Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

QUALIFICAÇÃO PARA O CAN-2012 - Dário Monteiro continua opção

Dario MonteiroMART Noöij deixou a impressão de que Dário Monteiro continuará a ser uma das apostas da Selecção Nacional, para ressalvar que o lugar nos “Mambas” é para todos aqueles que possam trazer soluções à equipa.

 
 

O técnico pronunciou-se deste modo quando indagado se reconsideraria a possibilidade de optar por jogadores como Tico-Tico e Dário Monteiro, não havendo soluções para o ataque entre as novas caras.

 

Em Junho de 2009, um jornalista disse que eu era burro porque insistia em apostar nos jogadores mais velhos. Mas hoje, passados dois anos, os clubes ainda lutam por Tico-Tico e Dário Monteiro. Portanto, não me interessa a idade, o que quero são jogadores que marcam golos. Tico-Tico disse-me, pessoalmente, que não faria mais jogos internacionais. Dário Monteiro ainda tem os seus pés e é jogador do Moçambola e, por isso, pode ser convocado como outros”, ressalvou. 

 

Fonte:Jornal Noticias

QUALIFICAÇÃO PARA O CAN-2012 - Jogo com Zâmbia será na Machava

O SELECCIONADOR Nacional opta pelo Estádio da Machava para o desafio com a Zâmbia. O técnico holandês pôs dMart Nooije lado o novo Estádio Nacional do Zimpeto, recentemente aprovado pela FIFA, justificando que a opção pelo vale do Infulene visa tirar vantagens em casa.

 
 

Quero jogar na Machava para lhes complicar na relva sintética e vencê-los como o fizemos com a Tunísia, no último jogo de qualificação para o CAN-2010”, elucidou.

 

Questionado se a opção pela relva sintética não se reflectiria negativamente no jogo da segunda “mão”, em Lusaka, tendo em conta a também necessidade de os “Mambas” se adaptarem à relva natural, Mart Noöij assegurou que não haveria problema nenhum, porque a selecção vai treinar o tempo necessário para melhor se adaptar à relva natural.

 

“”, comentou, acrescentando, porém, que ele e os seus auxiliares vão avaliar e definir quais são os jogos que os “Mambas” farão na Machava e no Estádio Nacional.

 

Fonte:Jornal Noticias

COI quer apoiar Moçambique

 

Ministro da Juventude e Desporto Pedrito CaetanoO Comité Olímpico Internacional (COI) propõe-se a apoiar Moçambique na organização dos X Jogos Africanos, que se realizam no país de 3 a 18 de Setembro próximo.

 

Esta garantia foi feita pelo presidente do COI, o belga Jacks, durante um encontro de trabalho com o ministro da Juventude e Desportos, Pedrito Caetano, aquando da visita deste à Suíça.

 

 Sem especificar os montantes, o governante garante que  o apoio será material e financeiro. Mas além dessas ajudas, o COI disponibilizou os seus serviços de assessoria para ajudar  o COJA (Comité Organizador dos Jogos Africanos), na organização dos Jogos Africanos de Maputo-2011.

 

A assessoria do COI poderá incluir a divulgação dos jogos de Maputo-2011 junto dos seus membros, através dos seus canais “extra e intra net”, sempre com o mesmo objectivo: dar a conhecer a iniciativa moçambicana nos mercados fora de África. Ainda no âmbito da solidariedade desportiva, o COI vai conceder cinco bolsas, quatro das quais para atletas e uma para um treinador.

 

Pedrito Caetano, ministro da Juventude e Desportos, disse que este apoio significa um passo gigantesco no processo de organização do maior evento desportivo africano: “Basicamente, nós conseguimos quatro aspectos fundamentais no tocante ao que deverá ser a nossa relação com o COI: o primeiro aspecto é a relação técnica; o segundo é o facto de, periodicamente, os nossos parceiros irão enviar a Moçambique um consultor, que não só irá avaliar o trabalho que estamos a fazer, mas também irá apoiar-nos.

 

Aliás, a primeira visita já aconteceu e, dentro de 15 dias, teremos o relatório sobre a avaliação do que já foi feito. O outro aspecto é que o COI colocou à nossa disposição dois programas: o extra-net que é para o domínio público o e outro denominado intra-net, para a comunicação interna. Houve uma abertura no sentido de utilizarmos estes meios para a divulgação dos Jogos Africanos, mas também com horizonte nos ‘Olímpicos’ de Londres, em 2012.

 

Finalmente, um compromisso em termos financeiro, mas aqui nada aflorámos porque tudo deverá ser através da Associação dos Comités Olímpicos de África”, esclareceu o governante.

 

Pedrito Caetano anunciou que, ainda este mês de Fevereiro, o presidente dos Comités Olímpicos de África vai visitar Moçambique,  com o principal objectivo de fazer os acertos finais e clarificar como será feito o apoio financeiro ao COJA.


Fonte:O Pais

Selecção de voleibol vai estagiar em Portugal

 

Presidente da Federação Moçambicana de Voleibol (FMV),Camilo AntãoEstão no projecto e no plano, alguns jogos de preparação com equipas portuguesas.

A selecção masculina de voleibol de praia vai estagiar em Portugal, entre os meses de  Março e Agosto, sob orientação técnica de Pinho Manda.

 

O presidente da Federação Moçambicana de Voleibol (FMV), Camilo Antão, defende que os moçambicanos terão outros contactos com outras realidades competitivas e de metodologia de treinamento. Um treinador de masculinos e quatro atletas, nomeadamente, Délcio, Justino, Aldavino Nuvunga e Carlos Macamo vão beneficiar de bolsas para o efeito.

 

Tem a ver com a possibilidade de o voleibol de praia conquistar medalhas. Estão no projecto e no plano, alguns jogos de preparação com equipas portuguesas, integrando ainda a parte científica, técnico-pedagógica no domínio de vólei de praia. Obviamente que estes estágios são importantes, pois quanto mais se treina com condições, mais possibilidades se tem de alcançar sucessos, porque cada país está a preparar-se convenientemente para conseguir os lugares cimeiros”, afirmou o presidente da Federação Moçambicana de Voleibol.

 

Fonte:O Pais

TAÇA DE HONRA/SOJOGO - Desportivo único vitorioso na estreia

 


logo sojogoO DESPORTIVO do Maputo lidera da Taça de Honra/SOJOGO em futebol, concluída a primeira jornada da prova, que serve de rodagem para as equipas da cidade do Maputo que participam no Campeonato Nacional,  o Moçambola, cujo arranque está previsto para Março.

 
 

Os “alvi-negros” foram os únicos vencedores da ronda realizada sábado no campo do Costa do Sol, tendo derrotado os “canarinhos” por 1-0 em jogo da série “A”. O golo foi marcado pelo defesa Zainadine Júnior, na marcação de um livre directo na zona da meia-lua “canarinha”, ainda no decurso da primeira parte (aos 43 minutos).

 

A anteceder a este embate jogaram o Ferroviário, vencedor do recém-terminado Torneio “O Treinador”, o primeiro da época futebolística ao nível da cidade do Maputo, e o Matchedje, partida inserida na série “B” e que terminou sem abertura de contagem. 

 

  

O torneio prossegue esta quarta-feira no mesmo recinto com a efectivação de mais duas partidas. O Matchedje defronta o Maxaquene (14.30 horas), que ficou de fora na ronda inaugural, na série “B”, devido ao número ímpar de concorrentes. Duas horas depois o Desportivo medirá forças com a Liga Muçulmana, que também ficou de fora na série “A” devido ao número ímpar de participantes no grupo.

 

Desportivo e Costa do Sol levaram ao palco inovações na sua maneira de se apresentar e de actuar. No que respeita ao conjunto, tivemos a oportunidade de apreciar algumas caras novas em ambos clubes, entre a “velha guarda” e a juventude.

 

O Desportivo, como é seu apanágio, continua apostado na prata da casa, sendo que fez poucas aquisições. Entre os novatos destacam-se o ponta-de-lança Patrício (ex-Atlético), que entrou de início, numa partida que marcou o seu regresso de águia ao peito, já que é no Desportivo que despontou para o futebol. Gregório, que ano passado representou o Clube de Gaza, que disputou a “poule” de apuramento para o Moçambola-2011, foi o outro destacado entre os novos e entrou a substituir Dino. 

 

Do lado “canarinho” destacam-se o meio-campista Tchaka, que militou durante a época passada no Ferroviário, o ala direito Chesse (ex-Atlético Muçulmano) e o ponta-de-lança Babo, ex- Sporting da Beira, que alinharam de início, à excepção de Tchaka, substituído por Sanito, que transitou da época passada. Cheese e Babo fizeram os 90 minutos. No banco “canarinho”, destacavam-se, como novatos, o também ponta-de-lança Jordão, ex-Textáfrica,  Gito, ex-HCB, e Henrique, ex-FC de Lichinga.

 

O equilíbrio de forças chegou a criar dúvidas sobre um desfecho favorável a uma das partes e a vitória do Desportivo resumiu-se no lance de bola parada bem executado por Zainadine Júnior. Este tento solitário, obtido no final da primeira parte, foi uma espécie de catalisador para o espectáculo na segunda parte, com ambas equipas a aprimorarem cada vez mais o seu sistema táctico.

 

O jogo ganhava mais interesse pelo esforço individual com vista a conquistar a confiança da equipa técnica, neste momento em que as equipas procuram atingir a melhor performance. E neste aspecto as duas equipas deixaram boas marcas, sobretudo o Desportivo, que conta com uma forte base de jogadores mais experientes.

 

O veterano Tico-Tico provocou desequilíbrios à defensiva “canarinha”, tendo um deles estado na origem do livre que deu origem ao golo solitário e contribuiu em grande medida nas manobras ofensivas, que tornaram o Desportivo mais perigoso na segunda parte.

O Costa do Sol, embora com uma forte articulação, continua a aproveitar pouco as oportunidades que cria.

 

O artilheiro Vivaldo, apoiado pelo ex-sportinguista beirense Babo, teve deste algumas assistências notáveis, com destaque para o lance em que foi colocado à frente do guarda-redes Leonel, mas atirou à figura deste nos minutos iniciais da contenda. Depois foi o próprio Babo a atirar pouco por cima do travessão, numa altura em que a eficiência “canarinha” na abordagem do jogo estava na mó de cima, com o lateral João a provocar calafrios sempre que subisse pelo corredor direito para o ataque. O mesmo esforço foi visível na segunda parte, mas o Desportivo foi mais astuto e o guarda-redes Leonel demonstrou segurança em dois remates fortes do atacante Jordão e do defesa João.

 

“LOCOMOTIVA” ESCAPA À REVOLTA “MILITAR”

 

 

Ferroviario de MaputoFerroviário e Matchedje, como as outras formações que se preparam para o Moçambola, não fugiram à regra na sua aparição nesta altura do início da época, trazendo também algumas novas caras, algumas das quais nos referimos durante o recém-terminado Torneio “O Treinador”.

 

O “central” Chico (ex-Sporting da Beira), o médio ofensivo Burrama (ex-Ferroviário da Beira), o médio esquerdo Rachid (FC Lichinga) e os avançados Amílcar (ex-HCB) e Aníbal (ex-Maxaquene) são algumas das novas pedras com que os “locomotivas” se apresentaram.

 

Entre as novas jóia do Matchedje destacam-se Hilário (ex-Atlético Muçulmano), Calton (ex-Vilankulo FC), Silva (FC Lichinga) e Joaquim (Sporting da Beira).

 

Nesta sua nova aparição, o Matchedje tem estado a revelar-se um conjunto cuja estrutura se vai solidificando a cada jogo, sendo que o empate sem abertura de contagem com o Ferroviário deveu-se à falta de frieza nalguns lances de golo certo não aproveitados pelos “militares”, com maior incidência na segunda parte.

 

O jovem técnico Frederico dos Santos tem estado a demonstrar alguns dotes na filosofia e modelo de jogo que tenta impor no conjunto, o que se reflecte positivamente na forma como a equipa se apresentou no Torneio “O Treinador” e no embate com os “locomotivas”, no sábado.

 

Contudo, é cedo para tirar conclusões, sendo que as equipas ainda não se apresentam na sua melhor forma, mas interessa neste momento apreciar a estrutura que cada um apresenta e neste aspecto o Matchedje está a deixar algumas marcas positivas.

Aliás, os “militares” deveriam ter saído deste encontro sorridentes se tivessem concretizado transformado as suas oportunidades em golo.

 

Leonel teve em si a chance de finalizar nos minutos inicias da segunda parte, numa sobra de bola devolvida pela defensiva, mas o remate saiu desenquadrado com a baliza.

A única resposta “locomotiva” dada aos “militares” neste período foi dada pelo ponta-de-lança Sonito, com remate bem direccionado, mas a embater no defensor Caló.

 

SALVADOR NHANTUMBO

 

Fonte:Jornal Noticias

NOITE DOS “ÓSCARES” DA BOLA-AO-CESTO … E tudo os vizinhos levaram

Anabela Cossa (S. Costa)A PROFECIA segundo a qual o centro de gravidade da nossa bola-ao-cesto regressaria ao eixo Maxaquene/Desportivo, cumprindo-se a indelével tradição da modalidade, parece estar de facto a concretizar-se. É que, numa inolvidável noite dos “Óscares”, promovida pela Federação Moçambicana de Basquetebol, das 16 estatuetas destinadas às categorias de jogadores e treinadores, nada mais, nada menos que 13 foram repartidas entre estas duas colectividades, ficando apenas três para os outros intervenientes.

 
 

E os factos falam claramente por si: os títulos nacionais conquistados pelo Maxaquene, em masculinos, e Desportivo, em femininos, não somente expressaram o excelente trabalho levado a cabo pelos vizinhos, como também representaram o lançamento na ribalta de novas estrelas que por mérito próprio estão a conquistar espaço. São os casos particulares do “tricolor” Samora Mucavele e da “alvi-negra” Leia Dongue (Tanucha), com um magnífico desempenho tanto no clube como na selecção.

 

Sexta-feira, reunindo a nata da bola-ao-cesto nacional, entre praticantes já retirados e craques da actualidade, treinadores, dirigentes – incluindo presidentes das associações provinciais, que estiveram em Maputo para a Assembleia-Geral da Federação – árbitros e figuras como o edil da capital do país, David Simango, o director nacional dos Desportos, Inácio Bernardo, e o presidente da Confederação da Zona VI, Aníbal Manave, a Gala do Basquetebol, motivo de rasgados elogios ao elenco de Francisco Mabjaia, foi um momento verdadeiramente ímpar, com o reconhecimento àqueles que ao longo da temporada transacta foram os melhores.


E porque os melhores foram Maxaquene e Desportivo, estes dois clubes chamaram a si a quase totalidade das estatuetas, deixando apenas três para Ferroviário do Maputo, A Politécnica e Ferroviário da Beira.

 

Os Jogadores Mais Valiosos (MVP) foram Fernando Manjate, do Maxaquene, e a “alvi-negra” Anabela Cossa, com uma prestação que inquestionavelmente foi determinante para a conquista dos campeonatos para as suas equipas. Tanto Nandinho como Anabela são verdadeiros operários nas quatro linhas, pelo que a sua eleição mereceu a vénia de todos, mesmo dos mais directos concorrentes e também nomeados, Augusto Matos e Samora Mucavele, em masculinos, Aleia Rachide e Leia Dongue, em femininos.

 

O DESFILE

 

 

 

Nandinho (S. Costa)Para além de Nandinho e Anabela, com a estatueta para MVP, foram premiadas outras categorias, num desfile agradável de se acompanhar. Para Jogador Revelação ganharam Ismael Noormamad, do Ferroviário da Beira, e Inguivild Mucauro, do Desportivo. O prémio para Melhor Base foi para o “tricolor” Samora Mucavele e para a capitã “alvi-negra” Valerdina Manhonga. Em relação ao Melhor Defensor, os contemplados foram Stélio Nuaila, do Maxaquene, e Odélia Mafanela, do Desportivo.

 

As estatuetas para a categoria de Melhores Ressaltadores pertencem a Custódio Muchate, do Ferroviário do Maputo, e a Leia Dongue. Por sua vez, Sílvio Letela, do Maxaquene, e Anabela Cossa conquistaram o prémio de Melhor Triplista.

 

Para Talento do Ano a escolha recaiu em Dénio Chirindza, do Maxaquene – o jovem, filho do conhecido João Chirindza – viajou ontem para uma bolsa nos Estados Unidos e em Clitan de Sousa, de A Politécnica.

 

No que diz respeito aos Melhores Treinadores, os “alvi-negros” não quiseram repartir o prémio com ninguém, ficando o prémio com Horácio Martins, dos masculinos, e Nazir Salé dos femininos.

 

O Melhor Árbitro é Marcos Abdala, enquanto Naftal Chongo ficou com o Prémio Prestígio da Arbitragem. O Prémio Prestígio de Basquetebol foi entregue a Aníbal Manave e a Inácio Bernardo, assim como às empresas mCel, Millennium bim e Vodacom. Zambézia ganhou o prémio de Melhor Associação Provincial, que, neste caso, tratou-se de um marcador electrónico e dos 24 segundos, oferta da FIBA-África.

 

Fonte:Jornal Noticias

Patins já rolam para San Juan-2011

Seleccao mocambicana de hoquei em patinsA SELECÇÃO Nacional de Hóquei em Patins deu já a stickada de saída tendo em vista a sua preparação para o Campeonato do Mundo do Grupo “A” a realizar-se em San Juan, Argentina, de 24 de Setembro a 1 de Outubro.

 
 

O primeiro treino da equipa moçambicana decorreu no pavilhão do Desportivo e foi baseado em sessões de preparo físico e técnico.

Pedro Tivane, seleccionador adjunto, orientou um treino bastante ritmado, com todos os jogadores a darem o máximo de si e à procura da melhor forma após a paragem para férias.   

 

Segundo Tivane, numa primeira fase ele estará atento aos jogadores que não têm sido chamados à selecção. “Quero avaliar as suas qualidades. Penso ser também uma forma de motivá-los. Mas os treinos e os jogos determinarão se merecem tal aposta”.

Nuno Canaveira e Juma (Estrela Vermelha), Mito (Ferroviário) e Boby (Maxaquene) são alguns dos novos seleccionados.

 

No quadro da preparação, Tivane afirmou estarem previstos jogos de controlo na África do Sul.  

 

Tivane afirma que no estágio os novatos e os habituais eleitos do combinado nacional, como são os casos de Bruno Pimentel, Siga, David Pimentel, Arnaldo Queiroz, Kiko Maninho e Nelson Miquessene, estarão presentes.

 

Entretanto, o “mister” afiança que as portas da selecção estão abertas para a entrada de outros jogadores, desde que se empenhem.

 

Na próxima semana os trabalhos da selecção darão lugar à preparação das equipas que a partir do dia 11 irão disputar o Torneio de Abertura.

Tivane é de opinião que a competição interna será uma mais-valia na preparação dos jogadores convocados para a selecção.

 

LISTA DOS CONVOCADOS:

 

Guarda-redes: Arnaldo Queiroz, Juma e Afonso Quinze.

Jogadores de campo: Kiko, Siga, Maninho, Bruno Pimentel, Nuno Tavares, David Pimentel, Boby, Nuno Canaveira, Josuel, Mito e Nelson Miquessene.

 

Fonte:Jornal Noticias

BÁSQUETE–NACIONAL DE FEMININOS - “Águias” super embaladas!

Águias super embaladasESTARÁ, desta vez, A Politécnica à altura de travar o voo super embalado da “águia”? Pois, esta é a pergunta que se coloca em relação ao grande embate das meias-finais, logo à noite, depois de o Desportivo ter categoricamente ultrapassado todos os adversários, no decurso da primeira fase.

 
 

Destemidas, as “alvi-negras” não dão tréguas a ninguém e, invictas, asseguraram a transição para as meias-finais na qualidade de primeiras classificadas do Campeonato Nacional de Basquetebol de Seniores Femininos. E, segunda-feira, após ter fechado a primeira etapa da prova com uma vitória sobre A Politécnica pela marca de 59-43, a turma de Nazir Salé volta a cruzar-se, esta noite, às 19.15 horas, no seu pavilhão, com as “universitárias”.


No caso específico do presente embate, a sua importância tem um carácter transcendental, dado que irá determinar quem segue para a final do campeonato, agendada para amanhã, feriado nacional. Aliás, se no primeiro, praticamente, interessava saber gerir o resultado de modo a garantir a qualificação para esta nova etapa, já o desafio de hoje tem a particularidade de ser a eliminar, pelo que somente a vitória interessa a cada um dos contendores para poder estar na discussão directa do título.

 

Indubitavelmente, as campeãs nacionais são favoritas, não somente pela sua carreira excepcional como também pelo grande nível competitivo que as suas atletas apresentam. O fosso entre o Desportivo e as outras equipas é claramente visível e, no caso concreto de A Politécnica, apesar de contar com algumas das melhores executantes do país, no momento decisivo não consegue contrariar a embalagem “alvi-negra”.

 

Após ter vencido as quelimanenses da Soprotecção na sua estreia na prova, a turma de Valerdina Manhonga, Anabela Cossa, Leia Dongue, Odélia Mafanela, Filomena Micato e da nova coqueluche Inguivild Mucauro entrou num colete-de-forças, pois era colocada perante os outros times da capital do país. Apesar disso, em três dias conasecutrivos saiu-se lindamente, senão vejamos: bateu Ferroviário pela marca de 82-55, derrotou Maxaquene por 79-51 e levou de vencida A Politécnica por 59-43, vincando desse modo a sua reconhecida supremacia.

 

Particularmente em relação ao confronto com as “locomotivas”, que procuram recuperar o estatuto de rainhas, as “alvi-negras” foram implacáveis e de uma eficiência fora de série, deitando abaixo todas as chances de o Ferroviário sonhar com uma vitória. Aliás, a diferença de 27 pontos espelha de forma clara e inequívoca o domínio do Desportivo.

 

Surpresa para uns, nem tanto para outros, tendo em conta a fase revolucionária em que se encontra o Maxaquene, foi a sua vitória sobre A Politécnica pela marca de 64-41. À partida, as “universitárias” é que reuniam o maior número de probabilidades de triunfar, só que, na hora da verdade, as “tricolores” demonstraram que de facto têm equipa para discutir algo mais precioso neste campeonato.

 

E a verdade prova dessa asserção teremos esta noite, quando o Maxaquene, que bateu a Soprotecção na segunda-feira por 68-33, defrontar o Ferroviário, às 17.15 horas, também para as meias-finais. No primeiro confronto entre ambos, as “locomotivas” ganharam pela marca de 71-53.

 

Fonte:Jornal Noticias

AFROTAÇAS EM FUTEBOL - Optimismo de Semedo contrário aos pergaminhos do Zesco Utd

AS contas lançadas por Artur Semedo são contrárias ao optimismo que o técnico sustenta em relação à transição da pré-eliminatória da Liga dos Campeões Africanos, facto que passa por uma vitória por números acima de três golos de diferença sobre o Zesco United, da Zâmbia, no jogo da segunda “mão”, em Maputo, no dia 13 do mês em curso

Zesco United

.

 
 

A vantagem de três bolas que a equipa zambiana detém neste momento torna caricatos os pronunciamentos de Semedo, primeiro porque o Zesco já tirou ilações sobre o adversário e vai se preparar com todo o requinte para o golpe final; segundo porque tem experiência acumulada neste tipo de competições, desde que ascendeu ao topo do futebol zambiano, ao conquistar dois títulos consecutivos, em 2007 e 2008, tendo atingido a fase de grupos da Liga dos Campeões em 2009, ano em que, no entanto, terminaria em segundo na Liga do seu país, sagrando-se novamente campeão no ano passado.

 

O Zesco é, por todos estes motivos, um dos principais contribuintes da selecção zambiana e conta, igualmente, com alguns jogadores nas selecções secundárias, facto que lhe confere um estatuto nobre entre os clubes tradicionais daquele país, casos do Power Dynamos, Green Buffaloes, Zenaco FC e Nchanga Rangers.

 

O campeão zambiano dispõe de uma equipa maioritariamente jovem, cujo potencial é alicerçado por internacionais com experiência acumulada, casos do guarda-redes Jacob Banda, dos centrais Billy Mwanza, Steven Kabamba e Chileshe Kangwa, do meio-campista Nicholas Zulu e do atacante Jackson Mwanza, autor do segundo golo.

Com alguma semelhança, a Liga Muçulmana dispõe de um forte esquadrão de jogadores que evoluem na Selecção Nacional e também com experiência acumulada, casos do ponta-de-lança Dário Monteiro, do central Fanuel e do médio Momed Hagy, para além de novas estrelas como o “trinco” Carlitos e os artilheiros Maurício e Jerry. Porém, este naipe de atletas ainda não se traduziu num conjunto balanceado, porque, infelizmente, a época futebolística nacional está no início e, apesar de a Liga ter apostado em muitas aquisições, estas ainda estão no processo de enquadramento.

 

Contudo, a Liga, consciente destas adversidades, concedeu à equipa um estágio preparatório, que incluiu várias competições durante quase um mês na vizinha África do Sul, à busca de forma e entrosamento, bem como para proporcionar a interacção entre os jogadores para o seu rápido enquadramento e assimilação da metodologia e processos do modelo de jogo.

ESTRATÉGIA FALHADA

 
 
 

A derrota da Liga pode resumir-se na falha de estratégia assumida por Artur Semedo, perante a diversidade de opções de que dispõe, o que vai requerer do técnico uma grande capacidade de definir a equipa ideal.


A opção por Nelinho, na baliza, em detrimento de Gervásio, terá sido um erro de palmatória. Nelinho foi muito pouco utilizado pelo Maxaquene na época transacta, enquanto Gervásio, requisitado do Desportivo, foi titular durante toda a temporada.

 

A exclusão de Neco, titular na baliza da Liga durante quase toda a época passada, dos 20 pré-seleccionados para o jogo com Zesco, foi outro erro de estratégia, uma vez que este estava igualmente bem rodado que Nelinho.

 

A adaptação de Cantoná a lateral – um ala por excelência - para assumir missões defensivas, em detrimento de Silvério (foi regular toda a época passada), traduziu-se nas lacunas que se verificaram ao longo do prélio no sistema defensivo. Isto não justifica, porém, a negra actuação dos “centrais”, que se resumiu em erros tácticos graves, tornando a defesa permeável pelo corredor central, onde Aguiar e Fanuel se desentenderam por completo, abrindo brechas para o adversário.


A falha na estratégia teve igualmente a ver com o receio de arriscar de início, lançando as pedras mais preponderantes, algumas das quais recentemente adquiridas, casos de Dário Monteiro, Momed Hagy e Telinho, um jovem médio adquirido ao Ferroviário de Pemba e que deu muito nas vistas durante o estágio na RAS.

 

Aliás, a entrada de Dário, Telinho e Nelson (transitou da época passada

 

) trouxe uma nova dinâmica ao jogo ofensivo da Liga na segunda parte, período em que a turma moçambicana contrabalançou o rumo dos acontecimentos no terreno. Outra falha de estratégia foi a insistência perante erros de palmatória cometidos pelos centrais, com maior incidência para Fanuel, que podia ser trocado por Narciso.

 

A exclusão de Silvério dos 18 elegíveis para o onze inicial, o lateral direito que a Liga foi buscar ao Costa do Sol e titular durante a época passada, para colocar no seu lugar Cantoná, que, como dissemos, jogou sempre como ala, foi outro erro de estratégia de Semedo neste embate.

 

Fonte:Jornal Noticias

MEXIDAS QUE SE IMPÕEM

Artur Semedo falou de mudanças na equipa, que passam por mexidas na forma como se apresentou, ou seja, na busca de outras opções para o jogo da segunda “Artur Semedo”. As mudanças serão feitas em todos os sectores, com destaque para o mais recuado, incluindo a baliza.

 

O presidente da Liga Muçulmana, Rafik Sidat, assegurou a contratação de mais jogadores para reforçar a equipa, uma vez detectadas as principais lacunas depois do estágio e do jogo com o Zesco. Sidat falou da chegada de um guarda-redes da selecção malawiana e de mais dois zimbabweanos (guarda-redes e defesa central).

 

O presidente da Liga acredita na possibilidade de transição para a outra fase, mas pouco esperava por um desaire na Zâmbia. “Estava convencido que fôssemos empatar para podermos resolver a eliminatória em Maputo. Mas calhou-nos o pior”, disse.

 

Questionado se estava satisfeito com o resultado, face ao investimento feito para a aquisição de um plantel de luxo e o estágio concedido para a preparação da equipa na África do Sul, Sidat respondeu que não se pode julgar o investimento apenas num jogo, e evitou tecer comentários quanto à estratégia definida por Artur Semedo para o embate com o campeão zambiano.

 

Fonte:Jornal Noticias