Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

centro de documentação e informação desportiva de moçambique

Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo

05.Ago.09

MOÇAMBOLA-2009: Atlético Muçulmano, 0-Chingale, 1 - Mavó: velho é trapo?

VELHO é o trapo, este é um provérbio que pode e muito bem se aplicar àquilo que foi a produção de Mavó, avançado do Chingale, que, apesar da sua idade, mostrou estar ainda em excelente forma física, ao realizar uma bela exibição e que acabou sendo coroada com o golo da vitória da sua equipa.

Mavó, seguramente um dos jogadores ainda no activo com mais quilómetros no futebol, foi sempre o mais inconformado da equipa tetense. Sempre com os olhos apontados para a baliza à guarda de Samito, sacrificou-se bastante ao abandonar vezes sem conta a sua posição de avançado, de forma a participar mais activamente no delineamento das jogadas ofensivas.

A força do super Mavó ficou vincada a meio da segunda parte, numa altura em que os “muçulmanos” carregavam no acelerador e procuravam a todo o custo inaugurar o marcador. Primeiro, numa arranca fenomenal, tirou o central Mouca do caminho e com o “keeper” pela frente, rematou por cima. Era o primeiro sinal, naquela que foi a primeira situação de golo, visto que o tempo inicial tinha sido paupérrimo em todos os aspectos.

O certo é que a bela jogada do avançado veio espevitar o resto da equipa e, minutos depois, Zé teve tudo para abrir o marcador, mas Gito meteu a mão à bola. Os tetenses pediram penalte, mas o árbitro João Armando fez vista grossa.

No entanto, a festa dos forasteiros aconteceria aos 84 minutos, isto é, a seis minutos do final do encontro, quando Mavó concluiu superiormente uma grande jogada por si iniciada. Era um grande balde de água fria para o Atlético Muçulmano, que, tendo tido maior tempo de posse de bola, foram muito raras as vezes em que conseguiu materializar em situações de golo.

Apenas por duas vezes os “muçulmanos” criaram lances de apuro junto à baliza de Samito, primeiro por Eboh, ainda na primeira parte, e a meio da segunda por Madeira, que tinha entrado a substituir o desinspirado Julinho.

O árbitro do encontro manchou a sua exibição ao não assinalar o penalte a favor do Chingale. De resto, esteve em cima dos acontecimentos.

FICHA TÉCNICA

Árbitro: João Armando, auxiliado por Agostinho Pelembe e Mateus Gatuna. Quarto árbitro: Bernardino dos Santos.

ATLÉTICO - Samito; Mouca, Clarêncio, Gito e Nelito (James); Ngoni (Jojó), Délcio, Dino e Julinho (Madeira); Patrício e Eboh.

CHINGALE - James; Diogo, Fred, Manuelito e Elísio; Toni Malate (Hilário), Hagi (Manecas) e Zé; Mavó e Magaba (Alone).

Acção disciplinar: cartão amarelo para Manuelito, Mavó e Dércio

Golo: Mavó, aos 84 minutos.

IVO TAVARES