Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quinta-feira, 09 DE Junho 2016

 

A internacionalização do Standard Bank Open de Maputo e a consequente participação de árbitros internacionais permitem dar um rosto mais visível deste desporto fora de portas. Com efeito, o moçambicano Stélio Carlos vai se tornar durante o mês de Junho no primeiro juiz moçambicano de ténis a conhecer uma internacionalização ao mais alto nível quando pisar o palco dum dos mais prestigiados torneios do mundo da modalidade denominado Wimbledon 2016, e que vai decorrer entre os dias 27 de Junho e 10 de Julho. Entrevistado pelo “O País”, ele conta com emoção a realização daquilo que considera ser um sonho.

 

O País - Como é que surge a possibilidade de ser juiz num dos mais prestigiados torneios de ténis do mundo?

 

Stélio Carlos - Para ser escolhido para o Wimbledon tive que ter o número dois do ITF, curso que fiz no ano passado em Cape Town, e este ano participei em dois torneios internacionais de cadeira de rodas, que são os dois melhores naquela categoria na África do Sul, e tinham o prémio de 32 mil dólares e 42 mil dólares respectivamente, e ainda fiz alguns jogos, exactamente 21 jogos e algumas finais, depois disso enviei o relatório para Inglaterra a candidatar-me para o Wimbledon, eles viram o meu perfil e acharam que tinham os requisitos mínimos para poder participar.

 

O País - Estar pela primeira vez na quadra do Wimbledon Tennis 2016, que significado tem para si?

 

Stélio Carlos - É um sonho, porque quando me candidatei foi numa brincadeira, assim que recebi a notícia fiquei incrédulo, é uma boa surpresa participar do maior torneio de ténis do mundo. Para Moçambique é muito bom, porque o nosso trabalho vai ser conhecido a nível mundial.

 

O País - O que espera levar no dia 17 de Junho, sobre o ténis de Moçambique, quando viajar a Wimbledon?

 

Stélio Carlos - Bom, quando eu chegar lá vou contar sobre a nossa prática.

 

O País - Sente que esta abertura para estar neste “grand slam” de ténis, irá impor, em certa medida, maior responsabilidade ao ténis nacional?

 

Stélio Carlos - Neste momento estamos numa boa fase, participamos em todas as provas mundiais, estivemos na Fed Cup que é a maior competição em termos de selecção em femininos, participamos na Davis Cup que é o maior torneio masculino do planeta, em todos os torneios de iniciação temos atletas a marcarem presença. Só por isto que mencionei impõem uma grande responsabilidade para o país. A minha ida abre espaço para outros voos na família do ténis nacional.

 

O País - O que está em falta no ténis moçambicano para se tornar um dos mais fortes ao nível da região e quem sabe continental?

 

Stélio Carlos - O ténis é um desporto individual diferente do futebol ou basquete, aqui o atleta pode ser bom, mas precisa ter um suporte financeiro, e neste momento financeiramente não estamos muito bem, o país está em crise e o ténis já era difícil ter patrocinadores agora tornou-se pior. Neste momento precisamos de investimentos. 

 

O País - E como é que o ténis resiste a estas adversidades?

 

Stélio Carlos - Olha! O nosso ténis, apesar de estar num país sem cultura da prática desta modalidade, tem muito potencial, tem muito talento, mas precisa de investimento, sem isso não conseguimos chegar além. Quanto a formação não temos muitas diferenças com outros países, mas quando chegamos a categoria sub-18 já se nota uma grande diferença, porque atletas de outros países quando chegam a essa categoria fazem cerca de 30 torneios anuais, e nós aqui em Moçambique nem cinco torneios bons temos, então é muito difícil nós conseguirmos acompanhar o ritmo deles. 

 

A internacionalização do Standard Bank Open de Maputo e a consequente participação de árbitros internacionais permitem dar um rosto mais visível deste desporto fora de portas. Com efeito, o moçambicano Stélio Carlos vai se tornar durante o mês de Junho no primeiro juiz moçambicano de ténis a conhecer uma internacionalização ao mais alto nível quando pisar o palco dum dos mais prestigiados torneios do mundo da modalidade denominado Wimbledon 2016, e que vai decorrer entre os dias 27 de Junho e 10 de Julho. Entrevistado pelo “O País@, ele conta com emoção a realização daquilo que considera ser um sonho.

 

O País - Como é que surge a possibilidade de ser juiz num dos mais prestigiados torneios de ténis do mundo?

 

Stélio Carlos - Para ser escolhido para o Wimbledon tive que ter o número dois do ITF, curso que fiz o ano passado em Cape Town, e este ano participei em dois torneios internacionais de cadeira de rodas, que são os dois melhores naquela categoria na África do Sul, e tinham o prémio de 32 mil dólares e 42 mil dólares e ainda fiz alguns jogos, exactamente 21 jogos e algumas finais, depois disso enviei o relatório para Inglaterra a candidatar – me para o Wimbledon, eles viram o meu perfil eles acharam que tinham os requisitos mínimos para poder participar.

 

O País - Estar pela primeira vez na quadra do Wimbledon Tennis 2016, que significado tem para si?

 

Stélio Carlos - É um sonho, porque quando me candidatei foi numa brincadeira, assim que recebi a notícia fiquei incrédulo é uma boa surpresa participar do maior torneio de ténis do mundo. Para Moçambique é muito bom porque o nosso trabalho vai ser conhecido a nível mundial.

 

O País - O que espera levar no dia 17 de Junho sobre o ténis de Moçambique quando viajar a Wimbledon?

 

Stélio Carlos - Bom, quando eu chegar lá vou contar sobre a nossa prática.

 

O País - Sente que esta abertura para estar neste grand slam de ténis, irá impor em certa medida maior responsabilidade ao ténis nacional?

 

Stélio Carlos - Neste momento estamos numa boa fase, participamos em todas as provas mundiais, estivemos na Fed Cup que é a maior competição em termos de selecção em femininos, participamos na Davis Cup que é o maior torneio masculino do planeta, em todos os torneios de iniciação temos atletas a marcarem presença. Só por isto que mencionei impõem uma grande responsabilidade para o país. A minha ida abre espaço para outros voôs na família do ténis nacional.

 

O País - Questionamos ao nosso entrevistado sobre o que está em falta no ténis moçambicano para se tornar um dos mais fortes ao nível da região e quem sabe continental?

 

Stélio Carlos - O Ténis é um desporto individual diferente do futebol ou basquete, aqui o atleta pode ser bom mas precisa ter um suporte financeiro e neste momento financeiramente não estamos muito bem o país está em crise e o ténis já era difícil ter patrocinadores agora tornou – se pior. Neste momento precisamos de investimentos. 

 

O País - E como é que o ténis resiste a estas adversidades?

 

Stélio Carlos - Olha o nosso ténis apesar de estar num país sem cultura da prática deste desporto têm muito potencial, têm muito talento mas precisa de investimento sem isso não conseguimos chegar além. Quanto a formação não temos muitas diferenças com outros países, mas quando chegamos a categoria sub – 18 já se nota uma grande diferença, porque atletas de outros países quando chegam a essa categoria fazem cerca de 30 torneios anuais e nós aqui em Moçambique nem cinco torneios bons temos então é muito difícil nós conseguirmos acompanhar o ritmo deles.

 

Ainda nesta entrevista o homem de Wimbledon fez um olhar sobre o Standard Bank Open considerando que está muito participativo na categoria de massificação, onde desfilaram mais de 150 atletas rapazes, este ano houve a participação de atletas russos e portugueses, que são estrangeiros residentes em Moçambique algo que segundo ele não é muito comum nestas categorias, e ainda assim o nível foi bom pois deu para testar os nossos atletas.

 

 

Fonte:Opais

publicado por Vaxko Zakarias às 11:15
 O que é? |  O que é? | favorito
Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO