Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

MUNDIAL-2010 - África saúda empate dos marfinenses

 


COSTA de Marfim quase dava uma nova alegria aos africanos no embate com Portugal, disputado ontem no Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, na abertura do Grupo G da Copa do Mundo, mas mesmo assim o empate a 0-0 foi suficiente para o continente entrar em delírio. Entretanto, hoje a África do Sul volta à competição para a segunda jornada do Grupo A frente ao Uruguai, depois de ter empatado a um tento na abertura com o México.



Didier Drogba teve a oportunidade ímpar de violar a baliza portuguesa já na ponta final do encontro, mas não teve a opção certa quando, ao invés de cruzar, optou pelo cruzamento para a “terra de ninguém”.

Aliás, o Estádio Nelson Mandela Bay registou um momento de grande emoção aos 66 minutos, quando a estrela marfinense foi lançada em campo pelo técnico Sven-Goran Eriksson.

O encontro foi extremamente equilibrado – como se esperava -, mas Portugal teve igualmente uma excelente oportunidade muito antes da entrada de Drogba, quando Cristiano Ronaldo acertou no poste da baliza africana.

Num jogo disputado debaixo de muito frio e, na segunda parte, alguma chuva, esperava-se muito dos ataques das duas selecções, mas acabaram sendo as defesas a ter o papel mais importante no Estádio Nelson Mandela Bay. Um enorme rigor e muita atenção às movimentações adversárias impediram os golos e levaram o 0-0 até à final, num resultado que não altera, em nada, a ambição das duas selecções no Grupo G deste Mundial.

Depois de um início de jogo algo lento, com as duas selecções a mostrarem muito respeito uma pela outra, eis que, aos 11 minutos, Ronaldo decide mexer com os acontecimentos. O número sete recebeu a bola de costas para a baliza, com um fantástico toque de calcanhar tirou um adversário do caminho e, de muito longe, rematou com muita força e muito, muito azar: a bola foi devolvida pelo poste da baliza de Barry.

A Costa do Marfim respondeu com um livre directo de Tiene que, de pé esquerdo, fez a bola passar relativamente perto do alvo. Logo a seguir, foi Tiote a tentar a sua sorte, mas, mais uma vez, a bola não acertou na baliza à guarda de Eduardo.

Aos 23 minutos, Gervinho ganhou um ressalto sobre Ricardo Carvalho já dentro da área, mas quando se preparava para rematar surgiu Paulo Ferreira, muito bem, a fazer um corte providencial.

O intervalo chegou sem que nenhuma das selecções voltasse a levar perigo à área contrária, o que se alterou logo no segundo minuto da etapa complementar, com um remate cruzado de Gervinho a assustar Eduardo.

Já depois de Kalou ter testado a atenção do guarda-redes português e de Simão ter entrado para o lugar de Danny – com Portugal a passar a jogar em 4x4x2 –, Deco teve uma boa iniciativa pela esquerda e cruzou para o cabeceamento de Liedson que, no entanto, saiu direitinho para as mãos de Barry.



À entrada do último quarto de hora, os adeptos portugueses voltaram a sentir que o golo estava perto, com remates sucessivos de Raul Meireles e Cristiano Ronaldo a levarem as bancadas a soltar um enorme “uohhh” de emoção.

Foi uma das últimas acções no jogo do médio português, já que Meireles acabaria por ser substituído, devido a cãibras, com Carlos Queiroz a lançar Rúben Amorim para o seu lugar. O médio do Benfica estreou-se, assim, em jogos oficiais por Portugal, depois de ter sido o último elemento a juntar-se ao grupo, substituindo o lesionado Nani.

À medida que o final do jogo se aproximava, notava-se cada vez mais a preocupação das duas selecções em não cederem qualquer oportunidade ao adversário. Afinal, tratava-se do primeiro jogo no Mundial, as pernas de alguns jogadores já davam sinais de cansaço e uma eventual derrota poderia significar um futuro muito negro na busca de um lugar nos oitavos-de-final.

Ainda assim, Portugal procurou jogar sempre mais no meio-campo adversário, mas, já nos descontos, foi Didier Drogba que esteve a centímetros de desempatar o jogo, num lance que levou o estádio ao rubro. Mas a festa acabou por ser feita pelas duas equipas. Afinal, o empate não deu desgostos a ninguém.
 
http://www.jornalnoticias.co.mz

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.