Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Terça-feira, 16 DE Agosto 2016

 

A EQUIPA foi o segredo desta conquista. Sempre trabalho no colectivo e em solidariedade, por isso estamos aqui hoje a festejar. Não foi uma caminhada fácil.

 

Na final o Ferroviário da Beira dificultou-nos bastante, mas penso que neste último jogo estivemos melhor. O resto é continuarmos a trabalhar e olhar para as competições que se seguem”, disse Augusto Matos, uma das estrelas da equipa.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:04
 O que é? |  O que é? | favorito

 

COMO todos puderam ver, o Ferroviário de Maputo entrou bem, jogou com muita atenção e paciência. Estivemos concentrados e isso foi importante para o triunfo.

 

Sempre estivemos atrás deste Ferroviário da Beira, íamos empatando atrás de derrotas e no fim acabámos sendo felizes. Estamos de parabéns, queria dedicar esta vitória ao grupo e à minha família”, vincou Luís de Barros, um dos melhores em campo.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:00
 O que é? |  O que é? | favorito

 

PENSO que este é o culminar de uma boa temporada que fizemos a nível de basquetebol, na qual vencemos também em femininos.

 

Hoje (sábado) estivemos bem e ganhámos com todo o mérito, depois de sofrermos duas derrotas em quatro jogos com este adversário. Doravante, é continuarmos a trabalhar e pensar nas competições que se avizinham, nomeadamente a nossa participação nas provas africanas. O trabalho não termina por aqui”, avançou Sancho Jr., o presidente do Ferroviário de Maputo.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:54
 O que é? |  O que é? | favorito

 

OS jogadores e o presidente do Ferroviário de Maputo destacam o trabalho abnegado feito em colectivo como o grande segredo do título de campeão nacional de basquetebol sénior masculino conquistado na noite de sábado, no pavilhão do Maxaquene, após a vitória sobre o seu homónimo da Beira.

 

Os novos campeões acrescentaram que o título foi o culminar de uma excelente e exigente temporada na qual juntaram o título masculino ao feminino, vencido em Junho.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:50
 O que é? |  O que é? | favorito
Segunda-feira, 15 DE Agosto 2016

 

FOI uma vitória do trabalho, de atitude e, acima de tudo, um triunfo de superação. É uma vitória para os jogadores, a massa associativa, a direcção do clube, a minha família e o meustaff técnico. Tivemos de trabalhar arduamente para isto, e hoje (sábado) conseguimos”, disse Macome, visivelmente emocionado pela conquista do Campeonato.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:51
 O que é? |  O que é? | favorito

 

PENSO que hoje (sábado) efectuámos um bom jogo. Entrámos bem e fomos solidários, daí que conseguimos travar o adversário. Estou feliz pela conquista. Em relação ao campeonato, penso que não foi uma má prova. Foi uma competição que correspondeu às expectativas, e de uma forma geral foi bom. Quanto ao meu futuro, ainda não sei se fico ou não no Ferroviário de Maputo. Isso não depende de mim”, afiançou o sérvio Bojan Sekicke, MVP da prova.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:44
 O que é? |  O que é? | favorito

 

FERROVIÁRIO de Maputo é o novo campeão nacional de basquetebol sénior masculino, depois de vencer o seu homónimo da Beira por 69-56, no quinto e último embate da final, que se disputou num play-off a melhor de cinco jogos.

 

Num pavilhão do Maxaquene completamente cheio, a fazer lembrar a final do “Afrobasket” feminino de 2013 entre Moçambique e Angola, os “locomotivas” de Maputo foram campeões de raça e pragmatismo, num jogo exigente que acarentava todos os cuidados aos contendores, pois as forças eram quase que niveladas em todas as vertentes.


Como era de se vaticinar, o jogo começou com frenesim típico de uma decisão do título. O Ferroviário da Beira entrou melhor, conseguindo uma boa vantagem logo nos primeiros minutos, mas com o tempo a equipa de Maputo sacudiu a pressão e foi para cima da turma do Chiveve. Equilibrou a contenda e oplacard, mas os beirenses mostravam-se mais arrogantes num dia em que a sua maior estrela, Jimmy Williams, parecia ter afastado os fantasmas que lhe ensombraram no quarto embate.

 

A turma da Beira conservou a vantagem até onde pôde, pois quanto mais tempo passasse abrandava o ritmo. Em cima dos primeiros 10 minutos, a equipa da capital, que até então perdia por um ponto, fez um cesto, o que lhe permitiu ir ao descanso com o marcador favorável por um ponto, 15-14.

 

O segundo quarto foi simplesmente desastroso para a equipa da Beira. Tudo saia mal, quer no jogo interior e pior no exterior. Jimmy Williams, o motor da equipa, é bloqueado e quando é assim as soluções para Nazir Salé são escassas. Nem Ismael Nurmamade conseguia ser alternativa.

 

 

 

E porque não tinham culpa disso tudo, os “locomotivas” de Maputo aproveitaram as fragilidades do adversário para encherem o saco. Aliás, tudo corria à contento para a turma da capital, que alternava dois pontos com triplos que levantam o lotado pavilhão dos “tricolores”.

 

A vantagem de 39-18 ao intervalo pode não ser completamente esclarecedora, mas ajuda a perceber o quão foi o domínio dos pupilos de Milagre Macome. Nesta etapa, refira-se, o Ferroviário de Maputo obteve impressionantes 25 pontos, contra apenas quatro dos beirenses. É claro que é basquetebol, mas nem o mais optimista dos adeptos da formação do Chiveve acreditava num milagre para os 20 minutos subsequentes.

 

No terceiro tempo, as vicissitudes do Ferroviário da Beira continuaram. Os pupilos de Nazir falhavam para todos os gostos, quer através de lançamentos livres, de abaixo da tabela ou para lá da linha dos 6,25 metros, incluindo as respectivas segundas bolas. Os “locomotivas” da capital tinham um trio afinado constituído por Bojan Sekicki (homem do jogo que viria a ser eleito o Mais Valiosa da Prova), Augusto Matos e Luís de Barros, que manietou os beirenses, que a cada minuto ficavam mais perturbados e desmotivados.

 

 Ninguém duvidava que os treinados de Milagre Macome terminariam esta etapa com uma clara vantagem, pois apesar de maior volume ofensivo o Ferroviário da Beira pecava na finalização, onde os seus jogadores denotavam desatenção espantosa. Catorze pontos (53-39) separavam as duas formações.

 

À entrada para o último período ninguém tinha dúvidas quanto ao novo campeão, a questão pendente eram os números finais do jogo. Os beirenses corriam mais, mas pouco acertavam, até nos ressaltos levaram “goleada”.

 

Nazir Salé ficou sem saber o que fazer. Nenhuma solução dava certo. Nem Williams, muito menos Octávio Magoliço (campeão dos falhanços e jogo para esquecer de pressa) ou Ismael Nurmamade davam jeito. Cada segundo que passava conferia ao Ferroviário de Maputo o estatuto de novo campeão nacional, depois dos fracassos de 2014 (frente a este adversário) e ano passado, diante do Desportivo. A equipa da capital ganhou com todo o mérito, ao jogar de forma solidária e pragmática. Pela postura dos pupilos de Macome, é fácil perceber que aprenderam muito com os erros que haviam cometido nos desafios antecedentes, 13 pontos (69-56) separam as duas formações.


Quanto as prémios individuais, o sérvio Bojan Sekicke foi eleito o MVP e melhor triplista. O melhor marcador foi o americano Jimmy Williams, sendo que Edson Monjane ficou com o título de melhor ressaltador.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:28
 O que é? |  O que é? | favorito
Sexta-feira, 12 DE Agosto 2016

 

O FERROVIÁRIO de Maputo derrotou, na noite de ontem, o seu homónimo da Beira, por 71-63, no quarto embate da final do “Nacional” de Basquetebol Sénior Masculino, que se disputa num play-off a melhor de cinco jogos.

 

Com esta vitória, os “locomotivas” da capital igualaram a final (2-2) e arrastam a discussão do título para o quinto e último desafio, marcado para amanhã, às 19.00 horas, no pavilhão do Maxaquene.

 

Foi mais um jogo emotivo aquele que se viu na noite de ontem.O Ferroviário de Maputo, como era de esperar, dada a pressão que representava a derrota da véspera, entrou balançado ao ataque e bem organizado em termos defensivos. Tinha a lição bem estudada e corrigiu os erros que determinaram o desaire da quarta-feira.


Milagre Macome montou uma equipa feroz, que logo fez questão de anular o mais “selvagem” dos jogadores da sedutora equipa da Beira, Jimmy Williams (que apenas marcou cinco pontos na contenda, contra uma média de 25), e bloqueando o franco-atirador Octávio Magoliço.

 

 Com estas duas unidades em sub-rendimento, os beirenses ficaram sem muitos argumentos e era tudo fácil para a equipa de Maputo. Ermelindo Novela e Bojan Sekicki comandaram a orquestra bem afinada da turma da capital, que saiu com uma justa vantagem de 10 pontos, 17-7.

 

A tendência do jogo continuou no segundo quarto, o Ferroviário de Maputo era forte e pragmático no ataque. A turma da Beira ficava cada vez mais ansiosa e pressionada. O sector mais recuado denotava pouca lucidez e falta discernimento na finalização, com muitos pontos a serem falhados debaixo da tabela, além de inúmeras tentativas infrutíferas de lançamentos para lá da linha dos 6.25 metros.

 

Fragilidades e falhas que foram aproveitadas pelos “locomotivas” de Maputo para dilatarem a vantagem para impressionantes 18 pontos, 34-16, ao intervalo. De salientar que até então a estrela do Ferroviário da Beira, Jimmy Williams, que normalmente tem sido o melhor marcador de todos os jogos que envolvem a sua equipa, ainda não havia conseguido qualquer ponto, o  que de certa forma até espantava o próprio adversário.
No terceiro período, o Ferroviário da Beira continuava sem acertar e não conseguia ser aquela equipa solidária de quatro homens mais Williams. 

 

Augusto Matos aproveitava o adiantamento da cortina defensiva dos beirenses para transformar em pontos vários passes longos recebidos das mãos de Custódio Muchate, que esteve impecável na guarnição do último reduto da sua equipa. Mesmo assim, os “locomotivas” da Beira lograram reduzir para 11 pontos, saindo do terceiro quarto a perder por 37-48.

 

O último período prometia muita adrenalina, mas a postura da equipa de Milagre Macome nas etapas antecedentes não deixava muita margem para os comandados de Nazir Salé operarem um milagre. Os beirenses até entraram bem, encurtaram para sete pontos nos primeiros três minutos e o jogo ficou relançado.

 

Ismael Nurmamade segurou na equipa de Sofala e coordenava todas movimentações e aparecia também para finalizar. Com efeito, a desvantagem foi reduzida, mas o Ferroviário de Maputo não tremia. Ia conseguindo aquela pontuação cirúrgica que deixava adversário mais nervoso a cada segundo. Williams definitivamente não aparecia e com isso a via para o triunfo da equipa da capital abriu-se com mais facilidade, oito pontos (71-63) foi o fosso, menos um em relação aos números da vitória da formação beirense no terceiro jogo.

 

Com este triunfo, o Ferroviário de Maputo adiou a decisão para amanhã, naquela que será uma espécie de tira-teimas, depois do triunfo dos beirenses na final de 2014.


FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITROS: Artur Bandeira; Fortunato do Amaral e Frederico dos Santos.

FER. BEIRA: Fernando Manjate; Armando Baptista, David Canivete, Policardo Zambeze, Ismael Nurmamade, Octávio Magoliço, Eurice Alua, Alves Houana, Abel Mubetene, Jimmy Williams, Carlos Jr.

 

FER. MAPUTO: Manuel Uamusse; Edson Monjane, Luís de Barros, Elton Ubisse, Aurélio Jr, Cubrilo Miroslaw, Francisco Macaringue, Custódio Muchate, Bojan Sekicki, Ermelindo Novela, Augusto Matos e Samora Mucavel.

 

SÉRGIO MACUÁCUA

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:40
 O que é? |  O que é? | favorito
Quinta-feira, 11 DE Agosto 2016

 

O FERROVIÁRIO da Beira venceu, na noite de ontem, o seu homónimo de Maputo, por 73-64, no terceiro embate da final do "Nacional" de Basquetebol Sénior Masculino que se disputa num play-off a melhor de cinco jogos.

 

Com este triunfo, os beirenses passam a ter uma vantagem de 2-1, o que lhe confere o direito ao título em caso de nova vitória esta noite. Já a formação da capital do país é obrigada a ganhar para empatar a final e adiando a decisão do título para quinto e último encontro.


Num jogo viril, sobretudo no último período, as duas formações entraram com algum receio, mais calculistas, arriscavam menos, ensaiando as jogadas com todo o cuidado. O Ferroviário de Maputo tentou explorar o jogo exterior dado que a turma da Beira defendia-se à zona, mas foi infeliz. Apenas uma, das várias tentativas, é que surtiu efeito.

 

Porém, a turma da capital estava a essas alturas melhor no jogo, embora falhasse na finalização e nalguns lances de forma inacreditável. Os beirenses, como sempre, confiaram no seu colectivo, apesar de terem um Jimmy Williams capaz de, individualmente, desatar o nó e tudo o que fazem parece estar devidamente sincronizado, daí a solidariedade  sempre que os planos não dessem certo. E porque a união é que faz a força, como alerta o velho ditado, os "locomotivas" do Chiveve sairam da primeira etapa com vantagem de quatro pontos, 17-13.

 

No segundo período, o Ferroviário da Beira deu uma verdadeira lição de basquetebol ao adversário. Nazir Salé deu-se ao luxo de poupar a sua estrela-mor, Jimmy Williams, deixando a equipa sob o comando de um inspirado Octávio Magoliço que quer no jogo exterior, quer no interior só somava pontos. Por outro lado, o técnico dos beirenses lançou Fernando Manjate e Ismael Nurmamade para darem consistência que a equipa não tinha no primeiro período com Jimmy Williams e Armando Baptista.

 

O Ferroviário de Maputo quase que não existiu naqueles 10 minutos que foram determinantes no resultado final. Augusto Matos e o espanhol Bojan Sekicki tentaram rematar contra a maré, mas debalde, a equipa não estava articulada, cometia erros no capítulo defensivo e continuava com problemas de finalização. Como corolário, os "locomotivas" da Beira dilataram a vantagem para 18 pontos, 37-19.


No terceiro quarto entrou melhor a turma da capital do país, conseguindo pontos de rajada. A situação enervou os beirenses que começavam a ter dificuldades para assentar o seu jogo. Nazir Salé viu-se obrigado a lançar a sua "jóia", Jimmy Williams, que rapidamente travou a avalanche da equipa de Maputo. Mais do que isso, o nigeriano foi um carrasco para a formação comandada por Milagre Macome. Só nesta etapa fez 11 pontos e muitas assistências que colocaram os beirenses com uma vitória parcial de 14 pontos, 59-45.


O resultado deixava o Ferroviário de Maputo com uma missão hercúlea para o último período, etapa marcada por muitas contestações de parte a parte das decisões da arbitragem. A formação da capital apertou, reduziu e o jogo ficou  frenético. Vibra-se nas bancadas e na quadra os atletas disputam os lances como se fossem os últimos das suas vidas.

 

 O desafio foi interrompido a um minuto e 30 segundos do fim, com seis pontos de diferença (66-60), beirenses no comando, mas a incerteza quanto ao desfecho continua. Um triplo de Elton Ubisse (a um minuto e 10 segundos do fim) para os "locomotivas" de Maputo relança o despique, mas logo a seguir Jimmy conseguiu três pontos que praticamente "mataram" o jogo, faltavam 46 segundos e são sete pontos de diferença, posteriormente aumentados para nove (73-64).

 

O Ferroviário da Beira vencia desta forma o segundo jogo dos três já realizados referentes à esta final. Hoje, caso vença, sagra-se campeão nacional pela terceira vez na sua história, depois dos êxitos de 2012 e 2014. 

  
FICHA TÉCNICA


ÁRBITROS: Sélio Chiau, Guideon Matsinhe e Guilherme Júnior.

 

FER. BEIRA: Fernando Manjate; Armando Baptista, David Canivete, Policardo Zambeze, Ismael Nurmamade, Octávio Magoliço, Eurice Alua, Alves Houana, Abel Mubetene, Jimmy Williams, Carlos Jr., e Chukwinike Okosa.

 

FER. MAPUTO: Manuel Uamusse; Edson Monjane, Luís de Barros, Elton Ubisse, Ermelindo Novela, Cubrilo Miroslaw, Francisco Macaringue, Custódio Muchate, Bojan Sekicki, Augusto Matos e Samora Mucavel.

 

"POLITÉCNICOS" AGARRAM TERCEIRO POSTO

 

No primeiro embate da noite, a Politécnica derrotou o Desportivo, por 79-72, ficando em terceiro lugar, isto depois da vitória no domingo neste play-off a melhor de três partidas. No geral, os "universitários" ganharam por 2-1, visto que os "alvi-negros" venceram o segundo embate. Mas, mais que do triunfar noplay-off a Politécnica atirou o Desportivo, campeão em título, para fora do pódio. A maior façanha dos "politécnicos" é, contudo, o facto de ficarem em terceiro lugar num campeonato nacional pela primeira vez na sua história.

 

SÉRGIO MACUÁCUA

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:29
 O que é? |  O que é? | favorito
Quarta-feira, 10 DE Agosto 2016

 

DEPOIS de ter observado um interregno ontem para conferir descanso aos atletas, retoma esta noite (20.00 horas), no pavilhão do Maxaquene, a luta dos Ferroviário de Maputo e da Beira pelo título no “Nacional” de Basquetebol Sénior Masculino.

 

Numa final disputada num play-off a melhor de cinco jogos, as duas equipas estão empatadas a um, ou seja, a formação do Chiveve venceu no primeiro embate, sendo que a da capital do país ganhou o segundo.

 

À semelhança dos primeiros jogos, espera-se esta noite um duelo emotivo entre duas equipas com pergaminhos para este tipo de andanças.

 

O Ferroviário de Maputo tem uma equipa muito equilibrada em todos os sectores, sendo que um dos seus elos mais fracos são os seus dois reforços estrangeiros, nomeadamente o sérvio Cubrilo Miroslaw e o espanhol Bojan Sekicki, jogadores que não trouxeram nada de novo à equipa.

 

Aliás, depois da derrota no primeiro jogo realizado no domingo, o técnico Milagre Macome passou a utilizar com muita timidez esta dupla, preferindo colocar no lugar daqueles Aurélio Jr. e Ermelindo Novela, que têm correspondido muito melhor.

 

A turma da capital do país vale mais pelo colectivo, tendo como maior referência o talentoso Augusto Matos, o melhor marcador da equipa.

 

Já no Ferroviário da Beira, apesar de também valer pelo conjunto, Jimmy Williams sobressai. A equipa joga à volta do nigeriano, ele que acelera e abranda o ritmo do jogo. Olhando para aquilo que foram os dois primeiros embates, torna-se complicado avançar com um prognóstico.

 

A anteceder este jogo, teremos a disputada do terceiro lugar entre o Desportivo e Politécnica, a partir das 18.00 horas. Este será o terceiro e último jogo do play-off, sendo que os primeiros contendores dividiram os “loiros”, ou seja, o vencedor do embate desta noite fica com o terceiro posto.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:55
 O que é? |  O que é? | favorito
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO