Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

31.Mai.10

MOÇAMBOLA-2010 - Vilankulo FC, 1 Ferroviário de Pemba, 0: Pembenses não sobrevivem no “inferno” de Vilankulo

NO sábado, os comandados de Flin, tiveram algumas dificuldades para manterem a tradição de não perderem jogos em casa. O Ferroviário de Pemba sob batuta de Arnaldo Ouana complicou muito as manobras da equipa local, que precisou de oitenta e oito minutos para a violar a baliza contrária.

Os pembenses entraram a pressionar na perspectiva de confundir o adversário na sua própria casa. Arnaldo Ouana montou um esquema táctico que dificultou o jogo rente à relva, característica de Flin quando joga em casa. Cachimo pela esquerda, Animal pelo meio e Abidala pela direita, na intermediária, tudo fizeram para que os donos da casa não se aproximassem da sua área. Marito e Issa travavam uma luta titânica com o Mac, o goleador-mor de Vilankulo.

Aos quinze minutos, Jaimito fez a primeira intervenção, socando o esférico para canto num livre cobrado por Hermínio. Dois minutos depois foi Bila a salvar o barco quando Cachimo rematou forte com Jaimito longe da trajectória da bola. O Pemba controlava as operações no meio-campo onde Sérgio, médio esquerdo do Vilankulo, era autêntico corredor.

Vilankulo a pouco e pouco foi se desfazendo deste período mau, mas tinha em Paiva Dias, juiz da partida, um verdadeiro adversário, que ia cortando as jogadas de grande perigo na área dos forasteiros. Aliás, foi no primeiro tempo que aconteceu o caso do jogo. Vilankulo ganha um pontapé de canto fruto de tabelinha entre Félio e Edgar, na cobrança, Bila enviou a bola para área, na tentativa de aliviar, Dula tocou-a com a mão na pequena área, Célio Mugabe, o auxiliar que assistiu tudo de perto, simplesmente ficou estático no terreno, numa altura em que os próprios jogadores do Pemba estavam parados à espera do apito do árbitro. Paiva Dias mandou prosseguir a jogada, perante protesto do público.

No reatamento, Arnaldo Ouana, aparentemente satisfeito com a postura da equipa, não mexeu no onze inicial, pese embora tenha sentido o agigantamento do adversário. Flin não satisfeito com a produção dos seus pupilos deixou Sergito nos balneários e no seu lugar voltou com Titos, um ponta-de-lança adaptado a médio esquerdo.

O Ferroviário continuava perigoso. Flin chamou Adino para o lugar de Edgar, uma substituição quanto a nós, forçada, pois, Edgar, brigava com os defesas e ia criando espaço para a entrada de Mac. Adino, algo nervoso, andou perdido no terreno até que acertou com a entrada de Belo que ocupou o seu lugar habitual, médio esquerdo por onde começaram a sair despejos para a área. Titos passou a ser o segundo ponta-de-lance, trocando sempre de posição com Félio. Adino recuou jogando em paralelo com Jossias no meio-campo.

Aos poucos, o Vilankulo foi “alugando” o meio-campo do adversário, onde Félio sempre criou dores de cabeça com a bola colada no pé, bem como nos livres. Aos 88 minutos Félio levantou o estádio. Belo “rouba” a bola e mete em profundidade, onde apareceu o sempre irrequieto Félio, que puxou a bola para a grande área, sendo empurrado por Fido. Luís Santiago, o segundo arbitro auxiliar que acompanhava a jogada, não perdoou, levantou a bandeirola e Paiva Dias assinalou o penalte.

Joe, “capitão” da equipa, especialista nos livres dos onze metros, atirou a contar para o alívio dos cerca de quatro mil espectadores.Não havendo mais nada, Ouana tentou forçar o jogo. Numa sentada lançou Maduro e Telinho, numa altura em que Paiva Dias, algo contrariado, mandou jogar mais sete minutos para além dos noventa, mesmo apupado pelo público. Foi um tempo de bastante sufoco para a baliza de Jaimito.

Paiva Dias terá sido traído por Célio Mugabe ao não assinalar um lance de grande penalidade no final da primeira parte.

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO: Paiva Dias, auxiliado por Célio Mugabe e Luís Santiago. Bernardino dos Santos foi quarto árbitro,

VILANKULO FC: Jaimito; Joe, Mambucho, Tcharles e Bila; Jossias, Zé Cumbe, Sergito (Titos) e Félio; Mac (Belo) e Edgar (Adino).

FERROVIÁRIO DE PEMBA: Bonifácio; Marito, Issa, Abdala, Azize, Animal, Cachimo (Telinho) Dula, Fido, Zuaia (Maduro) e Hermínio

ACÇÃO DISCIPLINAR: cartões amarelos para Tcharles, do Vilankulo por contestar decisões do árbitro, e Fido por jogo perigoso.

Golo de Joe na transformação de uma grande penalidade aos 88 minutos.

Victorino Xavier