Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

01.Abr.09

Duro golpe: Mart Nooij troca “Mambas” pelas “Palancas Negras”

MART Nooij já não é técnico dos “Mambas”. Vai, a partir de amanhã, quinta-feira, assumir o comando técnico da selecção nacional de Angola, naquilo que é considerado um duro golpe para os “Mambas”.

O SELECCIONADOR nacional, Mart Nooij
A notícia foi avançada ontem pela Agência Noticiosa de Angola - ANGOP - e confirmada pelo próprio técnico holandês.

Nooij não resistiu a um contrato chorudo apresentado pelos angolanos e passará a receber 75 mil dólares por mês para além de casa, carro e duas passagens de ida e volta para férias na Holanda por ano, portanto cinco vezes mais do que auferia em Moçambique.

Os bons resultados que Mart Nooij tem vindo a conseguir à frente dos “Mambas” foram determinantes para a sua contratação. Aliás, o presidente da Federação Angolana de Futebol, que esteve domingo na Machava a assistir ao jogo Moçambique-Nigéria, não terá resistido ao sistema montado pelo holandês, tendo no final, com o auxílio da Embaixada do seu país em Maputo, conseguido convencer Mart Nooij, que nem pestanejou quando lhe agitaram o “Petrodólares”.

Os maus resultados que os “Palancas Negras” têm registado nos últimos jogos amigáveis terão pesado para a mudança da equipa técnica, pois no próximo ano pretende-se que Angola na qualidade de anfitrião do CAN esteja mais rodado e bastante forte.

Entretanto, Mart Nooij remeteu, ainda ontem, uma carta de pedindo de rescisão de contrato, facto confirmado pelo presidente da Federação Moçambicana de Futebol, Faizal Sidat, que já avançou o nome do Professor Neca, actual treinador da Liga Muçulmana, como o provável “timoneiro” dos “Mambas”.

Recorde-se que Mart Nooij, para além de Angola, era cobiçado por outros “colossos” africanos, como é o caso do Senegal, para onde até chegou a viajar para discutir as condições de trabalho.