Este blog tem como objectivo difundir a documentação de carácter desportivo
Segunda-feira, 05 DE Maio 2014

A SÉTIMA jornada do Moçambola-2014 está rodeada de grandes expectativas, com dois embates que podem mudar o rumo dos acontecimentos em relação a dois dos principais candidatos ao título actualmente bem posicionados na tabela, nomeadamente o Maxaquene e a Liga Muçulmana.

 

 

Os “tricolores” recebem esta noite o Ferroviário da Beira, no Estádio do Zimpeto, esperançados num novo deslize do Ferroviário de Nampula para alcançarem o pódio. Na segunda posição, com menos dois pontos que os “locomotivas” nampulenses, os “tricolores” têm o factor casa a seu favor e estão muito motivados e moralizados pela trajetória retumbante que estão a registar desde o início da prova.

 

 

O Ferroviário de Nampula pode redimir-se do descalabro diante do Costa do Sol, na última ronda, pois joga em casa com o Desportivo de Nacala, cuja prestação neste início da época não tem sido das melhores. Os nampulenses têm sido implacáveis no seu reduto e também andam bem motivados. Mas terão de se precaver perante um Desportivo de Nacala que procura recuperar o tempo perdido, tendo batido na semana passada o Desportivo de Maputo.  

 

 

 

Também esperançada no assalto à liderança está a Liga Muçulmana, que joga no Songo perante a temível HCB, que, após a vitória em Pemba sobre o Ferroviário local, ocupa a quarta posição, portanto espreita os lugares cimeiros e este jogo pode abrir espaço para a concretização do seu sonho.

 

 

Enquanto isso, o Costa do Sol joga na Beira com o Estrela Vermelha local apostado também na recuperação do espaço perdido. A vitória sobre o Ferroviário de Nampula pode ter servido de trampolim da fase menos boa que está a registar. Mas isso será provado se continuar a vencer. Os “alaranjados” travaram o Ferroviário de Maputo com um empate, mas andam muito fragilizados comparativamente à temporada transacta.

 

 

 

O outro que procura manter o seu estatuto de um dos “colossos” do futebol moçambicano é o regressado Desportivo, que começou a abrandar depois de um arranque promissor. Os “alvi-negros” recebem o Ferroviário de Quelimane, que é um adversário com alguma postura e não tão acessível. Mas, jogando em casa, os “alvi-negros” podem lograr os seus objectivos, num jogo que é proibido perder sob risco de se afundarem. 

 

   

O outro candidato ao título que, à semelhança do Desportivo da capital, está a registar um percurso irregular e menos brilhante é o Ferroviário de Maputo, que vai à Beira defrontar o Têxtil, que foi a Chibuto arrancar um empate perante o clube gazense. Os “fabris” também tentam reencontrar-se e são capazes de tudo no seu reduto. 

 

 

O jogo entre aflitos coloca frente-a-frente o Chibuto e o Ferroviário de Pemba, no campo da segunda formação. O Chibuto, que deu de fazer desde que entrou no Moçambola, está irreconhecível neste campeonato. Os “locomotivas” de Pemba não estão a conseguir impor-se, o que coloca a equipa técnica em apuros perante um público intolerante. 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:29
 O que é? |  O que é? | favorito

DEFINITIVAMENTE o Costa do Sol está a ter um arranque em falso na presente edição do Moçambola. Os “canarinhos”, que vinham de uma vitória moralizadora frente ao Ferroviário de Nampula, então líder da prova, tombaram na tarde de ontem aos pés do Estrela Vermelha da Beira, no Chiveve, onde sucumbiram por 1-0.

 

 

Com este derrota os “canarinhos” caem do quinto para o oitavo lugar, com apenas oito pontos em setes jogos, situação que deixam o clube de Matchiki-tchiki cada vez mais atrasado na luta pelo título. Enquanto isso, o Desportivo de Nacala para estar a encontrar-se consigo mesmo.

 

Depois de derrotar o Desportivo de Maputo, semana passada, ontem foi a Nampula empatar sem golos diante do Ferroviário local (que perdeu a liderança para a dupla Liga Muçulmana-Maxaquene), fugindo deste modo da zona da despromoção, onde continuam o Ferroviário de Pemba e Chibuto, que depois de empatarem ontem a uma bola, continuam a ser as únicas equipas que ainda não venceram nesta competição.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 10:09
 O que é? |  O que é? | favorito

 

AS impressões trazidas para este embate davam indicação de que, de facto, teríamos um duelo de gigantes. Isto não apenas pela grandeza ou dimensão das duas equipas, mas pelo estilo de jogo que tem caracterizado estas duas formações e também pela rivalidade entanto que equipas com outras ambições nesta prova.

 

Jogando diante do seu público, que aplaudiu efusivamente a alta exibição e a atitude combativa da sua equipa num jogo aberto, os “tricolores” não brincaram com o serviço. Mas receberam a devida resposta dos “locomotivos” beirenses, que vieram determinados para discutir os três pontos. Aliás, para sair de Maputo com um resultado que lhes alentasse tendo em conta os desfechos negativos nas últimas jornadas. Foi por esta e outra razão que este jogo acabou ganhando o peso e dimensão que ultrapassou as expectativas à sua volta, isto porque as duas equipas actuaram sem receios e traduziram em factos os conhecimentos adquiridos durante a sua preparação, evidenciando-se colectiva e individualmente.

 

Mas diga-se em abono de verdade que quem esteve melhor entre Maurício e Mário, ou seja, as pedras com missões mais nobres (marcar golos) foi o primeiro. Para além de esforço redobrado à busca de golos, o artilheiro “tricolor” acabou fazendo o papel que menos lhe competia. Fez o serviço para Isac finalizar, com uma colocação de mestria do lado esquerdo da grande área para a boca da baliza, onde apareceu o meio-campista “tricolor” a empurrar o esférico para o interior das malhas, no minuto 30. Um tento fortemente aplaudido, mas que abriu uma nova página no rumo da história de jogo, depois de uma entrada um tanto a quanto titubeante das duas equipas.

 

Aliás, o Maxaquene teve mérito no seu sistema táctico, designadamente um meio-campo recheado, que tinha em Abílio e Macamito os alicerces tanto nas missões de apoio à defensiva bem como ao ataque. Assistiu-se a uma batalha que obrigou a “locomotiva” a mudar de estratégias, com o artilheiro Mário a confundir-se certas vezes como ala fugindo deste modo do cerco defensivo. Mesmo assim, as suas solicitações a Nelito encontraram a devida resposta de Narciso e Zabula, que faziam a dupla de centrais.

 

O Maxaquene explorou muito os flancos, sobretudo na primeira parte, aproveitando a velocidade dos seus laterais, nomeadamente Calima e Vling. Maurício e Isac tentaram algumas perfurações mas encontraram dificuldades. E acabou sendo o Ferroviário a arrancar a jogada mais vistosa, quando o “capitão” Maninho fez uma combinação com Mário, que atirou para a defesa incompleta de Simplex.

 

E a resposta “tricolor” não tardou, com Rachide a colocar Maurício em vantagem sobre os “centrais”, tendo valido a saída de Willard, que foi a tempo de desviar o esférico da trajectória da baliza. Nesta fase inicial do embate, a alternância ofensiva foi evidente, mas o Maxaquene já articulava com muita perfeição e jogava à largura do terreno, situação que melhorou ainda com o golo do Isac. Mas o Ferroviário teria ido ao intervalo com empate se Mário tivesse acertado a bola oferecida por Narciso junto à meia-lua, donde atirou ao lado.

 

O espectáculo melhorou na segunda parte, com o Ferroviário da Beira mais leve e tacticamente mais acertado. O Maxaquene soube fechar os caminhos para a sua baliza, com uma cortina intransponível que obrigou a “locomotiva” a tentar penetrar pelos flancos. Mesmo assim, a defesa foi impecável e máquina “tricolor” continuou a carburar, com Maurício a dar de fazer a defensiva beirense com alguns arranques para a área de Willard. Neste período, Abílio teve uma sobra a seguir à marcação dum pontapé de canto, mas o remate foi desviado. Na sequência disso, Rachid rematou cruzado para um desvio defeituoso da defesa que levou a bola ao travessão.

 

A “locomotiva” manteve o ritmo ofensivo com um futebol brilhante, mas não encontrava caminhos para o golo. Infelizmente, Mário não atinou em mais duas ocasiões: não conseguiu evitar, com “chapéu”, a saída de Simplex, que pulou para desviar a bola de cabeça. Depois, não acertou no desvio ao centro de Mfiki, a bola saiu quase a “beijar” o travessão, em cima dos 90 minutos regulamentares.

A equipa de arbitragem teve pequenos erros, mas que não influenciaram no resultado.

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: Luís Jumisse, auxiliado por João Paulo e Luís Lifanice. O quarto árbitro foi Mateus Infante.

MAXAQUENE: Simplex; Calima, Narcísio, Zabula e Vling; Abílio, Moniz, Macamito, Rachide (Betinho) e Isac (Buramo); Maurício (Micas).

FER. BEIRA: Willard; Elísio, Emídio, Cufa e Edson; Maninho, Coutinho (Paíto), Mfiki e Reinildo (Djé); Mário e Nelito (Henry).

DISCIPLINA: cartolinas amarelas para Zabula e Vling (Maxaquene); Elisio e Cufa (Fer. da Beira)

 

SALVADOR NHANTUMBO

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:40
 O que é? |  O que é? | favorito

É. A estrela foi mais cintilante que o sol durante os mais de 90 minutos em que durou o prélio entre o Estrela Vermelha da Beira e o Costa do Sol. Foi, acima de tudo, uma bela partida de futebol em que ambos os conjuntos proporcionaram ao publico presente uma tarda agradável de espectáculo futebolístico com muitas jogadas de belo efeito que, infelizmente, não foram traduzidas em golos.

 

Quando saiu o Costa do Sol este partiu logo para a contra ofensiva na tentativa vã de surpreender o seu adversário e Marcelino aos dois minutos foi chamado a intervir com classe para evitar o golo de Manuelito II.

 

Com ambos os conjuntos mais afoitos, a partida foi desenrolando com jogadas agraveis mas a faltar a pureza na finalidade, ou seja, o tique necessário no momento da finalização em ambas as partes, principalmente pela banca dos beirenses.

 

Aos 24 minutos aconteceu o golo do Estrela Vermelha através do veterano (?) Binó. Jogada de contra-ataque e a bola sobra para o ponta-de-lança dos ‘’alaranjados’’ que com um toque de classe bate Gervásio depois do passe de Zuneide.

 

Depois disso, os ‘’canarinhos’’ correram atrás do prejuízo mas tal não foi possível para alcançar os ‘’policias’’ que já estavam entrincheirados até ao intervalo.

 

No reinício da contenda, o Costa do Sol, ‘’órfão’’ de Arnaldo Salvado no ‘’banco’’ técnico a cumprir um castigo, embora presente no ‘’caldeirão’’, tentou suprir algumas lacunas da etapa inicial mas isso não foi suficiente para contrastar o sistema táctico montado pelo Estrela Vermelha até final da parida.O quarteto comandado pelo árbitro José Maria Rachid esteve correcto durante os mais de 90 minutos, incluindo o tempo de compensação.

 

 

FICHA TÉCNICA

 

E.VERMELHA: Marcelino (Jaime), Paiva, Henriques, Ozias (Pai), Abdul, Zé Rasta, Marcy, Binó (Delfino), Tchocolo, Zuneid e Mário.

COSTA DO SOL: Gervásio, João, Dário, Campira, Dito, Manuelito I (Takap), Manuelito II, Parkim (Rodrigues), Chimango, Ruben (Pulo) e Chikepo.

Amarelos para Zé Rasta e Mário todos do Estrela Vermelha.

 

ANTÓNIO JANEIRO

 

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:33
 O que é? |  O que é? | favorito

ENGARAM-SE, e acima de tudo perderam os que não se fizeram ao Zimpeto na tarde de ontem para ver in loco o Desportivo de Maputo-Ferroviário de Quelimane.

 

Foi uma partida de alto nível, com as duas equipas a jogar de desinibidas, taco-a-taco. Foi por esta razão que o embate foi espectacular, com os primeiros 15 minutos a bola a ser muito disputada ao meio-campo, num equilíbrio total. Saiu-se bem o Desportivo, que conseguiu domar o seu adversário, pelo menos no que às jogadas de golo iminente diz respeito.

 

Lalá num remate á meia-volta (na área) viu Dionísio a lhe negar o golo e logo depois o guardião da equipa de Quelimane voltaria a brilhar num grande remate de Jojó á entrada da área. Aos 19 minutos o mesmo Dionísio proporcionou mais uma boa defesa a um livre directo cobrado por Fred.

 

Era o Desportivo em cima de um adversário que a estas alturas recorria a contra-ataques para chegar à baliza contrária. E foi contra a corrente do jogo que os “locomotivas” chegaram ao golo, Cosme responde de cabeça a um remate-cruzamento ido da esquerda, para fazer o 1-0.

 

A reacção “alvi-negra” foi imediata, Lalá logo no minuto seguinte faz um perigoso remate que sai ao lado e aos 35 minutos, Ibra, na sequência de um livre cobrado por Lanito, diga-se, do endiabrado Lanito, fez um autogolo, era o empate. A cambalhota no marcador esteve nos pés do perdulário Jair que isolado na área ao invés de rematar para baliza, opta por um cruzamento que é interceptado para canto.

 

Com este resultado as duas equipas foram ao intervalo, e no reatamento, o Ferroviário parecia estar disposto a voltar para Quelimane com três pontos no bolso. Cosme (sempre ele) obriga Caio a uma boa defesa, e de seguida, não perdoou. O avançado “locomotiva” é lançado em contra-ataque, bate com facilidade a defensiva “alvi-negra” e foi a tempo de ultrapassar o guardião Caio, antes de fazer o toque final, passavam 56 minutos, segundo golo também na conta pessoal.

 

Em jeito de reposta, Jair de bicicleta remata ligeiramente ao lado, mas o aviso estava dado, porque instantes depois Lanito faz um grande passe para o inconformado Lalá que com um tiro rasteiro à entrada da área restabeleceu o empate.

 

A partir daí tudo só deu ao Desportivo carregado pelo Lanito que num passe de mestre viu Jair deslumbrar-se mesmo depois de evitar o Dionísio não foi lesto para visar com êxito á baliza dos “Locomotivas”.

 

E porque o jogo era acção contra reacção, Joca depois de uma boa combinação com Cosme viu o seu remate de bicicleta a sair caprichosamente por cima. Após esse momento de aflição, o Desportivo respondeu de forma demolidora, o maestro Lanito tira um cruzamento da esquerda e Jair não teve dificuldades para, em plena pequena área, fazer o 3-2, aos 81 minutos.

 

 Já ao pagar das “luzes” Geraldo que entrara a substituir fez aquele que é consensualmente o golo da tarde. Desta vez a jogada nasce do centro do terreno com Ussama a assistir o colega na zona frontal e este depois de galgar alguns metros fez um portentoso remate que não deu quaisquer hipóteses a Dionísio, era o 4-2, aos 88 minutos.

 

O Desportivo regressa às vitórias, e é premiado por ter sido uma equipa lutadora e que sempre acreditou que só se perde quando o árbitro apita pela última vez. O trabalho de António Amiltone não sofre contestações.

 

 

 FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: António Amiltone, auxiliado por José Mhula e Osvaldo de Jesus. Quarto árbitro foi Sérgio Lopes.

DESPORTIVO DE MAPUTO: Caio; Wilson, Sidique, Fred, Jorge, Jojó (Chana), Jair, Lalá (Ernesto), Lanito, Ussama e Mastaile (Geraldo).

FER. QUELIMANE: Dionísio, Belmiro, Ibra, Cleo (Félix), Joca, Leo (Edson), Quaresma, Délcio, Tawinha, Leo e Cosme.

Disciplina: amarelo para Lalá (Desportivo) e para Dionísio (Fer. Quelimane).

 

 

SÉRGIO MACUÁCUA

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:23
 O que é? |  O que é? | favorito

O FERROVIÁRIO de Nampula, depois de nas cinco primeiras jornadas ter somado por vitórias as partidas realizadas, começa agora a perder pontos e consequentemente hipotecar a liderança.Perdeu com o Costa do Sol na sexta jornada e ontem no seu próprio campo consentiu um empate sem abertura de contagem diante do Desportivo de Nacala, até então lanterna vermelha da prova.

 

Antes de falar propriamente sobre o jogo importa destacar a enchente que registou ontem o santuário 25 de Junho. Para além do publico da casa e como foi hábito o ano passado, quando o Desportivo fazia os seus jogos em campo emprestado, vários camiões transportando milhares de pessoas “descarregaram” uma maré de gente o que fez com que nalgum momento o espectáculo fosse mais fora do que dentro das quatro linhas.

 

Aliás, um jogo paco em golos tem sido geralmente fraco em termos de emoção e este não fugiu a regra. Uma primeira parte com o equilíbrio a ser tónica dominante e com o Desportivo de Nacala a gizar mais vezes a baliza contraria. Pareceu que o visitantes vinham decididos a voltar para Nacala com os três pontos na bagagem mas enganou-se quem assim pensou.

 

Depois do intervalo, Rogério Gonçalves operou algumas alterações no seu xadrez e passou a jogar deliberadamente ao ataque a procura do golo que só não surgiu porque o esquema defensivo montado por Akil Marcelino anulou a tudo e todas.

 

Não vimos nesta etapa uma única perdida do Desportivo de Nacala que se instalou no seu meio campo partindo em contra ataque uma e outra vez ante um Ferroviário que tudo fez para marcar mas de forma perdularia.A arbitragem de Dongase e seus auxiliares este bem. Sem margens para reparos.

 

 

FICHA TÉCNICA

 

ÁRBITRO: DionisioDongase, auxiliado por Ali Raja e Raimundo Artur tendo como quarto árbitro Júlio Gonçalves

FERROVIÁRIO DE NAMPULA:Germano; Dondo, Vasil, Ernest e Kalanga; Oscar, Hipo, Skaba (Massaua) e Eboh (Jerry); Vivaldo (Max) e Tony.

DESPORTIVO DE NACALA: David; Rodjas, Idrissa, Candido e Osvaldo; Essien, Zé, Sanito e Sunde (Mitirland); Carvalho (Issufo) e Sissoko (Norberto).

 

 

CARLOS COELHO

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:14
 O que é? |  O que é? | favorito

Fer. Pemba-Chibuto                            (1-1)

Têxtil-Fer. Maputo                              (0-1)

 Estrela da Beira-Costa do Sol            (1-0)

 Fer. Nampula-Desp. Nacala               (0-0)

Desp. Maputo-Fer. Quelimane            (4-2)               

 Maxaquene-Fer. Beira                        (1-0)

HCB-Liga Muçulmana                       (1-3)

 

 

                                         J           V         E          D         B         P

 

LIGA MUÇULMANA          7          5          2          0          16-5     17

Maxaquene                              7          5          2          0          10-2     17

Fer. Nampula                          7          5          1          1          8-2       16

HCB                                        7          3          3          1          7-6       12

Desportivo                              7          2          3          2          10-10   9

Estrela da Beira                       7          2          3          2          4-4       9

Fer. Maputo                            7          2          3          2          7-8       9

Costa do Sol                           7          2          2          3          4-5       8

Fer. Quelimane                        7          2          1          4          8-14     7

Fer. Beira                                7          1          3          3          5-5       6

Têxtil do Púnguè                     7          1          3          3          2-5      6

Desportivo de Nacala            7          1          2          4          3-10     5

Fer. Pemba                              7          0          4          3          4-7       4

Chibuto                                   7          0          4          3          4-9       4 

 

        

Próxima jornada: Liga Muçulmana-Maxaquene, Fer. da Beira-Desportivo, Fer. de Maputo-Fer. de Pemba, Costa do Sol-Têxtil, Chibuto-HCB de Songo, Desp. Nacala-Estrela da Beira e Fer. de Quelimane-Fer. de Nampula

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

publicado por Vaxko Zakarias às 09:08
 O que é? |  O que é? | favorito

ARTUR Semedo já não é treinador do Desportivo de Maputo. A decisão foi tomada na tarde de sábado após uma reunião entre a direcção “alvi-negra” e o técnico, alegadamente porque não havia um bom ambiente de trabalho.

 

Segundo o director de marketing do Desportivo de Maputo, o mau ambiente era entre o treinador e a direcção, bem como entre este e alguns jogadores, tendo acrescentado que não foram os maus resultados ou falta de condições de trabalho que estiveram por detrás da rescisão do contrato com o “mister” que esteve no clube há sensivelmente dois anos.

 

A decisão é extensiva ao seu adjunto Tiago Machaisse. Neste momento a equipa é treinada interinamente por Antero Cambaco, um dos quadros do clube.

 

Esta é a quinta “chicotada” no Moçambola, depois de João Eusébio no Chibuto, António Sábado no Têxtil de Púnguè, Zainadine Mulungo e pouco depois Ivo Gonçalves ambos no Estrela Vermelha da Beira.

 

Em Pemba há indicações de que o técnico Hilário Manjate poderá deixar a equipa a qualquer momento, depois de se ter reunido com a direcção do clube nas vésperas do jogo de ontem, para discutir a rescisão.

 

 

 

Fonte:Jornal Noticias

 

publicado por Vaxko Zakarias às 08:51
 O que é? |  O que é? | favorito
Maio 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
tags

todas as tags

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
Joga se hoje em Lichinga ataça de Moçambiqui as fo...
Eu acho que já é o momento para a Federação Moçamb...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
MANOSTAXXMapa Europeu dos Salarios por Paíshttps:/...
Para auxiliar no treino nada melhor do que receita...
Entao e em 2016 nao havera????
Gostaria de salientar que a tentativa de mínimo nã...
blogs SAPO