Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

27.Mai.10

MOÇAMBOLA-2010 - Desportivo já é sexto classificado


O DESPORTIVO venceu ontem, em Maputo, o Sporting da Beira, por 2-1, na conclusão da nona jornada do Campeonato Nacional de Futebol – Moçambola-2010 – e “pulou” do oitavo para o sexto lugar agora com 13 pontos. Os “alvi-negros” adiantaram-se no marcador aos 11 minutos, por César Bento, mas os “leões” chegaram à igualdade aos três da segunda parte. Coube a Jojó a sentença final, aos 29 da etapa complementar.

Concluída a nona ronda, o Ferroviário continua líder com 25 pontos, mais um que a Liga Muçulmana. A HCB está em terceiro com 16. Maxaquene e Ferroviário da Beira, com 15 pontos cada, ocupam as posições imediatamente a seguir. O Desportivo passou para a sexta posição com 13, enquanto o Vilankulo FC foi relegado para a sétima com 12. O Costa do Sol, que era sétimo, desceu para o oitavo com 10 pontos. O Matchedje é nono com nove e o Sporting mantém-se em décimo com oito pontos, os mesmos do Textáfrica, décimo primeiro. Abaixo da linha de água estão o FC Lichinga, Atlético e Ferroviário de Pemba com sete, seis e três, respectivamente.

BEM SUADO!

O Desportivo teve de suar bastante para arrancar os três pontos diante do Sporting da Beira ontem no relvado do 1º de Maio/Standard Bank e, diga-se em abono da verdade, os “leões” aterrorizaram a “águia” que poucos argumentos teve para impor o seu jogo e chegar com facilidade à baliza dos forasteiros.

Com mais um bocado de inteligência, o Sporting teria saído a sorrir desta partida na qual teve a primazia de chegar vezes sem conta ao reduto “alvi-negro” e o guarda-redes Gervásio teve quota parte de culpa para a infelicidade dos “leões” beirenses que actuaram com muita determinação, mas pouco acompanhados pela sorte.

Os “alvi-negros” não tiveram o brilho que nos habituaram e deixaram patente várias fragilidades, sobretudo no seu sector mais recuado, muito pelas alas, donde era lançado em grande medida o perigo para a baliza de Gervásio.

Infelizmente, por ironia do destino, acabou sendo o Desportivo a conseguir primeiro os seus intentos, dada a eficácia e experiência demonstradas por Muandro, que fez do corredor esquerdo “alvi-negro” um caminho fértil para as investidas em direcção à baliza “leonina”.

Foi na sequência das várias assistências à zona de rigor que César Bento ganhou uma sobra a seguir ao alívio da defensiva e encheu o pé esquerdo a visar, à passagem do minuto 11. No entanto, teria sido o próprio Muandro a acertar primeiro na execução de um livre, mas o esférico foi embater no poste aos seis minutos.

Neste período, o Sporting ainda procurava melhor posicionamento no terreno e foi paulatinamente se assentando ao chão e no segundo quarto de hora o jogo ganhou outro rumo, pois as investidas começaram a alternar-se e com maior frequência para a baliza de Gervásio.

Os “alvi-negros” acusaram dificuldades de articulação, com passes mal feitos e a defensiva a atrapalhar-se bastante, abrindo espaço para que o Sporting ganhasse alguns remates junto da grande área, muitas vezes por Bobo, que foi um autêntico “rato” entre os centrais.

Porém, Gervásio estava mais atento ainda, mas houve um lance em que o “capitão” sportinguista Dário sofreu um empurrão nas costas quando se preparava para rematar dentro da grande área, só que o árbitro da partida, João Armando, entendeu que não houve intenção de agressão por parte do defensor “alvi-negro”. Aliás, estava próximo da jogada.

Com a vantagem, o Desportivo partiu para o intervalo, mas sofreu o golpe logo no seu regresso (decorridos três minutos), com um golo de belo efeito de António, de cabeça. Neste lance, o seu autor fez aquilo que por pouco não conseguiu na intercepção do centro de Mahumane, também de cabeça, com o esférico a sair quase a roçar o poste.

O Sporting acreditou que podia conseguir mais do que o tento da igualdade e com contra-ataques rápidos foi criando instabilidade na defensiva “alvi-negra” e Gervásio teve que prestar mais atenção, mas a sorte estava do lado do Desportivo que, aos 74 minutos, voltou a marcar por Jojó.

Mas antes houve mais uma tremedeira nas hostes “alvi-negras”, pois Bobo arrancou um forte remate que Gervásio foi interceptar nas alturas e a bola projectou-se quase a tocar o poste.

Esta foi a última chance perdida pelos “leões” e com muita tristeza viram os seus intentos a não surtirem o efeito desejado, apesar de muito esforço.

Em síntese, o Desportivo teve o sucesso pelos golos conseguidos, mas o Sporting foi a melhor equipa que se apresentou em campo e que merecia sair deste encontro com um resultado diferente.

João Armando, árbitro da partida, fez bom trabalho. Não influenciou no resultado.

FICHA TÉCNICA

ÁRBITRO: João Armando, auxiliado por Arsénio Marrengula e Olívio Adriano. O quarto árbitro foi Paiva Tsona.

DESPORTIVO: Gervásio; James, Emídio, Baúte (Elfídio) e Muandro; Isac, Nelinho, César Bento e Dino (Cândido); Steven (Binó) e Jojó.

SPORTING: Gona; Belmiro, Chico, Ibrahimo e Maninho; Dário (Joaquim), Caíto, Gitinho e António (Hugo); Mahumane (Fevereiro) e Bobo.

DISCIPLINA: cartolinas amarelas para Muandro (Desportivo), Chico e Ibrahimo (Sporting).

Salvador Nhantumbo