Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Luta pelos títulos agita nadadores da capital - Campeonato arranca hoje na piscina da ANCM


O CAMPEONATO de Natação da Cidade de Maputo tem início esta tarde, na piscina Raimundo Franisse e rodará oito jornadas. Perto de 300 nadadores desfilarão na prova, em representação dos Clubes Golfinhos, Ferroviário, Desportivo, Tubarões e Associação dosTrabalhadores do Banco de Moçambique.
 

Este campeonato tem a particularidade da organização ter introduzido os novos moldes de classificação, que passam a ser por medalhas e não pela pontuação como acontecia antes. As medalhas serão entregues aos melhores no fim de cada jornada.

Para a premiação, estão disponíveis troféus para o primeiro até ao terceiro classificado individual e colectivamente.  

O Golfinhos parte com maior favoritismo para esta prova face à saída de alguns nadadores preponderantes no Ferroviário, que é o seu principal rival. Aliás, os “golfinhos” e os “locomotivas” têm vindo a partilhar os títulos e conquistas das diversas provas organizadas internamente. Porém, o Golfinhos tem estado na dianteira nas últimas edições e ganhou maior tarimba esta época com a participação em vários torneios nas vizinhas Suazilândia e África do Sul. 

O Ferroviário perdeu os irmãos Leonel e Gerúsio Matonse, em seniores masculinos, Jannat e Allan Bique, iniciada e infantil, nadadores que mais contribuíram para as diversas conquistas dos “locomotivas” nos últimos anos. O quarteto passa a representar o Tubarões, que é um dos clubes recém-nascidos na cidade de Maputo.

O campeonato que se inicia hoje prolongar-se-á até 21 do mês em curso. O dia de hoje está reservado à primeira jornada, que será antecedida pelo desfile dos atleta às 17.00 horas. A ronda inaugural comporta 12 provas, nomeadamente 50 metros bruços, 200 livres e 400 estilos, desde pré-iniciados até aos seniores. 

A organização prevê maior competitividade tendo em conta que alguns atletas estiveram recentemente envolvidos em competições internacionais, como é o caso dos Jogos da SADC ( SCSA), na África do Sul, e no Torneio da Juventude, na Índia. 

Luta pelos títulos agita nadadores da capital - Campeonato arranca hoje na piscina da ANCM


O CAMPEONATO de Natação da Cidade de Maputo tem início esta tarde, na piscina Raimundo Franisse e rodará oito jornadas. Perto de 300 nadadores desfilarão na prova, em representação dos Clubes Golfinhos, Ferroviário, Desportivo, Tubarões e Associação dosTrabalhadores do Banco de Moçambique.
 

Este campeonato tem a particularidade da organização ter introduzido os novos moldes de classificação, que passam a ser por medalhas e não pela pontuação como acontecia antes. As medalhas serão entregues aos melhores no fim de cada jornada.

Para a premiação, estão disponíveis troféus para o primeiro até ao terceiro classificado individual e colectivamente.  

O Golfinhos parte com maior favoritismo para esta prova face à saída de alguns nadadores preponderantes no Ferroviário, que é o seu principal rival. Aliás, os “golfinhos” e os “locomotivas” têm vindo a partilhar os títulos e conquistas das diversas provas organizadas internamente. Porém, o Golfinhos tem estado na dianteira nas últimas edições e ganhou maior tarimba esta época com a participação em vários torneios nas vizinhas Suazilândia e África do Sul. 

O Ferroviário perdeu os irmãos Leonel e Gerúsio Matonse, em seniores masculinos, Jannat e Allan Bique, iniciada e infantil, nadadores que mais contribuíram para as diversas conquistas dos “locomotivas” nos últimos anos. O quarteto passa a representar o Tubarões, que é um dos clubes recém-nascidos na cidade de Maputo.

O campeonato que se inicia hoje prolongar-se-á até 21 do mês em curso. O dia de hoje está reservado à primeira jornada, que será antecedida pelo desfile dos atleta às 17.00 horas. A ronda inaugural comporta 12 provas, nomeadamente 50 metros bruços, 200 livres e 400 estilos, desde pré-iniciados até aos seniores. 

A organização prevê maior competitividade tendo em conta que alguns atletas estiveram recentemente envolvidos em competições internacionais, como é o caso dos Jogos da SADC ( SCSA), na África do Sul, e no Torneio da Juventude, na Índia. 

Jogos da SADC (SCSA): Moçambique é um colosso na África Austral - Simão Mataveia, treinador da Selecção Nacional de Basquetebol Feminina de Sub-18


A SELECÇÃO Nacional de Basquetebol Feminino de Sub-18 conquistou quinta-feira à noite a única medalha de ouro para Moçambique na terceira edição dos Jogos Desportivos da SADC (SCSA), decorridos na cidade sul-africana de Potchefstroom. Aliás, foi apenas a confirmação da superioridade do basquetebol nacional além-fronteiras, depois de o ter feito na edição anterior na Namíbia. E esta preciosa medalha tem um sabor especial por ter sido arrancada frente à rival Angola, que tudo fez para contrariar a superioridade dos moçambicanos. No final do jogo, ainda emocionado, Simão Mataveia disse ao “Notícias” que “esta medalha veio a confirmar que Moçambique é um colosso na África Austral”.
 

As jogadoras abraçavam-se. O público já havia invadido o “parket” para felicitar as heroínas, quando a nossa Reportagem encostou o gravador ao técnico Simão Mataveia, para fazer a análise de um jogo muito sofrido no início, mas que acabou com uma diferença abismal de 30 pontos de diferença (71-41).

Simão Mataveia sem rodeios, começou por dizer que “o jogo foi um pouco difícil na medida em que entrámos com um pouco de ansiedade. Na primeira parte enfrentámos algumas dificuldades, porque não conseguíamos impor o nosso jogo. A equipa esteve algo nervosa, mas ao longo da partida fomo-nos concentrando e acabamos por fazer, acho eu, um grande jogo e ganhámos com toda justiça, apesar de ter sido difícil no primeiro período”.

Moçambique sofreu a bem sofrer no primeiro período, que terminou a perder por um ponto de diferença, mas a calma e inteligência das jogadoras acabou por vir ao de cima e aos poucos foi-se acreditando que se poderia ganhar. E ganhou-se muito bem, por 71-41, facto que leva Mataveia a afirmar que o básquete feminino moçambicano está acima da média na Zona VI. “Os números falam por si. Penso que a nível da região as outras selecções têm estado a trabalhar muito pouco no escalão de femininos. Isto até certo ponto tem-nos prejudicado. Já é altura das equipas oferecerem resistência para vermos se também podemos melhorar, porque a continuarmos assim, fica um pouco difícil fazermos uma avaliação exaustiva daquilo que é a nossa prestação. Mas julgo que Moçambique naquilo que é o escalão de femininos, está a trabalhar bem e a hegemonia está patente. É a terceira vez, nas três edições, que conseguimos resultados com larga vantagem sobre os nossos adversários.

Por isso, estão de parabéns as meninas. Está de parabéns o país. Tivemos aqui uma superioridade notável e penso que Moçambique a nível da África Austral é mesmo um colosso”.

De salientar que esta equipa de basquetebol feminino não perdeu nenhum jogo ao longo desta terceira edição dos Jogos da SADC e nalguns casos conseguiu resultados estrondosos.

Jogos da SADC (SCSA): Moçambique é um colosso na África Austral - Simão Mataveia, treinador da Selecção Nacional de Basquetebol Feminina de Sub-18


A SELECÇÃO Nacional de Basquetebol Feminino de Sub-18 conquistou quinta-feira à noite a única medalha de ouro para Moçambique na terceira edição dos Jogos Desportivos da SADC (SCSA), decorridos na cidade sul-africana de Potchefstroom. Aliás, foi apenas a confirmação da superioridade do basquetebol nacional além-fronteiras, depois de o ter feito na edição anterior na Namíbia. E esta preciosa medalha tem um sabor especial por ter sido arrancada frente à rival Angola, que tudo fez para contrariar a superioridade dos moçambicanos. No final do jogo, ainda emocionado, Simão Mataveia disse ao “Notícias” que “esta medalha veio a confirmar que Moçambique é um colosso na África Austral”.
 

As jogadoras abraçavam-se. O público já havia invadido o “parket” para felicitar as heroínas, quando a nossa Reportagem encostou o gravador ao técnico Simão Mataveia, para fazer a análise de um jogo muito sofrido no início, mas que acabou com uma diferença abismal de 30 pontos de diferença (71-41).

Simão Mataveia sem rodeios, começou por dizer que “o jogo foi um pouco difícil na medida em que entrámos com um pouco de ansiedade. Na primeira parte enfrentámos algumas dificuldades, porque não conseguíamos impor o nosso jogo. A equipa esteve algo nervosa, mas ao longo da partida fomo-nos concentrando e acabamos por fazer, acho eu, um grande jogo e ganhámos com toda justiça, apesar de ter sido difícil no primeiro período”.

Moçambique sofreu a bem sofrer no primeiro período, que terminou a perder por um ponto de diferença, mas a calma e inteligência das jogadoras acabou por vir ao de cima e aos poucos foi-se acreditando que se poderia ganhar. E ganhou-se muito bem, por 71-41, facto que leva Mataveia a afirmar que o básquete feminino moçambicano está acima da média na Zona VI. “Os números falam por si. Penso que a nível da região as outras selecções têm estado a trabalhar muito pouco no escalão de femininos. Isto até certo ponto tem-nos prejudicado. Já é altura das equipas oferecerem resistência para vermos se também podemos melhorar, porque a continuarmos assim, fica um pouco difícil fazermos uma avaliação exaustiva daquilo que é a nossa prestação. Mas julgo que Moçambique naquilo que é o escalão de femininos, está a trabalhar bem e a hegemonia está patente. É a terceira vez, nas três edições, que conseguimos resultados com larga vantagem sobre os nossos adversários.

Por isso, estão de parabéns as meninas. Está de parabéns o país. Tivemos aqui uma superioridade notável e penso que Moçambique a nível da África Austral é mesmo um colosso”.

De salientar que esta equipa de basquetebol feminino não perdeu nenhum jogo ao longo desta terceira edição dos Jogos da SADC e nalguns casos conseguiu resultados estrondosos.

Liga Nacional de Basquetebol: Ferroviário e Maxaquene em vantagem nos “play-off”


FERROVIÁRIO e Maxaquene ficaram em boa posição para chegar à final da Liga Nacional de Basquetebol em seniores masculinos, após vencerem Costa do Sol e Desportivo, respectivamente, no primeiro desafio dos “play-off” realizado ontem no pavilhão dos “tricolores”.  

 
Os “locomotivas”, primeiros a entrar em acção, ganharam, por 66-61 enquanto os “tricolores” venceram, por 78-57. 

Ferroviário e Maxaquene colocam-se na linha da frente para seguir para a final, e podem carimbar o passaporte, caso voltem a triunfar hoje no segundo jogo.

O “play-off”, o equivalente às meias-finais, neste caso, disputa-se a melhor de três jogos, no entanto se uma equipa obtiver duas vitórias consecutivas transita para a final, que será disputada nos mesmos moldes.

As previsões em relação a quem serão os finalistas pendem o Ferroviário e Maxaquene, até porque se dúvidas houvesse, estas terão ficado, ontem, decepadas.

Aliás, no lançamento dos “play-off” os vaticínios eram favoráveis aos comandados de Niquice e Horário Martins, treinadores de Ferroviário e Maxaquene, pois haviam tido uma excelente prestação na primeira fase.

Exibiram um melhor básquete e sobretudo uma maior qualidade, tendo conseguido por isso o apuramento para os “play-off” de maneira folgada. 

Traçados os cenários pode-se dizer que Ferroviário e Maxaquene são os principais a sagrarem-se “reis” da bola-ao-cesto.

Liga Nacional de Basquetebol: Ferroviário e Maxaquene em vantagem nos “play-off”


FERROVIÁRIO e Maxaquene ficaram em boa posição para chegar à final da Liga Nacional de Basquetebol em seniores masculinos, após vencerem Costa do Sol e Desportivo, respectivamente, no primeiro desafio dos “play-off” realizado ontem no pavilhão dos “tricolores”.  

 
Os “locomotivas”, primeiros a entrar em acção, ganharam, por 66-61 enquanto os “tricolores” venceram, por 78-57. 

Ferroviário e Maxaquene colocam-se na linha da frente para seguir para a final, e podem carimbar o passaporte, caso voltem a triunfar hoje no segundo jogo.

O “play-off”, o equivalente às meias-finais, neste caso, disputa-se a melhor de três jogos, no entanto se uma equipa obtiver duas vitórias consecutivas transita para a final, que será disputada nos mesmos moldes.

As previsões em relação a quem serão os finalistas pendem o Ferroviário e Maxaquene, até porque se dúvidas houvesse, estas terão ficado, ontem, decepadas.

Aliás, no lançamento dos “play-off” os vaticínios eram favoráveis aos comandados de Niquice e Horário Martins, treinadores de Ferroviário e Maxaquene, pois haviam tido uma excelente prestação na primeira fase.

Exibiram um melhor básquete e sobretudo uma maior qualidade, tendo conseguido por isso o apuramento para os “play-off” de maneira folgada. 

Traçados os cenários pode-se dizer que Ferroviário e Maxaquene são os principais a sagrarem-se “reis” da bola-ao-cesto.

Campeonato Nacional do Ensino Médio e Superior: Sofala e Inhambane fizeram a festa!


AS províncias de Sofala e Inhambane, em masculinos e femininos, respectivamente, foram as grandes vencedoras do Campeonato  Nacional de Ensino Médio e Superior que se realizou em Tete. 
 

A província de Sofala arrecadou duas medalhas de ouro ao ocupar a primeira posição em voleibol e basquetebol. Na final de voleibol realizada no sábado venceu a equipa da província de Manica, por 3-2, enquanto no básquete derrotou a colectividade da cidade de Maputo, por 69-57. A província de Tete e Manica classificaram-se na segunda e terceira posições, respectivamente.

Em femininos, a equipa de Inhambane conquistou duas medalhas de ouro e uma de prata no atletismo. A província do Niassa ficou na segunda posição ao conquistar duas medalhas de ouro no atletismo.

A nível individual, Niassa esteve na mó de cima, visto que Albertina Paulo, especialista nos 2000 e 5000 metros, foi considerada a melhor atleta da prova.

A província de Gaza ficou em terceiro lugar com uma medalha de ouro e prata e duas de bronze. As medalhas foram arrecadadas no futebol e atletismo.

CLASSIFICAÇÃO GERAL


Masculinos:

Sofala - 2 de ouro, Tete 1 de ouro, 2 de prata, 1 de bronze; Manica - 1 de ouro, 2 de prata, e 1 de bronze.

Femininos:
Inhambane - 2 de ouro e 1 de prata; Niassa - 2 de ouro e Gaza - 1 de ouro, 1 de prata e 2 de bronze.

Campeonato Nacional do Ensino Médio e Superior: Sofala e Inhambane fizeram a festa!


AS províncias de Sofala e Inhambane, em masculinos e femininos, respectivamente, foram as grandes vencedoras do Campeonato  Nacional de Ensino Médio e Superior que se realizou em Tete. 
 

A província de Sofala arrecadou duas medalhas de ouro ao ocupar a primeira posição em voleibol e basquetebol. Na final de voleibol realizada no sábado venceu a equipa da província de Manica, por 3-2, enquanto no básquete derrotou a colectividade da cidade de Maputo, por 69-57. A província de Tete e Manica classificaram-se na segunda e terceira posições, respectivamente.

Em femininos, a equipa de Inhambane conquistou duas medalhas de ouro e uma de prata no atletismo. A província do Niassa ficou na segunda posição ao conquistar duas medalhas de ouro no atletismo.

A nível individual, Niassa esteve na mó de cima, visto que Albertina Paulo, especialista nos 2000 e 5000 metros, foi considerada a melhor atleta da prova.

A província de Gaza ficou em terceiro lugar com uma medalha de ouro e prata e duas de bronze. As medalhas foram arrecadadas no futebol e atletismo.

CLASSIFICAÇÃO GERAL


Masculinos:

Sofala - 2 de ouro, Tete 1 de ouro, 2 de prata, 1 de bronze; Manica - 1 de ouro, 2 de prata, e 1 de bronze.

Femininos:
Inhambane - 2 de ouro e 1 de prata; Niassa - 2 de ouro e Gaza - 1 de ouro, 1 de prata e 2 de bronze.

Moçambola em retrospectiva


A DIRECÇÃO da Liga Moçambicana de Futebol (LMF) reúne-se hoje na capital do país com os diferentes patrocinadores do Moçambola com o objectivo de analisar o campeonato deste ano e perspectivar o próximo, cujo arranque está previsto para os primeiros meses de 2009.
 

Trata-se de uma reunião habitual entre os organizadores do Campeonato Nacional de Futebol e os respectivos patrocinadores, na qual cada um vai ter que exprimir o que lhe vem no íntimo, de modo que a prova continue a decorrer sem sobressaltos.

Outro ponto da agenda prende-se com a apresentação do caderno de encargos aos patrocinadores para o Moçambola-2009, uma vez que entraram novos “inquilinos”, o que pressupõe mais custos, apesar do presidente da LMF, continuar a afirmar que o orçamento da próxima temporada não fugirá muito do deste ano.Recorde-se que na prova deste ano, a LMF enfrentou algumas dificuldades devido ao desembolso tardio de fundos por parte dos patrocinadores, mas felizmente, a prova terminou sem sobressaltos. Porém, fica um aviso à navegação: as coisas não podem continuar assim!

Moçambola em retrospectiva


A DIRECÇÃO da Liga Moçambicana de Futebol (LMF) reúne-se hoje na capital do país com os diferentes patrocinadores do Moçambola com o objectivo de analisar o campeonato deste ano e perspectivar o próximo, cujo arranque está previsto para os primeiros meses de 2009.
 

Trata-se de uma reunião habitual entre os organizadores do Campeonato Nacional de Futebol e os respectivos patrocinadores, na qual cada um vai ter que exprimir o que lhe vem no íntimo, de modo que a prova continue a decorrer sem sobressaltos.

Outro ponto da agenda prende-se com a apresentação do caderno de encargos aos patrocinadores para o Moçambola-2009, uma vez que entraram novos “inquilinos”, o que pressupõe mais custos, apesar do presidente da LMF, continuar a afirmar que o orçamento da próxima temporada não fugirá muito do deste ano.Recorde-se que na prova deste ano, a LMF enfrentou algumas dificuldades devido ao desembolso tardio de fundos por parte dos patrocinadores, mas felizmente, a prova terminou sem sobressaltos. Porém, fica um aviso à navegação: as coisas não podem continuar assim!