Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Liga MG perde todos pontos por uso indevido de um jogador

O ATÉ então líder do Campeonato Provincial de Maputo, o FC Liga MG da Matola, foi lhe retirado todos os pontos que tinha no Campeonato Provincial de Maputo, alegadamente por utilizar indevidamente um jogador de nacionalidade nigeriana.

 

O caldo entornou após o jogo contra o Djuba, no qual depois da derrota os dirigentes da equipa de Boane denunciaram o alegado uso irregular do jogador nigeriano.

 

 

Como sanção, a Associação Provincial de Futebol de Maputo deliberou a retirada de todos os pontos ao MG, o que fez com que esta equipa desistisse do “Provincial” a uma jornada do fim da prova.Com o castigo aplicado ao MG, o Campeonato passou a ser liderado pelo FC de Infulene, com 46 pontos, mais dois que Djuba, segundo classificado. Entretanto, o líder Infulene já esgotou os seus jogos, portanto não vai entrar em cena na última jornada marcada para 4 de Outubro próximo.

Face a esta situação, o Infulene pode ver o canecão a cair nas vitrinas do Djuba, caso vença o jogo do dia 4 de Outubro contra o Desportivo da Matola. O Djuba passará a somar 47 pontos, mais um que o actual líder.Saliente-se que a desistência do MG segue às do Simba Rangers e a de Liberbulls, fazendo com que o campeonato ficasse com apenas nove equipas das 12 que iniciaram a prova.

Fonte:Jornal Noticias

Selecção Nacional parte hoje para Dakar

A SELECÇÃO Nacional de Basquetebol na categoria de Sub-18 parte hoje rumo à cidade senegalesa de Dakar, onde a partir de sábado tomarão parte do Campeonato Africano da modalidade, Afrobasket, naquele país da África Ocidental.

 

Inicialmente previsto para arrancar hoje, a organização da prova decidiu alterar a data do início, passando para o próximo sábado, dia 22, prolongando-se por uma semana, ou seja, até ao próximo dia 29.

 

 

A prova será manchada pelas já confirmadas desistências da Nigéria e da Costa do Marfim, por razões até aqui não especificadas. Falta igualmente a confirmação da República Democrática do Congo e da Guiné Conakry.Assim, até ontem apenas oito das 12 selecções haviam confirmado a presença, nomeadamente Moçambique, Angola, Egipto, Quénia, Mali, Tunísia, Gana e Senegal.

 

 

Entretanto, em relação ao combinado nacional, o seleccionador, Armando Meque, queixa-se da fraca preparação que a equipa teve. Para Meque, a selecção podia estar melhor se tivesse tido uma preparação condigna, que incluísse, por exemplo, um estágio, o que não aconteceu. “Todavia, no seio do grupo há união e acima de tudo, motivação por parte das atletas”.

 

 

Em face disso, Armando Meque é de opinião que não se deve ter uma ambição desmedida em relação à selecção, mas o objectivo do grupo é conseguir estar pelo menos entre os quatro melhores da prova.

 

 

Temos que fazer coisas por passos. Primeiro lutarmos para atingir a segunda fase e depois arrancarmos um dos quatro primeiros postos”, sublinhou, não descurando a lutar pelos dois primeiros postos que dão acesso directo ao Mundial do próximo ano.

 

 

Devido às lesões e problemas relacionados com as idades, o seleccionador nacional viu-se obrigado a reduzir o número de convocadas de 17 para 12 atletas, que são:

 

 

Ludmila Rangel, Hasman Pedro, Yara Pelembe, Lina, Tamara Seda, Rosa Cossa, Paula Chiau, Lacelissa Vilanculos, Sheila Chagual, Denisa Ernesto, Negita da Graça e Flávia Alcino.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

“Mambas” vão jogar em Marraquexe contra Marrocos

A SELECÇÃO Nacional de Futebol, os “Mambas”, vai jogar na cidade de Marraquexe e não em Rabat, como estava inicialmente marcado, contra a sua congénere do Marrocos em partida da segunda “mão” da última eliminatória de aceso ao CAN-2013.

 

O facto foi avançado ontem pela Federação Marroquina de Futebol, que no entanto, não revelou os motivos da alteração do local do embate, mas sabe-se que é pretensão dos dirigentes daquele país levar o jogo para a cidade Marraquexe, por ser o “berço” do futebol.

 

 

Recorde-se que o jogo que pode colocar os “Mambas” na maior competição de selecções africana realiza-se no dia 13 de Outubro.

Na primeira “mão”, em Maputo, os “Mambas” venceram os marroquinos, por claros 2-0, golos de Miro e Dominguez.Saliente-se que na sequência desta derrota, a federação marroquina demitiu o seleccionador, o belga Eric Gerets.

Fonte:Jornal Noticias

Técnicos nacionais capacitados na RAS

OITO técnicos nacionais participam, de hoje quinta-feira até domingo, na conferência africana de ténis, em Sun City, na vizinha África do Sul, que vai abordar as novas técnicas de ensinamento e treinamento nos diversos escalões.

 

O evento, promovido pela Federação Internacional de Ténis (ITF) em parceria com a Solidariedade Olímpica, visa a troca de experiências sobre as metodologias e técnicas de treinamento para a projecção de atletas para o alta-competição.

 

 

Um dos objectivos do encontro, que reunirá treinadores e gestores interessados na matéria, é avaliar o nível competitivo dos países africanos e estabelecer comparações e analisar os factores que concorrem para o desnível que se assiste entre as nações para se desenhar uma estratégia de acção conjunta que possa mudar o rumo dos acontecimentos.

 

 

A qualidade dos tenistas produzidos a nível do continente, à excepção de alguns países, como é a vizinha África do Sul, que é o expoente africano, é baixa, concorrendo para esta situação a escassez de infra-estruturas, material desportivo e falta de projectos sérios. 

   

A expansão e desenvolvimento da modalidade em África são outros itens que serão debatidos.Salientar que a federação moçambicana da modalidade (FMT) estendeu a oportunidade de participação aos treinadores afectos ao Clube de Ténis de Maputo (CTM), que se dedicam à formação.

Fonte:Jornal Noticias

Matchedje virtual campeão da Cidade de Maputo




O MATCHEDJE sagrou-se na tarde de ontem virtual campeão de futebol da cidade de Maputo ao derrotar 1º de Maio, por 2-1, em partida da 21ª jornada (penúltima) da prova realizada no Estádio da Machava.

 

Com a vitória, o Matchedje destronou o Mahafil que, por seu turno, perdeu com a turma do Vulcano, curiosamente por 2-1. Os “militares”, que antes da realização desta jornada ocupavam a segunda posição com menos um ponto que Mahafil, somam agora 43 pontos, contra 41 da segunda formação, que infelizmente já concluiu os seus jogos. Ou seja, fica de fora na última ronda devido ao número ímpar de participantes no campeonato.

 

 

O Matchedje vai defrontar Águias Especiais, na derradeira jornada, a realizar-se no fim-de-semana, para a consagração do título, que lhe dá direito de participar na “poule” de apuramento para o Moçambola-2013.Recordar que os “militares” foram despromovidos desta que é a maior prova futebolística nacional no ano passado.  

 

 

RESULTADOS DA 21ª JORNADA


Matchedje – 1º de Maio (2-1)

Académica – Estrela Vermelha (2-1)

Fer. das Mahotas – Beira Mar (4-1)

Mahafil – Vulcano (1-2)

Águias Especiais – Cape Cape (3-4)

 

 

Província de Maputo: MG soma e segue

 

A Liga MG da Matola não desata no Campeonato Provincial de Maputo. No fim-de-semana não se fez de rogado e venceu o Ntumbuluku FC, por três bolas a uma, em jogo em atraso, o que lhe permitiu alargar a sua vantagem em relação ao segundo classificado, o Infulene.Com este resultado, os pupilos de Gentil Escrivão passam a somar 41 pontos, mais quatro que o Infulene. O Benfica de Marracuene beneficiou-se da falta de comparência do Liberbulls para amealhar os três pontos em disputa.

 

 

CLASSIFICAÇÃO



MG 41 pontos

Infulene 37

Djuba 35

Desportivo da Matola 27

Clube da Manhiça 18

Porto 18

Ntumbuluku 17

Benfica 16

Binó 4 

Liberbulls 1 ponto

 

 

Gaza: Ferroviário descarrila

 

Ao cabo de 22.ª jornada, os “locomotivas” de Gaza sofreram derrota. O carrasco foi a AD de Chókwè, que venceu, por duas bolas a uma, ao já campeão Ferroviário.O Mandlakaze, por sua vez, aproveitou o descarrilamento do Ferroviário para reduzir a desvantagem pontual, vencendo o Costa do Sol, por dois a um.

 

 

Mas o destaque nesta ronda, por sinal a derradeira, vai para a goleada do Clube de Gaza ao Estrela Vermelha, por humilhantes oito a zero. Terminou empatado o embate Massingir-Ferroviário de Mabalane a uma bola. O Chibutense sofreu bastante para levar de vencida a aguerrida equipa do Clube do Bilene, por 4-3.

 

 

CLASSIFICAÇÃO



Ferroviário de Gaza 53 pontos

Mandlakaze 47

Clube de Gaza 31

Clube de Bilene 30

Mabalane 29

Teka Mahala 27

AD Chókwè 25

Chibutense 23

Massingir 20

Costa do Sol 17

Estrela Vermelha 4 pontos

 

 

Manica: Textáfrica espreita o título

 

Os “fabris” do planalto estão a uma vitória de se sagrarem campeões provinciais de Manica depois do triunfo, no fim-de-semana, diante do Gold Star, por uma bola sem concorrência, em partida pontuável para 19.ª jornada.

 

 

A três jornadas para a conclusão da prova, os “fabris” conservam uma vantagem de nove pontos sobre o segundo classificado, Atlético de Gondola, dai que se pode dizer que só um milagre pode tirar o canecão ao Textáfrica, até porque um empate é bastante para a conquista do título.

 

 

A 19.ª ronda ficou igualmente marcada pelos seguintes resultados: Liga Muçulmana, 2-Leões de Vumba, 2. Pipeline, 1-Desportivo de Manica, 0. Chimoio FC, 1-Atlético de Gondola, 1. Matchedje, 4- Messica, 5.Textáfrica soma 48 pontos, me primeiro, o Gondola segue em segundo com 39. Gold Star tem 38. Liga Muçulmana 31, Pipeline 30, desportivo de Manica, 28, Chimoio FC 27, Aklin 17, Messica 16, Vumba 13 e Matchedje 10 pontos.ampula: Ferrovário de Nacala aperta.

 

 

Nampula: Ferrovário de Nacala aperta

 

 

O Ferroviário de Nacala aproxima-se perigosamente do comando do Campeonato Provincial de Futebol de Nampula, o “Nampulense”. Os “locomotivas” aproveitaram-se do deslize do Desportivo também de Nacala na recepção ao Sporting de Monapo, partida na qual os “canarinhos” perderam, por uma bola sem resposta, para reduzir a desvantagem pontual de quatro para um ponto.

 

 

Assim, o Desportivo somou a sua primeira derrota no “Nampulense”, contundo continua líder da prova com 45 pontos, mais um que o Ferroviário em segundo ao cabo de 24 jornadas. Para além da surpreendente derrota do líder diante do Sporting de Monapo, o destaque vai ainda para a vitória do Ferroviário de Nacala ante o Benfica de Monapo, por duas bolas sem concorrência.

 

 

Casa Issufo averbou uma falta de comparência no embate que devia travar com Benfica de Moma. Moçambique FC venceu Benfica de Nampula, por dois a zero, enquanto Sporting e Hospital, ambos de Nampula, empataram a uma bola.

 

 

CLASSIFICAÇÃO




Desp. Nacala 45 pontos

Fer. Nacala 44

Sporting de Monapo 40

Benfica de Monapo 36

Sporting de Nampula 29

Hospital 28

Benfica de Moma 30

Benfica de Nampula 24

Sporting de Angoche 15

Moçambique FC 15

Casa Issufo 13

Benfica de Angoche 12

Liga Muçulmana 0

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Aro engaja-se na pesquisa de talentos para o futebol e futsal

A ORGANIZAÇÃO não-governamental (ONG), Aro Moçambique, através da sua Agência de Desenvolvimento e Empreendedorismo (ADE), está engajada no processo de descoberta de talentos pelo país para as modalidades de futebol e futsal.

 

Com o efeito, a Aro rubricou recentemente um memorando de entendimento com o Atlético da Beira, ao abrigo do qual a ONG se compromete a apoiar aquele clube que milita no Campeonato Provincial de Sofala na categoria de juniores, em equipamentos, bolas e lanches, como forma de incentivar a prática e massificação desportiva naquela colectividade.

 

 

Em contrapartida, o Atlético vai ostentar no seu equipamento logótipos da Aro Moçambique.Ainda no âmbito da massificação desportiva, o presidente da Aro Moçambique, Policarpo Tamele, avançou que para a semana, prevê-se a assinatura de mais um memorando, desta feita com o Grupo Desportivo Iquebal de Maputo, visando a pesquisa e descoberta de talentos para o futsal.

 

 

 A Aro vai fornecer ao Iquebal dois técnicos desta modalidade para fazerem o acompanhamento dos formandos.

Tamele ajuntou que o acordo com o Iquebal vai envolver 300 adolescentes e jovens, numa primeira fase, iniciativa que tem como meta abranger cerca de 1200 pessoas daquela faixa etária até finais do próximo ano.

 

 

Paralelamente, a Aro irá organizar um torneio de futebol durante as férias escolares que se avizinham, um torneio de futebol, envolvendo equipas de adolescentes oriundos de bairros suburbanos da capital do país, como forma de ocupá-los nos seus tempos livres durante o interregno das aulas.

 

 

É preferível investir na formação de jovens talentos para que no futuro engrossem as nossas selecções. Queria apelar a todos os clubes para que apostem na formação, pois só assim é que o país irá ganhar talentos. Em Moçambique, há défice na formação dai que o futebol está em situação que está”, frisou.

 

 

A finalizar, Tamele revelou que brevemente a Aro vai apoiar torneios de futebol em Luabo, na Zambézia, pois aquando da sua recente visita àquela zona, os jovens locais queixaram-se da falta de bolas para a prática de futebol, o que a sua organização está pronta a providenciar. 
Fonte:Jornal Noticias

Fer. de Maputo, 0 – Maxaquene, 2: Força e magia “tricolor”



O MAXAQUENE demonstrou a lição de bem jogar aliada ao valor colectivo no duelo com o Ferroviário, sábado, no Estádio da Machava, vencendo merecida e categoricamente, por 2-0. Os golos foram apontados na segunda parte por Betinho e Jair.

 

As expectativas à volta do embate acabaram sendo manchadas pela chuva miúda que caiu quase ininterruptamente ao longo do dia, não oferecendo as condições necessárias para a prática de um bom futebol e uma maior afluência do público ao recinto do jogo. Mesmo assim, houve momentos memoráveis protagonizados pelo Maxaquene.

 

 

Os “tricolores” exibiram-se com uma qualidade acima da média, dada à excelente circulação de bola e maior articulação entre os sectores. Isso conferiu-lhes maior posse de bola e capacidade ofensiva, forçando os “locomotivas” a recuarem na estratégia e a cometerem muitos erros na abordagem do seu jogo.Diga-se em abono da verdade que o Maxaquene teve maior produção de jogo, tendo por isso sido a equipa que mais oportunidades de golo criou.

 

 

O jogo teve uma primeira parte menos boa em termos de qualidade de espectáculo, talvez tenha concorrido para isso a maior precipitação (chuva) registada nesse período comparativamente à segunda metade. As equipas jogaram mais pelo coração, portanto de forma atabalhoada. O esférico esteve mais vezes nas alturas.

 

 

 Contudo, foi notório, do lado “tricolor”, um esforço para fazer o melhor. Arrancou algumas jogadas bem desenhadas. O Ferroviário experimentou sérias dificuldades para sair a jogar perfeitamente, dada a pressão exercida pelos “tricolores” à entrada do meio-campo “locomotiva”.

 

Foi muitas vezes forçado a recuar, optando por despachar o esférico. Só que o Maxaquene esteve melhor tanto a defender como a atacar tendo, por isso, sido primeiro a chegar à baliza contrária, com Kito a fazer uma excelente assistência para o isolamento de Betinho, aos 11 minutos. Mas este atirou desenquadrado com baliza, com Kampango um pouco adiantado nos postes em apuros. De seguida, Macamito fez quase o mesmo, com um passe bem tirado para o isolamento de Jair que, vendo Kampango em sua direcção, atirou em jeito, mas a bola não teve a direcção certa, com a baliza escancarada. 

 

 

Entretanto, a segunda parte arranca com ambas as partes desejosas de melhorar a sua prestação. Mas o Maxaquene continuou na mó de cima. O Ferroviário tentou jogar como mandam as regras, mas pecava no fim, perdendo a bola de forma infantil. A entrada de Hélder Pelembe para o lugar do médio-ofensivo Liberty, que jogava como falso ponta-de-lança, foi uma mais-valia para os “tricolores”.

 

 

Logo à entrada foi encarregue de marcar o livre próximo do vértice direito da grande área “locomotiva”, que ditou o primeiro golo do Maxaquene. Atirou contra a barreira, tendo o esférico se projectado para a pequena área onde, depois de tanta insistência, a bola sobrou para Betinho, que atirou a visar, aos 71 minutos.

 

 

O Ferroviário foi atrás do prejuízo e quase chegou ao empate, naquele tiro de Tchitcho para o poste, na marcação de um livre, aos 81 minutos. Continuou a lutar, mas sem sucesso, porque a defensiva “tricolor” foi intransponível e resguardava com êxito os cruzamentos projectados à área, tanto por Zabula, bem como por Diogo.

 

 

O Maxaquene manteve-se na mó de cima e endiabrado, com Kito a rasgar o meio-campo da direita para a esquerda, confundindo a defensiva “locomotiva” e assistindo com frequência o ataque. Betinho teria bisado, aos 85 minutos, naquela oferta da defensiva a Jair que, vendo Betinho em posição privilegiada, fez o passe para o atacante “tricolor” atirar com precisão, mas Chico foi a tempo de tirar a bola na linha de golo.

 

E acabou sendo o próprio Jair a fazer o 2-0, no primeiro minuto dos sete de compensação, numa outra má saída da defensiva “locomotiva”. Jair interceptou o passe de Zabula, galgando do meio-campo até à baliza de Kampango, que não teve como evitar o golo.

 

 

O Ferroviário tentou o possível. Acácio evitou aquilo que seria o golo certo de Whisky. Dois tiros bem direccionados forçaram o guarda-redes “tricolor” a duas palmadas para canto.A equipa de arbitragem, liderada por Aníbal Armando, fez um trabalho aceitável.

 

 

FICHA TÉCNICA



ÁRBITRO: Aníbal Armando, auxiliado por João Paulo e Estrela Gonçalves. O quarto árbitro foi Arlindo Silvano

 

FERROVIÁRIO – Kampango; Butana, Zabula, Chico e Vling (Imo); Rachid (Manucho), Whisky, Tchitcho e Diogo; Luís e Clésio (Fanuel)

 

 

MAXAQUENE – Acácio; James, Campira, Gabito e Eusébio; Kito, Macamito, Payó e Jair e Liberty (Hélder Pelembe); Betinho (Mário)

 

 

DISCIPLINA: cartolinas amarelas para Zabula e Liberty

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Fer. de Pemba, 0- Chibuto, 0: Que mediocridade

MEDÍOCRE jogo de futebol. É o que se pode dizer efectivamente, sobre esta partida protagonizada por duas equipas com distintas situações da tabela classificativa do presente Moçambola.

 

Ou por outra, o Ferroviário de Pemba está praticamente despromovido, enquanto o Chibuto ainda luta para fugir desse destino, talvez fosse esse o factor decisivo para os dois conjuntos praticarem um futebol muito desagradável de seguir, com poucas oportunidades de golo e de muita incorrecção, daí que o resultado se acabou por ajustar perfeitamente ao desenrolar da partida.

 

 

  A ser verdade, os forasteiros são os que mais perderam com este empate, aliás, o jogo interessava mais a formação do Chibuto do que propriamente à equipa do Ferroviário de Pemba, daí que, logo à partida, fosse, em nossa percepção, a obrigação da equipa forasteira vencer o jogo para “alimentar” mais a sua actual posição na tabela classificativa.  

 

 

É preciso sublinhar ainda que o jogo, de uma maneira geral, não foi bem disputado, a qualidade de futebol foi bastante fraca e sem grandes primores técnicos, em parte devido à falta de entrega dos jogadores dos dois lados, onde igualmente a prática do futebol aéreo foi a nota dominante.

 

 

Porém, o primeiro tempo teve ascendente ligeiro do Ferroviário de Pemba, que entrou aparentemente decidido no jogo em relação ao seu oponente directo, e aos 28 minutos criou o primeiro e único perigo junto da baliza de Ró. A partir daqui quase não se viu nada de futebol, senão a demonstração de debilidades técnicas de ambos os intervenientes no prélio.

 

 

Quando se esperava que no reatamento da partida os contendores viessem com outra ambição de ganhar, eis que a tónica do jogo continuou a ser a mesma, mesmo com as substituições feitas, as intenções dos respectivos técnicos nunca foram concretizadas, pois que os jogadores nada fizeram para correspondê-los, dando o seu máximo.

 

 

Nesta etapa o FC do Chibuto foi o único que criou perigo junto da baliza contrária, quando no minuto 55, Vivaldo, depois de uma jogada rápida, rematou forte e obrigou Sozinho a fazer uma defesa espectacular. Daqui em diante o jogo continuou a ser disputado do mesmo ritmo, até parecia que os dois intervenientes não tinham vontade de vencer a partida. Em suma, num jogo medíocre, o empate afigura-se inteiramente justo.

 

 

FICHA TÉCNICA



ÁRBITRO: Inácio Sitoe e auxiliado por Nelsa Abílio e Isac Domingos.

 

 

FERROVIÁRIO DE PEMBA- Sozinho, Franco, Ibrahimo (Reginaldo), Emídio, Binó (Madeira), Albachir, Cassimo, Ozias (Megaz), Muerrufu, Vivaldo e Paunde.

 

 

FC DE CHIBUTO- Ró, Nito, Chaguala, Duda, Zé Rasta, Jacinto (Getinho), Jossias, Jonas, Freitas (Kamaru), Lalá, Chana (Ndjusta)

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Maxaquene quase, quase campeão!

DEPOIS da retumbante vitória por duas bolas sem resposta, sábado, diante do arqui-rival, Ferroviário de Maputo, o Maxaquene ficou a um passo de se tornar novo campeão nacional.

 
Os “tricolores” somam 40 pontos, mais sete que os “locomotivas” em segundo lugar, uma vantagem que dificilmente pode ser desfeita se se tiver em conta que faltam sete jornadas para o fim da presente edição do Moçambola.
Por outro lado, os comandados de Arnaldo Salvado têm poucas deslocações em relação ao seu mais directo perseguidor.
Na próxima ronda, por exemplo, o Maxaquene recebe o Ferroviário de Nampula, enquanto o Ferroviário desloca-se ao sempre complicado reduto do Vilankulo FC, num jogo que se espera bastante renhido, pois as duas equipas lutam, de forma titânica, pelo segundo posto.
Mas a ronda 19 ficou igualmente marcada pela goleada imposta pela Liga Muçulmana ao Chingale por claros cinco a zero e da vitória do Desportivo na sua deslocação à Songo por uma bola sem resposta.
Aliás, há mais de cinco meses que os “alvi-negros” não conheciam o sabor da vitória. O Costa do Sol foi ao “canavial” bater o Incomáti, a mesma sorte aconteceu na deslocação do Têxtil à Nampula onde venceu o Ferroviário local por uma bola sem concorrência. O Ferroviário da Beira derrotou o Vilankulo também por um a zero e o Chibuto arrancou um empate aos “locomotivas” de Pemba sem golos, na estreia de Vítor Pontes como treinador principal.
Fonte:Jornal Noticias
 
 

Liga Muçulmana, 5- Chingale, 0: À moda antiga

EM tarde de mau tempo, caracterizada por uma chuva miúda quase que ininterrupta, a Liga Muçulmana ligou o turbo logo nos primeiros minutos, daí que não foi surpresa para ninguém o golo logo aos sete minutos por Josimar.

 

Esperava-se uma reacção à altura de Chingale aflito, mas foi a Liga que mais procurava dilatar o marcador. É neste contexto que por intermédio de um remate de Sonito, os “muçulmanos” chegam ao segundo golo, estavam cravados 14 minutos.

 

Daí em diante viu-se um Chingale que fazia de tudo para equilibrar o jogo, mas tinha linhas defensivas bastante infiltradas, e quando Litos se apercebeu disso, colocou Josimar, Carlitos e Muandro no reduto mais recuado dos “canarinhos” de Tete, o que embaraçou por completo a equipa de Mussa Osman que se viu obrigado a ceder o terceiro tento aos 20 minutos pelo pé do Zico.

 

 Depois deste golo ninguém mais acreditava num outro resultado se não na vitória “muçulmana”. Os jogadores do Chingale passaram doravante a desempenhar o papel de andar atrás da bola e tudo só dava Liga num relvado bastante escorregadio que beneficia os caseiros.

 

Aos 39 minutos, Miro faz um cruzamento e quando todo o mundo esperava uma saída do guardião Goodfrey para recolher a bola nas alturas, este fica pegado ao chão e surge Sonito, aquele aguerrido atacante “muçulmanno” para fazer o quatro a zero.

O Chingale tentou reagir, até chegou a fazer um golo, mas o avançado Paulo estava em posição irregular.

 

No segundo tempo nada alterou, ou seja, a tendência do jogo continuou a mesma, mas a pontaria da equipa da casa já não estava inspirada, salvo naquela jogada bem desenhada por Carlitos que culminou com o golo de Miro aos 59 minutos.O resultado não mais alterou, pese embora a Liga tenha forçado mais um golo até ao apito final de Dionísio Dongaze, árbitro que dirigiu muito bem o encontro.

 

 

FICHA TÉCNICA



ÁRBITROS: Dionísio Dongaze, coadjuvado por Joaquim Meirinho e Olívio Adinane. Quarto: Sérgio Lopes

 

LIGA MUÇULMANA: Caio, Chico, Carlitos, Miro (Maurício), Aguiar, Zico (Nelson), Josimar, Muandro (Telinho), Sonito, Hagy e Mustafa

 

CHINGALE: Goodfrey, Stélio, Jonas, Fred II, Maurício (Celso), Aurito, Manecas, Zé, Jocas, Paulo e Magaba

 

DISCIPLINA: amarelos para Fred II e Stélio (Chingale) e Sonito da Liga Muçulmana

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias