Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Segunda-feira, 26 DE Janeiro 2015

 

 

TODOS os clubes que participarão na edição-2015 do Campeonato Nacional de futebol, Moçambola-2015, já estão a trabalhar tendo em vista a sua presença na maior e mais importante competição futebolística nacional.

 

Ao todo são 14 clubes que participarão nesta competição, a saber: Liga Desportiva, por sinal campeã em título; Ferroviário de Nampula (vice), Ferroviário da Beira, Desportivo de Maputo, HCB, Maxaquene, Chibuto, Costa do Sol, Desportivo de Nacala, Ferroviário de Quelimane, Ferroviário de Maputo, Ferroviário de Nacala, 1.º Maio de Quelimane e ENH de Inhambane, estes três últimos recém-promovidos.

 

São estas formações que irão lutar pelo título e pela manutenção na prova máxima do nosso futebol, que a cada ano tende a ser mais emotiva.

 

 

O Ferroviário da Beira foi o primeiro a abrir as “oficinas”, tendo-se apresentado aos sócios e simpatizantes a 7 do mês em curso. Depois disso começou a trabalhar em Chiveve e, a seguir, rumou à África do Sul, onde se encontra até hoje, em estágio pré-competitivo.

 

 

 

 

Há razões para a abertura madrugadora das “oficinas” do clube de Chiveve. Os “locomotivas” participam nas Afrotaças nos meados do próximo mês e no dia 8 de Fevereiro disputam a Supertaça com a Liga Desportiva, no Estádio da Machava.

 

Os beirenses mantiveram quase toda a equipa do ano passado e fizeram poucas contratações para a nova época, o que confere maior coesão do grupo.

 

O segundo a abrir as oficinas foi a Liga Desportiva, campeã nacional. Tudo aconteceu no dia 9. Há muitas caras novas no seio dos “muçulmanos”, entre nacionais e estrangeiros, onde se destacam um argentino e um paraguaio. Salienta-se ainda o regresso de Litos ao comando técnico.

 

Os motivos da abertura prematura são os mesmos que os do Ferroviário da Beira: Supertaça e Afrotaças.

 

O terceiro foi o Maxaquene, a 12 deste mês. Os “tricolores”, que voltaram a confiar em Chiquinho Conde, estão a iniciar os trabalhos. Cerca de 30 jogadores tentam a sua sorte no plantel. Alguns fizeram parte da equipa no ano passado e outros são novatos e regressados. A palavra de ordem é lutar pelo título.

 

O recém-promovido ENH de Inhambane foi quem se seguiu, tendo voltado a apostar em Eurico da Conceição como técnico, para além de ter contratado muitos dispensados do Maxaquene e outras equipas da capital do país.

 

A equipa-base do ano passado não sofreu muitas alterações pelo que o representante de Inhambane terá algo a dizer no Moçambola.

 

Neste momento, os “hidrocarbonetos” estão de viagem para a África do Sul depois de terem estado em Maputo, por cinco dias, onde fizeram alguns jogos de controlo com o Desportivo e Maxaquene, no fim-de-semana.

 

 

Seguiu-se o Ferroviário de Nampula, no dia 14. Também há muitas caras novas à disposição do português Rogério Gonçalves. A palavra de ordem é, no mínimo, conservar o segundo lugar, sendo que o título é prioritário.

 

O seu homónimo de Nacala, que ascendeu este ano para a prova-mor do futebol nacional, foi o seguinte. O seu técnico é o jovem Sérgio Faife, talvez a maior estrela da equipa e, acima de tudo, o grande reforço. Não foi por acaso que foi recebido como herói na cidade portuária, tendo confessado que nunca tinha imaginado uma recepção idêntica na sua vida.

 

Com toda a razão, Faife teve uma recepção calorosa, milhares de adeptos encheram as bancadas do campo do Ferroviário de Nacala, depois de o terem esperado por longas horas no aeroporto, para o receber, num gesto que fica indelevelmente marcado na memória de qualquer que seja.

 

Garantir a manutenção o mais cedo possível é o que a direcção “locomotiva” pede ao antigo internacional moçambicano.

 

Pouco antes, o Ferroviário e o 1.º Maio, ambos de Quelimane, haviam começado com os trabalhos. O 1.º Maio tem como técnico Zulu, muito conhecido nas bandas de Quelimane, e promete não descer de divisão. Sem muitos recursos humanos (jogadores) e muito menos financeiros, esta formação acredita que o trabalho supera todo tipo de dificuldades.

 

No segundo ano consecutivo no Moçambola, o Ferroviário de Quelimane continua com Nacir Armando e promete ter a permanência garantida muito mais cedo que no ano passado que teve de ir até as últimas consequências.

 

O Costa do Sol e o Desportivo de Maputo começaram a trabalhar na segunda-feira da semana passada. Ambos têm muitas caras novas, com alguns regressados à mistura, sobretudo, nos “alvi-negros”.

 

As duas colectividades elegem o título como alvo para 2015. O Costa do Sol não vence desde 2007 e o Desportivo desde 2006. O facto curioso é que ambos fizeram a “dobradinha” no último ano em que conseguiram ganhar o Moçambola.

 

A HCB abriu as “oficinas” na terça-feira, com a equipa a ser comandada pelo conhecido e mediático treinador Artur Semedo. Os “hidroeléctricos” querem o título, mas sabem que não será fácil. No mercado contrataram alguns jogadores interessantes, mas perderam muitas das suas pedras basilares para outros clubes.

 

No lote dos grandes, o último a se mostrar publicamente foi o Ferroviário de Maputo. Com muitos reforços, doze ao todo, os “locomotivas” querem fazer do Moçambola-2015 uma vingança da edição passada no qual só conseguiram a manutenção por um triz.

 

Tudo aconteceu na manhã da última terça-feira, e confirmou-se a continuidade de Vítor Pontes como técnico, não obstante o fracasso de 2014. No seio dos “locomotivas” só se fala do título.

 

O Desportivo de Nacala foi o último a abrir as “oficinas”, tendo o feito na quarta-feira, com a equipa sob o comando de Arnaldo Ouana. O antigo ponta-de-lança tem a missão de, no mínimo, repetir a classificação conseguida no ano passado sob as ordens do contestado Akil Marcelino.

 

Aliás, Arnaldo Ouana não terá outra saída perante os exigentes adeptos dos “canarinhos” de Nacala que não toleram maus resultados.

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 12:51
 O que é? |  O que é? | favorito

 

 

O Ministro da Juventude e Desportos, Alberto Nkutumula, diz que não cabe a ele, sozinho, definir as questões que devem ser tratadas como prioridade pelo novo Governo, no quadro das atribuições e competências do ministério que dirige desde a última segunda-feira, altura em que foi empossado pelo Presidente da República, Filipe Nyusi. Para Nkutumula, cabe aos desportistas definir o que deve ser tratado como prioridade pelo Governo.

 

Dois dias depois de ter sido nomeado para assumir o cargo de Ministro da Juventude e Desportos, Alberto Nkutumula tomou posse na passada segunda-feira, 19 de Janeiro corrente, em cerimónia que teve lugar no Palácio da Ponta Vermelha, na cidade de Maputo.

 

O antigo Vice-Ministro da Justiça e porta-voz do Conselho de Ministros no último mandato do Presidente Armando Guebuza é jurista de profissão, formado em Direito pela Universidade Eduardo Mondlane, e tem uma curta passagem pelo desporto.

 

Na década de 1990, Alberto Nkutumula foi jogador de basquetebol nos escalões de formação no Centro Atlético da Conseng, clube que na época escreveu páginas douradas na modalidade a nível nacional e ganhou, inclusive, vários títulos nacionais em juniores e seniores masculinos.

 

Em 1994 e 1996, altura em Nkutumula ainda estava ligado à Conseng, mas nas equipas de base onde sempre jogou, a Conseng ganhou dois títulos nacionais em seniores, os únicos do clube fundado pelo Eng.º Óscar de Carvalho na sua história.

 

Nos anos seguintes, o agora Ministro da Juventude e Desportos viria a abandonar a prática activa do basquetebol.

 

DEIXAR OS DESPORTISTAS DECIDIR SUAS PRIORIDADES

 

Momentos depois da sua tomada de posse, Alberto Nkutumula falou à Reportagem do jornal desafio, que foi ao Palácio da Ponta Vermelha para acompanhar a cerimónia.

 

Instado a referir-se às prioridades que o novo Ministro da Juventude e Desportos aponta para o ciclo de governação há pouco iniciado, Nkutumula disse que tal decisão seria tomada depois de auscultar os fazedores do desporto nacional.

 

Segundo o governante, não será ele, sozinho, a dizer o que deve ser tratado com a máxima prioridade pelo Governo na área do desporto, mas sim os próprios desportistas, profundos conhecedores da realidade nas diversas modalidades.

 

- O que nós vamos fazer, porque trabalhamos com eles, é sentar com todos e discutirmos em conjunto quais são as prioridades no sector da juventude e do desporto. É com base na audição de todas as opiniões, todas elas válidas, e com base nas atribuições e competências do Ministério da Juventude e Desportos, que iremos definir quais são as prioridades neste quinquénio nestes dois sectores – disse Nkutumula, para quem não deve ser o Ministério da Juventude e Desportos (MJD) a dizer o que deve ser tratado com prioridade no sector desportivo.

 

 

Narciso Nhacila

publicado por Vaxko Zakarias às 12:23
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O atleta moçambicano de canoagem da categoria Optimist, Diogo Sanches, vai mostrando cada vez mais o porquê de ser o melhor atleta africano da modalidade. Na prova mundial ontem (domingo) terminado em Oman, destinado aos melhores atletas mundiais, Moçambique era o único país africano a participar da prova, o atleta entrou na lista dos vinte melhores da classificação final, posicionando-se no 14º lugar.

 

A outra atleta moçambicana que também participava da prova, Deisy Nhaquile, não conseguiu o feito do seu compatriota tendo terminado a prova em 41º lugar da classificação geral. No entanto, na classificação feminina, a atleta esteve em pleno ao constar da lista das 10 melhores atletas do seu género.

 

Participavam desta prova além do anfitrião Oman, sete países europeus, Qatar (Ásia), Argentina e Brasil em representação do continente americano e Moçambique (único representante africano).

 

Internamente, a Federação Moçambicana de Vela e Canoagem organiza no próximo sábado, 31 de Janeiro, a primeira regata que abre a época da modalidade no país.

publicado por Vaxko Zakarias às 12:10
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Moçambique defronta as Maurícias no próximo dia 15 de Fevereiro, às 15.00 horas, em jogo da primeira mão das eliminatórias de acesso ao Campeonato Africano de Futebol de Praia, a ter lugar nas Seychelles. A segunda mão será realizada no campo de Matchiki-Tchiki, (Costa do Sol), no dia 22 de Fevereiro.

 

Caso Moçambique supere as Maurícias nesta eliminatória, terá pela frente a potente selecção da Costa do Marfim. O combinado nacional trabalha sob as ordens do técnico Saidat Moveia, coadjuvado por Pascoal Loforte e João Carlos, há uma semana, na Arena do Costa do Sol, local que acolheu o recém-terminado Campeonato de Futebol de Praia, em que o Vulcano se sagrou campeão da cidade de Maputo.

 

O primeiro jogo está marcado para o dia 15 de Fevereiro, nas Maurícias, e segunda mão disputar-se-á uma semana depois na Arena do Costa do Sol, no Matchiki-Tchiki. O espaço deverá beneficiar de pequenas obras de reabiltação para acolher os dois jogos que se avizinham.

 

Passando a primeira eliminatoria, Moçambique terá pela frente a Costa do Marfim, na semana de 13-15 de Março, e a segunda mão no fim-de-semana de 22 do mesmo mês. Vencendo as duas frentes, os pupilos de Saidat Moveia garantem a qualificação para o Africano da modalidade, que será disputado nas Seychelles. A equipa nacional pretende fazer história garantindo presença no Campeonato Africano e chegar ao Mundial que terá lugar em Portugal, em meados deste ano.

 

Entretanto, a Selecção Nacional foi convidada a tomar parte num campeonato internacional designado “Power Horse”, em Durban, na África do Sul, de 6 a 8 de Março, intervalo do jogo contra a Costa do Marfim, facto que entusiasma o técnico nacional.

 

Deanof Potompuanha

publicado por Vaxko Zakarias às 11:56
 O que é? |  O que é? | favorito

 

 

 

O orçamento anual baixou consideravelmente, e o Desportivo de Nacala perdeu mais de metade dos jogadores que compunham a equipa do ano passado. Arnaldo Ouana, técnico contratado para substituir Akil Marcelino, tem a missão de reestruturar totalmente o plantel. A manutenção é o primeiro objectivo, mas também se pensa em melhorar a classificação. 

 

A equipa do Desportivo de Nacala inicia os trabalhos amanhã, no campo da Bela Vista. Na altura da nossa conversa, Arnaldo Ouana, técnico que vai comandar os “canarinhos” este ano, ainda estava em Maputo, sem muitas definições em relação ao plantel, mas confiante em realizar um bom trabalho.

 

Não temos a base da equipa do ano passado. O orçamento baixou e, como consequência, a maior parte dos jogadores deixou a equipa. Vamos começar o trabalho de zero, reestruturando o plantel. A direcção confiou-me essa tarefa porque acredita no meu trabalho. Aceitei o desafio porque tenho fé que podemos melhorar a nossa produtividade em relação aos anos anteriores. Sei que não vai ser fácil, mas vamos lutar por manter a equipa com o mesmo estatuto que conquistou, frisou Arnaldo Ouana, e, evitando criar mal-entendidos, acrescentou que com isso não quero desvalorizar o trabalho que foi feito pelos meus colegas. Muito pelo contrário. Eles desenvolveram um belíssimo trabalho, criando expectativas por parte dos amantes do desporto, em particular das pessoas de Nacala, sublinhou.

 

O técnico Arnaldo Ouana quer que o Moçambola-2015 seja uma grande festa de futebol, sem casos, o que caracterizou as anteriores provas, onde uns intervenientes, mormente os deficitários, são sempre mais prejudicados e outros beneficiados pela arbitragem.

 

– Gostaria que no fim do campeonato ganhassem aqueles que merecerem ou que durante a temporada estejam mais atentos. Não poderei usar a célebre frase “que ganhem os melhores”, pois no nosso futebol nem sempre é assim. Sempre questiono por que razão o nosso futebol não é como o inglês, em que as equipas são aplaudidas pelos seus adeptos mesmo depois de uma derrota, ou onde os árbitros não são figuras principais de um jogo, questionou o nosso interlocutor.

 

 

Joca Estêvão

publicado por Vaxko Zakarias às 11:47
 O que é? |  O que é? | favorito

TODOS os clubes que participarão na edição-2015 do Campeonato Nacional de futebol, Moçambola-2015, já estão a trabalhar tendo em vista a sua presença na maior e mais importante competição futebolística nacional.

 

Ao todo são 14 clubes que participarão nesta competição, a saber: Liga Desportiva, por sinal campeã em título; Ferroviário de Nampula (vice), Ferroviário da Beira, Desportivo de Maputo, HCB, Maxaquene, Chibuto, Costa do Sol, Desportivo de Nacala, Ferroviário de Quelimane, Ferroviário de Maputo, Ferroviário de Nacala, 1.º Maio de Quelimane e ENH de Inhambane, estes três últimos recém-promovidos.

 

São estas formações que irão lutar pelo título e pela manutenção na prova máxima do nosso futebol, que a cada ano tende a ser mais emotiva.

 

O Ferroviário da Beira foi o primeiro a abrir as “oficinas”, tendo-se apresentado aos sócios e simpatizantes a 7 do mês em curso. Depois disso começou a trabalhar em Chiveve e, a seguir, rumou à África do Sul, onde se encontra até hoje, em estágio pré-competitivo.

 

Há razões para a abertura madrugadora das “oficinas” do clube de Chiveve. Os “locomotivas” participam nas Afrotaças nos meados do próximo mês e no dia 8 de Fevereiro disputam a Supertaça com a Liga Desportiva, no Estádio da Machava.

 

Os beirenses mantiveram quase toda a equipa do ano passado e fizeram poucas contratações para a nova época, o que confere maior coesão do grupo.

 

O segundo a abrir as oficinas foi a Liga Desportiva, campeã nacional. Tudo aconteceu no dia 9. Há muitas caras novas no seio dos “muçulmanos”, entre nacionais e estrangeiros, onde se destacam um argentino e um paraguaio. Salienta-se ainda o regresso de Litos ao comando técnico.

 

Os motivos da abertura prematura são os mesmos que os do Ferroviário da Beira: Supertaça e Afrotaças.

 

O terceiro foi o Maxaquene, a 12 deste mês. Os “tricolores”, que voltaram a confiar em Chiquinho Conde, estão a iniciar os trabalhos. Cerca de 30 jogadores tentam a sua sorte no plantel. Alguns fizeram parte da equipa no ano passado e outros são novatos e regressados. A palavra de ordem é lutar pelo título.

 

O recém-promovido ENH de Inhambane foi quem se seguiu, tendo voltado a apostar em Eurico da Conceição como técnico, para além de ter contratado muitos dispensados do Maxaquene e outras equipas da capital do país.

 

A equipa-base do ano passado não sofreu muitas alterações pelo que o representante de Inhambane terá algo a dizer no Moçambola.

 

Neste momento, os “hidrocarbonetos” estão de viagem para a África do Sul depois de terem estado em Maputo, por cinco dias, onde fizeram alguns jogos de controlo com o Desportivo e Maxaquene, no fim-de-semana.

 

Seguiu-se o Ferroviário de Nampula, no dia 14. Também há muitas caras novas à disposição do português Rogério Gonçalves. A palavra de ordem é, no mínimo, conservar o segundo lugar, sendo que o título é prioritário.

 

O seu homónimo de Nacala, que ascendeu este ano para a prova-mor do futebol nacional, foi o seguinte. O seu técnico é o jovem Sérgio Faife, talvez a maior estrela da equipa e, acima de tudo, o grande reforço. Não foi por acaso que foi recebido como herói na cidade portuária, tendo confessado que nunca tinha imaginado uma recepção idêntica na sua vida.

 

Com toda a razão, Faife teve uma recepção calorosa, milhares de adeptos encheram as bancadas do campo do Ferroviário de Nacala, depois de o terem esperado por longas horas no aeroporto, para o receber, num gesto que fica indelevelmente marcado na memória de qualquer que seja.

 

Garantir a manutenção o mais cedo possível é o que a direcção “locomotiva” pede ao antigo internacional moçambicano.

 

Pouco antes, o Ferroviário e o 1.º Maio, ambos de Quelimane, haviam começado com os trabalhos. O 1.º Maio tem como técnico Zulu, muito conhecido nas bandas de Quelimane, e promete não descer de divisão. Sem muitos recursos humanos (jogadores) e muito menos financeiros, esta formação acredita que o trabalho supera todo tipo de dificuldades.

 

No segundo ano consecutivo no Moçambola, o Ferroviário de Quelimane continua com Nacir Armando e promete ter a permanência garantida muito mais cedo que no ano passado que teve de ir até as últimas consequências.

 

O Costa do Sol e o Desportivo de Maputo começaram a trabalhar na segunda-feira da semana passada. Ambos têm muitas caras novas, com alguns regressados à mistura, sobretudo, nos “alvi-negros”.

 

As duas colectividades elegem o título como alvo para 2015. O Costa do Sol não vence desde 2007 e o Desportivo desde 2006. O facto curioso é que ambos fizeram a “dobradinha” no último ano em que conseguiram ganhar o Moçambola.

 

A HCB abriu as “oficinas” na terça-feira, com a equipa a ser comandada pelo conhecido e mediático treinador Artur Semedo. Os “hidroeléctricos” querem o título, mas sabem que não será fácil. No mercado contrataram alguns jogadores interessantes, mas perderam muitas das suas pedras basilares para outros clubes.

 

No lote dos grandes, o último a se mostrar publicamente foi o Ferroviário de Maputo. Com muitos reforços, doze ao todo, os “locomotivas” querem fazer do Moçambola-2015 uma vingança da edição passada no qual só conseguiram a manutenção por um triz.

 

Tudo aconteceu na manhã da última terça-feira, e confirmou-se a continuidade de Vítor Pontes como técnico, não obstante o fracasso de 2014. No seio dos “locomotivas” só se fala do título.

 

O Desportivo de Nacala foi o último a abrir as “oficinas”, tendo o feito na quarta-feira, com a equipa sob o comando de Arnaldo Ouana. O antigo ponta-de-lança tem a missão de, no mínimo, repetir a classificação conseguida no ano passado sob as ordens do contestado Akil Marcelino.

 

Aliás, Arnaldo Ouana não terá outra saída perante os exigentes adeptos dos “canarinhos” de Nacala que não toleram maus resultados.

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:42
 O que é? |  O que é? | favorito

 

O GOLFINHOS renovou o título nos Campeonatos Nacionais de Natação de Verão de Piscina Curta (25 metros) que juntaram, durante cinco dias, nove equipas na Piscina Raimundo Franisse, junto à associação da modalidade na capital, duas delas estreantes (HCB de Songo e Clube de Natação de Tete) e uma regressada depois de muitos anos de estagnação (Ferroviário de Nampula).

 

As restantes equipas são da cidade de Maputo, nomeadamente o campeão Golfinhos, o vice-campeão Tubarões, Ferroviário, Desportivo, Naval e Nguenhas.

 

O Golfinhos renovaram o título perante a forte oposição do Tubarões, que, depois de conquistar, no ano passado, o concorrido campeonato da cidade de Maputo, sonhavam com a conquista os “Nacionais”.

 

Os últimos “nacionais” podem ser considerados os mais competitivos, a começar pelo número de equipas e quantidade de nadadores presentes, alguns dos quais nadam fora de portas.

 

 

A quantidade e qualidade estiveram de mãos dadas, o que proporcionou maior concorrência aliada à rivalidade entre algumas das equipas, com destaque para o Golfinhos e Tubarões, equipas que detêm maior parte dos melhores nadadores do país.

 

 

Essa rivalidade justifica a partilha no domínio dos escalões e sexos. Apesar de campeão absoluto, na contagem geral de medalhas, o Golfinhos apenas dominou em masculinos, pois o Tubarões deteve a hegemonia em femininos.

 

 

Em masculinos, Golfinhos foi campeão de iniciados, infantis, juvenis e seniores, enquanto o Tubarões impôs-se apenas em juniores. Não houve inscrições suficientes em pré-iniciados. Já em femininos, o Tubarões esteve à frente em juniores e seniores, enquanto o Golfinhos dominou apenas nos infantis. O Ferroviário da Beira destacou-se em pré-iniciados e juvenis, mas ficou em terceiro, atrás do Golfinhos.

 

 

Estes campeonatos tiveram a prerrogativa de os campeões dos escalões serem por clubes e não individuais. Ou seja, o vencedor da categoria é o clube que reunir maior pontuação em cada escalão em cada sexo. 

 

 

De modo geral, o Golfinhos liderou o medalheiro graças à quantidade de ouro conquistado nos diversos escalões por si dominados. Amealhou 75 medalhas de ouro, das quais 56 em masculinos, 38 de prata e 25 de bronze. Por seu turno, Tubarões obteve 64 ouros, 35 dos quais em femininos, 36 pratas e 23 bronzes.

 

A terceira melhor equipa é o Ferroviário da Beira, com 19 ouros, 16 dos quais conquistados em femininos. Os históricos Ferroviário e Desportivo continuam a ir de mal a pior: ocuparam os lugares subsequentes com, respectivamente, oito e seis medalhas de ouro. Os “locomotivas” da capital amealharam ainda nove pratas e cinco bronzes. Os “alvi-negros” conseguiram ainda 4 pratas e dois bronzes. As restantes equipas não conseguiram sequer uma medalha.   

  

Estes resultados conferem, por si, a grandeza dos campeonatos ora terminados, dominados por momentos emotivos e espectáculo pouco vulgar e proporcionaram fortes emoções aos amantes da modalidade, que afluíram em massa à Piscina Raimundo Franisse.  

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:25
 O que é? |  O que é? | favorito

 

Os “nacionais” de Verão de 25 metros produziram 16 recordes nacionais de categoria, dos quais cinco individuais, sendo os restantes em estafetas. Apesar de muita competitividade, foram poucos os atletas que conseguiram superar os anteriores máximos, tendo em conta que a natação é uma modalidade individual.

 

 

Facto curioso é que apenas uma mulher logrou um máximo dos quatro recordistas nacionais. Trata-se da célebre Géssica Stagno, do Tubarões, que melhorou os seus anteriores 19.46,24 minutos para 19.13,37 nos 1500 metros livres seniores femininos.  

 

 

O nadador mais destacado de todos é Érico Cuna, do Golfinhos, com dois recordes nacionais, nas especialidades de 50 metros mariposa e 100 costas juvenis masculinos. Em mariposa, o jovem atleta fixou o novo máximo em 27,50 segundos contra os anteriores 27,53, de Shakil Fakir, do Tubarões. Em costas, Cuna fez 1.03,56 minuto, superando o tempo de 1.05,48 de Castro Júnior, também do Tubarões.

 

 

Os restantes recordistas são Allan Bique e Denilson da Costa, ambos juniores do Tubarões. Bique evidenciou-se nos 200 metros bruços com o novo máximo fixado em 2.35,29 minutos, contra os 2.36,77 do seu colega Shakil Fakir. Por último, Denilson da Costa fixou a nova marca em 23,78 segundos nos 50 metros livres, contra os anteriores 23,88, também de Shakil Fakir.

 

 

Como se pode notar, o Tubarões, apesar de não ter alcançado do título, teve maior número de recordes individuais relativamente ao seu rival Golfinhos. Aliás, esteve igualmente na dianteira em estafetas. Dos 11 recordes batidos, sete foram da sua autoria, respectivamente nos 4x50, 4x100 e 4x200 metros livres seniores femininos, 4x50 e 4x100 livres iniciados e juniores masculinos, respectivamente; 4x100 estilos juniores e seniores masculinos.

 

 

SALVADOR NHANTUMBO

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:09
 O que é? |  O que é? | favorito
Janeiro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
24
25
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO