Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

JOGOS DA COMMONWEALTH - Mais três de fora!


A XIX EDIÇÃO dos Jogos da Commonwealth entrou ontem para o segundo dia de competição, numa altura em que os atletas moçambicanos vão ficando pelo caminho e com resultados muito aquém das expectativas. Ontem, por exemplo, os nadadores Chaquil Camal, nos 50 metros mariposa, Mónica Bernardo e Géssica Stagno, ambas nos 100 livres, nem sequer passaram da primeira eliminatória e com marcas desastrosas. Entretanto, hoje entra em cena o atletismo, com Elisa Cossa a tomar parte na prova dos 400 metros.



Não se exigiam e nem se exigem medalhas aos atletas moçambicanos. A missão foi clara logo à partida de Maputo: melhorar os tempos. A verdade, porém, é que nas inscrições para esta competição as nossas nadadoras nem sequer vinham com registo das suas marcas, contrariamente aos restantes participantes. Mas o que ontem aconteceu foi desastroso, se atendermos que tanto Mónica Bernardo como Chaquil Camal, que nadam fora do país e têm alguma experiência neste tipo de eventos, nem sequer transitaram para a segunda eliminatória, o mesmo acontecendo com Géssica Stagno.

Chaquil Camal foi simplesmente desastrado nos 50 metros mariposa, ao posicionar-se em 34º lugar na classificação geral, com o registo de 28.11 segundos, num universo de 42 atletas. Refira-se que o primeiro classificado percorreu a distância em 23.61 segundos e o segundo em 23.66. A diferença de tempo entre o nosso nadador e os primeiros classificados é abismal. Até porque nesta primeira eliminatória muitos participantes não se esforçaram, reservando energias para as etapas subsequentes.



O mesmo se pode dizer em relação à dupla Mónica/Géssica. A primeira, que já tinha realizado três provas no dia anterior – 50 bruços e mariposa, nesta última a chegar às meias-finais –, ainda foi a melhor no confronto directo com a sua compatriota, pois ficou em 31º lugar na geral, com 1.02.89 minuto, relegando Stagno para a modesta 36ª posição, com 1.05.46 minuto.

Se considerarmos que a primeira classificada, uma austríaca, registou o tempo de 55.06 segundos, podemos concluir (sem nenhuma pretensão de ofensa) que quando se cortou a meta, as nossas nadadoras ainda estavam no meio de percurso. E temos que considerar que estes tempos ainda podem melhorar, pois, por aquilo que presenciamos, alguns atletas não se têm esforçado nas primeiras eliminatórias, enquanto os nossos têm dado o seu máximo.

Porém, o caminho a percorrer nesta competição ainda é muito longo, uma vez que só hoje é que arrancam as provas de atletismo, com a entrada em acção de Elisa Cossa, nos 400 metros. Ainda esta manhã, vai competir Chaquil Camal nos 100 metros estilos e nos 100 mariposa.

Apesar de se tratar de uma atleta bastante experiente e com um currículo invejável em participações neste tipo de eventos, acreditamos que Elisa Cossa não traga, desta vez, nenhuma novidade, atendendo que terá ao lado adversárias doutra galáxia, principalmente das Bahamas e outras tantas ilhas sob tutela inglesa, sem nos esquecermos das quenianas. Esperemos que a prestação de Moçambique melhore nos próximos dias, pois ainda faltam competir Kurt Couto, Kuzanai Alberto e Leonor Piúza.

Gil Carvalho, em Nova Deli