Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Tendo em vista o Mundial-2010 : Portugal convidado a estagiar entre nós

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5409830998886148210" />

MOÇAMBIQUE convidou formalmente a selecção portuguesa de futebol a efectuar o seu estágio entre nós, tendo em vista o Campeonato do Mundo da África do Sul, em 2010.

Selecção portuguesa de futebol pode vir ao nosso país
Os lusitanos não sabem ainda onde vão jogar e só na sexta-feira, 4 de Dezembro, dia do sorteio, na Cidade do Cabo, conhecerão os seus adversários, mas já têm o convite do nosso país, assim como de Angola.

De acordo com o jornal A BOLA, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Gilberto Madail, confirmou ter recebido já, da parte de Moçambique, a intenção formal de convidar a selecção a estagiar no país, através de documentos escritos, quer pelo embaixador moçambicano em Lisboa, quer pelo embaixador português em Maputo.

Da parte de Angola, Madail disse que, em rigor, não pode afirmar ter recebido ainda qualquer convite oficial, mas confessa conhecer essa vontade, já manifestada, aliás, por alguns responsáveis angolanos, quer políticos quer desportivos.

Para o presidente da FPF, a escolha do local de pré-estágio depende de múltiplos aspectos e Madail lembra mesmo que a última palavra é do seleccionador.

“Gostávamos muito de corresponder ao desejo dos nossos irmãos daqueles dois países de língua oficial portuguesa, mas os seus responsáveis terão de compreender que a opção é tomada tendo em conta condições logísticas da mais diversa ordem, desde as condições desportivas, às de trabalho dos mais diversos elementos do “staff” que envolve uma equipa de futebol de alta competição, condições da estadia, condições para os meios de comunicação, etc.”.

Além disso, Madail recorda: “Só o seleccionador pode definir o perfil de pré-estágio que pretende, em função também dos locais onde Portugal vai competir na África do Sul, clima, altitude, o tipo de adversários. Por tudo isso, é ainda cedo para se tomarem decisões, e Moçambique e Angola, cuja vontade de nos receber muito nos honra, devem compreender - sem qualquer tipo de conflito diplomático ou coisa parecida”.

Tendo em vista o Mundial-2010 : Portugal convidado a estagiar entre nós

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5409830998886148210" />

MOÇAMBIQUE convidou formalmente a selecção portuguesa de futebol a efectuar o seu estágio entre nós, tendo em vista o Campeonato do Mundo da África do Sul, em 2010.

Selecção portuguesa de futebol pode vir ao nosso país
Os lusitanos não sabem ainda onde vão jogar e só na sexta-feira, 4 de Dezembro, dia do sorteio, na Cidade do Cabo, conhecerão os seus adversários, mas já têm o convite do nosso país, assim como de Angola.

De acordo com o jornal A BOLA, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Gilberto Madail, confirmou ter recebido já, da parte de Moçambique, a intenção formal de convidar a selecção a estagiar no país, através de documentos escritos, quer pelo embaixador moçambicano em Lisboa, quer pelo embaixador português em Maputo.

Da parte de Angola, Madail disse que, em rigor, não pode afirmar ter recebido ainda qualquer convite oficial, mas confessa conhecer essa vontade, já manifestada, aliás, por alguns responsáveis angolanos, quer políticos quer desportivos.

Para o presidente da FPF, a escolha do local de pré-estágio depende de múltiplos aspectos e Madail lembra mesmo que a última palavra é do seleccionador.

“Gostávamos muito de corresponder ao desejo dos nossos irmãos daqueles dois países de língua oficial portuguesa, mas os seus responsáveis terão de compreender que a opção é tomada tendo em conta condições logísticas da mais diversa ordem, desde as condições desportivas, às de trabalho dos mais diversos elementos do “staff” que envolve uma equipa de futebol de alta competição, condições da estadia, condições para os meios de comunicação, etc.”.

Além disso, Madail recorda: “Só o seleccionador pode definir o perfil de pré-estágio que pretende, em função também dos locais onde Portugal vai competir na África do Sul, clima, altitude, o tipo de adversários. Por tudo isso, é ainda cedo para se tomarem decisões, e Moçambique e Angola, cuja vontade de nos receber muito nos honra, devem compreender - sem qualquer tipo de conflito diplomático ou coisa parecida”.

JOGOS AFRICANOS DE MAPUTO-2011 - Atletas serão alojados no “campus” da UEM

DOIS mil atletas, dos cerca de seis mil que se prevê estarem entre nós na disputa da 10ª edição dos Jogos Africanos, a realizar-se em Setembro de 2011, em Maputo, serão alojados no“campus”da Universidade Eduardo Mondlane, que, para o efeito, irá beneficiar de uma profunda reabilitação, contemplando as infra-estruturas residenciais, campos de jogos, abertura de arruamentos e outros apetrechos que possam dotar o local de condições que correspondam aos padrões internacionalmente aceites para eventos desta índole.



O Comité Organizador dos Jogos Africanos de Maputo-2011 (COJA) tem vindo a multiplicar-se em esforços, junto de entidades públicas e privadas, de modo a estabelecer parcerias que lhe permitam colocar em pleno funcionamento a gigantesca máquina organizacional, tendo em conta a magnitude do evento.



Só para elucidar, são esperados na capital moçambicana perto de nove mil pessoas, entre atletas, treinadores, dirigentes, jornalistas e outros acompanhantes, situação que requer um parque infra-estrutural à altura da demanda, entre locais de alojamento e alimentação, de jogos, viaturas, serviços de saúde, protocolo, segurança, etc.



Aliás, foi dentro desta perspectiva que o Ministério da Juventude e Desportos, na constituição do COJA, para além da comissão de honra, o órgão mais alto, criou a comissão executiva, encarregue de lidar com a matéria quotidiana do evento. Esta comissão tem um director-geral, no caso António Saia, e dois directores-adjuntos, Penalva Cezar e Teófilo Nhangomela, assim como 14 subcomissões que respondem pelos diferentes sectores que serão chamados relacionados com o evento.



Na senda da busca de parcerias, o COJA encontrou na Universidade Eduardo Mondlane uma instituição que prontamente se identificou com o projecto, tendo ficado assente que o seu “campus” será um dos locais de acomodação dos atletas, à semelhança da vila olímpica a ser construída no Zimpeto ou em Intaka, zonas próximas uma da outra e à beira do Estádio Nacional, que deverá ser o principal centro dos Jogos Africanos, caso ganhe forma a iniciativa de, para além do campo de futebol e da pista de atletismo, se construírem também um pavilhão multiusos para modalidades de salão e uma piscina olímpica (25 metros).



Em relação ao “campus” universitário, a UEM, representada pelo respectivo reitor, Filipe Couto, e o COJA, pela pena do seu director-geral, António Saia, rubricaram ontem um memorando de entendimento, instrumento através do qual se irá processar o relacionamento entre as duas instituições para a execução deste projecto, tendo em conta que as infra-estruturas assumem um carácter primordial para o sucesso de uma realização deste nível.



Até porque sendo o “campus” uma instalação universitária, Filipe Couto desafiou os estudantes das diferentes faculdades, com particular ênfase para os das engenharias, a se envolverem neste ambicioso plano de reabilitação e construção das infra-estruturas preconizadas no memorando, pois, segundo ele, estarão dessa forma a aliar a teoria à prática, isto para além de participarem directamente na prossecução de um projecto que será um grande legado para a própria Universidade Eduardo Mondlane.

JOGOS AFRICANOS DE MAPUTO-2011 - Atletas serão alojados no “campus” da UEM

DOIS mil atletas, dos cerca de seis mil que se prevê estarem entre nós na disputa da 10ª edição dos Jogos Africanos, a realizar-se em Setembro de 2011, em Maputo, serão alojados no“campus”da Universidade Eduardo Mondlane, que, para o efeito, irá beneficiar de uma profunda reabilitação, contemplando as infra-estruturas residenciais, campos de jogos, abertura de arruamentos e outros apetrechos que possam dotar o local de condições que correspondam aos padrões internacionalmente aceites para eventos desta índole.



O Comité Organizador dos Jogos Africanos de Maputo-2011 (COJA) tem vindo a multiplicar-se em esforços, junto de entidades públicas e privadas, de modo a estabelecer parcerias que lhe permitam colocar em pleno funcionamento a gigantesca máquina organizacional, tendo em conta a magnitude do evento.



Só para elucidar, são esperados na capital moçambicana perto de nove mil pessoas, entre atletas, treinadores, dirigentes, jornalistas e outros acompanhantes, situação que requer um parque infra-estrutural à altura da demanda, entre locais de alojamento e alimentação, de jogos, viaturas, serviços de saúde, protocolo, segurança, etc.



Aliás, foi dentro desta perspectiva que o Ministério da Juventude e Desportos, na constituição do COJA, para além da comissão de honra, o órgão mais alto, criou a comissão executiva, encarregue de lidar com a matéria quotidiana do evento. Esta comissão tem um director-geral, no caso António Saia, e dois directores-adjuntos, Penalva Cezar e Teófilo Nhangomela, assim como 14 subcomissões que respondem pelos diferentes sectores que serão chamados relacionados com o evento.



Na senda da busca de parcerias, o COJA encontrou na Universidade Eduardo Mondlane uma instituição que prontamente se identificou com o projecto, tendo ficado assente que o seu “campus” será um dos locais de acomodação dos atletas, à semelhança da vila olímpica a ser construída no Zimpeto ou em Intaka, zonas próximas uma da outra e à beira do Estádio Nacional, que deverá ser o principal centro dos Jogos Africanos, caso ganhe forma a iniciativa de, para além do campo de futebol e da pista de atletismo, se construírem também um pavilhão multiusos para modalidades de salão e uma piscina olímpica (25 metros).



Em relação ao “campus” universitário, a UEM, representada pelo respectivo reitor, Filipe Couto, e o COJA, pela pena do seu director-geral, António Saia, rubricaram ontem um memorando de entendimento, instrumento através do qual se irá processar o relacionamento entre as duas instituições para a execução deste projecto, tendo em conta que as infra-estruturas assumem um carácter primordial para o sucesso de uma realização deste nível.



Até porque sendo o “campus” uma instalação universitária, Filipe Couto desafiou os estudantes das diferentes faculdades, com particular ênfase para os das engenharias, a se envolverem neste ambicioso plano de reabilitação e construção das infra-estruturas preconizadas no memorando, pois, segundo ele, estarão dessa forma a aliar a teoria à prática, isto para além de participarem directamente na prossecução de um projecto que será um grande legado para a própria Universidade Eduardo Mondlane.

Para acompanhamento do Mundial-2010: África do Sul garante ecrãs gigantes em Moçambique

A ÁFRICA do Sul e os seus parceiros que participam na organização do Campeonato Mundial de Futebol de 2010 garantiram a montagem, em Moçambique, de centros de assistência colectiva do evento, através de ecrãs gigantes em diversos pontos do país.




Segundo o Alto-Comissário sul-africano em Maputo, Dikgang Moopeloa, a iniciativa visa garantir que a maior parte dos moçambicanos possa assistir a competição.



Falando terça-feira, em Maputo, durante uma Conferência de Imprensa que serviu para dar o ponto da situação sobre os preparativos do Mundial-2010, Moopeloa revelou que a iniciativa pertence ao Governo sul-africano e conta com a parceria do FNB-Moçambique, entidade responsável pela venda dos bilhetes, Inter Car Kia Motors e da Coca-Cola-Moçambique, tendo o Director-Geral desta última empresa anunciado a chegada, ao nosso país, do troféu do Mundial, para ser exibido publicamente entre sábado e segunda-feira.



“Recordar que em 2008 a Federação Internacional de Futebol (FIFA) cedeu à Coca-Cola os direitos para transportar o troféu do Mundial, em digressão pelos países de África, para ser exibido publicamente”, disse Moopeloa, que aproveitou a ocasião para manifestar o apoio do seu país à selecção moçambicana (“Mambas”), que em Janeiro participa na fase final do Campeonato Africano das Nações Angola-2010.



No âmbito dos preparativos da festa do futebol, Moopeloa disse que o Governo da África do Sul achou correcto que sejam os Estados vizinhos a tirar mais benefícios desta competição, daí o lançamento, amanhã, em Maputo, do que chamou de “Sexta-feira Oficial de Futebol”.

O segundo evento a ser realizado neste âmbito terá lugar no próximo dia 4 de Dezembro, na África do Sul, data em que terá lugar, na Cidade do Cabo, o sorteio do Mundial, altura em que as 32 selecções participantes no evento saberão o seu emparceiramento e os locais onde estarão baseadas.



“Pretendemos que os moçambicanos façam parte dos cerca de quatro biliões de pessoas que se espera venham a assistir este sorteio, e esperamos que as ligações com as zonas de assistência colectiva sejam feitas ao vivo”, destacou o diplomata sul-africano.

Nestas iniciativas, que têm como pano de fundo divulgar os acontecimentos referentes ao Mundial de futebol, além de actividades informativas sobre o decurso dos preparativos, inclui a realização de eventos culturais, envolvendo artistas sul-africanos e moçambicanos, para além da divulgação de oportunidades turísticas.



Por sua vez, o administrador delegado da FNB-Moçambique, Warren Adams, disse que a empresa de que faz parte está a realizar uma campanha de marketing, cujo primeiro sorteio permitiu que 10 clientes daquela instituição ganhassem 10 bilhetes, estando em preparação a realização de mais quatro iniciativas do género, para disponibilizar 38 direitos de entrada.



Vanessa Vasconcelos, da Inter Car Kia Motors, informou que esta empresa se associa ao evento através da doação de bilhetes de ingresso para o Mundial e do sorteio para a atribuição de uma viatura, numa campanha a ter lugar nos princípios do próximo ano.
publicado por desporto às 11:16

Para acompanhamento do Mundial-2010: África do Sul garante ecrãs gigantes em Moçambique

A ÁFRICA do Sul e os seus parceiros que participam na organização do Campeonato Mundial de Futebol de 2010 garantiram a montagem, em Moçambique, de centros de assistência colectiva do evento, através de ecrãs gigantes em diversos pontos do país.




Segundo o Alto-Comissário sul-africano em Maputo, Dikgang Moopeloa, a iniciativa visa garantir que a maior parte dos moçambicanos possa assistir a competição.



Falando terça-feira, em Maputo, durante uma Conferência de Imprensa que serviu para dar o ponto da situação sobre os preparativos do Mundial-2010, Moopeloa revelou que a iniciativa pertence ao Governo sul-africano e conta com a parceria do FNB-Moçambique, entidade responsável pela venda dos bilhetes, Inter Car Kia Motors e da Coca-Cola-Moçambique, tendo o Director-Geral desta última empresa anunciado a chegada, ao nosso país, do troféu do Mundial, para ser exibido publicamente entre sábado e segunda-feira.



“Recordar que em 2008 a Federação Internacional de Futebol (FIFA) cedeu à Coca-Cola os direitos para transportar o troféu do Mundial, em digressão pelos países de África, para ser exibido publicamente”, disse Moopeloa, que aproveitou a ocasião para manifestar o apoio do seu país à selecção moçambicana (“Mambas”), que em Janeiro participa na fase final do Campeonato Africano das Nações Angola-2010.



No âmbito dos preparativos da festa do futebol, Moopeloa disse que o Governo da África do Sul achou correcto que sejam os Estados vizinhos a tirar mais benefícios desta competição, daí o lançamento, amanhã, em Maputo, do que chamou de “Sexta-feira Oficial de Futebol”.

O segundo evento a ser realizado neste âmbito terá lugar no próximo dia 4 de Dezembro, na África do Sul, data em que terá lugar, na Cidade do Cabo, o sorteio do Mundial, altura em que as 32 selecções participantes no evento saberão o seu emparceiramento e os locais onde estarão baseadas.



“Pretendemos que os moçambicanos façam parte dos cerca de quatro biliões de pessoas que se espera venham a assistir este sorteio, e esperamos que as ligações com as zonas de assistência colectiva sejam feitas ao vivo”, destacou o diplomata sul-africano.

Nestas iniciativas, que têm como pano de fundo divulgar os acontecimentos referentes ao Mundial de futebol, além de actividades informativas sobre o decurso dos preparativos, inclui a realização de eventos culturais, envolvendo artistas sul-africanos e moçambicanos, para além da divulgação de oportunidades turísticas.



Por sua vez, o administrador delegado da FNB-Moçambique, Warren Adams, disse que a empresa de que faz parte está a realizar uma campanha de marketing, cujo primeiro sorteio permitiu que 10 clientes daquela instituição ganhassem 10 bilhetes, estando em preparação a realização de mais quatro iniciativas do género, para disponibilizar 38 direitos de entrada.



Vanessa Vasconcelos, da Inter Car Kia Motors, informou que esta empresa se associa ao evento através da doação de bilhetes de ingresso para o Mundial e do sorteio para a atribuição de uma viatura, numa campanha a ter lugar nos princípios do próximo ano.
publicado por desporto às 11:16

CAN-2010 - Mescla de confiança e receio

EGIPTO, campeão africano sete vezes, e detentor do título, a Nigéria, duas vezes campeã, e Benin, o “ilustre” desconhecido, são as três selecções que Moçambique vai encontrar no Grupo C do Campeonato Africano de Futebol (CAN) que decorrerá em Angola de 10 a 31 de Janeiro.
João Chissano, que se estreou no comando do Costa do Sol neste ano, disse que o adiamento é prejudial para aquilo que foi a programação dos “canarinhos”.

Contactados pela nossa reportagem, os internacionais moçambicanos Momed Hagy e Danito Parruque e o treinador do Costa do Sol e ex-

“Mamba”, João Chissano, reagiram ao sorteio, acreditando numa agradável prestação da equipa moçambicana, mas deixaram transparecer algum receio, pois numa competição onde desfilarão as 16 melhores do Continente Africano todo o cuidado é pouco!



As opiniões destes desportistas revelam, de uma maneira geral, que quando os “Mambas” deixarem Maputo com destino a Benguela, cidade Angola que albergará o Grupo C, a sua bagagem estará carregada de firmeza e dedicação que serão postas em campo em cada partida realizada.


Momed Hagy, médio-centro do Ferroviário de Maputo

Todos são unânimes em afirmar que bastará cada“Mamba”

demonstrar o mesmo arrojo exibido aquando da fase de qualificação, para ter meio caminho andado, ou seja ganhar um jogo pela primeira vez e passar da fase de grupos.



Um sonho que, para os jogadores e o treinador, tem tudo para se tornar realidade desde que haja o mesmo espírito de entreajuda. Aliás, a experiência da equipa nacional em desafios diante de grandes selecções traz boas recordações, pelo menos a avaliar pela forma desinibida como se bateu com “gigantes” como a Costa do Marfim, Tunísia e a Nigéria.
publicado por desporto às 09:41

CAN-2010 - Mescla de confiança e receio

EGIPTO, campeão africano sete vezes, e detentor do título, a Nigéria, duas vezes campeã, e Benin, o “ilustre” desconhecido, são as três selecções que Moçambique vai encontrar no Grupo C do Campeonato Africano de Futebol (CAN) que decorrerá em Angola de 10 a 31 de Janeiro.
João Chissano, que se estreou no comando do Costa do Sol neste ano, disse que o adiamento é prejudial para aquilo que foi a programação dos “canarinhos”.

Contactados pela nossa reportagem, os internacionais moçambicanos Momed Hagy e Danito Parruque e o treinador do Costa do Sol e ex-

“Mamba”, João Chissano, reagiram ao sorteio, acreditando numa agradável prestação da equipa moçambicana, mas deixaram transparecer algum receio, pois numa competição onde desfilarão as 16 melhores do Continente Africano todo o cuidado é pouco!



As opiniões destes desportistas revelam, de uma maneira geral, que quando os “Mambas” deixarem Maputo com destino a Benguela, cidade Angola que albergará o Grupo C, a sua bagagem estará carregada de firmeza e dedicação que serão postas em campo em cada partida realizada.


Momed Hagy, médio-centro do Ferroviário de Maputo

Todos são unânimes em afirmar que bastará cada“Mamba”

demonstrar o mesmo arrojo exibido aquando da fase de qualificação, para ter meio caminho andado, ou seja ganhar um jogo pela primeira vez e passar da fase de grupos.



Um sonho que, para os jogadores e o treinador, tem tudo para se tornar realidade desde que haja o mesmo espírito de entreajuda. Aliás, a experiência da equipa nacional em desafios diante de grandes selecções traz boas recordações, pelo menos a avaliar pela forma desinibida como se bateu com “gigantes” como a Costa do Marfim, Tunísia e a Nigéria.
publicado por desporto às 09:41

CAN-2010 - Não há equipas fáceis – afirma Danito Parruque

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5408331722678075714" />
“O CAN é uma prova em que participam as melhores selecções africanas, por isso logo à partida sabemos que todos os adversários que enfrentamos têm qualidade. Não há adversários fáceis.


Danito afirmou ainda que o grupo de Moçambique é constituído por equipas com muito valor

Temos que aceitar os adversários do nosso grupo e preparamo-nos para vencer esta batalha”, disse Danito Parruque, jogador da Selecção Nacional e dos“locomotivas”da capital do país, perspectivando uma tarefa árdua para a equipa moçambicana no CAN.



Danito afirmou ainda que o grupo de Moçambique é constituído por equipas com muito valor, embora admita não ter muitos dados sobre o Benin.



“Como se sabe a Nigéria e o Egipto são candidatos à conquista do CAN. Têm muita experiência em provas do género e são sempre favoritos. Não conheço muito bem o Benin, mas se conseguiu estar entre as 16 melhores selecções africanas é porque tem qualidade”.



Todavia, Danito Parruque assegura que a Selecção Nacional não se deixará influenciar pelo maior poderio de algumas equipas e irá apresentar-se com a mesma galhardia e determinação da fase de qualificação.

CAN-2010 - Não há equipas fáceis – afirma Danito Parruque

id="BLOGGER_PHOTO_ID_5408331722678075714" />
“O CAN é uma prova em que participam as melhores selecções africanas, por isso logo à partida sabemos que todos os adversários que enfrentamos têm qualidade. Não há adversários fáceis.


Danito afirmou ainda que o grupo de Moçambique é constituído por equipas com muito valor

Temos que aceitar os adversários do nosso grupo e preparamo-nos para vencer esta batalha”, disse Danito Parruque, jogador da Selecção Nacional e dos“locomotivas”da capital do país, perspectivando uma tarefa árdua para a equipa moçambicana no CAN.



Danito afirmou ainda que o grupo de Moçambique é constituído por equipas com muito valor, embora admita não ter muitos dados sobre o Benin.



“Como se sabe a Nigéria e o Egipto são candidatos à conquista do CAN. Têm muita experiência em provas do género e são sempre favoritos. Não conheço muito bem o Benin, mas se conseguiu estar entre as 16 melhores selecções africanas é porque tem qualidade”.



Todavia, Danito Parruque assegura que a Selecção Nacional não se deixará influenciar pelo maior poderio de algumas equipas e irá apresentar-se com a mesma galhardia e determinação da fase de qualificação.