEGENDA

Momento em que o Primeiro-ministro entregava ao representante de Manica a taça correspondente ao primeiro lugar nos Jogos Escolares (F. Laice).

 

PEDRO NACUO

 

Fonte:Jornal Noticias

Comandante surpreendido em casa

maxaka1.jpg

 

O GUARDA-REDES do Maxaquene, Sozinho, facilitou a missão do Desportivo, que saiu a sorrir pela preciosa vitória (2-1) e que lhe tirou do poço. Os “alvi-negros” acabaram sendo bafejados pela sorte, porque, a não ser a má fotografia de Sozinho, o desfecho fosse diferente deste.

 

Tudo começou com o cruzamento de Sidique, tendo o guarda-redes “tricolor” ido buscar a bola nas alturas para, já sobre o “tapete”, “oferecê-la” a Clemente, que a passou para Lalá, que, em posição privilegiada, fez o 1-0, aos 56 minutos.

 

Mas a maior surpresa nisto é que, num intervalo de quase um minuto e meio, o Desportivo já vencia por duas bolas sem resposta, isto porque Carlitos correspondeu positivamente à assistência de Lanito, com um tiro bem colocado na zona de rigor.

 

Os tentos justificavam a entrada fogosa do Desportivo, mas teria sido o “tricolor” Okhan a dar o pontapé de saída para uma segunda parte mais emocionante e de partilha de oportunidades, com duas chamadas de atenção a Wilson. A bola quase “beijou” o poste.  

 

A primeira parte foi monótona, para além de que as tentativas de golo em ambas as partes saíram desenquadradas com a baliza. O maior destaque vai para o golo negado a Imo, quando Hermínio afastou a bola da linha de golo, após uma saída em falso de Wilson.

 

Portanto, o Maxaquene reagiu de imediato aos golos, com um ataque em bloco e foi numa jogada dessa natureza que o “central” Butana marcou de cabeça. O centro foi de Isac, aos 67 minutos. Feito isto, o esquerdino Bruno viu o seu tiro a ser devolvido pelo poste, aos 72 minutos.

 

O Maxaquene correu atrás do prejuízo, mas sem lograr os seus intentos. Mesmo assim, o Desportivo é que esteve mais à altura de alargar a vantagem do que o Maxaquene chegar à igualdade. Mas Lalá desperdiçou o centro de Lanito, desviando defeituosamente o esférico na boca da baliza, aos 81 minutos.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Estêvão Matsinhe, auxiliado por João Paulo e Olívio Adriano. O quarto árbitro é Arlindo Silvano.

 

DESPORTIVO - Wilson; Sidique, Agy, Hermínio e Laque; Henrique, Sataca Júnior (Pedrito) e Carlitos, Clemente (Ifren), Lanito (Jorge) e Lalá.

 

MAXAQUENE - Sozinho; Moniz, Butana, Nito e Whisky; Talapa, Imo (Tobias), Okhan e Bruno; Rachide e Isac.

 

SALVADOR NHANTUMBO

 

 

Fonte:Jornal Noticias

DESPORTIVO, 2 – MAXAQUENE, 1 - Sozinho facilitou missão da “águia”

gdm1.jpg

 

O GUARDA-REDES do Maxaquene, Sozinho, facilitou a missão do Desportivo, que saiu a sorrir pela preciosa vitória (2-1) e que lhe tirou do poço. Os “alvi-negros” acabaram sendo bafejados pela sorte, porque, a não ser a má fotografia de Sozinho, o desfecho fosse diferente deste.

 

Tudo começou com o cruzamento de Sidique, tendo o guarda-redes “tricolor” ido buscar a bola nas alturas para, já sobre o “tapete”, “oferecê-la” a Clemente, que a passou para Lalá, que, em posição privilegiada, fez o 1-0, aos 56 minutos.

 

Mas a maior surpresa nisto é que, num intervalo de quase um minuto e meio, o Desportivo já vencia por duas bolas sem resposta, isto porque Carlitos correspondeu positivamente à assistência de Lanito, com um tiro bem colocado na zona de rigor.

 

Os tentos justificavam a entrada fogosa do Desportivo, mas teria sido o “tricolor” Okhan a dar o pontapé de saída para uma segunda parte mais emocionante e de partilha de oportunidades, com duas chamadas de atenção a Wilson. A bola quase “beijou” o poste.  

 

A primeira parte foi monótona, para além de que as tentativas de golo em ambas as partes saíram desenquadradas com a baliza. O maior destaque vai para o golo negado a Imo, quando Hermínio afastou a bola da linha de golo, após uma saída em falso de Wilson.

 

Portanto, o Maxaquene reagiu de imediato aos golos, com um ataque em bloco e foi numa jogada dessa natureza que o “central” Butana marcou de cabeça. O centro foi de Isac, aos 67 minutos. Feito isto, o esquerdino Bruno viu o seu tiro a ser devolvido pelo poste, aos 72 minutos.

 

O Maxaquene correu atrás do prejuízo, mas sem lograr os seus intentos. Mesmo assim, o Desportivo é que esteve mais à altura de alargar a vantagem do que o Maxaquene chegar à igualdade. Mas Lalá desperdiçou o centro de Lanito, desviando defeituosamente o esférico na boca da baliza, aos 81 minutos.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Estêvão Matsinhe, auxiliado por João Paulo e Olívio Adriano. O quarto árbitro é Arlindo Silvano.

 

DESPORTIVO - Wilson; Sidique, Agy, Hermínio e Laque; Henrique, Sataca Júnior (Pedrito) e Carlitos, Clemente (Ifren), Lanito (Jorge) e Lalá.

 

MAXAQUENE - Sozinho; Moniz, Butana, Nito e Whisky; Talapa, Imo (Tobias), Okhan e Bruno; Rachide e Isac.

 

SALVADOR NHANTUMBO

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Simango promete combater falsidade de resultados

SIMANGO e sidat.jpg

 

ALBERTO Simango Jr., empossado ontem como novo presidente da Federação Moçambicana de Futebol para o quadriénio 2015/2019, assumiu o comprometimento com a verdade desportiva, o que passa por combater toda falsidade em torno dos resultados registados nos jogos de futebol, de modo a permitir que seja valorizado o esforço empreendido pelos clubes.

 

Simango Jr. frisou ainda que a vitória do seu elenco no último escrutínio de 13 de Agosto marcava uma nova história da página de futebol e que com o novo ciclo que se inicia a sua Direcção não permitirá que em Moçambique se ganhe os jogos a qualquer preço. Para o efeito, prometeu uma luta severa de modo que os actores futebolísticos se sintam confortáveis com a arbitragem, combatendo todas as práticas que possam existir e que firam a verdade desportiva.  

 

De agora até 2019 queremos ser testemunhos de que o vencedor de qualquer jogo de futebol em Moçambique seja um clube que tenha merecido, por ter jogado mais e melhor que os adversários”, afiançou.

 

O novo presidente da FMF não deixou de elogiar o trabalho feito pela Direcção cessante, enfatizando que é continuador de tudo quanto foi feito pelos seus antecessores, desde Ferdinand Wilson, passando por Manuel Jorge, David Come, Mário Guerreiro e Feizal Sidat, que saudou de forma especial. Agradeceu Sidat pela obra que ergueu para o desenvolvimento do futebol moçambicano, desde a construção de infra-estruturas, formação de técnicos até à conquista de resultados desportivos que nos encheram de orgulho.

 

Agradeço-lhe por herdarmos uma FMF melhor, com uma sede própria”, destacou, ajuntando que a vitória do seu elenco foi valorizada porque a sua lista não concorreu sozinha, mas sim com várias personalidades.

 

Por isso saúdo de forma particular o Drs. Teodoro Waty, Manuel Chang e Enoque João. Sem eles a campanha eleitoral e o processo que conduziu às eleições do dia 13 de Agosto não teria sido um fenómeno social digno de realce, onde a nota dominante foi a discussão de ideias que indicassem a solução de problemas que apoquentam o futebol moçambicano”, anotou.

 

Saudou especialmente as associações provinciais pela manifestação do espírito olímpico durante a campanha eleitoral e no próprio dia da votação.

 

É assinalável, porque apesar da agenda apertada os presidentes das associações provinciais disponibilizaram tempo para com os clubes que dirigem ouvirem os quatro candidatos na explanação dos seus manifestos e ideias para o futebol nacional”, destacou.

 

Dirigindo-se aos desportistas e amantes de futebol, o novo timoneiro da FMF reiterou o que norteou o seu discurso na campanha eleitoral, nomeadamente o facto de ser um homem de futebol e que cumpre com a sua promessa.

 

O manifesto eleitoral será escrupulosamente comprido à risca, porque só assim estaremos a honrar a confiança que os moçambicanos depositaram em nós no dia de voto através das associações de futebol. Mas, antes de tomar qualquer decisão, precisamos de conhecer a casa de futebol e de nos inteirarmos de todos os “dossiers”. Como tarefa imediata queremos monitorar nas três regiões do país as “poules” de apuramento de acesso ao Moçambola-2016. Queremos que a disputa das “poules” seja um momento de verdadeira festa, de demonstração da vitalidade do nosso futebol e de incremento do espírito de unidade nacional”, assegurou.

 

Simango Jr. realçou o facto de assumir a presidência da FMF numa altura importante dos “Mambas”, que no próximo dia 6 de Setembro jogarão com as Maurícias para a qualificação para o CAN Gabão-2016. Prometeu uma preparação cuidadosa de modo que a equipa de todos nós se apresente condignamente, dando continuidade do trabalho iniciado pela Direcção cessante.

 

 “Nesse sentido, sentimos ter identificado as tarefas imediatas para executar durante o nosso mandato”, disse.   

           

Salientar que Simango Jr. é o sétimo presidente desde que, em 1976, foi fundada a FMF.  

 

 

Fonte:Jornal Noticias