Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

09.Dez.09

Trabalhar para a rápida expansão da vela e canoagem - eis o objectivo primordial da Federação Moçambicana das duas modalidades, ora constituída



HÁ unanimidade: o país possui uma extensa costa marítima e gente particularmente com habilidade para a prática de desportos náuticos.

Assim sendo, urge aproveitar ao máximo essas potencialidades para rapidamente se expandir e massificar a execução de modalidades como a vela e a canoagem, que, inclusive, fazem parte do rol das disciplinas previstas para os Jogos Africanos de Maputo-2011. Esta posição foi a tónica dominante dos pronunciamentos oficiais e informais dos participantes na cerimónia da tomada de posse, segunda-feira à noite, da primeira Federação Moçambicana de Vela e Canoagem.

Tendo como Presidente da Direcção José Luís Alcântara Santos e reunindo nos seus diversos órgãos nomes sonantes do desporto, e não só, como são os casos de Luís Bernardo Honwana, José Forjaz, Joel Libombo, Celso Correia, Mário Samboco e Carlos Prista, a ora constituída Federação Moçambicana de Vela e Canoagem promete trabalhar arduamente de forma a colocar estas duas modalidades ao serviço das massas, tirando partido das óptimas condições que a natureza nos oferece.

Conforme fez questão de vincar o seu presidente, José Luís Alcântara Santos, numa cerimónia em que esteve presente o Ministro da Juventude e Desportos, Fernando Sumbana, a constituição desta Federação é corolário de um trabalho abnegado levado a cabo por diversas pessoas apaixonadas pelos desportos náuticos, na perspectiva não somente de se verem aglutinados num fórum que seja seu interlocutor junto da sociedade, na esfera desportiva nacional e internacional e junto do Governo, como também trazer à tona modalidades que Moçambique pode ter vantagens comparativas nas competições internacionais, destacando, para já, os Jogos Africanos de 2011, aguardados com enorme expectativa pelos amantes e praticantes da vela e da canoagem, pois será uma oportunidade para realmente testarem as suas qualidades.

Aliás, segundo Alcântara Santos, nas tarefas imediatas destaca-se também a inscrição da Federação nos organismos internacional e continental, para que a participação do país comece a ser uma realidade. Paralelamente a este aspecto, está a organização de provas internacionais para aquilatar o nível dos nossos atletas.

Congratulando-se com a formação da Federação Moçambicana de Vela e Canoagem, o Ministro da Juventude e Desportos disse que o acto representava um importante passo rumo ao relançamento e prática regular de modalidades que, num país como o nosso, com uma extensa costa marítima, constituem o meio de trabalho de milhares de moçambicanos.

Segundo Fernando Sumbana, pelo facto de esta Federação surgir num momento particularmente importante da história desportiva do nosso país, pelo facto de acolhermos a décima edição dos Jogos Africanos, espera que o novo organismo impulsione o rápido desenvolvimento destas duas modalidades, a vela e a canoagem, de modo a que possamos, no mínimo, nos representar na maior festa desportiva do continente.

“Para tal, a organização e o espírito empreendedor são condições indispensáveis para colhermos louros do surgimento desta agremiação, a breve trecho. Organização a partir da base, isto é, dos clubes e em todas as províncias, até à Federação, numa cadeia que deve funcionar em harmonia, através de processos transparentes, participados e virados para o mesmo objectivo: a rápida expansão e desenvolvimento da modalidade, tirando melhor partido das condições que a natureza oferece ao nosso país”, disse Sumbana.


COMPOSIÇÃO DO ELENCO

A Federação Moçambicana de Vela e Canoagem tem a seguinte composição:

Mesa da Assembleia-Geral

Presidente: Luís Bernardo Honwana; Vice-Presidente: José Forjaz; Secretário: Joel Libombo

Direcção

Presidente: José Luís Alcântara Santos; Vice-Presidente: Décio Muianga; Secretário-Geral: Diogo Margarido; Tesoureira: Dalva Brito

Conselho Técnico

Presidente: Carlos Prista; Vogais: Oliviero Davolio e Sérgio Zibane

Conselho Fiscal

Presidente: Celso Correia; Secretário: Sérgio Assubuji; Vogal: Pedro Mosca

Conselho Jurisdicional

Presidente: Daniel Lampião; Vogais: Raul Dias e Carimo Valgy

Conselho de Disciplina

Presidente: Mário Samboco; Vogais: Jorge Graça e Hélio da Rosa Alberto