Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Quarta-feira, 28 DE Janeiro 2015

 

OS representantes moçambicanos nas competições organizadas pela Confederação Africana de Futebol (CAF), ao nível de clubes, nomeadamente a Liga Desportiva de Maputo e o Ferroviário da Beira, deverão preencher todos requisitos de participação na Liga dos Campeões Africanos e Taça Nelson Mandela (Taça CAF), respectivamente, até esta sexta-feira. 

 

A informação foi avançada pelo presidente da Federação Moçambicana de Futebol (FMF), Feizal Sidat, dando conta da existência de algumas lacunas nas exigências impostas pela CAF para questões de inscrição.

 

Segundo a fonte, um dos principais requisitos é que os seus recintos tenham a capacidade para albergar, no mínimo, cinco mil espectadores e que os respectivos clubes tenham as auditorias em dia e que haja garantia de que movimentam os escalões de formação. Feizal Sidat disse que são quatro a cinco os requisitos principais que cada um dos clubes deve responder para participar nas provas.

 

Salientar que os novos requisitos de participação nas Afrotaças foram introduzidos pela CAF em 2013. A CAF protelou a aplicação das medidas à Liga e Ferroviário da Beira no ano passado, razão pela qual realizaram as eliminatórias para a Liga dos Campeões Africanos e Taça CAF nas mesmas condições. Porém, não abrirá nenhuma excepção este ano, facto que obriga as duas equipas a encontrar soluções dentro dos prazos definidos por aquela organização que tutela o futebol continental.

 

LIGA JOGARÁ FORA DE PORTAS

 

A Liga Desportiva de Maputo vai disputar as eliminatórias para a fase de grupos da Liga dos Campeões Africanos fora do seu campo por incapacidade de acomodar o limite mínimo de assistentes estabelecido pela CAF.

 

O campo da Liga tem capacidade para perto de dois mil espectadores, facto que obriga a sua direcção a encontrar outro espaço para acomodar os jogos das Afrotaças. Para já, a Liga poderá receber APR de Ruanda no campo do Afrin (ex-Atlético Muçulmano), na Machava, no Município da Matola, com capacidade para oito mil espectadores.

 

Para o efeito, a Liga deverá entrar em acordo com o proprietário do recinto de modo que este lhe passe uma carta de cedência de instalações a ser dirigida à CAF, na qual deve estar referenciada a sua titularidade e capacidade.

 

O presidente da Liga, Rafik Sidat, afirmou que o único requisito em falta é a indicação do campo onde vai receber o APR de Ruanda e garantiu que o problema será resolvido atempadamente.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 12:43
 O que é? |  O que é? | favorito

Enquanto isso, o Ferroviário da Beira, que se desloca às Maurícias para defrontar o Petit Noire, não tem problemas quanto ao seu recinto, com capacidade para 15 mil espectadores e que sofreu obras de reabilitação de vulto a contar com as competições oficiais organizadas pela CAF.

 

O vice-presidente dos “locomotivas” para a área de futebol, Carlos Crespim, disse que o seu clube já reuniu toda a documentação necessária, acrescentando que o único problema tinha a ver com a não inscrição de um dos seus atletas (

 

), que havia sido garantido pela Liga, enquanto continua a pertencer ao Ferroviário da Beira. Disse que o problema poderia ser ultrapassado, porque se trata de substituição da sua inscrição pela Liga para dar lugar a dos “locomotivas”.   

 

O Ferroviário da Beira já foi inscrito e prova disso é que o nosso jogo já foi marcado, por via de um comunicado, para o dia 12 de Fevereiro. A única coisa que fomos solicitados, à posterior, pela FMF, e que é um dado novo, é a indicação do co-parceiro da auditoria e a confirmação da movimentação dos escalões de formação, bem como da apresentação da documentação que confirma a titularidade dos campos onde o nosso jogo será realizado. Já reunimos esses todos documentos e já enviamos o expediente à FMF”, assegurou. 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:48
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O COSTA do Sol acaba de anunciar a contratação das basquetebolistas que se tornaram tricampeãs nacionais e campeãs africanas pela ex-Liga Muçulmana em 2012 e actuais componentes da espinha dorsal da Selecção Nacional.

 

As atletas serão apresentadas no sábado na sede do Costa do Sol, no Matchiki-Tchiki, a partir das 9.30 horas, numa cerimónia pública que contará com a presença dos sócios, adeptos e da comunicação social.

 

As contratadas são Deolinda Ngulela, capitã da Selecção Nacional, Valerdina Manhonga, Cátia Alar, Deolinda Gimo, Ilda Chambe, Filomena Micato, Elizabeth Pereira e Eduarda dos Santos, “pedras” da Selecção Nacional e que estiveram no “Mundial” da Turquia no ano passado, à excepção das duas últimas.

 

É uma equipa de grande gabarito que os “canarinhos” pretendem formar, e segundo o presidente do clube, Amosse Chicualacuala, o objectivo é regressar à ribalta do basquetebol feminino.

 

Elas vão assinar no sábado contratos que variam de dois a cinco anos. Este é um projecto do clube a médio e longo prazo. Queremos voltar a ter expressão no basquetebol feminino e constatámos que levar estas jogadoras seria o ideal”, disse Chicualacuala.

 

Ajuntou que “doravante vamos lutar pelos lugares cimeiros, sendo que não podemos exigir o título logo na primeira época porque estamos a formar uma nova. Daqui a dois ou três anos a exigência de títulos será maior. Queremos impor-nos no país e além-fronteiras, pois estas são jogadoras de qualidade e experientes”, continuou.

 

Chicualacuala avançou ainda que o primeiro objectivo do Costa do Sol era colocar todas aquelas jogadoras em actividade, isto porque até então não tinham clube, o que era prejudicial para elas e para o nosso basquetebol, sobretudo para a Selecção Nacional.

 

Os nossos interesses são claros: ganhar e ganhar, mas também há interesses nacionais para com aquelas atletas, que já deram muito pela pátria”.

 

Refira-se que parte destas jogadoras a Liga Desportiva (ex-Liga Muçulmana) foi buscá-las ao Desportivo de Maputo, após conseguirem o bicampeonato africano (2007 e 2008), num negócio polémico.

 

Após ingressarem na Liga, a equipa muçulmana passou a dominar o basquetebol nacional, com títulos nacionais em 2010, 2011 e 2012, este último ano juntaram títulos nacionais com o de campeã africana.

 

Em 2013 a Liga Desportiva anunciou a extinção da equipa feminina de basquetebol, uma decisão que apanhou todos de surpresa, apesar de que pouco antes disso houve alguns indícios com a não participação no Afrobasket, no qual esta formação ia defender o título.

 

A falta das competições a nível interno foi o alegado móbil da extinção da equipa ex-campeã africana, segundo os dirigentes da ex-Liga Muçulmana.

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 11:15
 O que é? |  O que é? | favorito
Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
24
25
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO