Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

JOGOS DA CPLP - Medalha de prata já cá reluz


O PAÍS quer muito. Quer cumprir com os seus objectivos de organizar a festa e também dançar activamente, conquistando, por via disso, medalhas. Ontem, Moçambique ganhou a sua primeira medalha na sétima edição dos Jogos Desportivos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

Não é de ouro. Trata-se, isso sim, de uma medalha de prata, e de maneira nenhuma deslustra, antes pelo contrário, um justíssimo prémio ao esforço e abnegação da nossa selecção de ténis feminino, constituída pelas jovenzinhas Kiara Maher, Cláudia Sumaia e Ilga Adolfo José, que de prata ao peito reluzem o país neste evento que já caminha para o seu epílogo. E porque o fim se aproxima, entra hoje em cena uma das modalidades mais espectaculares desta competição: o atletismo, a partir das 9.30 horas, na ora reconstituída pista do Parque dos Continuadores
.



Depois de emotivas partidas realizadas no período da manhã, a contar para a derradeira jornada, os “courts” do Jardim Tunduru tiveram à tarde o privilégio de acolher a primeira premiação dos Jogos da CPLP. Numa cerimónia caracterizada por muita alegria e animação, a medalha de prata da turma moçambicana foi motivo de uma saudação especial por parte do público presente naquele recinto, até porque as jogadoras são das mais novas do torneio, casos de Cláudia Sumaia, de 14 anos e que no dia da abertura do evento foi quem leu o juramento dos atletas, e de Kiara Maher, de 15.

Aliás, Kiara Maher toma parte no evento pela segunda vez, depois de o ter feito há dois anos, no Rio de Janeiro, Brasil. Nessa altura, ganhou a medalha de bronze e agora, em Maputo, chega à prata, um facto que festejou de forma incontida, embora desencantada por não poder concretizar o sonho do ouro, em 2012, em Portugal, uma vez que, com 17 anos, estará fora da faixa dos 16, a idade-limite desta competição que aglutina os oito países falantes da língua portuguesa
.

Efectuando em cada jornada dois desafios de singulares e um de pares, o triunvirato nacional começou por vencer Guiné-Bissau por 2-1, derrotar Angola pela marca de 3-0 e perder com Portugal por 3-0.

Mas se na classe feminina Moçambique esteve em plano destaque, em masculinos, as chances de pelo menos atingir a medalha de bronze se esfumaram ontem de manhã, quando a selecção perdeu diante de Cabo Verde por 3-0, acabando por se quedar na quarta posição.

Formada por Emílio Arão Ricardo, Frank Fungante e Danúbio Madalena, a turma nacional teve muitas dificuldades no encontro de estreia, frente a Timor-Leste, apesar de ter ganho por 3-0. Depois, seguiram-se sucessivas derrotas diante da Guiné-Bissau, Angola, Portugal e Cabo Verde pelo mesmo resultado.

Entretanto, o grande vencedor do torneio de ténis dos sétimos Jogos da CPLP foi Portugal. A selecção lusitana conquistou medalhas de ouro em ambos os sexos, fazendo jus ao favoritismo que já lhe assistia mesmo antes do início das provas, a avaliar pela qualidade técnica dos seus jogadores. Os portugueses saem de Maputo dourados e com uma gigantesca taça, para além da missão de defender estes títulos em 2012, no seu solo.

Em masculinos, a medalha de prata foi Angola e a de bronze Cabo Verde, enquanto em femininos, para além de portuguesas e moçambicanas, primeiras e segundas classificadas, respectivamente, o terceiro lugar (bronze) ficou com as angolanas.



O REI ATLETISMO



Se não fosse a prata que desde ontem ostentámos no ténis feminino e a vitória no vólei masculino frente a Portugal, o dia teria sido desastroso em absoluto para os anfitriões. É que, no período da tarde e em modalidades onde ainda aspirávamos alguma medalha, as nossas selecções foram literalmente derrotadas: o andebol diante das portuguesas e o basquetebol perante Brasil, praticamente deitando abaixo qualquer hipótese de alcançar um lugar no pódio.

E tudo isto acontece numa altura em que o rei atletismo começa a marcar a sua presença, facto a suceder esta manhã, no Parque dos Continuadores. As esperanças por parte dos nossos seleccionados são muito grandes, até porque cada medalha tem o seu peso na classificação final
.

Esta modalidade, que contempla também provas para pessoas com deficiência, promete muita espectacularidade e corridas bastante renhidas, com Angola a apresentar-se como a maior candidata ao título, tendo em conta as prestações anteriores, sobrendo no Rio de Janeiro.Hoje, para além do atletismo, cujo torneio decorre até amanhã, o nosso país defronta Guiné-Bissau em andebol, S. Tomé e Príncipe em basquetebol, Angola em futebol e em vólei masculino.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.