Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Segunda-feira, 05 DE Setembro 2016

 

A SELECÇÃO Nacional de basquetebol feminina de sub-18 conquistou, ontem, a medalha de bronze no Afrobasket, ao vencer a sua congénere de Angola por 56-43, no jogo de atribuição do terceiro lugar.

 

A equipa nacional repete o feito que tinha alcançado na edição anterior, conservando assim o estatuto da terceira melhor equipa africana na referida categoria.

 

As basquetistas nacionais, lideradas por Sílvia Veloso, a melhor jogadora e marcadora do encontro, com 20 pontos apontados, esteve sempre na frente do marcador, tendo saído a vencer por 13-7. A diferença de seis pontos estava longe de remeter as atletas nacionais à tranquilidade, motivo pelo qual se mantiveram sempre coesas e saíram para o intervalo a ganhar por 27-16.

 

O terceiro período foi o único em que a formação angolana demonstrou uma ligeira supremacia. Apontou 11 pontos contra 10 de Moçambique, tendo reduzido por via disso a desvantagem para menos um ponto ao cabo do terceiro período, 37-27.

 

Com uma vantagem de 10 pontos, o conjunto moçambicano teve “cabeça” para manter a frieza e concentração para conservar a vantagem. Aliás, além de segurar essa supremacia, aumentou para 13 pontos, tendo o resultado final se fixado em 56-43, um triunfo moçambicano que não merece qualquer tipo de contestação.

 

A Selecção Nacional acabou por fazer um bom “Africano”, mesmo atendendo que falhou o apuramento para final, após derrota diante do Egipto por 66-33, nas meias-finais no sábado. Mas no jogo com Angola soube erguer a cabeça e correr atrás da medalha que também enche de honra e motiva para o ataque ao título nas próximas edições.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:47
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O LATERAL direito Bhéu, do Nacional da Madeira, não conseguia tirar as palavras da boca e descreveu o lance que ditou o golo dos “Mambas” como um momento de alegria.

 

Para mim é uma honra e um momento de grande emoção, uma vez que é pela primeira vez que uso a camisola da Selecção Nacional”, disse.

 

Quanto à sua integração no Nacional da Madeira, Bhéu, ainda em período de adaptação, afirmou que está a ser fácil e que a expectativa de um dia vir se estrear na equipa é enorme.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:38
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O “CAPITÃO” dos “Mambas”, Dominguez, classificou a vitória de justa e merecida.

 

Penso que foi uma vitória justa, tendo em conta aquilo que fizemos durante os 90 minutos. Fomos uma equipa dominante, soubemos sofrer. Mostrámos que é preciso às vezes sofrer até ao fim. Temos trabalhado muito duro e procurado colocar no máximo em prática aquilo que o treinador tem transmitido durante o treino. Acaba sendo uma vitória bem merecida, estou muito emocionado e quero aqui agradecer o público pelo apoio”.

 

Quanto ao momento do lance (último) decisivo, Dominguez disse que foi com grande emoção que viu a bola parar no fundo das malhas.

 

E falando em nome da selecção, disse que “vamos continuar a trabalhar para conseguirmos mais vitórias. Estamos de parabéns”.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:35
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O SELECCIONADOR nacional, Abel Xavier, disse que os “Mambas” foram dominantes do princípio ao fim. Que a sua equipa soube reagir ao zero a zero que prevaleceu até ao fim do tempo regulamentar e não perdeu a confiança daquilo que estava a fazer em campo. Foi necessário fazer alterações, ajustar a equipa e saber sofrer com coragem, atitude e determinação. Aliás, foi mantendo a organização e os aspectos colectivos que devem prevalecer no conjunto que os “Mambas”  reagiram a todas as adversidades até chegarem ao golo.

 

Estamos orgulhosos de poder ter dado alegria a este público que veio nos apoiar, só posso dar parabéns a todos. Portanto, estamos num processo de viragem na mentalidade da minha equipa. A virar a página, os jogadores estão a acreditar no que estão a fazer e quando o processo é feito com vitórias é dignificante”, comentou.

 

Questionado sobre se esperava que os “Mambas” ganhassem no fim e nas condições como ganharam, Abel Xavier reiterou que a sua equipa foi dominante e isso permitiu a selecção criar mais situações.

 

É assim que analiso o jogo, não apenas pelos aspectos de resultado, é lógico que a vitória é confortante e mais do que merecida, mas para mim o mais importante é o volume e caudal de jogo que tivemos. Fomos dominantes, soubemos sofrer e conseguimos manter a equipa com uma determinada postura em campo”, elucidou, ajuntando que a Selecção Nacional tem vindo a trabalhar de uma forma séria e honesta.

 

Os jogadores têm sido contendores. Estou extremamente orgulhoso do que estão a fazer”, ressalvou.

 

Relativamente ao adversário, realçou que as Maurícias defenderam-se durante grande parte do jogo.

 

Nós sabíamos que, pelo espírito do jogo, as Maurícias iriam apostar num jogo defensivo, onde iria prevalecer a confiança, circulação de bola, qualidade no passe e tentar chegar à zona da finalização”. Para Abel Xavier valeu a observação prévia e cuidada de como o adversário joga, o que permitiu uma melhor preparação da equipa e do encontro.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:20
 O que é? |  O que é? | favorito

 

OS “Mambas” sofreram, imensamente, para chegar ao golo da vitória, apontado já no penúltimo minuto dos seis de compensação por Bhéu, provocando uma forte carga emocional do público que afluiu em número considerável ao Estádio Nacional do Zimpeto. Os adeptos da Selecção Nacional não só explodiram de alegria, como invadiram o recinto do jogo para festejarem com os jogadores e a equipa técnica. O seleccionador nacional, Abel Xavier, foi ovacionado e levado aos ombros pelos adeptos que, ávidos de vitórias, celebraram efusivamente o golo que ditou o triunfo dos “Mambas”.

 

Foi necessária muita fé e crença de que tudo é possível para a Selecção Nacional chegar ao golo da vitória.

 

Os seleccionados de Abel Xavier correram atrás do tempo, tendo em mente que a esperança é a última a morrer e que o jogo só termina quando o apito toca pela última vez.

 

Aliás, ninguém acreditava num resultado diferente do empate, que prevaleceu até o penúltimo, senão o último minuto de compensação, quando, em mais uma jogada de ataque, os “Mambas” ganharam mais um pontapé de canto. O “capitão” Dominguez, responsável por muitos dos lances de bola parada de que Moçambique beneficiou, foi fazer a cobrança. Todo o “batalhão” foi chamado para a grande área, mas coube a Bhéu dar a machadada final para o gáudio dos moçambicanos.

 

O combinado nacional, que entrou a pressionar e com um caudal ofensivo que obrigou o adversário a se encostar à sua zona, não encontrava o melhor caminho para a consumação das suas jogadas, porque a selecção das Maurícias soube defender-se, enquanto Faisal Bangal, o homem mais adiantado da turma moçambicana, era menos ousado para além de que as solicitações que lhes eram feitas não chegavam com total perfeição.

 

Mas muito cedo os “Mambas” tiveram a oportunidade de marcar, naquela jogada em que o criativo Luís Miquissone centrou atrasado para a entrada de Jumisse que, com o pé esquerdo, levou a bola ao poste. Jogava-se o minuto cinco.

 

As Maurícias só conseguiram reagir aos 12 minutos, arrancando um pontapé de canto que não levou nenhum perigo à baliza defendida por Pinto.

 

Perante a ausência de espaço para grandes manobras, com um cerco defensivo das Maurícias bem fechado, foi necessária muita criatividade. Encostados à direita e esquerda do ataque, o maestro Dominguez e o talentoso Luís Miquissone fizeram o que lhes convinham, procurando colocar as bolas em Faisal Bangal, muito vigiado e sem a mobilidade necessária para fugir à marcação.

 

Aos 17 minutos, Domiguez, usando a sua mestria, foi à linha de fundo cruzar para Faisal Bangal desviar o esférico no primeiro poste para a atenção do guarda-redes Kevin Obrian.

 

Cinco minutos depois, foi Luís Miquissone que, gozando da sua inteligência, fintou um à entrada da grande área, mas o remate foi contra os pés do adversário.

 

Jogar com um ponta-de-lança não era conveniente, mas a equipa teve inicialmente um poder ofensivo que foi se desmoronando com o tempo. Aliás, as Maurícias foram fazendo a melhor leitura das movimentações dos “Mambas” até a altura que já eram capazes de fechar as linhas de passe e controlar o sistema ofensivo dos caseiros, obrigando muitas vezes a equipa moçambicana a recuar para melhor se organizar.

 

A estratégia de jogar com dois médios ofensivos (Dominguez e Luís Miquissone) e muito criativos visava abrir espaço para Faisal Bangal, mas as Maurícias, que tinham dois trincos defensivos, fecharam os caminhos para o avançado moçambicano.

 

As Maurícias tinham quase o controlo completo do jogo no último quarto da etapa inicial e conseguiram, por duas vezes, chegar junto à baliza de Pinto, primeiro por Gary James, o homem mais adiantado da equipa visitante, que por pouco colocava o esférico em Jean-Pierre para a finalização, tendo valido a atenção de Edmilson. Depois foi o mesmo Jean-Pierre que quase se aproveitava da falta de comunicação entre o guarda-redes Pinto e o “central” Mexer, quando o primeiro saiu para se antecipar ao avançado mauriciano arrastando-se para tirar a bola dos pés do atacante. Mas Mexer pensou que não chegaria a tempo e tocou a bola projectando-a para Jean-Pierre que, vindo de trás para frente em velocidade, tentou colocá-la em jeito para a baliza escancarada, mas rasgou a boca da baliza para fora.

 

A segunda parte começa com Moçambique a procurar corrigir os erros e imprimir mais velocidade ao seu jogo, mas teve dificuldades para lograr sucesso porque as Maurícias mantiveram-se firmes e rigorosas no seu sistema defensivo, sem permitir perfurações junto da sua grande área.

 

Era necessário rematar de longe, porque a muralha defensiva tornava-se mais intransponível, enquanto os cruzamentos a áreas eram interceptados. Dominguez e Luís Miquissone continuaram a puxar pela selecção. Em mais um pontapé de canto, o “capitão” dos “Mambas” colcou o esférico em Mexer, mas o desvio saiu ao lado da baliza, aos 56 minutos.

 

Feito isto, coube a Miquissone assistir Dominguez. Com um rasgo à diagonal da esquerda para direita, o baixinho fez uma excelente colocação para o maestro dos “Mambas” atirar, de fora da grande área, desenquadrado com a baliza.

 

Essas tentativas foram sendo testadas, mas o grande ensaio foi do próprio Luís Miquissone que, um pouco encostado à esquerda do ataque, atirou com precisão obrigando o “keeper” das Maurícias a defender com os punhos para canto, aos 74 minutos.

 

As Maurícias continuaram a defender-se e com mais determinação e foram queimando o tempo à medida que o jogo caminhava para o fim. Isso custou a muitos cartões amarelos para os forasteiros.

 

Aliás, a sua estratégia acabou sendo contrariada no fim dos seis minutos de compensação, com Bhéu a sentenciar numa sobra após a marcação de mais um pontapé de canto por Dominguez.

 

A equipa de arbitragem, toda proveniente do Sudão, fez excelente trabalho. Alfadel Mohamed, o árbitro principal, esteve sempre em cima dos acontecimentos, ou seja, técnica e disciplinarmente bem.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Alfadel Mohamed, auxiliado por Walid Ali e Mohamed Ibrahim. O quarto árbitro foi Mutaz Kha Iralla.

 

MOÇAMBIQUE: Pinto; Bhéu, Mexer, Jeitoso e Edmilson; Jumisse (Reginaldo), Witi (Raúl), Loló, Dominguez e Luis Miquissone; Faisal Bangal (Elias).

 

MAURÍCIAS: Kevin Obrian; Louis Marco, Francis Mamiriaina, Bosqui Michael (Marcus Dray) e Balisson Damien; Rose Luther, Jean Anderson, Jean-Pierre, Luther Murphy e Guiyano Louis (Perticot Kevin); Gary James (Guiano Fabrice).

 

DISCIPLINA: cartões amarelos para Louis Marco, Jean-Pierre, Jean Anderson e Guiyano Lewis. 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:13
 O que é? |  O que é? | favorito

 

A SELECÇÃO Nacional de futebol venceu, sábado, no Zimpeto, as Ilhas Maurícias, por 1-0, em partida da sexta e última jornada do Grupo H de qualificação ao CAN-Gabão 2017.

 

Este triunfo teve um duplo sabor para os “Mambas”, na medida em que além de festejarem a própria vitória, alcançada no último minuto do prolongamento, celebraram, igualmente, a ascensão ao segundo lugar, objectivo traçado pela equipa técnica, depois de falhado o apuramento para o CAN.

 

O único golo do desafio foi apontado pelo defesa direito Bheu, que acabou sendo uma espécie de herói improvável, visto não ser um jogador talhado para os golos. Mas o certo é que o tento de Bheu foi determinante para a equipa nacional fechar a sua participação na “corrida” ao CAN em segundo lugar com sete pontos, os mesmos que o Ruanda, mas com vantagem no “goal-average” (saldo positivo na diferença entre golos marcados e sofridos).  

 

Os ruandeses, por sua vez, foram a Accra empatar no reduto do já apurado Gana, a um golo. Sublinhe-se que os ganeses apuraram-se com 14 pontos, sem nenhuma derrota.

 

Importa referir que sob o comando de Abel Xavier, os “Mambas” acabaram fazendo uma segunda volta espectacular, somando sete pontos, mercê de dois triunfos sobre o Ruanda (fora) e Maurícias (casa) e o empate com o Gana.

 

O mau arranque da primeira volta, com uma derrota inesperada no Zimpeto diante do Ruanda e no reduto das Maurícias acabaram por deitar, praticamente, abaixo o sonho de Moçambique voltar a disputar um CAN, algo que já não acontece desde Angola-2010, tendo dai para cá falhado a presença em quatro edições da mais importante competição do continente: Guiné-Equatorial-Gabão, 2012, África do Sul-2013, Guiné-Equatorial-2015 e agora Gabão-2017.  

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:09
 O que é? |  O que é? | favorito
Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
17
18
24
25
26
27
subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO