Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Chingale quer brindar população de Tete

Chingale quer brindar população de Tete

OS atletas do Chingale, que desde segunda-feira se encontram no Maputo para o jogo de sábado à noite da final da Taça de Moçambique/mcel frente ao Ferroviário do Maputo, afirmam que querem levar o canecão para a população da província de Tete.

 

O Chingale desembarcou ao fim da tarde de segunda-feira na capital do país e alojou-se na Vila Olímpica, próximo do Estádio Nacional do Zimpeto, onde a final da Taça de Moçambique/mcel vai ter lugar. Ontem iniciaram as sessões de trabalho específico para o encontro com os “locomotivas” mesmo no Estádio Nacional, devendo prosseguir hoje, reservando o dia de amanhã para a adaptação ao piso no período da noite, portanto à hora do jogo de sábado. 

 

Paulo, um dos jogadores preponderantes do Chingale, apontou que o maior objectivo é ganhar ao Ferroviário do Maputo e trazer o trófeu para a província de Tete.

 

 

Não tememos o adversário porque estamos em pé de igualdade. Acabámos juntos o Moçambola e a classificação final mostra que vamos discutir o troféu taco-a-taco. O Ferroviário é igual a nós assim como uma outra equipa que esteve no Moçambola que acaba de terminar. É verdade que nas últimas jornadas não tivemos bons resultados, mas nem com isso vamos baixar a cabeça, pois o adversário também esteve nas mesmas condições que as nossas”, disse Paulo, médio esquerdo do Chingale.

 

 

Para aquele atleta, o Moçambola já terminou e agora o que resta é salvar a época ganhando a Taça de Moçambique/mcel. Acrescentou que não é a primeira vez que o Chingale chega à final da segunda maior prova do futebol moçambicano e, desta vez, vai decidido para tirar sono aos “locomotivas” do Maputo.

 

 

Referindo-se aos últimos resultados do Moçambola, Paulo disse que a equipa já na ponta final da prova começou a ressentir-se de algum cansaço, tendo, consequentemente, baixado de rendimento e, como resultado, acabou averbando derrotas consecutivas em casa e fora.

Hilário, outro jogador do Chingale, disse que o jogo com o Ferroviário do Maputo vai ser uma partida sem grandes pormenores técnicos uma vez que as duas equipas se conhecem e trazem uma longa tradição.

 

 

Só para ver, no Moçambola, nós ganhámos ao Ferroviário em casa e quando fomos ao Estádio da Machava eles também nos venceram. Hoje estamos juntos para discutirmos a Taça de Moçambique/mcel e tenho a certeza que se não houver mãos estranhas no jogo vamos fazer um bom jogo e podemos sair do campo com os três pontos, que é o nosso principal objectivo”, comentou Hilário.

Para Tony, ponta-de-lança do Chingale, a equipa vai com a moral alta e pronta a defrontar o Ferroviário com a finalidade de levar a Taça de Moçambique/mcel para a província de Tete.

 

 

É verdade que vamos jogar com um adversário de renome no futebol nacional, mas nós também já temos nome neste país. Em qualquer ponto deste país também temos adeptos, por isso o nosso grande segredo é a auto-estima e estamos claros que podemos, muito bem, ganhar a Taça de Moçambique/mcel. É só ver que lutámos tanto para chegar à final e por que não ganharmos o troféu? O importante é acreditarmos em nós. Tudo é possível”, apontou Tony.

 

 

Hadjy, avançado dos tetenses, por sua vez, afirmou que o facto de o jogo se realizar no Estádio Nacional do Zimpeto e à noite nada preocupa os jogadores do Chingale, porque ele como alguns dos seus colegas já efectuaram jogos em estádios maiores que Zimpeto e no período nocturno. Jogar no Zimpeto é o mesmo que actuar em qualquer outro campo relvado de futebol.

 

 

Segundo Hadjy, a história passada revela que o próprio Ferroviário sabe muito bem que o Chingale joga bem fora de casa e num passado muito recente derrotou em pleno Estádio da Machava o Ferroviário.

 

 

Vamos com bons homens e munidos de toda a ferramenta para desmontarmos a “locomotiva” com o nosso verdadeiro valor. Queremos demonstrar a nossa valentia e estamos bem seguros que vamos fazer um bom jogo e trazermos resultados”, afirmou Hadjy.

O treinador principal do Chingale, Sérgio Faife, não escondeu as suas intenções de conquistar a Taça de Moçambique/mcel no jogo da final.

 

 

O Ferroviário não é um bicho de sete cabeças. É um adversário como um outro qualquer. É um adversário que defrontámos duas vezes ao longo do Moçambola onde na nossa casa ganhámos, 2-1, e na Machava, em casa deles, perdemos pelo mesmo resultado. Pelo que este será o terceiro jogo este ano com o Ferroviário e por coincidência numa final da Taça de Moçambique/mcel”, disse Faife.

 

 

O técnico principal do Chingale afirmou que vai ao Zimpeto para ganhar e conquistar a Taça de Moçambique/mcel, tendo acrescentado que “estamos a trabalhar no duro para conseguirmos ultrapassar este adversário que, por natureza, é forte e difícil, mas não é impossível de ser ultrapassado”, disse Sérgio Faife, acrescentando ainda que a saúde da equipa é boa. Os seus atletas estão em condições de jogar sem nenhum receio.

 

 

 

Estou muito feliz como treinador por ter toda a equipa saudável depois da grande maratona do Moçambola que acaba de terminar. Não temos lesões, muito menos outras adversidades que possam impedir o rendimento de toda a equipa o que é muito bom e as opções que serão feitas terão como  motivos técnicos e não por imperativos de saúde. Tenho a certeza que o Ferroviário está a preparar-se para procurar ultrapassar todos os obstáculos do Chingale e nós também estamos a fazer o mesmo, procurar fazer o melhor de nós, procurar os pontos fracos do adversário”, finalizou Sérgio Faife.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Basquetebol sénior masculino: Favoritos não vacilam

Maxaquene vs Ferroviario

O MAXAQUENE e o Ferroviário, crónicos candidatos à conquista do Campeonato de Basquetebol da Cidade do Maputo em seniores masculinos, saíram vitoriosos na dupla jornada (17ª e 18 ª) disputada na sexta-feira e sábado.

 

No prato forte de sexta-feira, o Maxaquene venceu o Costa do Sol por uma diferença de dez pontos (59-49). O Ferroviário foi ainda mais arrojado ao bater o Aeroporto com uma vantagem de 50 pontos (79-29).

 

 

Já no sábado, o Maxaquene venceu A Politécnica (57-42), enquanto o Ferroviário superou a Real Sociedade (78-42).

Com estes triunfos, “locomotivas” e “tricolores” consolidaram a segunda e terceira posições, respectivamente.

Noutro jogo, nota para a vitória, no sábado, da UP sobre o Aeroporto, por 68-32. 

 

 

No entanto, a chuva que caiu na sexta-feira levou a que a partida entre A Politécnica e Real Sociedade fosse interrompida. O encontro será remarcado para uma data ainda por anunciar.

 

O Desportivo lidera a prova e à semelhança do Ferroviário e o Maxaquene, já está apurado para o Campeonato Nacional.

Seguem directamente para o “Nacional” os quatro primeiros classificados pelo que ainda falta conhecer entre Costa do Sol e UP quem será o outro representante da cidade do Maputo.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Desportivo falha qualificação

Desportivo vs Maxaquene

O DESPORTIVO não conseguiu qualificar-se para a fase final da Taça dos Clubes Campeões Africanos em basquetebol seniores masculinos. O máximo que os vice- campeões nacionais conseguiram foi um quinto lugar quando o primeiro e o segundo é que davam direito a estar entre a elite do básquete do continente.

 

As equipas angolanas do Petro de Luanda e Recreativo de Libolo conquistaram o primeiro e o segundo lugares e vão assim representar a zona VI na fase final.

 

 

Voltando para a prestação dos “alvi-negros”, o sonho de transitar às meias-finais ficou por terra, na sexta-feira, depois de perder com o Pacers da Zâmbia, por 76-59, na quarta e última jornada do Grupo “A”.

 

Diga-se que os comandados de Horácio Martins foram surpreendidos pelo vice-campeão zambiano visto que eram favoritos. Já no jogo de atribuição do quinto lugar, o Desportivo bateu o APN Gunslingers da África do Sul, por 95-53.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Demonstramos clara superioridade – declara Artur Semedo, técnico campeão

Artur Semedo

O TÉCNICO campeão, Artur Semedo, destacou que a sua equipa demonstrou clara superioridade e fez exibições de vulto que conferem por si a Liga como a melhor equipa da temporada. Anotou que a Liga Muçulmana acabou fazendo a época segundo as projecções, apesar de algumas complicações no princípio quanto à definição da equipa.

 

Quanto aos seus concorrentes, comentou que foram obrigados a jogar com limitações de forças face à hegemonia da Liga Muçulmana que, mais uma vez, veio provar ser a melhor equipa.

 

Semedo direccionou as gratificações aos jogadores que, no seu entender, foram os maiores contribuintes para a conquista do segundo título consecutivo. Não deixou de tecer considerações de repúdio contra algumas pessoas que lhes classificou como indivíduos de má-fé.

 

Algumas pessoas com má-fé desacreditaram a nossa competência, mas fomos os melhores”, frisou.

 

 

Quanto ao seu futuro na Liga Muçulmana, afirmou que, se tudo estiver nas mesmas projecções vai continuar no comando técnico e a equipa será mais concorrencial.

 

Acho que tudo ficará claro para semana (esta semana), porque as vontades foram expressas”, disse, dando a entender implicitamente que falta a assinatura de um novo contrato com o clube.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Caravana agita cidade em noite gloriosa

jogadores

TERMINADA a cerimónia de entrega do canecão e de medalhas e as poses, bem como discursos de celebração do título, solidariedade e homenagem, seguiu-se ao momento mais electrizante, quando uma caravana festiva partiu do recinto, escalando o Centro do Estágio da Liga, também na Matola, antes de seguir um itinerário que o levaria para a Praça Robert Mugabe, onde houve o lançamento do fogo-de-artifício.

 

Num percurso que durou sensivelmente duas horas e meia, com buzinas ininterruptas, assobios, sopros a “vuvuzelas” e gritarias “nós somos campeões”, a caravana deixou o centro de estágio na por voltas das 18.00 horas, percorrendo a EN4 em direcção à Avenida OUA, onde os atletas e a equipa técnica se fizeram ao carro alegórico, juntamente com o troféu, que os levaria até à Avenida 24 de Julho em direcção à Julius Nyerere. Daqui, a caravana seguiu em direcção à Avenida Eduardo Mondlane e, vibrando ao lado do troféu e agitando as bandeirolas, os atletas dirigiam-se com gritos de euforia aos curiosos que se faziam pelas ruas por onde o “comboio” passava, enquanto os dirigentes da Liga iam atirando camisetes e bonés ao público.

 

Já na Eduardo Mondlane, a caravana seguiu até ao fim da avenida, na zona de Alto Maé, contornou em direcção à Avenida de Angola para a Joaquim Chissano, subindo para a Praça da OMM.

 

Para depois descer pela Vladimir Lénine até ao Maputo Shopping, seguindo em direcção à marginal para a Praça Robert Mugabe, onde estavam concentrados mais simpatizante da Liga Muçulmana.

Aqui, cumpriu a etapa final da festa muçulmana, com o lançamento do fogo-de-artifício enquanto a caravana ia contornando a rotunda jubilando “somos campeões”!  

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Simango destaca competitividade

Alberto Simango Júnior

EM mais um epílogo do Campeonato Nacional de Futebol, o Moçambola, a organização da prova, a Liga Moçambicana da modalidade (LMF), destacou o facto de ter sido marcada por uma forte competitividade colocando de lado os resultados menos comuns registados nas últimas jornadas, nomeadamente as goleadas da Liga Muçulmana e do Maxaquene sobre o Sporting da Beira (8-2) e Desportivo (4-0), respectivamente na penúltima e última ronda.

 

Para Alberto Simango Júnior, presidente da LMF, mesmo as equipas despromovidas tiveram exibições não muito longe das expectativas, pois ofereceram uma forte réplica sobre os concorrentes tidos como os mais fortes e conseguiram surpreender alguns.     

Quanto à própria organização da prova, Simango anotou que a instituição que dirige tentou fazer o melhor possível para que a competição decorresse sem grandes sobressaltos.

 

 

Como todos sabeis este campeonato é, em todas dimensões, “muito duro”. Eu acho que foi uma prova bastante competitiva sem grandes desníveis, mesmo relativamente às equipas despromovidas”, observou.

Quanto à entrada de Chibuto, Alberto Simango Júnior comentou que será uma mais-valia.

 

 

Vai ser bom, vamos levar o futebol ao distrito. Tivemos uma experiência agradável esta época com a ida do Moçambola à vila de Xinavane e, deste modo, o Moçambola vai se tornando mais conhecido”, apreciou.

 

 

Relativamente aos comentários de repulsa manifestados com a penalização de alguns clubes, com destaque para a Liga Muçulmana, que perdeu três pontos a favor do Incomáti em virtude de uma alegada má utilização de um jogador, Simango teceu as seguintes considerações: “como todos sabem isto é um jogo. É um campeonato no qual todos jogam. A organização de cada um é determinante. Entretanto, os clubes devem organizar-se de modo que não percam pontos na secretaria e não cometam infracções. Em suma, devem evitar surpresas desagradáveis. A nós como organizadores, cabe-nos averiguar a veracidade dos factos e aplicar as respectivas sanções quando houver provas claras de irregularidades”, elucidou. 

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Festa muçulmana à moda europeia

A FESTA da Liga Muçulmana, pela conquista do segundo título consecutivo, teve uma dimensão invulgar e foi um acontecimento inédito na

fogo de artificio

história do futebol moçambicano. Diga-se em abono da verdade que a festa muçulmana foi à maneira europeia. Iniciou-se mesmo antes do jogo começar, com bandeiras da colectividade içadas à volta do recinto que acolheria a partida entre o campeão e o Atlético. Prosseguiu já no fim do encontro com a cerimónia de entrega de troféus ao campeão, nomeadamente a taça e medalhas.

 

Os sócios, simpatizantes e poucos adeptos da Liga, todos trajados a verde-e-branco e agitando bandeirolas ininterruptamente, gritavam bem alto “somos campeões!”. A festa ia ganhando dimensão quando o jogo decorria e o espectáculo e os golos iam adoçando o convívio nas bancadas proporcionado ambiente carregado de tanta emoção e celebridade.

 

 

A par disso, o clube ia distribuindo camisetes e bonés à rapaziada que foi enchendo o campo colorido para acompanhar a festa muçulmana, que ganhou mais peso quando a equipa recebeu o troféu e medalhas. Várias poses entre atletas, dirigentes, técnicos, direcção e massa associativa. Ao mesmo tempo, eram homenageados alguns dos destacáveis sócios que faleceram este ano, com maior realce para Ismail Jassat, um dos gestores do clube, a quem foi igualmente dedicado o título.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

Homenagem merecida

Hoquistas moçambicanos homenageados

MCEL homenageou terça-feira, em Maputo, os atletas moçambicanos medalhados nos X Jogos Africanos, que tiveram lugar, entre os dias 3 e 18 de Setembro, no nosso país, bem como os integrantes da Selecção Nacional de Hóquei em Patins que participou no "Mundial" da Argentina, tendo-se classificado em quarto lugar.

 

Para além da pomposidade da própria cerimónia, e que contou com a participação musical de Mingas e a diversão da dupla Búfalo e Watsongo, a mcel ofereceu a cada um dos medalhados aparelhos de alta gama, de marca Blackberry e Nokia.

 

 

Na qualidade de principal patrocinador dos Jogos Africanos e da Federação Moçambicana de Patinagem, a mcel considera que os feitos conseguidos pelos nossos atletas, nos X Jogos Africanos realizados este ano no nosso país, e na última edição do Campeonato Mundial de Hóquei em Patins, demonstram que os patrocínios da operadora orgulhosamente moçambicana à área do desporto têm sido indubitavelmente um verdadeiro motor de desenvolvimento e melhoria da qualidade e alto rendimento do sector.

 

 

A mcel entende o desporto como uma das principais componentes da nossa cultura, constituindo-se num factor de unidade e identidade nacional”, referiu, na ocasião, Cláudio Chiche, administrador comercial da mcel.

 

 

Por seu turno, Inácio Bernardo, director nacional do Desporto, indicou que “estamos claros que a mcel é um dos maiores parceiros do desporto a nível geral, e em particular, neste Jogos Africanos foi um dos maiores sponsors e sentimos o trabalho que a operadora fez para o evento, que culmina hoje com este gesto de presentear os atletas moçambicanos medalhados”.

 

 

O desporto é um dos maiores vectores de inclusão social, que aglutina maior número de pessoas, e que nos traz para uma perspectiva de um mundo melhor”, finalizou o director nacional do Desporto.

 

Para além dos atletas, estiveram presentes na cerimónia o director executivo do COJA, Solomone Cossa, presidentes das diversas federações de modalidades que se fizeram presentes nos Jogos Africanos e do hóquei em patins, entre outros convidados.
Fonte:Jornal Noticias

“Alvi-negros” batem Soweto

Desportivo

O DESPORTIVO redimiu-se da derrota com o Petro de Luanda, no jogo de estreia, vencendo, na segunda jornada, a equipa sul-africana do Soweto Wild Cats, por 88-73. Os “alvi-negros”, envolvidos no Grupo B, vêem assim rejuvenescidas as esperanças de continuarem a lutar para a qualificação para a fase final da Taça dos Campeões Africanos de Basquetebol Sénior Masculino.  

 

A jogar em casa do adversário, a equipa moçambicana foi demolidora nos dois primeiros períodos. Nos primeiros dez minutos, os comandados de Horácio Martins venciam, por 22-18. Mas foi no segundo período que decidiram o jogo a seu favor com 29 pontos marcados contra sete, uma diferença de 22 pontos que acabou sendo fundamental para o resto do encontro. Ao intervalo o Desportivo ganhava, por 51-25.

 

 

Na segunda parte, as “águias” entraram com objectivo de gerir a preciosa vantagem e abriram espaços para o atrevimento dos sul-africanos que foram superiores no terceiro e quarto períodos mas insuficiente para evitarem a derrota de 88-73.

O “alvi-negro”, David Canivete, foi o melhor marcador com 22 pontos.

 

 

Hoje, o Desportivo volta a entrar em acção para medir forças com o Pacers da Zâmbia.

No Grupo B o 1° de Agosto voltou a atingir a fasquia dos 100 pontos, desta vez a vítima foi o Matero Magic que perdeu, por 101-58. Na primeira jornada, os “militares” venceram o APN Gunslingers, por 105-51.

 

 

Os dois primeiros classificados dos grupos A e B transitam para as meias-finais. Os finalistas apuram-se automaticamente para a fase final. As equipas angolanas do 1° de Agosto, Petro de Luanda e Recreativo de Libolo são os potenciais candidatos a ocuparem as duas vagas em aberto.
Fonte:Jornal Noticias

O Lusomoçambicano Eusébio chama "estúpido" a Alan


Eusebio

A polémica trazida a lume por Alan, acusando Javi Garcia de o ter insultado, ainda não teve desfecho.



Ontem, foi a vez de Eusébio responder ao jogador do Braga e o "Pantera Negra" não foi de meias medidas. "O Alan veio queixar-se que Javi o chamou preto.

Ele é preto e devia ficar ofendido se o chamassem de branco. Quantas e quantas vezes me chamaram de preto, mas nunca fiquei ofendido, porque sou realmento preto. Alan é estúpido, disparou, à margem da apresentação do novo livro de João Malheiro.

Eusébio colocou, inclusive, em causa a veracidade da história. "Ele até pode estar a inventar. Como vamos saber? Agora, também já apareceu um a confirmar a história...mas conheço bem Javi Garcia", rematou.

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias