Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Têxtil, 1-Costa do Sol, 1 - Inferno de mácula

A VERDADE deve ser dita. Este embate entre o Têxtil e o Costa do Sol esteve muito aquém de um verdadeiro despique entre equipas da divisão de honra num campeonato que se preze de gabarito. Nenhuma das equipas conseguiu abordar de forma cuidada o seu posicionamento táctico o que levou a que durante os 90 minutos os milhares de adeptos não desfrutassem de uma peleja de grande nível.

 

Os visitantes estavam avisados de que teriam muitos problemas no "Chiveve". Sendo assim, entraram precavidos dessas dificuldades e, por via disso, povoaram o seu meio-campo na tentativa de fecharem os intentos dos beirenses que, de facto, não tiveram manobras capazes de surtir efeitos desejados, ou seja, manietar os "canarinhos".

 

 

Ambos os conjuntos não conseguiam desbobinar jogadas consistentes até ao intervalo o que fez com que os primeiros 45 minutos terminassem sem abertura de contagem.

 

 

No reatamento, o Têxtil tentou ser mais lesto nas suas incursões mas sem objectividade. Contrariamente a isso, o Costa do Sol teve mais possibilidades e aos 74 minutos Manuelito II teve um rasgo individual e na entrada da grande área desferiu um remate para o golo.

 

 

Em desvantagem, os ‘’fabris’’ da Manga agigantaram-se e procuraram ser mais lestos na abordagem das suas linhas tácticas o que acabou sendo possível seis minutos depois com um penalte que foi bem convertido por Mano, a castigar um derrube de Tony sobre um atacante local na área.

 

 

Depois disso, tanto os beirenses como os visitantes não tiveram outro ponto de realce em termos de espectacularidade dentro das quatro linhas.O juiz esteve bem e também foi bem auxiliado.

 

 

FICHA TÉCNICA


Árbitros: Filimão Filipe, auxiliado por Eduardo Gatoma e Manuel Nelson. José Oliveira foi o quarto.

 

TÊXTIL: Jaime; Benancio, Mano, Judy, Obel, Xerico (Nuro), Best, Gabito, Michael, Avelino e Stiven (Mercy).

 

COSTA DO SOL: Gervásio; João, Zé, Dário Khan, Dito, Alvarito (Manuelito II) Mambo, Manuelito I, Sanito, Ruben e Rocha (Tony).

Vermelho para Mambo por comportamento incorrecto no final do jogo.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Liga escorrega em Tete árbitro agredido em I’bane

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 À SEXTA jornada a Liga Muçulmana, única que até então somava por vitórias todos os jogos realizados, não resistiu, ontem, ao “inferno” de Tete e perdeu com o Chingale, por 1-0, numa ronda que acabou sendo atordoada em Vilankulo com o árbitro do encontro a sofrer uma agressão.

 

O experiente avançado Magaba foi o autor do golo que ditou o desaire da turma “muçulmana”, que por força desse deslize perdeu a liderança a favor da HCB que empatou fora com o Ferroviário de Nampula a um golo.

 

 

A Liga deixou-se, ainda, apanhar, no segundo lugar, pelo Maxaquene que, por sua vez, impôs-se ao sensacional Desportivo de Nacala a primeira derrota, pelo mesmo resultado. Ambas partilham a liderança com 12 pontos, enquanto a HCB soma 13. Sublinhe-se, que “muçulmanos” e “tricolores” têm um jogo a menos e na quarta-feira acertam calendário medindo forças entre si.

 

 

A ronda ganhou contornos violentos em Vilankulo. A partida entre a equipa da casa e o Estrela Vermelha da Beira, realizada sábado, acabou sendo interrompida depois que o treinador dos visitantes, agrediu o árbitro que acabou indo parar no hospital.

 

 

O encontro foi concluído ontem com o Vilankulo a vencer, por 1-0. Quem continua sem pontuar ao cabo de seis jogos é o Matchedje, que na deslocação ao Estádio da Machava, perdeu com o Ferroviário de Maputo, por 2-1. O Costa do Sol vai demorando a atinar. Os “canarinhos” voltaram a marcar passo na viagem à Beira, onde empataram a uma bola com o Têxtil do Púnguè.

 

 

O Ferroviário da Beira deu uma cabal resposta ao turbulento início do Moçambola com um triunfo caseiro, por 3-1, sobre o Clube do Chibuto.

Na próxima jornada, a sétima, destaque para a deslocação do Ferroviário de Maputo ao terreno do líder HCB. Eis os restantes jogos: Chibuto FC-Fer.Nampula, Costa do Sol-Estrela.V.Beira, Desportivo de Nacala-Chingale, Matchedje-Maxaquene, Liga Muçulmana-Vilankulo FC e Têxtil do Púnguè-Fer. Beira.

Fonte:Jornal Noticias

Chingale quebra invencibilidade da Liga

O CHINGALE bateu ontem, à tarde, em Tete, a Liga Muçulmana, por 1-0, quebrando desta forma a invencibilidade da formação de Maputo à passagem da sexta jornada da primeira volta do Moçambola-2013.

 

A outra formação que perdeu pela primeira vez na prova foi o Desportivo de Nacala, que na sua deslocação à cidade de Maputo, foi derrotado pelo Maxaquene por uma bola sem concorrência. Pelo mesmo resultado, o Vilankulo bateu, em casa, o Estrela Vermelha da Beira, numa partida polémica que só foi concluída ontem depois de ter sido interrompida no sábado.

 

 

Aliás, o árbitro do Vilankulo-Estrela Vermelha da Beira foi forçado a interromper o jogo no sábado depois de ter sido agredido pelo técnico da formação da capital provincial de Sofala, Abdul Omar.

 

 

 

Entretanto, a HCB assumiu provisoriamente o comando da prova com 13 pontos, mais dois que a dupla Liga Muçulmana/Maxaquene que se confronta na quarta-feira para conclusão da quinta jornada, depois de ter ido à Nampula arrancar dois preciosos pontos, resultantes de uma igualdade a um golo diante do Ferroviário local.

 

 

 

O Matchedje, por sua vez, continua a ser a única equipa que não conseguiu sequer pontuar neste Moçambola. Ontem, averbou a sexta derrota diante do Ferroviário de Maputo, por 2-1, num encontro em que também deixou Victor Urbano menos pressionado.O FC Chibuto está irreconhecível este ano. Ontem foi derrotado na Beira pelo Ferroviário local, por 3-1, e caiu para a penúltima posição com sete pontos.

 

 

O Costa do Sol, por sua vez, empatou sábado na Beira com o Têxtil do Púnguè a um tento.A próxima jornada, portanto a sétima, contempla os encontros Chibuto FC-Fer.Nampula, Costa do Sol-Estrela V. Beira, Desportivo de Nacala-Chingale, HCB-Fer. Maputo, Matchedje-Maxaquene, Liga Muçulmana-Vilankulo FC e Têxtil do Púnguè-Fer.Beira.

Fonte:Jornal Noticias

Torneiro de Abertura arranca hoje

ARRANCA esta noite o Torneio da Abertura em Basquetebol sénior masculino e feminino na cidade de Maputo. A jornada inaugural ficou amputada, com algumas equipas a pautarem por não tomar parte da ronda, alegadamente por questões organizacionais.

 

Assim, o arranque será dado às 18.30 horas com o Ferroviário a medir forças com A Politécnica, em femininos. Em masculinos, os “locomotivas” defrontam a Universidade Pedagógica, um duelo marcado para as 20.00 horas.

 

 

Amanhã, sábado, o Aeroporto esgrime-se com o Desportivo da Matola, em seniores masculinos, desafio cujo início está agendado para as 16.20 horas, para as 18.00, o Costa do Sol ter pela frente A Politécnica, partida que irá fechar a ronda.

 

 

Todos os jogos terão lugar no campo do Ferroviário.As restantes equipas, nomeadamente Maxaquene, Liga Muçulmana e Desportivo, ainda não se inscreveram no certame, alegadamente por questões organizacionais.

 

 

Refira-se que este torneio devia ter arrancado a sensivelmente duas semanas, mas por falta de recintos para os jogos, a Associação de Basquetebol da Cidade de Maputo, organizadora da prova, viu-se obrigada a adiar sucessivamente a competição.
Fonte:Jornal Noticias

Autoridade Tributária afastada das meias-finais

FICOU pelos quartos-de-final a excelente prestação da equipa moçambicana da Autoridade Tributária no Campeonato Africano de Voleibol, em seniores masculinos, prova que decorre em Tripoli, capital líbia, ao ser derrotado pelo Al Ahly Tripoli, por 3-0 (25-18, 25-18, 25-15)

 

A Autoridade Tributária falha, desta forma, o apuramento para as meias-finais e vai jogar frente ao Ahly Benghazi, também da Líbia, para a quinta posição.

 

 

Noutros jogos dos quartos-de-final, o Sfaxien da Tunísia venceu o Swahili da Líbia, por 3-0 (25-14, 30-28, 25-18), enquanto o Prisons do Quénia bateu o FAP dos Camarões, pelo mesmo resultado mas com os seguintes parciais (25-20, 25-21, 28-26).Noutro desafio, o Esperance de Tunis derrotou o Al Ahly Benghazi da Líbia, por 3-0 (25-18, 25-21, 26-24).

 

 

JOGOS DAS MEIAS-FINAIS



Prisons (Quénia)-Sfaxien (Tunísia)

Al Ahly Tarablus (Líbia)-Esperance (Tunísia)

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Atletas da Zambézia querem incentivos do governo

OS atletas pré-seleccionados para a formação das equipas que irão representar a província da Zambézia no XI Festival Nacional dos Jogos Desportivos Escolares que terão lugar em Julho próximo, na cidade de Tete, pedem as autoridades de Educação e Cultura apoio a todos os níveis.

 

Os atletas querem um cronograma sério de treinos, reforço de equipamento e material desportivo bem como lanches para motivar mais os jogadores. Os pré-seleccionados mostram-se agastados com o que tem sido prática neste evento em que a preocupação dos dirigentes a diferentes níveis só começa a se fazer sentir a escassos dias do início das competições.

 

 

Os atletas são de opinião que fazendo as coisas em cima de “joelho”, a possibilidade de exigir resultados positivos a diferentes selecções é remota.

 

 

Numa mensagem apresentada há dias na cidade de Quelimane, por ocasião do encerramento da fase provincial dos Jogos Desportivos Escolares, evento que juntou atletas e técnicos, os jogadores apelaram ao governo provincial da Zambézia a ser mais sério no desafio de melhorar os resultados desportivos.

 

 

Gostaríamos que da intenção se passasse à prática. Nós já demonstrámos que temos potencial, mas falta o carinho e atenção nos aspectos que podem contribuir para o sucesso da participação da província da Zambézia”, lia-se na mensagem apresentada pelos atletas.

 

 

Na prática faltam dois meses e meio, mas os centros de treinos ainda não foram abertos tanto na cidade de Quelimane bem como nas sedes distritais. Os atletas e os técnicos têm sido as vítimas mais sacrificadas visto que quando pedem condições de treinamento nunca são ouvidos, mas os dirigentes sempre exigem resultados. Há vezes em que os próprios técnicos têm de sacrificar os seus pobres salários para a aquisição do material desportivo e atender as doenças e preocupações pessoais dos atletas e as chefias pouco se preocupam com isso, por isso, os atletas asseveraram muito a questão da seriedade e sensibilidade da Direcção Provincial da Educação e Cultura da Zambézia.

 

 

No total são 128 atletas de diferentes disciplinas desportivas seleccionados na fase provincial do festival dos jogos escolares nas modalidades de futebol, basquetebol, salto de corta, voleibol, andebol e atletismo. O objectivo das suas reivindicações é solicitar condições motivacionais para competir em igualdade circunstancial com os outros atletas das restantes províncias e nas modalidades que mais se destacaram.

Afirmaram que se aquelas condições não forem criadas, a província da Zambézia poderá passar vergonha na fase nacional.

 

 

Entretanto, o Governador da Zambézia, Joaquim Veríssimo, reconheceu a legitimidade das preocupações apresentadas pelos atletas e técnicos e comprometeu-se a criar condições básicas para que a preparação das equipas da Zambézia seja coroado de êxitos. Segundo Veríssimo, a fase que se segue é crucial e exige um grau diferente de responsabilidade por parte do Governo, técnicos e atletas para elevar através do desporto o nome da província da Zambézia.

 

 

O edil de Quelimane, Manuel de Araújo, disse, por sua vez, que o país deve ser construído com uma juventude saudável e a prática do desporto é uma das vias. É nesta perspectiva que Manuel de Araújo apelou a todos os atletas e técnicos a pautarem por uma atitude responsável durante a preparação e participação da fase nacional dos Jogos Desportivos Escolares. A XXVI edição dos jogos escolares terminou na sexta-feira em Quelimane.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Vilankulo FC abandona plano de desistência

 

A decisão surge na sequência das conversações, na passada terça-feira, entre a direcção do clube de Inhambane e a Liga Moçambicana de Futebol (LMF). No encontro entre as duas entidades, foi sanado o diferendo que os opunha e que tinha a ver, essencialmente, com a realização de jogos às quartas-feiras, facto que sujeitava a formação de Vilankulo a penosas e longas viagens via terrestre, sem tempo para treinar ou sequer descansar.

 

 

Superado o diferendo, que punha em causa a boa imagem do Moçambola, as duas partes voltaram quarta-feira a sentar-se à mesma mesa, desta feita na presença da Imprensa, para explicarem o que afinal teria acontecido para abalar a prova.

 

 

 Yassin Amuji, presidente do Vilankulo FC, começou por caracterizar a semana passada como agitada para o futebol nacional, para o seu clube e para a imagem que se pretende transmitir em relação ao campeonato. “O que aconteceu não dignifica em nada o nosso futebol, sobretudo numa altura em que se procura afirmar-se no contexto africano, mas não tínhamos outra saída. As constantes deslocações, devido aos jogos a meio da semana, estavam a desgastar demasiadamente a nossa equipa e os jogadores já evidenciavam claramente o cansaço”, vincou.

 

 

O dirigente acrescentou que “não havia condições para continuarmos naquela situação penosa. Felizmente, com boa vontade, bom senso e respeito da Liga Moçambicana de Futebol para com os seus associados, os jogos às quartas-feiras foram retirados”, ajuntou.

 

 

Yassin disse ainda que a reunião com a Direcção da LMF, encabeçada pelo respectivo presidente, Alberto Simango Júnior, decorreu numa atmosfera de camaradagem e os “marlins” saíram satisfeitos com os esclarecimentos dados e com as decisões tomadas.

 

 

O patrono do Vilankulo terminou dizendo que “não temos razões de queixas. Estamos satisfeitos, pois o martírio acabou e agora já temos tempo para descansar, treinar e planificar os jogos à vontade. Parabéns à Liga por ter escutado a nossa posição, que era uma preocupação de todos os clubes”.
Fonte:Jornal Noticias

Duelo de aflitos na Machava

O ESTÁDIO da Machava acolhe amanhã à tarde, a partir das 15.00 horas, o encontro entre dois aflitos no Moçambola. Trata-se do Ferroviário de Maputo e Matchedje que estão sedentos de vitórias para fugirem aos últimos lugares da pauta classificativa.

 

Quem diria que ao cabo de cinco jornadas, o Ferroviário estivesse abaixo da linha de água? O mesmo se pode dizer do Matchedje do qual se esperava um regresso auspicioso ao convívio dos grandes depois de um ano (2012) passado na segunda liga. O cenário actual é espinhoso para ambas as colectividades com os “locomotivas” a ocuparem a penúltima posição com apenas quatro pontos conquistados em 15 possíveis.

 

 

Em pior situação só os “militares” que ocupam o último lugar sem nenhum ponto, ou seja, somou por derrotas as cinco partidas.

 

 

Sendo o Ferroviário favorito, mas pelo facto de possuir um leque de jogadores de melhor nível qualitativo, do que propriamente do factor casa, adivinha-se mais um embate complicado para a turma “militar”, que no decurso da semana “correu” com o treinador Alex Alves. Aliás, é bem provável que caso a turma “locomotiva” não ganhe possa ocorrer mais uma chicotada psicológica, a demissão de Vítor Urbano que nesta altura está na “corda bamba”.

 

 

No mesmo dia, e à mesma hora, o Têxtil do Púnguè recebe o Costa do Sol, um dos crónicos favoritos ao ceptro. No campo do Ferroviário da Manga estarão frente-a-frente duas equipas em igualdade pontual (7) que procurarão descolarem-se uma da outra, até porque não estão muito longe da linha dos lugares de despromoção.

 

 

Já no domingo, o destaque vai para o embate entre o Maxaquene, campeão nacional, e o Desportivo de Nacala, equipa sensação neste início de prova. Um desafio interessante e emotivo em perspectiva, se se atender que há ansiedade de ver até que ponto os nacalenses podem manter o factor surpresa e, por outro, será um desafio para os “tricolores” realizarem uma exibição convincente no “Zimpeto”, algo que ainda não aconteceu.

 

 

A Liga Muçulmana, líder isolado, joga fora com o Chingale, numa das deslocações mais difíceis. Os Ferroviários da Beira e de Nampula defrontam em casa o Chibuto FC e a HCB, respectivamente.O Vilankulo joga no seu terreno com o Estrela Vermelha da Beira. A equipa da casa procura regressar às vitórias depois de na ronda anterior ter perdido por falta de comparência, um facto insólito na mais prestigiada competição futebolística nacional.
Fonte:Jornal Noticias

Autoridade Tributária nos quartos-de-final

A EQUIPA de voleibol da Autoridade Tributária qualificou-se para os quartos-de-final do Campeonato Africano da modalidade ao vencer o Nemostars do Uganda, por 3-1 (21-25, 25-20, 25-18, 26-28), em jogo da terceira e última jornada do Grupo D.

 

Ao transitar para os quartos-de-final, a Autoridade Tributária fez história ao tornar-se na primeira equipa moçambicana a atingir essa fase, onde terá como adversário o Ahly de Tripoli, turma anfitriã. O único representante nacional, que chegou ao “Africano” depois de se ter qualificado em primeiro na zona VI, bateu ainda durante a fase de grupos o AUC da Costa do Marfim, por 3-1 (25-21, 25-20, 22-25, 25-19), no jogo da estreia.

 

 

A única derrota até ao momento foi frente aos Prisions do Quénia, que terminaram como líderes do grupo, por 3-0 (25-16, 25-20, 25-14).

Garantiram, ainda, o apuramento para os “quartos” três equipas líbias, nomeadamente o Ahly Tripoli, El Swahili e Ahly Benghazi; o FAP dos Camarões, o Sfax e Esperance, ambas da Tunísia e Prisons do Quénia.

 

 

JOGOS COMPLETOS DOS QUARTOS-DE-FINAL


AUTORIDADE TRIBUTÁRIA (MOÇAMBIQUE)-Ahly Tripoli (Líbia)

Prisons (Quénia)-FAP (Camarões)

Sfaxien (Tunísa)-Swahili (Líbia)

Esperance (Tunísia)-Al Ahly Benghazi (Líbia)

 

 

JOGOS DE APURAMENTO DO 9.° A 16.° CLASSIFICADOS



Nahda (Sudão)-AUC (Costa do Marfim)

Nemo Stars (Uganda)-DGSP (Congo)

Bourj Bouaririj (Argélia)-Muger Cement (Etiópia)

Delta Spikers (Nigéria)-Muzinga (Burundi)

Fonte:Jornal Noticias

Selecção de hóquei estagia em Portugal

A SELECÇÃO nacional de hóquei em patins vai estagiar em Portugal em Agosto próximo no âmbito da sua preparação para o Campeonato do Mundo do Grupo “A”, que decorrerá em Angola de 20 a 28 de Setembro.

 

O estágio competitivo em terras lusas será a segunda fase de uma preparação, cujo arranque aconteceu na semana passada no pavilhão do Estrela Vermelha e que congrega, por enquanto, hoquistas que actuam em solo pátrio.

 

 

O Presidente da Federação Moçambicana de Patinagem (FMP), Nicolau Manjate, fala destes e outros assuntos que marcarão o ano na modalidade numa entrevista . 

 

 

 Está tudo acautelado para que Moçambique tenha uma participação condigna no Mundial?



 A Federação Moçambicana de Patinagem congratula, em primeiro lugar, o Governo pelo apoio e por nos ter priorizado no seu programa de cooperação. Isto vai permitir que desenvolvamos um melhor trabalho. Para além de que este apoio abrange a área de formação, e prevê o intercâmbio de pessoal especializado para o fomento da formação, como é o caso de árbitros e técnicos.

 

 

 Em que país a Selecção Nacional efectuará o estágio? Espanha continuará a ser a base como tem acontecido nos Mundiais anteriores?



 Desta vez vamos realizar o estágio em Portugal, porque queremos tirar benefícios do acordo que temos com a Federação Portuguesa de Patinagem (FPP). Temos uma concessão de 20 dias para um combinado de 15 jogadores e temos de tirar proveito dessa facilidade. Será também uma oportunidade de activarmos o programa de formação e estabelecer contactos para a vinda de técnicos formadores.

 

 

Costuma-se dizer que numa equipa que se ganha não se mexe. Por que não continuar a estagiar na Espanha (Corunha), um local que nos deu grandes resultados?



Nós tivemos um estágio na Espanha e tivemos resultados belíssimos, mas a história nem sempre se repete. Estamos a pensar dentro daquilo que temos neste momento. E o que temos já é o estágio em Portugal, mas isto não retira a hipótese de optarmos por decidir, em última instância, efectuar o estágio na Espanha.

 

 

 Quando é que os hoquistas nacionais seguem para Angola?



 A ideia é estar em Angola 10 dias antes do início do Mundial. O seleccionador nacional (Pedro Nunes) quer que a equipa moçambicana tenha uma semana em Angola para a sua adaptação e se possível realizar alguns jogos.

 

 

Bruno Pimentel anunciou a sua saída da selecção. Abre-se um espaço para a entrada de outros jogadores. A federação está a trabalhar para fechar esta brecha?



 Vamos ter algumas entradas novas na equipa. São jogadores que actuam aqui no país e queremos lançá-los para o combinado nacional. Falo de jovens valores e outros já com alguma experiência.

 

 

 A meta da selecção continua a ser defender o quarto lugar?



 Claro. Vamos a Angola para defender o quarto lugar. Temos essa responsabilidade, por isso vamos criar todas as condições para que os jogadores e a equipa técnica trabalhem da melhor forma.

 

 

 Qual é a avaliação que faz da abertura de novas escolas de patinagem?



 Está a ser um sucesso cada dia que passa. Estamos a ter mais patinadores. Neste momento temos 100 patinadores e brevemente vamos entrar na fase de competição. A fase de aprendizagem do domínio da patinagem e do stick já passou. A seguir vamos formar equipas e começar a promover torneios ainda este ano.
Fonte:Jornal Noticias