Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Vivemos num meio de corrupção incrível

Artur Semedo

AS Afrotaças estão no horizonte da Liga Muçulmana. O adversário é o Mafunzo, de Zanzibar. Artur Semedo diz possuir pouca informação a respeito desta formação e os contactos que fizeram não trouxeram matérias substanciais, mesmo em relação ao campo onde se realizará o jogo. Para o “mister”, o que é válido, neste momento, é que Zanzibar não é um privilegiado no continente e não está bem posicionado ao nível da CAF.

 

 Considera a Liga favorita nesta pré-eliminatória?


 

Creio ser um adversário acessível para as nossas pretensões e para a nossa forma neste período. Mas lembro que é uma eliminatória em que, mesmo desconhecendo o adversário, é de se esperar dificuldades naturais da própria competição.

 

 Neste tipo de competições as arbitragens costumam ser “simpáticas” para com as equipas de maior expressão. Como vai encarar este facto se tiver que enfrentar um desses colossos?

 


Sabe que o poder institucional do nosso país é fraco. As nossas instituições desportivas ainda não granjearam a respeitabilidade que Moçambique merece no contexto da CAF. Isso por si só é um factor decisivo. Não temos capacidade decisória na CAF. Não temos capacidade de influenciar nada que não seja designar o nosso voto sempre que é necessário eleger o presidente da CAF. Não tendo esta capacidade, não espere que o nosso país seja capaz de ganhar o seu lugar entre os melhores. Mas este é apenas o primeiro aspecto, porque há outros que são de natureza intrínseca.

 

 

A nossa capacidade organizacional, o nível de capacitação de quem dirige o futebol é débil. Os dirigentes fazem-no mais por interesses de outra natureza do que por razões profissionais. Depois, há o fraco desenvolvimento dos jogadores, desde a formação até chegarem a outro rendimento. Temos uma formação fraca, onde os treinadores estão pouco capacitados e as infra-estruturas são inexistentes. Os  miúdos treinam descalços, há falsificação de idades, pouco orçamento para a formação, que acaba sendo sustentado por alguns mecenas.

 

 

Ora, tudo isto é precário para que tenhamos representatividade no seio da CAF. Depois, os que organizam os jogos não têm cultura desportiva. No Verão marcam jogos para 15 horas, quando o dia é longo e as temperaturas estão acima dos 40 graus, não é possível jogar futebol.

Mesmo reconhecendo estas fragilidades todas, o nosso futebol vive num meio de corrupção incrível. Toda a gente fala de corrupção, mesmo aqueles que vivem com esta realidade conhecem-na, são os primeiros a vir falar delas como se eles não tivessem nada a ver com isso. Então, não espere que o nosso futebol tenha capacidade para poder se bater com os melhores.

 

Mais dificuldades

 

 Nos últimos dois anos, a Liga dominou o futebol nacional. Olhando para a forma como os principais concorrentes se reforçaram, prevê uma época difícil?

 

 Espero muito mais dificuldades. Se analisar os plantéis, de acordo com os reforços, verá que as outras equipas, como por exemplo o Maxaquene, têm jogadores com um estatuto superior aos da Liga no futebol nacional. A defesa do Maxaquene é formada por jogadores internacionais. Campira, Fanuel e Gabito são atletas que já jogaram na selecção nacional recentemente, algo que no nosso plantel não existe tanto. Digo mais: no nosso plantel há reforços que procuram um lugar ao sol. Ninguém sabe quem é Belo ou o Jacinto. Embora lhes identifique algum talento, não estão firmados no nosso futebol. Mesmo Sonito, que fez uma boa época, não é na verdade um jogador com estatuto firmado no nosso campeonato. Portanto, são jogadores à procura de um lugar ao sol.

 

 

 São jogadores que carecem de um acompanhamento para a sua afirmação… 

 

  

Reconheço qualidade neles, mas tenho que exponenciá-los para virem a ser jogadores de referência. Portanto, antevejo grandes dificuldades. Os plantéis dos nossos principais concorrentes estão bem apetrechados. Os treinadores transitaram todos com as suas equipas, exceptuando um e outro, e, de certeza, farão requalificações nos métodos de trabalho.  

 

 

 Sente-se um treinador realizado na Liga Muçulmana?     

 


A Liga está a apetrechar-se melhor do que os outros, tem uma infra-estrutura própria, não é a ideal, é verdade, mas vai servindo. Devo dizer que faltam  meios de apoio em relação à recuperação dos jogadores, mas sei que a Direcção está a fazer um esforço para que este ano seja possível. A Liga vai tendo um olhar mais profissional das coisas em relação, por exemplo, aos que delinearam o sistema de inspecções. Não é compreensível que durante o treino tenhamos que ficar sem metade dos nossos jogadores, porque vão à inspecção médica e só existe um médico para atender todas as equipas.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

“Nacional” de Femininos transferido para Maputo

Liga Muçulmana, campeã maputense

 

O CAMPEONATO Nacional de Basquetebol de Seniores Femininos acaba de ser transferido de Quelimane para a cidade de Maputo, entre os dias 27 de Janeiro e 5 de Fevereiro, em virtude, segundo a Federação Moçambicana da modalidade, a maior parte dos clubes qualificados não ter garantido a sua presença na capital zambeziana.

 

Este facto não é novo, pois desde a primeira hora que grande parte dos clubes, com particular ênfase para os da capital do país, já tinham manifestado a sua indisponibilidade de se deslocarem para Quelimane, alegando razões de natureza competitiva da própria prova. Tanto quanto sabemos, apenas a Liga Muçulmana, campeã maputense, tinha garantido a sua presença naquelas bandas.

 

Enquanto isto, na Beira, os “Nacionais de Juniores prosseguem com muito entusiasmo e discussão em relação aos dois primeiros lugares que dão acesso às meias-finais, em masculinos. Na luta estão A Politécnica, oito pontos, e Ferroviário da Beira, sete, pelo Grupo “A”; Ferroviário de Maputo e Costa do Sol, ambos com seis pontos, pelo “B”.

 

 

Nos desafios realizados domingo, a contar para a quarta jornada, Ferroviário da Beira derrotou Jos-soal de Chimoio por 75-52, “locomotivas” de Nampula levaram de vencida Atlético de Gondola pela marca de 95-71 e A Politécnica bateu Golfinhos de Tete por 92-29. Por seu turno, Costa do Sol sobrepôs-se ao Desportivo da Beira pela marca de 62-48 e Soprotecção de Quelimane venceu Afanados da Beira por 75-41, tendo, neste grupo, ficado de fora o Ferroviário de Maputo.

 

 

No que diz respeito aos femininos, A Politécnica bateu Jos-soal por 73-17 e Soprotecção, treinada por Deolinda Gimo, sofreu a primeira derrota, ao perder diante do Ferroviário da Beira pela marca de 65-38.

 

Hoje, enquanto em masculinos começam os cruzamentos entre as equipas do Grupo “A” e as do “B”, em femininos, cujo sistema é de todos contra todos numa volta, Soprotecção joga às 10.00 horas com Jos-soal, Ferroviário da Beira defronta Abílio Antunes de Chimoio (14.30) e Desportivo bate-se com A Politécnica (17.30).

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Quero que dêem o máximo

Diamantino Miranda e Garrincha

RIGOR e disciplina são algumas das exigências fundamentais de Diamantino Miranda. O técnico português, ontem apresentado aos jogadores do Costa do Sol, fez questão de chamar a atenção aos jogadores para que dêem tudo nos treinos e nos jogos e que cumpram à risca os horários. 

 

Diamantino afirmou que espera o máximo empenho por parte de todos os atletas, porque só dessa forma acredita numa época melhor em relação à transacta. Sempre muito cauteloso nas suas declarações, o técnico português preferiu não se comprometer com títulos, mas sim com o trabalho. “Prometo trabalho. Vamos assegurar que a equipa esteja bem e em condições de jogar bom futebol. Não vamos competir sozinhos, há mais equipas com qualidade e que temos que levar em conta”, sublinhou.

 

 

Sem perder tempo, Diamantino Miranda, acompanhado pelos adjuntos, Nelson Santos e Garrincha, orientou ontem mesmo a primeira sessão de treino, baseada, fundamentalmente, numa “peladinha” que deu para os jogadores relaxarem, antes dos trabalhos de hoje, que já serão a doer. Mas ficou o empenho do grupo, que assim respondeu positivamente ao pedido do “mister”. 

 

Diamantino Miranda e o adjunto Nelson Santos foram contratados por uma época, mais uma de opção, com o propósito de colocarem o Costa do Sol na rota dos títulos, algo que não acontece desde 2007.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Costa do Sol apresenta Diamantino Miranda

Diamantino Miranda

O NOVO técnico do Costa do Sol, Diamantino Miranda, será apresentado hoje, às 16:00 horas, numa cerimónia que decorrerá no complexo Ma Tchik Tchik, compreendendo, igualmente, a apresentação do adjunto Nelson Santos.

 

Diamantino Miranda e Nelson Santos, que vêm por duas épocas, chegaram à capital do país no sábado e, hoje, logo após a sua apresentação, orientarão a primeira sessão de treinos, no campo do Costa do Sol.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Emoção a rodos no Chiveve

Basquetebol

A EMOÇÃO, muita emoção mesmo, tem sido o denominador comum nas muitas partidas dos Campeonatos Nacionais de Basquetebol de Juniores Masculinos e Femininos, a decorrerem no Pavilhão dos Desportos da Beira.

 
Resultados equilibrados e pontuações que se aproximam da centena mostram o quanto os jovens basquetistas estão a esforçar na busca do melhor desfecho para as suas formações, numa disputa, por exemplo em masculinos, tem para já como finalidade a transição para as meias-finais.

Aliás, esta noite, os quatro candidatos ao título travam-se de razões, em despiques que se perspectivam extraordinariamente empolgantes, dado que estará em causa o primeiro lugar do grupo, o que sempre traz alguma vantagem, considerando que na próxima fase terá pela frente o segundo classificado doutra série.

 

 

A partir das 17.30 horas, estarão frente-a-frente Costa do Sol e Ferroviário de Maputo, respectivamente segundo e primeiro classificados do Grupo B. Os “canarinhos”, com um jogo a menos, somam quatro pontos, enquanto os “locomotivas” têm seis e com um desafio a mais. Nos lugares seguintes vêm Desportivo e Afanados, ambos da Beira, com três, e Soprotecção de Quelimane, dois. 

 

 

Em relação ao Grupo A, defrontam-se Ferroviário da Beira e A Politécnica, às 19.00 horas, numa série em que o surpreendente Atlético de Gondola pode vir a interferir nas contas finais. A liderança pertence aos “universitários” com seis pontos, seguidos de “locomotivas” e gondolenses com cinco cada, Ferroviário de Nampula e Jos-soal de Chimoio quatro e Golfinhos de Tete dois.

 

 

No que diz respeito aos femininos, com seis equipas que jogam entre si no sistema de todos contra todos numa única volta, o equilíbrio também não foge à regra. À cabeça do pelotão está o Ferroviário da Beira, com cinco pontos, seguido do triunvirato A Politécnica, Soprotecção e Desportivo de Maputo com quatro, Abílio Antunes de Chimoio três e Jos-soal, também de Chimoio, um.

 

 

Entre sexta-feira e sábado tiveram lugar encontros referentes à segunda e terceira jornadas. No primeiro dia, em femininos, Desportivo de Maputo viu-se em apuros para levar de vencida Abílio Antunes por três pontos (66-63), enquanto A Politécnica bateu Ferroviário da Beira pela marca de 65-42.

 

 

Nos jogos de masculinos, A Politécnica espezinhou Atlético por 81-31, tendo, por seu turno, Ferroviário de Nampula batido Jos-soal pela marca de 87-61. Já o Ferroviário da Beira venceu Golfinhos por 75-37, Costa do Sol derrotou Soprotecção pela marca de 77-69 e Ferroviário de Maputo goleou Afanados por 72-22.

 

 

No sábado, destaque, em masculinos, para o triunfo do Atlético sobre o Ferroviário da Beira pela marca de 67-61, assim como para a vitória de A Politécnica diante do Ferroviário de Nampula por 87-32. Jos-soal venceu Golfinhos por 59-36, Costa do Sol bateu Afanados pela marca de 64-31 e Ferroviário de Maputo derrotou Desportivo da Beira pela marca de 65-27.

 

 

Hoje, roda a quinta jornada, com os seguintes jogos:

 

 

9.00 – Golfinhos de Tete-Fer. Nampula (Masc.)

10.30 – Jos-soal-Atlético de Gondola (Masc.)

14.30 – Soprotecção-Desp. Beira (Masc.)

16.00 – Jos-soal-Desp. Maputo (Fem.)

17.30 – Costa do Sol-Fer. Maputo (Masc.)

19.00 – Fer. Beira-A Politécnica (Masc.).

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Ferroviário na ópitica de Nacir Armando: Suficientemente bom para os desafios do ano

O FERROVIÁRIO possui um plantel suficientemente bom para os desafios que se colocarão ao longo desta temporada e estará em todas as frentes, segundo Nacir Armando, que acredita na capacidade dos reforços para a materialização dos objectivos traçados e satisfação da família “locomotiva”, nomeadamente com a conquista do título nacional.

 

Para os desafios deste ano, o Ferroviário contará com a prata da casa, desde os mais antigos que constituem a espinha dorsal da equipa, passando pelos emprestados a diversos clubes e que regressam esta época, até ao grupo de jovens ascendentes do escalão júnior.

 

 

Nacir Armando revelou que o plantel não estava fechado, salientando, porém, que qualquer mudança que vier a ocorrer ao longo da temporada terá a sua razão de ser, se algumas das apostas não corresponderem às expectativas. Mesmo assim, acredita no sucesso do conjunto, porque, no seu entender, estão nele aglutinados desde os mais experientes até aos jovens talentos projectados dos juniores no ano passado e que se espera deles uma reacção positiva esta época.

 

 

O técnico “locomotiva” ainda fala das projecções da temporada, entanto que tal, sem deixar de lado o seu compromisso nas Afrotaças, na qualidade de vencedor da Taça de Moçambique.  

 

        

O que tem a dizer aos adeptos do Ferroviário sobre as novidades no plantel disponível para este ano e em ternos de projecções feitas para 2012, tendo em conta as Afrotaças e as competições internas?

 

 

O Ferroviário vai, este ano, lutar para conquistar todas as competições em que estará envolvido. Fomos ao Songo fazer a pré-época com a finalidade de promover a interacção entre os jogadores novos e antigos e a equipa técnica; criar um bom balneário, amadurecer algumas ideias e fazer uma comunicação ampla entre todos nós. Logicamente que desde o primeiro dia até agora estamos a incutir a nossa filosofia de trabalho e de jogo, que é para chegarmos à fase de competições em perfeitas condições físicas, técnicas e tácticas.

 

 

 Que Ferroviário teremos este ano, equacionando os jogadores com os quais vem trabalhando desde o ano passado e os reforços?

 


Penso que a contratação de novos jogadores não implica a quebra da espinha dorsal da equipa. Portanto, vamos manter a espinha dorsal e introduzir novos jogadores, considerando também que perdemos alguns. Julgo que esses vão complementar o vazio que for a existir, de modo a termos uma equipa com a chama necessária para alcançar os resultados desejados.

 

 

 Acha que os reforços poderão equilibrar o conjunto que procura formar?

 

 Bom, de um modo geral estamos a dar continuidade ao projecto iniciado no ano passado. Como é sabido, acabamos levando mais quatro juniores para o plantel sénior. Para além de Clésio, lançado no ano passado e que já está a dar nas vistas, temos Arnaldo, Manucho, Ito e Nelson, que se juntam a mais três seniores fora do projecto, designadamente Tó (ex-Costa do Sol), Diogo (ex-HCB) e Jeitoso (ex-Ferroviário das Mahotas), para não falar do regresso do guarda-redes Kampango, que esteve durante muito tempo a jogar fora do país.

 

 

Os restantes jogadores já eram do Ferroviário, casos de Kiki e Michael, que no ano passado estavam emprestados ao Atlético Muçulmano e ao Ferroviário da Beira). Mabucho regressa depois de emprestado ao Vilankulo e ao Ferroviário de Nampula. A integração destes atletas é para dar outro alento ao plantel e uma nova forma de estar à equipa, com vista aos objectivos que se perseguem. Portanto, vamos procurar dar continuidade ao projecto e ao estilo e ritmo de jogo que fomos implementando, porque alguns jovens estão integrados e outros ainda estão por integrar.

 

 

 Sente-se satisfeito com este plantel? Que outros jogadores gostaria de ter, se houvesse ainda possibilidade de escolher?

 

 Não há plantel que satisfaça completamente o nosso desejo, porque há jogadores que o treinador pode precisar e, por diversas razões, não for possível tê-los por serem concorridos. Mas julgo que a procura que fizemos não foge ao que tem sido a estratégia do Ferroviário, que é a miscelânea de jogadores jovens com os mais experientes. Fomos à procura de Kampango e Tó, dois experientes. Diogo é um atleta ainda novo, tem apenas 23 anos, e fomos também buscar um jogador de 22 anos no Mahotas, o Jeitoso, para além de mais quatro juniores. De um modo geral, dividimos o plantel em dois grupos: em termos de idade, 22 atletas seniores, e um grupo de seis a sete juniores, perfazendo assim o plantel do Ferroviário. Portanto, penso que é um plantel que pode vir a fazer cobro às dificuldades que tivemos na época passada e pode trazer resultados agradáveis este ano.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Baliza concorrida

 

Nacir Armando

O que significa ter Kampango num ano das Afrotaças?

 

É uma mais-valia, apesar de que Pinto é também experiente, já fez parte das selecções de várias categorias e vai, naturalmente, dar a sua contribuição. A coisa boa que temos este ano são três bons guarda-redes, que acabam correspondendo a todos os níveis competitivos às nossas expectativas. Julgo que Kampango acabará transmitindo a sua experiência como guarda-redes, mas, porque se trata de disputa de lugar, a melhor opção será aquele que num dado momento estiver em melhor condições. Em síntese, não quer dizer Kampango seja o número um. Todos terão a oportunidade de ficar na baliza.

 

 Quando fala do projecto está a referir-se apenas aos juniores que estão a ser projectados ou ainda há mais atletas por contratar?

 

 Penso que o plantel ainda não está fechado. Se estes jogadores nos garantirem segurança naquilo que são os nossos objectivos ao longo da época, vamos continuar a apostar neles. Se não, teremos os juniores para reforçar. Mas penso que não será necessário, porque existe um ambiente agradável. Se for a ver, é com a mesma espinha dorsal que a equipa se apresentou muito bem e conseguiu eliminar fortes concorrentes na Taça de Moçambique. Conquistámos a Taça e julgo que, se iniciarmos bem, este ano, conseguiremos fazer frente a qualquer equipa e lutar para o título.

 

 

 O Ferroviário que encontrou no meio da época passada e conquistou a Taça é o mesmo que teremos desta vez na forma de jogar ou será diferente?

 


Tendo a espinha dorsal, é óbvio que recomeçaremos tudo a partir de onde terminamos em termos de filosofia de jogo. Julgo que de lá para cá se nota uma certa diferença em relação àquilo que foi o Ferroviário da primeira volta. É claro que iremos incutir mais dinâmica, sobretudo nos aspectos tácticos e defensivos, porque a equipa sofreu muito golos e é preciso encontrar uma solução para tal.

 

 

 Falando da defesa, a presença de Chico coloca Jotamo praticamente fora do baralho?

 

 

Bom, quando peguei na equipa Jotamo já não jogava. Comigo, também jogou muito pouco. O que notei quando cheguei é que as oportunidades não eram dadas a todos os defesas que eram titulares. Se for a notar, fizemos regressar Mabucho, do Ferroviário de Nampula, e Kiki, do Atlético, por serem defesas polivalentes. Eu priorizo muito a polivalência. Mabucho e Kiki jogam em todos os lados da defesa, e Zabula pode actuar na direita bem como no centro. Por isso, não havia necessidade de ter Jotamo, que não tinha muita oportunidade de jogar. Penso que é com estes que temos que procurar trabalhar mais para termos um bloco defensivo coeso.

 

 A presença de Abdul Abdulá na equipa técnica constitui o que é a sua expectativa na preparação física do time?

 

Havia necessidade de alargar a equipa técnica para responder à dimensão do conjunto e às suas amplas ambições. Como disse, o Ferroviário vai entrar para conquistar todas as frentes, contrariamente ao ano passado, que, como se disse, estava praticamente a rodar os jogadores mais novos. Esta é a razão pela qual alargamos a equipa técnica, trazendo a experiência do professor Abdul. Ele tem um lado positivo, porque já trabalhámos e ganhámos títulos juntos. Por isso, foi fácil apontar o nome dele, pois há compreensão entre nós e já estamos talhados na coordenação do trabalho. Por outro lado, não é uma pessoa estranha no clube. Trabalhou há tempos com Mário Coluna no Ferroviário.

Gor Mahia também se reforçou bastante

 

O GOR Mahia, adversário do Ferroviário na pré-eliminatória da Taça CAF, reforçou-se muito, segundo Nacir Armando, dando as últimas novidades sobre os quenianos. Os “locomotivas” têm estado a acompanhar alguns dos seus jogos da época passada, e o técnico considera as informações actuais como escassas e insuficientes para antever a eliminatória. 

 

 

Questionado sobre as informações que chegam do Gor Mahia e as precauções necessárias, Nacir disse que dispõe de alguns vídeos de jogos que estão a rever, mas o Ferroviário não tem informação concreta sobre o estágio actual do adversário.

 

 

Só podemos nos informar melhor quando eles entrarem em actividade, quando estiverem a competir. Precisamos, no entanto, de acompanhar a actualidade da equipa. Tal como nós, o Gor Mahia reforçou-se, daí que só ao longo dos próximos jogos teremos uma informação concreta da equipa”, comentou.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Patins voltam a rolar na “catedral”

Liga Muçulmana

O pavilhão do Estrela Vermelha será palco, de 25 de Janeiro a 8 de Fevereiro, do “Torneio da FMP” de hóquei em patins. Esta competição, promovida pela Associação de  Patinagem da Cidade de Maputo (APCM), irá movimentar quatro equipas, nomeadamente, Ferroviário de Maputo, Desportivo, Estrela Vermelha e Liga Muçulmana.  

 

 

A mesma será disputada num sistema de todos contra todos numa única volta. 

 

 

O Ferroviário de Maputo, que ano passado venceu o “Torneio de Preparação” (após vencer o Desportivo, por 6-1), e o Desportivo, finalista vencido, são, à partida, os dois candidatos à conquista desta competição. 

 

 

Estes dois conjuntos irão medir forças na segunda jornada da prova. Na abertura, ou seja, primeira jornada, a Liga Muçulmana, conjunto recentemente criado, terá pela frente o Desportivo, enquanto o Estrela Vermelha bate-se com o Ferroviário de Maputo.

CAN-2012 arranca amanhã

can 2012

Arranca amanhã a 28ª edição do Campeonato Africano das  Nações (CAN-2012), prova a ser organizada conjuntamente pelo Gabão e Guiné-Equatorial. 


O jogo de abertura do CAN-2012  será  entre a Guiné-Equatorial e Líbia. Ainda amanhã, também a contar para a primeira jornada do grupo A, o Senegal mede forças com a Zâmbia.

O 28º Campeonato Africano das Nações (CAN2012), a iniciar dia 21 deste mês, numa organização conjunta do Gabão e da Guiné-Equatorial, marca o fim da realização desta prova em anos pares, ocorrido de forma ininterrupta desde 1968, aquando da sexta edição, na Etiópia, escreve a “Angola Press”.

 

 

Realizada pela primeira vez em 1957, no Sudão, a principal prova da Confederação Africana de Futebol (CAF) acontecia em intervalos irregulares e com alternância no número de participantes - dentre três, seis, oito e 12 -, até, que em 1996 (20ª edição), na África do Sul, se decidiu fixar em 16 concorrentes.

 


O campeonato de 1957 teve apenas três concorrentes (Egipto, Sudão e Etiópia) e foi ganho pelos “faraós”, que viriam a repetir a proeza dois anos depois, enquanto o Gana em 1963, em casa, e 1965, na Tunísia, conquistou os restantes CAN disputados em anos ímpares no período que antecedeu a 1968.

Diamantino Miranda novo técnico canarinho”

Diamantino Miranda

AFINAL, quem é o treinador do Costa do Sol? Esta pergunta, que repetidamente foi colocada durante o defeso, já tem resposta. O novo técnico dos “canarinhos” é o português Diamantino Miranda, segundo confirmação efectuada ontem pela Direcção do clube, através de um comunicado de imprensa.

 

 

Ex-futebolista do Sport Lisboa e Benfica e que no ano passado orientou o Fátima, da II Divisão portuguesa, Diamantino assinou um contrato válido por duas temporadas e, nas suas funções, será coadjuvado pelo seu compatriota Nelson Santos e pelo moçambicano Garrincha.

Diamantino, que sucede ao zimbabweano David Mandigora, é esperado no Maputo no sábado, devendo a sua apresentação pública acontecer na segunda-feira.

 

 

No seu palmarés, o técnico, de 52 anos, tem como ponto alto a passagem pelo Benfica em 2008, como principal adjunto do espanhol Quique Flores, e a conquista de um título na II Divisão, na época 1996/97, ao serviço do Campomaiorense, feito que resultou na ascensão da formação alentejana à I Divisão.

 

 

De referir que Diamantino, enquanto jogador, fez furor no Benfica durante a década de 1980, tendo ganho vários títulos de campeão e da Taça de Portugal. Jogou a final da Taça UEFA de 1983, perdida para os belgas do Anderlecht (0-1 e 1-1). Devido a uma lesão, não participou na final da Taça dos Campeões Europeus de 1988.

 

 

Jogou por 22 ocasiões pela selecção portuguesa, de 18 de Novembro de 1981 (vitória 2-1 sobre a Escócia, na fase de qualificação para o Mundial) até 11 de Julho de 1986 (derrota 1-3 com Marrocos, na fase final do Mundial). Marcou cinco golos pela selecção.

Fez parte da selecção lusitana que participou na fase final do Campeonato Europeu de 1984 e na fase final do Mundial de 1986.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias