Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

24.Fev.09

MOÇAMBOLA-2009 - Estamos preparados para o que der e vier!- reacção dos participantes ao Moçambola-2009

Imagem Corporativa do Moçambola
ESTÁ consumado: O Moçambola-2009, ou seja, o Campeonato Nacional de Futebol inicia no dia 7 do próximo mês. A rampa de lançamento escolhida é Tete, onde o Chingale recebe o Maxaquene, de acordo com o sorteio do passado sábado.

Os clubes (equipas) participantes, reagindo ao escrutínio, dizem-se preparados para o embate, até porque durante o defeso desdobraram-se a vários níveis à procura dos melhores reforços para esta prova, que se espera venha a ser bastante competitiva e desgastante. Vejamos como cada um dos participantes na prova máxima do futebol moçambicano reagiu ao sorteio

Queremos abrilhantar a festa com uma vitória - André da Silva, Chingale
Queremos abrilhantar a festa com uma vitória - André da Silva, Chingale


ALBERTO Simango Júnior, presidente da Liga Moçambicana de Futebol (LMF), confirmou sábado que a cerimónia oficial de abertura do Moçambola-2009 será em Tete no jogo que irá opor o Chingale ao Maxaquene.

O facto deixou entusiasmados os dirigentes do Chingale que consideram o embate frente aos “tricolores” de extrema importância, visto que uma vitória seria ouro sobre azul naquele que se pretende ser dia de festa na província de Tete.

André da Silva, secretário técnico do Chingale, reagindo ao sorteio, disse que quis o destino que saísse outra vez o Maxaquene, na primeira jornada, e afiançou que os tetenses estão preparados para abrilhantar a festa com uma vitória.

Penso que está destinado: defrontamos o Maxaquene na primeira jornada. Nas últimas três temporadas foi assim. Desta vez temos a vantagem de sermos nós a jogar em casa e vamos fazer de tudo para ganhar, disse, acrescentando que a equipa está bem. A espinha dorsal da equipa do ano passado manteve-se, o que é bom, pois não há muitos acertos a fazer. Estamos a trabalhar bem e estou em crer que temos condições para vencer o Maxaquene, anotou.

Procuraremo-nos redimir - Ângelo Gerónimo, Textáfrica
Procuraremo-nos redimir - Ângelo Gerónimo, Textáfrica

NAS últimas duas épocas defrontámos o Costa do Sol na primeira jornada e saímos derrotados. Procuraremos nesta terceira vez nos redimirmos, acreditando que é possível ganhar, Ângelo Gerónimo, presidente do Textáfrica, comentado o confronto com o Costa do Sol.

Teremos a oportunidade de nos redimirmos. É uma nova oportunidade de lutarmos pela vitória. Sabemos das dificuldades, mas não podemos deixar de pensar que temos condições de vencer o Costa do Sol, disse.

Em relação à preparação, este afirmou que a equipa não está a realizar uma pré-época desejável, visto que efectuou poucos jogos amigáveis. Apontou ainda para o facto de ter um treinador novo que está a procurar formar uma equipa.

Todos são iguais - João Chissano, Costa do Sol
Todos são iguais - João Chissano, Costa do Sol Maputo, Terça-Feira, 24 de Fevereiro de 2009:: Notícias

TODOS os adversários merecem o nosso respeito, tratamo-los da mesma forma. Esta é a nossa maneira de estar e é assim que pretendemos superar com muito apreço e consideração a todos.

Contra o Textáfrica jogaremos com muita determinação e concentração até porque não há vitórias teóricas, João Chissano reagindo ao sorteio que colocou os canarinhos no caminho do Textáfrica, única equipa da província de Manica no Moçambola. Na época passada o Costa do Sol venceu o Textáfrica, mas nem isso deixa João Chissano à vontade, pois este é de opinião que os jogos resolvem-se dentro do campo e não pelos resultados anteriores.

Adversário com tradição - Akil Marcelino, Ferroviário da Beira
Adversário com tradição - Akil Marcelino, Ferroviário da Beira

VAMOS enfrentar um adversário com tradição no futebol nacional, o que se torna sempre difícil. Temos que estar muito concentrados para não ser surpreendidos, Akil Marcelino, treinador do Ferroviário da Beira, que terá a dura missão de apadrinhar o regresso do Matchedje ao Moçambola.

Apesar de estar ciente de todas as dificuldades, Akil assegura que os locomotivas jogarão para ganhar, até porque o mesmo adianta que a sua equipa está num bom caminho. A intenção é ganhar. O modelo de jogo está a ser implementado e os treinos estão a decorrer muito bem, adiantou.

O VICE-PRESIDENTE do Conselho Nacional do Desporto (CND), coronel Eugénio Chongo
Faremos o nosso melhor - Eugénio Chongo, Matchedje

O QUE posso assegurar é que contra o Ferroviário da Beira faremos o nosso melhor. Não posso assumir que iremos ganhar o jogo, mas o Matchedje entrará em campo com o objectivo de conquistar os três pontos em disputa, palavras de Eugénio Chongo, presidente do Matchedje, reagindo ao primeiro duelo dos militares.

O presidente diz estar consciente de que a missão da sua equipa não será fácil, pois é de opinião que só o facto de jogar fora de casa já é por si uma desvantagem. Jogar fora é sempre muito difícil, pois teremos pela frente a equipa e o público. Portanto, as nossas responsabilidades são ainda mais acrescidas, anotou. No entanto, Eugénio Chongo afirma que a turma militar está a preparar-se para fazer uma boa prova.

Temos obrigação de ganhar - Arnaldo Salvado, Atlético Muçulmano
Temos obrigação de ganhar - Arnaldo Salvado, Atlético Muçulmano

TEMOS a obrigação de começar o campeonato a ganhar. Vamos defrontar um adversário que não tem um ritmo competitivo equiparado ao nosso e não podemos pensar noutra coisa que não seja uma vitória, reacção de Arnaldo Salvado, treinador do Atlético Muçulmano, que irá na primeira jornada apadrinhar a estreia do Ferroviário de Nacala no Moçambola.

Nem o facto de jogar fora esmorece a confiança de Arnaldo Salvado, até porque guarda boas recordações da visita à província de Nampula.

Na época passada derrotámos o Ferroviário de Nampula. E voltaremos a viajar para Nampula para jogar com o Ferroviário de Nacala e espero que se repita a história, até porque somos claramente favoritos, anotou.

TEMOS a obrigação de começar o campeonato a ganhar. Vamos defrontar um adversário que não tem um ritmo competitivo equiparado ao nosso e não podemos pensar noutra coisa que não seja uma vitória, reacção de Arnaldo Salvado, treinador do Atlético Muçulmano, que irá na primeira jornada apadrinhar a estreia do Ferroviário de Nacala no Moçambola.

Nem o facto de jogar fora esmorece a confiança de Arnaldo Salvado, até porque guarda boas recordações da visita à província de Nampula. Na época passada derrotámos o Ferroviário de Nampula. E voltaremos a viajar para Nampula para jogar com o Ferroviário de Nacala e espero que se repita a história, até porque somos claramente favoritos, anotou.

É sempre bom começar a defesa do título em casa - Paulo Camargo, Ferroviário de Maputo
É sempre bom começar a defesa do título em casa - Paulo Camargo, Ferroviário de Maputo

VAMOS começar a defender o título em casa perante um dos adversários mais difíceis como é o Ferroviário de Nampula. Será um jogo ideal para mostrarmos o nosso valor e avaliarmos mais uma vez em que condições nos encontramos, posição de Paulo Camargo, treinador do Ferroviário de Maputo, ao embate da primeira jornada ante os nampulenses.

O técnico brasileiro acrescentou que qualquer que fosse o adversário seria bem-vindo, pois, segundo o mesmo, tratou-se de um sorteio democrático.

Estávamos à espera de qualquer adversário, visto que no sorteio não se escolhe adversários. Calhou o Ferroviário de Nampula e vamos respeitá-lo como temos feito frente a todos adversários e procuraremos ganhar o jogo*, disse.

Começar frente ao campeão é honroso - Sérgio Faife, Ferroviário de Nampula
Começar frente ao campeão é honroso - Sérgio Faife, Ferroviário de Nampula

ESTREARMO-NOS frente ao campeão é, para nós, uma honra e será importante pois servirá para testarmos a nossa equipa, dado que não temos tido muitos jogos de rodagem. Será o primeiro exame a sério e é bom que seja na primeira jornada, já que podemos aproveitar o facto de o Ferroviário de Maputo não estar no seu melhor nível, disse Sérgio Faife, treinador do Ferroviário de Nampula, em reacção ao sorteio.

Todavia, afirmou estar consciente das dificuldades com que se irá debater, pois a sua equipa não tem ainda rodagem necessária. Sobre este aspecto queixou-se da falta de jogos.

Comparativamente ao Ferroviário de Maputo temos muito poucos jogos. Eles começaram a época primeiro e é natural que estejam melhor rodados. Mas o mais importante é jogarmos à vontade sem olhar para o nome do adversário, acentuou.

Respeitamos o HCB - Professor Neca, Liga Muçulmana
Respeitamos o HCB - Professor Neca, Liga Muçulmana

RESPEITAMOS o HCB do mesmo modo que temos consideração pelos outros adversários. Sabemos que é uma equipa recém-promovida à primeira divisão. De resto não há muitas informações. Mas se ascendeu ao Moçambola é porque tem qualidade e temos que estar atentos, palavras do professor Neca, treinador da Liga Muçulmana.

O técnico acrescentou que a equipa tem sensivelmente 15 dias para continuar a preparar-se para estar em condições de começar o campeonato a vencer.

Temos mais 15 dias para continuarmos a nossa preparação. As coisas ainda não estão a sair como queremos, mas acredito que até lá estaremos em melhor forma, sublinhou. O facto de jogar em casa deixou o mister português satisfeito, já que defende que intramuros as probabilidades de conquistar os três pontos são maiores.

Pode ser um bom sinal - Inocêncio Sotomane, FC Lichinga

A AVALIAR pelos últimos jogos com o Desportivo posso me considerar um homem satisfeito visto que temos conseguido conquistar pontos. Na época passada viemos a Maputo empatar e ganhámos em nossa casa. Seria bom que se repetisse o mesmo cenário, posição de Inocêncio Sotomane, presidente do FC Lichinga, ao primeiro despique do Moçambola frente ao Desportivo, uma repetição da temporada passada.

Acrescentou que pode ser um bom sinal voltar a defrontar o Desportivo na partida inaugural visto que as prestações do Lichinga têm sido boas. No entanto, este diz que a única formação do Niassa a participar no Moçambola não se pode apegar em estatísticas, já que será um jogo que terá a sua história. Não há jogos iguais, por isso temos que estar precavidos e encararmos este jogo com a maior concentração possível, disse.

Entrar para ganhar - Ozias Fumo, Ferroviário de Nacala
Entrar para ganhar - Ozias Fumo, Ferroviário de Nacala

VAMOS entrar para ganhar. Não podemos temer o Atlético Muçulmano; temos que ter confiança em nós e acreditarmos que é possível vencermos seja qual for o adversário. Se assim não for é escusado estarmos a participar no Moçambola, palavras de Ozias Fumo, treinador do Ferroviário de Nacala, crente numa boa estreia dos locomotivas de Nacala.

Ozias diz que terá que fazer um trabalho psicológico com os jogadores, já que terão que enfrentar o actual vencedor da Taça de Moçambique e vice-campeão, facto que, segundo o técnico, poderá pesar no subconsciente dos jogadores.

Tenho que fazer um grande trabalho a nível psicológico de modo a preparar a equipa para esse jogo.

A equipa é nova e não está habituada a estas andanças, então é preciso fazer-lhes acreditar que todos partem em pé de igualdade e com as mesmas chances, afirmou. O facto de jogar em casa deixa Ozias satisfeito, pois o apoio do público será determinante.