Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

Básquete feminino: Mensagem dos atletas inspirou Ana Azinheira

Ana Flavia

CAUSOU estupefacção a muita gente ver Ana Flávia Azinheira, escolhida para efectuar a leitura do juramento dos atletas, na cerimónia de abertura, o fazer em inglês e, no fim, mencionar a data em… português. No entanto, ao que tudo indica, o facto de a basquetista ter estado sob os holofotes de África e, quiçá, do mundo, pode ter servido de inspiração, pois ontem à noite, frente à RD Congo, ela foi simplesmente arrasadora, contribuindo decisivamente para o triunfo moçambicano pela marca de 67-53.

 

 

Com o pavilhão do Desportivo, novamente, a rebentar pelas costuras – o público questiona: por que não o Maxaquene? – a forma esclarecida como actuou a nossa selecção, particularmente na ponta final, altura em que não permitiu quaisquer veleidades às congolesas, foi mais um testemunho das suas capacidades para chegar ao pódio. E os espectadores gostaram, saíram satisfeitos e orgulhosos das suas meninas.

 

 

É verdade que nem sempre as anfitriãs pisaram solos dourados, pois as congolesas ofereceram uma forte réplica e, inclusive, chegaram à vantagem no marcador, porém, quando se tem Deolinda Ngulela inspirada na posição de comando da equipa, Ana Flávia Azinheira e as “guerreiras” Leia Dongue e Odélia Mafanela na concretização, há motivos de sobra para se estar descansado.

 

 

Aliás, porque a RD Congo sempre pautou pela procura do melhor resultado possível, mantendo uma vantagem não confortável para Moçambique, as nossas jogadoras viram-se obrigadas a uma ponta final de grande categoria, vincando de forma inequívoca a sua superioridade, razão bastante para mais uma festa no pavilhão dos “alvi-negros”.

 

 

Jogaram e marcaram: Valerdina Manhonga (2), Deolinda Ngulela (8), Ana Flávia Azinheira (14), Anabela Cossa (2), Zinóbia Machanguana (4), Cátia Halar (0), Carla Silva (0), Leia Dongue (15), Ruth Muianga (2), Ondina Nhampossa (2), Odélia Mafanela (12) e Deolinda Gimo (6).

Hoje, as responsabilidades já são mais acrescidas, tendo em conta o peso do adversário: Nigéria, em desafio marcado para 19.30 horas.
Fonte:Jornal Noticias

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.