Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quinta-feira, 17 DE Março 2016

 

RADY Gramne transitou, terça-feira, para as meias-finais do Campeonato Africano de Boxe que decorre nos Camarões, após derrotar a queniana Elizabeth Akinyi, na divisão dos 75kg.

 

Com o triunfo, Rady abre grandes perspectivas do apuramento aos Jogos Olímpicos pois em caso de vitória no combate de hoje qualifica-se para aquele mega-evento desportivo, algo que seria inédito em femininos no país.

 

Outra moçambicana que esteve em acção na terça-feira foi a Ângela Machanguana que perdeu frente à argelina Elhem Mekhalad, nos quartos-de-final da prova. A derrota da Ângela não só significou a eliminação desta competição, como também impede a esta pugilista de concretizar o sonho Olímpico.

 

Recorde-se que o único moçambicano que representou o país nesta prova me masculinos, Paulo Jorge, foi eliminado no sábado por um etíope.

 

QUARTETO TENTARÁ OLIMPÍADAS VIA “MUNDIAL”

 

 

O QUARTETO de pugilistas constituído, muito provavelmente por Lourenço Cossa (Ferroviário) Francisco Massitela e Filipe Manjate (ambos do Estrela Vermelha), e ainda Maria Manuela, em femininos, irá tentar a qualificação para os jogos Olímpicos de Rio de Janeiro, através da participação no “Mundial” agenda para os meses finais de Maio e início de Junho, em Atenas Grécia.

 

O facto foi avançado pelo Presidente da Federação Moçambicana de boxe (FMBoxe), Benjamim Uamusse, Big-Ben, que acrescenta que o trio masculino será definido pela equipa técnica em função daquilo que tem sido a evolução dos atleta no terreno.

 

Maria Manuela é, para já, uma aposta da equipa técnica nacional constituída pelo cubano Oscar Martinez e Elísio Manhiça. Já o trio masculino pode sofrer alterações, pois há outros candidatos, casos de Francisco Máquina, Augusto Mathule, Valdo António e Bernardo Marrime, que estiveram na pré-convocatória para o “Africano” que decorre nos Camarões.

 

Esta é uma saída que encontrámos para podermos ir ao Rio de Janeiro, pois o “Africano” dos Camarões não foi bem conseguido da nossa parte”, disse.

 

Big Ben ajuntou que “se não conseguirmos ir ao Mundial, iremos participar no Torneio Pré-Olímpico na Europa que também dá acesso aos Jogos Olímpicos, porque o nosso objectivo é termos alguns pugilistas no Rio de Janeiro”, frisou Big-Ben.

 

Refira-se que o trio que está nos Camarões as expensas do Comité Olímpico que, no entanto, não coordenou com a FMBoxe, algo que gerou algum barulho no seio da família do boxe.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 12:35
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O GRUPO Desportivo de Maputo passou a contar desde ontem com um apoio de dois milhões de meticais oferecido pela Mcel.

 

O acordo prevê ainda um encaixe de 500 ou 250 mil meticais por parte do clube, caso este conquiste o primeiro ou segundo lugar, respectivamente, na maior prova futebolística do país, o Moçambola-2016.

 

Acresce-se a estes benefícios, um importante apoio em meios de comunicação, através da oferta de telemóveis e contratos, para as equipas técnicas de futebol e basquetebol do Grupo Desportivo de Maputo.

 

Na cerimónia de assinatura do contrato, a Mcel foi representada pelo administrador comercial, Cláudio Chiche, que exaltou esta parceria, estabelecida com um dos clubes históricos no panorama desportivo nacional.

 

 

 

 

Este é mais um momento da renovação duma parceria que já dura há oito anos, ao longo dos quais a nossa relação ultrapassou a dimensão desportiva, permitindo uma convivência fora do ambiente desportivo”, frisou.

 

Disse ainda esperar que a renovação do acordo traga os frutos desejados, pois a Mcel deseja ver o clube a conquistar o Moçambola 2016: “Estaríamos muito satisfeitos em ver uma equipa patrocinada por nós a erguer o troféu de campeão nacional. Estamos aqui para ajudar naquilo que for possível, uma vez que temos as nossas limitações. Aquilo que fazemos resulta da gestão dos escassos recursos que dispomos”, destacou Cláudio Chiche.

 

Por sua vez, o presidente da Comissão de Gestão do Grupo Desportivo de Maputo, Danilo Neves Correia, começou por agradecer à operadora pela renovação deste contrato importante para o clube.

 

Para nós é uma honra e orgulho competirmos, fazer desporto com a marca Mcel nas nossas camisolas, mas este compromisso vai para além disso, pois baseia-se no respeito mútuo e amizade, postura que temos que continuar a mantê-la”, referiu Danilo Correia.

 

Apesar dos vários problemas que tem enfrentado, conforme sublinhou o presidente da Comissão de Gestão, o Desportivo é um clube que hoje é campeão nacional em título de basquetebol sénior masculino e campeão nacional de atletismo, nos últimos dez anos.

 

Entretanto, no hóquei em patins e futebol não conseguimos títulos na época passada, mas esperamos conseguir levantar um troféu este ano, numa das competições em que o clube está envolvido, para honrar o apoio disponibilizado pela operadora”, afirmou.

 

Importa realçar que a Mcel colocou, igualmente, à disposição dos sócios, adeptos e simpatizantes do Grupo Desportivo de Maputo, o mKesh – serviço de moeda electrónica através do celular, para que possam utilizá-lo como meio de pagamento de quotas, bem como de canalização de apoios.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:54
 O que é? |  O que é? | favorito

 

MAIS atletas vão estagiar em Portugal no âmbito do protocolo de cooperação rubricado ontem, em Maputo, pelos presidentes dos Comités Olímpicos de Moçambique (COM), Marcelino Macome, e de Portugal, José Manuel Constantino.

 

O acordo, com duração de cinco anos, consiste na prestação de apoio por parte de Portugal para as áreas de formação e estágios dos atletas.

 

 

Para já, alguns atletas moçambicanos vão estagiar em Portugal em preparação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro e que se realizam em Agosto próximo. O acordo prevê a formação de técnicos e apoio aos projectos das federações desportivas nacionais.

 

O Comité Olímpico Português prestará igualmente apoio na formação do pessoal do COM, vai intermediar junto das federações portuguesas para intervirem nos projectos das modalidades nacionais, bem como disponibilizará material desportivo.

 

Por sua vez, o Comité Olímpico de Moçambique vai custear despesas para a vinda de dois técnicos portugueses para subsidiarem os nacionais em matérias de treinamento e outras. No mesmo contexto, técnicos moçambicanos deslocar-se-ão à Portugal para uma capacitação de cerca de um mês.

 

No âmbito do protocolo, as duas partes comprometem-se a observar os princípios olímpicos universais e respeito mútuo. Na ocasião, Marcelino Macome disse que era o último acto a acontecer na sede provisória do COM e que passará a funcionar no novo edificio a ser inaugurado dentro de sensivelmente um mês.

 

O acto que acabamos de assistir é feito de quatro em quatro anos e não é o primeiro. Já tivemos acordos que permitiram aos nossos atletas deslocarem-se à Portugal para a preparação e também treinadores. Já recebemos técnicos portugueses e neste momento há uma nova componente que entra nestes acordos, que é a formação do pessoal que trabalha no COM. Outra grande novidade é que os nossos atletas paralímpicos vão estagiar em Portugal”, comentou Macome.

 

Por seu turno, José Manuel Constantino referiu que era o primeiro protocolo que assinava com Moçambique como presidente do Comité Português. Quanto aos termos do protocolo, disse que a obrigação do Comité Português é ajudar e cooperar dentro do que estiver ao seu alcance e no que for necessário.

 

Naturalmente temos áreas da nossa vocação onde nos sentimos mais à vontade e convictos de que a nossa cooperação pode ser mais decisiva, nomeadamente a área da formação de técnicos, de documentação e de qualificação de dirigentes desportivos. A área de estágios de preparação dos atletas ou na cedência de técnicos portugueses que possam vir por algum tempo ajudar os técnicos moçambicanos a trabalhar em projectos desportivos”, anotou, acrescentado que é com sentimento de dever comprido que regressa a Portugal com a assinatura do protocolo, aguardando pela oportunidade de assistir a inauguração da nova sede do COM.  

 

Dedicou uma singela homenagem e reconhecimento ao trabalho levado a cabo por Marcelino Macome em prol do movimento olímpico nacional e internacional, bem como a sua liderança.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:32
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O REGRESSO de Simão Mathe, que actua no Levante da Espanha, e a não convocatória de Mexer que joga na França, são as grandes novidades da lista dos 20 convocados anunciados ontem pelo seleccionador nacional, Abel Xavier, para a “Operação Gana”, de qualificação para o CAN-2017, no Gabão, agendado para 24 deste mês, em Acra.

 

Simão não jogava pelos “Mambas” desde 15 de Novembro de 2014, data em que Moçambique recebeu e perdeu com a Zâmbia no Zimpeto em partida de qualificação para o CAN-2015.

 

Depois daquela partida, Simão não mais anuiu as convocatórias subsequentes, feitas sucessivamente por João Chissano, Mano-Mano e pelo croata Boris Pusic, este último que comandou os “Mambas” no duplo confronto com o Gabão, de acesso ao Mundial-2018.

 

O regresso de Simão constitui uma mais-valia para a zona intermediária da Selecção, visto que é um trinco possante e com muita experiência em jogos de grande exigência como o duplo confronto com os ganeses.

 

Outra grande surpresa desta lista, é a exclusão do defesa-central Mexer, não obstante ter regressado à competição há mais de um mês, depois de um longo período de recuperação de uma lesão.

 

Mexer não veste a camisola nacional desde a derrota na recepção ao Ruanda a 14 de Junho no Zimpeto, em partida da primeira jornada deste Grupo  “H”  de qualificação para o CAN-2017, pouco antes de se lesionar com gravidade.

 

Mexer não foi chamado por opção técnica, pois na óptica do seleccionador nacional, o “central” ainda não atingiu a forma desejada jogos de extrema exigência como os que a Seleccão Nacional irá efectuar frente às “Estrelas negras’.

 

Mas as surpresas na lista dos convocados para o embate com Gana não param por aqui. Há mais quatro ou cinco nomes que não são comuns nas convocatórias dos “Mambas”, entre estreantes e regressados.

 

  Na defesa o destaque vai para Mucuapel, da União Desportiva do Songo, chamado pela primeira vez. No meio-campo, Loló, do Estrela Vermelha, e Jair do Ferroviário de Maputo são também estreantes. Witness Quembo, do Nacional da Madeira (Portugal) não é estreante, mas nunca foi chamado para os jogos da CAF.

 

Já no ataque, a convocatória de Sonito, da Liga Desportiva de Maputo, apanhou a muitos de surpresa, dado que este há muito que não constava da convocatória dos “Mambas”, para além de estar abaixo de forma que nos habituou.

 

 Os “Mambas” jogam quinta-feira em Acra, sendo que três dias depois defrontam o Gana, no Zimpeto. Apenas a vitória interessa a Moçambique nestas duas partidas, pois outros resultados hipotecam o CAN-2017.

 

A Selecção deixa Maputo na manhã de segunda-feira, sendo que os jogadores que actuam no estrangeiro juntar-se-ão ao grupo já no Gana. O regresso está previsto para a noite do mesmo dia do jogo marcado para as 15:30 locais.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:13
 O que é? |  O que é? | favorito
Março 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
19
20
25
26
27
subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO