Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

FER. DA BEIRA COM TUDO OK?

Enquanto isso, o Ferroviário da Beira, que se desloca às Maurícias para defrontar o Petit Noire, não tem problemas quanto ao seu recinto, com capacidade para 15 mil espectadores e que sofreu obras de reabilitação de vulto a contar com as competições oficiais organizadas pela CAF.

 

O vice-presidente dos “locomotivas” para a área de futebol, Carlos Crespim, disse que o seu clube já reuniu toda a documentação necessária, acrescentando que o único problema tinha a ver com a não inscrição de um dos seus atletas (

 

), que havia sido garantido pela Liga, enquanto continua a pertencer ao Ferroviário da Beira. Disse que o problema poderia ser ultrapassado, porque se trata de substituição da sua inscrição pela Liga para dar lugar a dos “locomotivas”.   

 

O Ferroviário da Beira já foi inscrito e prova disso é que o nosso jogo já foi marcado, por via de um comunicado, para o dia 12 de Fevereiro. A única coisa que fomos solicitados, à posterior, pela FMF, e que é um dado novo, é a indicação do co-parceiro da auditoria e a confirmação da movimentação dos escalões de formação, bem como da apresentação da documentação que confirma a titularidade dos campos onde o nosso jogo será realizado. Já reunimos esses todos documentos e já enviamos o expediente à FMF”, assegurou. 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Costa do Sol reforça-se com ex-campeãs africanas

 

O COSTA do Sol acaba de anunciar a contratação das basquetebolistas que se tornaram tricampeãs nacionais e campeãs africanas pela ex-Liga Muçulmana em 2012 e actuais componentes da espinha dorsal da Selecção Nacional.

 

As atletas serão apresentadas no sábado na sede do Costa do Sol, no Matchiki-Tchiki, a partir das 9.30 horas, numa cerimónia pública que contará com a presença dos sócios, adeptos e da comunicação social.

 

As contratadas são Deolinda Ngulela, capitã da Selecção Nacional, Valerdina Manhonga, Cátia Alar, Deolinda Gimo, Ilda Chambe, Filomena Micato, Elizabeth Pereira e Eduarda dos Santos, “pedras” da Selecção Nacional e que estiveram no “Mundial” da Turquia no ano passado, à excepção das duas últimas.

 

É uma equipa de grande gabarito que os “canarinhos” pretendem formar, e segundo o presidente do clube, Amosse Chicualacuala, o objectivo é regressar à ribalta do basquetebol feminino.

 

Elas vão assinar no sábado contratos que variam de dois a cinco anos. Este é um projecto do clube a médio e longo prazo. Queremos voltar a ter expressão no basquetebol feminino e constatámos que levar estas jogadoras seria o ideal”, disse Chicualacuala.

 

Ajuntou que “doravante vamos lutar pelos lugares cimeiros, sendo que não podemos exigir o título logo na primeira época porque estamos a formar uma nova. Daqui a dois ou três anos a exigência de títulos será maior. Queremos impor-nos no país e além-fronteiras, pois estas são jogadoras de qualidade e experientes”, continuou.

 

Chicualacuala avançou ainda que o primeiro objectivo do Costa do Sol era colocar todas aquelas jogadoras em actividade, isto porque até então não tinham clube, o que era prejudicial para elas e para o nosso basquetebol, sobretudo para a Selecção Nacional.

 

Os nossos interesses são claros: ganhar e ganhar, mas também há interesses nacionais para com aquelas atletas, que já deram muito pela pátria”.

 

Refira-se que parte destas jogadoras a Liga Desportiva (ex-Liga Muçulmana) foi buscá-las ao Desportivo de Maputo, após conseguirem o bicampeonato africano (2007 e 2008), num negócio polémico.

 

Após ingressarem na Liga, a equipa muçulmana passou a dominar o basquetebol nacional, com títulos nacionais em 2010, 2011 e 2012, este último ano juntaram títulos nacionais com o de campeã africana.

 

Em 2013 a Liga Desportiva anunciou a extinção da equipa feminina de basquetebol, uma decisão que apanhou todos de surpresa, apesar de que pouco antes disso houve alguns indícios com a não participação no Afrobasket, no qual esta formação ia defender o título.

 

A falta das competições a nível interno foi o alegado móbil da extinção da equipa ex-campeã africana, segundo os dirigentes da ex-Liga Muçulmana.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Conhecidos campeões nacionais

 

AS duplas Délcio/Agostinho e Satira/Joaquina, em federados masculinos e femininos, respectivamente, sagraram-se na manhã de domingo campeãs nacionais de vólei de praia.

 

Délcio/Agostinho bateu Litos/Macamo por 2-0 com os parciais de 21/19 e 21/15, enquanto Satira/Joaquina derrotou Amélia/Rezia pelo mesmo resultado, mas com os parciais de 21/19 e 21/17.

 

A avaliar pelos parciais, margens mínimas, pode-se depreender que as finais foram muito disputadas na arena montada na Praia da Costa do Sol.

 

A prova foi novamente dominada pelos voleibolistas maputenses, numa competição onde marcaram presença atletas das províncias de Gaza, Manica e Nampula.

 

Nos jogos de apuramento do terceiro lugar as duplas Manuel/Samson, em masculinos, e Hortência/Celeste, em femininos, bateram respectivamente Costa/Sérgio e Lizy/Fauzia.

 

No que toca à premiação, os primeiros classificados foram agraciados com 15 mil meticais e equipamentos correspondentes a seis mil.

 

Os segundos classificados receberam dez mil meticais e equipamentos correspondentes a quatro mil, enquanto os terceiros foram ofertados cinco mil e mais equipamentos avaliados em três mil.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Danilo Ragú homenageado no Chókwè

DANILO Ragú, falecido há precisamente um ano num trágico acidente de viação na EN-1, foi homenageado sábado na cidade de Chókwè, província de Gaza, no encerramento do torneio de futebol infanto-juvenil que ostenta seu nome.

ragu.jpg

 

O torneio teve como vencedores o Slowear e o Desportivo do Limpopo, respectivamente no primeiro e segundo escalões.

 

Recorde-se que Danilo Ragú era deputado da Assembleia da República e encontrou a morte numa altura em que acabava de participar em mais uma edição daquela festa da pequenada e regressava à capital do país onde residia e trabalhava.

 

Com efeito, mais de 600 jovens da cidade do Chókwè, que desde Dezembro último vinham participando na chamada capital económica de Gaza, marcharam por diversas artérias da urbe evocando o nome de Danilo Ragú, seu ídolo e amigo da pequenada. 

 

Para além da pequenada, o enceramento da competição foi testemunhada por várias figuras ligadas ao desporto, política e outras áreas de actividades.

 

Na ocasião foram distinguidos os atletas que mais se evidenciaram na presente edição, designadamente os dois melhores jogadores, melhores marcadores, e guarda-redes menos batido.

 

A competição contou com um total de 16 equipas divididas em duas séries envolvendo cerca de 500 pessoas, entre atletas, treinadores e delegados.

 

De acordo com Benvindo Chirindza, presidente da Comissão Organizadora do Torneio Danilo Ragú, os jovens da cidade de Chókwè e outros amigos do patrono estão determinados a eternizar esta iniciativa, que contribui para um crescimento são das crianças e sua preparação para os desafios do futuro.

 

Nós como jovens sentimos que temos o dever e obrigação de continuar a promover este tipo de iniciativas como forma de imortalizar o nosso patrono, um legado que exige o envolvimento de todos”, disse Chirindza.

 

Segundo a nossa fonte, devido a problemas financeiros, contrariamente ao que vinha acontecendo nas edições anteriores, o presente torneio se circunscreveu apenas à participação de crianças da cidade de Chókwè.

 

Para a próxima edição, de acordo com garantias que nos foram dadas por Benvindo Chirindza, o Torneio Danilo Ragú irá incluir, pela primeira vez, quatro equipas femininas com integrantes de idades compreendidas entre 10 e 14 anos.

 

Sabe-se, por outro lado, que os melhores 25 atletas saídos desta última competição farão parte da selecção denominada “Danilo Ragú Eleven”, uma equipa a ser filiada no campeonato recreativo local.

 

VIRGÍLIO BAMBO

 

Fonte:Jornal Noticias

“Mambinhas” iniciam preparação

 

A SELECÇÃO Nacional Sub-23 de Futebol inicia esta tarde a preparação tendo em vista o jogo diante do Uganda, a realizar-se no dia 21 de Fevereiro, a contar para as eliminatórias de qualificação para os Jogos Olímpicos-Rio de Janeiro 2016.

 

Os treinos decorrerão no campo da Liga Desportiva de Maputo e têm início previsto para as 15.00 horas. Será o único treino esta semana, sendo que à medida que se aproxima a data do jogo a preparação irá se intensificar. Na semana que antecede o embate com os ugadenses os “Mambinhas” treinarão de segunda à sexta-feira.

 

A equipa Sub-23 é orientado por João Chissano, técnico dos “Mambas”, que para o efeito convocou 34 jogadores para o início dos trabalhos, mas deverá contar com pouco mais de 20, já que os estrangeiros ainda não estão disponíveis.

 

De referir que de um universo de 34 atletas pré-convocados apenas 18 farão parte da convocatória final para o duelo com o Uganda, motivo pelo qual a equipa efectuará um trabalho minucioso de triagem até que se encontre os que estão em melhores condições.

 

Eis a lista dos 34 pré-convocados:

 

Costa do Sol: Salomão Mondlane, Daniel Mutambe, Elias Licuco, Rodrigues Chereque e César Machava

Maxaquene: Bernardino José, Tobias Davis e Momed Talapa

Estrela Vermelha: Cleyton Nunes e Helvêncio Mate

Desportivo de Nacala: Norberto Marcolino e Osvaldo Sunde

HCB: Germino Eduardo e Luis Miquissone

Ferroviário da Beira: Reinildo Mandava e Gildo Vilanculos

Ferroviário de Nacala: José Silva Jr

Ferroviário de Maputo: Edmilson Ngove; Alexandre Guambe e Eusébio Henriques

Liga Desportivo de Maputo: Leandro Caiado e Naftal Manjate

Desportivo de Maputo: Pedro Dimande, Dércio Matimbe e Hermínio Mussagy

Estrela Vermelha de Xai-Xai: Délio Matine e Júlio Pedro (Frank)

Sport Lisboa e Benfica: Clésio Baúque

União da Madeira: Edson Almeida

Dynamo de Dresden da Alemanha: Gelício Banze

BSV da Alemanha: Jeffrey Constantino

Atalanta FC da Itália: Faizal Bangal

Nacional da Madeira: Witti

 

Fonte:Jornal Noticias

 

Zainadine e Reginaldo vencem

 

ZAINADINE e Reginaldo, do Nacional da Madeira, foram os únicos moçambicanos no estrangeiro a conseguirem vitórias no fim-de-semana nos respectivos campeonatos.

 

A equipa madeirense foi a Moreira de Cónegos vencer o Moreirense por 3-2, numa partida bastante renhida e decidida em cima do minuto 90, com um golo de Rondon, que deu o triunfo aos “alvi-negros”.

 

Foi a terceira vitória consecutiva da equipa dos moçambicanos na Liga Portuguesa, o que confirma o bom momento dos madeirenses, que neste momento somam 21 pontos, em 12.º lugar, volvidas 18 jornadas.

 

SIMÃO PERDE NO EL-MADRIGAL

 

Na Espanha a vida tornou-se ainda mais difícil para o levante UD, onde evolui Simão Mathe Jr. A equipa valenciana perdeu diante do Villarreal por 1-0, atrasando-se ainda mais na corrida pela manutenção.

 

Com a derrota, Simão e companhia somam apenas 16 pontos em 20 jogos, o que lhe confere o modesto 19.º lugar.

 

O Levante está longe de fazer uma campanha com o brilharete que teve na época transacta. Apenas o Granada, que ocupa o último lugar, é que está pior que a equipa do internacional moçambicano.

 

MEXER GOLEADO

 

Cá se faz e cá se paga! - diz o velho ditado. O Rennes de Mexer foi goleado pelo Caen por concludentes 4-1, isto depois de a equipa do internacional moçambicano ter cilindrado este adversário na primeira volta da Liga francesa por 6-2, tendo, na ocasião, o central marcado dois golos.

 

A vingança foi servida a frio, é assim como se pode dizer. Perante os seus adeptos, o Rennes não foi capaz de evitar um resultado estrondoso que o fez cair na 10.ª posição, com 30 pontos, em 22 jogos na Ligue 1, que é actualmente liderada por Lyon com 48 pontos.

 

O resultado coloca a equipa do central moçambicano cada vez mais longe dos lugares que dão acesso às competições europeias.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Desportistas mobilizam apoios

 

EMPRESÁRIOS, dirigentes e singulares aderiram em massa à iniciativa da Associação dos Veteranos de Moçambique (AVM), em colaboração com o Município da Matola, com vista à angariação de apoios em solidariedade para com as vítimas das cheias e dos afectados pelo incidente que ceifou, por envenenamento, vidas humanas em Chitima, província de Tete.

 

A iniciativa da AVM consistiu num jogo de futebol entre os veteranos da Selecção Nacional, os “Mambas”, e uma equipa do município da Matola, sábado, no campo da Liga Desportiva de Maputo, e serviu de pretexto para a colecta de apoios (donativos) a serem canalizados aos afectados pelas tragédias.

 

A intenção acabou sendo bem sucedida, pois foi muita gente que acorreu ao campo da Liga para deixar um e outro bem, destacando-se géneros alimentícios e vestuário.

 

A empresa CMC, representada pelo director de Administração e Finanças, Giuseppe Randazzo, bem como a Federação Moçambicana de Futebol (FMF), são algumas das instituições que deram maior contributo, com géneros alimentícios e bolas.

 

O vice-presidente da FMF para Administração e Finanças, Saíde Júnior, disse que o sofrimento das populações vitimadas não impede que as crianças brinquem, daí a razão da oferta, para além de alimentos, de 15 bolas para a pequenada.

 

Este é um gesto simbólico da FMF, em nome de todos os futebolistas do país, para minorar o sofrimento dos nossos compatriotas. Apesar deste sofrimento, as crianças têm o direito de brincar. Por isso trouxemos bolas”, elucidou.

 

 

O Município da Matola deu igualmente a sua colecta, que resultou da contribuição dos amigos da urbe, depois de uma mobilização levada a cabo localmente. Trata-se de quantidades enormes de bens alimentícios.

 

Falando sobre o assunto, o presidente da urbe, Calisto Cossa, destacou que a solidariedade foi sempre a marca dos moçambicanos para louvar a grande quantidade de apoios angariados localmente. 

 

Fomos batendo portas dos nossos amigos e conseguimos juntar estes apoios e acreditamos que chegarão ao destino”, disse Calisto Cossa.

 

O presidente da AVM, Bernardo Howana (Naldo), por seu turno, justificou que a iniciativa surgiu dos futebolistas e assegurou que vai escalar outros locais.

 

Sentámos e vimos que devíamos fazer alguma coisa em solidariedade para com as vítimas das cheias e de Chitima, e para dar azo à iniciativa coordenámos com o Município da Matola para a realização de um jogo entre as equipas de veteranos e da urbe. Convidámos empresários e sensibilizámos a todos interessados a se envolverem nessa acção humanitária. As pessoas ficaram receptivas e o que apelamos é que afluíssem para apoiar àqueles que estão neste sofrimento terrível. A nossa expectativa foi de que todo o moçambicano se aproximasse e desse um pouco do que tem e sentimos que a iniciativa foi correspondida”, frisou.

 

Naldo disse, adiante, que dentro de uma semana ou duas a Associação dos Veteranos fará, se tudo correr bem, uma acção semelhante na Manhiça.

 

Os que não puderam ter oportunidade de dar o donativo aqui poderão o fazer na Manhiça”, apelou.   

 

Salientar que os apoios angariados foram entregues no local ao Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

 

Fonte:Jornal Noticias

Todos os clubes em marcha

 

 

TODOS os clubes que participarão na edição-2015 do Campeonato Nacional de futebol, Moçambola-2015, já estão a trabalhar tendo em vista a sua presença na maior e mais importante competição futebolística nacional.

 

Ao todo são 14 clubes que participarão nesta competição, a saber: Liga Desportiva, por sinal campeã em título; Ferroviário de Nampula (vice), Ferroviário da Beira, Desportivo de Maputo, HCB, Maxaquene, Chibuto, Costa do Sol, Desportivo de Nacala, Ferroviário de Quelimane, Ferroviário de Maputo, Ferroviário de Nacala, 1.º Maio de Quelimane e ENH de Inhambane, estes três últimos recém-promovidos.

 

São estas formações que irão lutar pelo título e pela manutenção na prova máxima do nosso futebol, que a cada ano tende a ser mais emotiva.

 

 

O Ferroviário da Beira foi o primeiro a abrir as “oficinas”, tendo-se apresentado aos sócios e simpatizantes a 7 do mês em curso. Depois disso começou a trabalhar em Chiveve e, a seguir, rumou à África do Sul, onde se encontra até hoje, em estágio pré-competitivo.

 

 

 

 

Há razões para a abertura madrugadora das “oficinas” do clube de Chiveve. Os “locomotivas” participam nas Afrotaças nos meados do próximo mês e no dia 8 de Fevereiro disputam a Supertaça com a Liga Desportiva, no Estádio da Machava.

 

Os beirenses mantiveram quase toda a equipa do ano passado e fizeram poucas contratações para a nova época, o que confere maior coesão do grupo.

 

O segundo a abrir as oficinas foi a Liga Desportiva, campeã nacional. Tudo aconteceu no dia 9. Há muitas caras novas no seio dos “muçulmanos”, entre nacionais e estrangeiros, onde se destacam um argentino e um paraguaio. Salienta-se ainda o regresso de Litos ao comando técnico.

 

Os motivos da abertura prematura são os mesmos que os do Ferroviário da Beira: Supertaça e Afrotaças.

 

O terceiro foi o Maxaquene, a 12 deste mês. Os “tricolores”, que voltaram a confiar em Chiquinho Conde, estão a iniciar os trabalhos. Cerca de 30 jogadores tentam a sua sorte no plantel. Alguns fizeram parte da equipa no ano passado e outros são novatos e regressados. A palavra de ordem é lutar pelo título.

 

O recém-promovido ENH de Inhambane foi quem se seguiu, tendo voltado a apostar em Eurico da Conceição como técnico, para além de ter contratado muitos dispensados do Maxaquene e outras equipas da capital do país.

 

A equipa-base do ano passado não sofreu muitas alterações pelo que o representante de Inhambane terá algo a dizer no Moçambola.

 

Neste momento, os “hidrocarbonetos” estão de viagem para a África do Sul depois de terem estado em Maputo, por cinco dias, onde fizeram alguns jogos de controlo com o Desportivo e Maxaquene, no fim-de-semana.

 

 

Seguiu-se o Ferroviário de Nampula, no dia 14. Também há muitas caras novas à disposição do português Rogério Gonçalves. A palavra de ordem é, no mínimo, conservar o segundo lugar, sendo que o título é prioritário.

 

O seu homónimo de Nacala, que ascendeu este ano para a prova-mor do futebol nacional, foi o seguinte. O seu técnico é o jovem Sérgio Faife, talvez a maior estrela da equipa e, acima de tudo, o grande reforço. Não foi por acaso que foi recebido como herói na cidade portuária, tendo confessado que nunca tinha imaginado uma recepção idêntica na sua vida.

 

Com toda a razão, Faife teve uma recepção calorosa, milhares de adeptos encheram as bancadas do campo do Ferroviário de Nacala, depois de o terem esperado por longas horas no aeroporto, para o receber, num gesto que fica indelevelmente marcado na memória de qualquer que seja.

 

Garantir a manutenção o mais cedo possível é o que a direcção “locomotiva” pede ao antigo internacional moçambicano.

 

Pouco antes, o Ferroviário e o 1.º Maio, ambos de Quelimane, haviam começado com os trabalhos. O 1.º Maio tem como técnico Zulu, muito conhecido nas bandas de Quelimane, e promete não descer de divisão. Sem muitos recursos humanos (jogadores) e muito menos financeiros, esta formação acredita que o trabalho supera todo tipo de dificuldades.

 

No segundo ano consecutivo no Moçambola, o Ferroviário de Quelimane continua com Nacir Armando e promete ter a permanência garantida muito mais cedo que no ano passado que teve de ir até as últimas consequências.

 

O Costa do Sol e o Desportivo de Maputo começaram a trabalhar na segunda-feira da semana passada. Ambos têm muitas caras novas, com alguns regressados à mistura, sobretudo, nos “alvi-negros”.

 

As duas colectividades elegem o título como alvo para 2015. O Costa do Sol não vence desde 2007 e o Desportivo desde 2006. O facto curioso é que ambos fizeram a “dobradinha” no último ano em que conseguiram ganhar o Moçambola.

 

A HCB abriu as “oficinas” na terça-feira, com a equipa a ser comandada pelo conhecido e mediático treinador Artur Semedo. Os “hidroeléctricos” querem o título, mas sabem que não será fácil. No mercado contrataram alguns jogadores interessantes, mas perderam muitas das suas pedras basilares para outros clubes.

 

No lote dos grandes, o último a se mostrar publicamente foi o Ferroviário de Maputo. Com muitos reforços, doze ao todo, os “locomotivas” querem fazer do Moçambola-2015 uma vingança da edição passada no qual só conseguiram a manutenção por um triz.

 

Tudo aconteceu na manhã da última terça-feira, e confirmou-se a continuidade de Vítor Pontes como técnico, não obstante o fracasso de 2014. No seio dos “locomotivas” só se fala do título.

 

O Desportivo de Nacala foi o último a abrir as “oficinas”, tendo o feito na quarta-feira, com a equipa sob o comando de Arnaldo Ouana. O antigo ponta-de-lança tem a missão de, no mínimo, repetir a classificação conseguida no ano passado sob as ordens do contestado Akil Marcelino.

 

Aliás, Arnaldo Ouana não terá outra saída perante os exigentes adeptos dos “canarinhos” de Nacala que não toleram maus resultados.

 

Fonte:Jornal Noticias

As prioridades para o desporto serão decididas pelos desportistas

 

 

O Ministro da Juventude e Desportos, Alberto Nkutumula, diz que não cabe a ele, sozinho, definir as questões que devem ser tratadas como prioridade pelo novo Governo, no quadro das atribuições e competências do ministério que dirige desde a última segunda-feira, altura em que foi empossado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi. Para Nkutumula, cabe aos desportistas definir o que deve ser tratado como prioridade pelo Governo.

 

Dois dias depois de ter sido nomeado para assumir o cargo de Ministro da Juventude e Desportos, Alberto Nkutumula tomou posse na passada segunda-feira, 19 de Janeiro corrente, em cerimónia que teve lugar no Palácio da Ponta Vermelha, na cidade de Maputo.

 

O antigo Vice-Ministro da Justiça e porta-voz do Conselho de Ministros no último mandato do Presidente Armando Guebuza é jurista de profissão, formado em Direito pela Universidade Eduardo Mondlane, e tem uma curta passagem pelo desporto.

 

Na década de 1990, Alberto Nkutumula foi jogador de basquetebol nos escalões de formação no Centro Atlético da Conseng, clube que na época escreveu páginas douradas na modalidade a nível nacional e ganhou, inclusive, vários títulos nacionais em juniores e seniores masculinos.

 

Em 1994 e 1996, altura em Nkutumula ainda estava ligado à Conseng, mas nas equipas de base onde sempre jogou, a Conseng ganhou dois títulos nacionais em seniores, os únicos do clube fundado pelo Eng.º Óscar de Carvalho na sua história.

 

Nos anos seguintes, o agora Ministro da Juventude e Desportos viria a abandonar a prática activa do basquetebol.

 

DEIXAR OS DESPORTISTAS DECIDIR SUAS PRIORIDADES

 

Momentos depois da sua tomada de posse, Alberto Nkutumula falou à Reportagem do jornal desafio, que foi ao Palácio da Ponta Vermelha para acompanhar a cerimónia.

 

Instado a referir-se às prioridades que o novo Ministro da Juventude e Desportos aponta para o ciclo de governação há pouco iniciado, Nkutumula disse que tal decisão seria tomada depois de auscultar os fazedores do desporto nacional.

 

Segundo o governante, não será ele, sozinho, a dizer o que deve ser tratado com a máxima prioridade pelo Governo na área do desporto, mas sim os próprios desportistas, profundos conhecedores da realidade nas diversas modalidades.

 

- O que nós vamos fazer, porque trabalhamos com eles, é sentar com todos e discutirmos em conjunto quais são as prioridades no sector da juventude e do desporto. É com base na audição de todas as opiniões, todas elas válidas, e com base nas atribuições e competências do Ministério da Juventude e Desportos, que iremos definir quais são as prioridades neste quinquénio nestes dois sectores – disse Nkutumula, para quem não deve ser o Ministério da Juventude e Desportos (MJD) a dizer o que deve ser tratado com prioridade no sector desportivo.

 

 

Narciso Nhacila

Diogo Sanches entre a elite mundial

 

O atleta moçambicano de canoagem da categoria Optimist, Diogo Sanches, vai mostrando cada vez mais o porquê de ser o melhor atleta africano da modalidade. Na prova mundial ontem (domingo) terminado em Oman, destinado aos melhores atletas mundiais, Moçambique era o único país africano a participar da prova, o atleta entrou na lista dos vinte melhores da classificação final, posicionando-se no 14º lugar.

 

A outra atleta moçambicana que também participava da prova, Deisy Nhaquile, não conseguiu o feito do seu compatriota tendo terminado a prova em 41º lugar da classificação geral. No entanto, na classificação feminina, a atleta esteve em pleno ao constar da lista das 10 melhores atletas do seu género.

 

Participavam desta prova além do anfitrião Oman, sete países europeus, Qatar (Ásia), Argentina e Brasil em representação do continente americano e Moçambique (único representante africano).

 

Internamente, a Federação Moçambicana de Vela e Canoagem organiza no próximo sábado, 31 de Janeiro, a primeira regata que abre a época da modalidade no país.